Opiniões

Geração de 1973, retrato de uma galera

Na última terça, meu irmão Christiano ligou à minha sala, dizendo que estava pensando em também escrever algo sobre Marcos Ribeiro Gomes, falecido trágica e precocemente na última sexta, e para quem, naquele mesmo dia, eu já havia escrito um artigo publicado no sábado seguinte, na Folha. Dei toda força, seja porque Christiano teve uma amizade muito mais íntima com Marcos, sobretudo em nossa vida adulta, seja porque o estilo do meu irmão, por mais sintético e objetivo, é integralmente diverso aos floreios poéticos com que tento camuflar a probreza da minha prosa.

Ontem, como estava em outro município e sem acesso à Internet, pedi que ele me lesse ao telefone o seu texto, após concluí-lo, o que fez não sem embargar a voz algumas vezes do outro lado da linha. Lendo-o hoje no papel, confesso ter me emocionado ainda mais do que na audição, não só pelo retrato bem traçado de uma geração de brilho, da qual Marcos e Christiano foram (e são) expoentes, como pelo constatação de que, em narrativas distintas, eu e meu irmão compusemos um mesmo argumento à toda vida reafirmada nessa morte vivida.

Hoje, às 19h30, na Capela do Auxiliadora, será celebrada a missa de sétimo dia de Marcos. No meu modesto entender, não há convite melhor, do que o texto do meu irmão, para oração coletiva pela memória de um amigo. Não por outro motivo, vamos a ele, publicado aqui, neste Opiniões, antes do que no Ponto de Vista, primeiro blog a publicar meu texto anterior sobre Marcos…    

 

O melhor de todos

Christiano Abreu Barbosa

Entrei na Escola Santo Antônio, em 1980, com 6 anos, para cursar a hoje antiga 1ª série. Na escola comandada pela professora Vilma Tâmega, onde atualmente funciona o Hortifruti, conheci Marcos Ribeiro Gomes.

 Desta época, lembro de um aniversário dele, no casarão da rua Doutor Olímpio Pinto. Criado em apartamento desde que nasci, fiquei impressionado com o espaço que a casa proporcionava para o corre-corre de nós crianças.

Do Santo Antônio, fui estudar no Liceu, em 1984, onde encontraria César Boynard e Juliana Carneiro. Marcos foi estudar no Auxiliadora, no mesmo ano, onde encontrou Rafael Abud, Felipe Marins, Maron El Kik, Heitor Campinho, Rodrigo Damiano e Luiz Rodrigo.

Nos encontraríamos de novo em 1988, no Colégio PA, onde todo esse grupo, então com 14 anos, se reuniu em uma mesma turma letiva, unindo alunos vindos do Liceu e do Auxiliadora, antagonistas entre educação pública e privada, na época em que a educação do estado a nível de 1º grau competia com a particular.

Para completar a diversidade da turma, o português Luís Vieira, que encontraria em Marcos e sua família a sua calorosa acolhida no nosso país, Eugênio Moraes, Leonardo Gama e Erasmo Jr, entre outos.

A liberdade que o modelo de ensino do PA trazia para Campos, aliado ao bom nível dos professores, muitos vindos de fora, ajudou a formar a cabeça desta promissora turma, na qual Marcos se destacava.

Os intensos três anos passados no PA, no período efervescente da adolescência, uniram um grupo que depois jamais se separaria, ainda que nunca mais estudassem juntos novamente. Ali foi formado o apelido juvenil desta turma, que é mantido até hoje, apesar dos cabelos já grisalhos e das entradas proeminentes: galera.

A bem da verdade, Marcos somente estudou no PA por um ano e meio. Ele fez intercâmbio nos EUA por seis meses e no último ano foi estudar no Rio, visando sua preparação para o vestibular.

Estudioso, responsável e inteligente, Marcos passou com louvor para engenharia civil na concorrida UFRJ. Como ele, a grande maioria da galera passou em vestibulares para o Rio. Na época, as opções em Campos se restringiam a Medicina, Direito, Odontologia e Comunicação Social.

A união dos tempos de PA prosseguiu no Rio, que foi berço de grande lapidação de nossa formação, com todas as suas possibilidades. O contato com outros valores, diferentes dos encontrados em nossa cidade, nos deu uma amplitude de visão maior do que a média local.

No Rio vivemos amores, desamores, andamos de ônibus, andamos de carro, estudamos, nos divertimos, estagiamos, trabalhamos. Vivemos juntos os arroubos da juventude.

Pouco a pouco, a maioria retornou a Campos, após estarmos formados. Em novembro de 1999, Marcos se casou com Ana Lúcia, que seria sua grande companheira de vida. Sempre discreto, ele fez a cerimônia na casa de seu pai, em linda festa.

Em 2002, nasceu Daniel, seu primeiro filho. A nova família se completaria em 2008, com a chegada de Tomás. Nós todos vivenciamos, juntos, as etapas da vida: casamento, casa própria, rebentos e crescimento profissional. Jamais perdemos contato, tendo em Marcos um dos principais elementos agregadores, e ainda tivemos alguns importantes acréscimos.

No plano profissional, ele vinha conduzindo a Conenge Engenharia com extrema competência, levando-a a ser a principal referência nos grandes condomínios verticais da cidade, em parceria com a Cyrela, a principal construtora do país.

Na última quinta-feira, estava saindo do jornal para buscar a minha mulher e pegarmos a última sessão do cinema. O celular tocou e soube do acidente. Rumo ao Ferreira Machado. Dentro do hospital, tive o meu último contato com ele. No dia seguinte, já no Beda, recebemos, em nossa vigília no saguão, a inesperada notícia do seu falecimento.

Pela união e história de vida conjunta, acabamos todos nos tornando uma segunda família uns dos outros. Somos irmãos de vida, ainda que não tenhamos esta lacuna em nossas famílias.

A nossa perda não foi só de um amigo, foi de um irmão, o que tornou ainda mais sofrida a despedida, até então inédita entre nós. Na dor e na busca de explicações onde não há, o alento veio no belo texto de Aluysio, meu irmão, e de uma senhora loura, que cantou bonitos hinos no velório.

Nas intermináveis horas que se seguiram, a busca por explicações insistia em continuar. Olho para Bárbara, há cinco meses no ventre de minha esposa. Vejo Maria Luiza, a menos de um mês de ter Maria Júlia. Chega o pequeno Tomás e com ele os traços e a continuação do DNA do pai, além dos caracóis do cabelo narrados em prosa por Aluysio. Ouço Vitória, minha filha de 11 anos, contar que na sexta-feira, dia do falecimento de Marcos, teve a sua menarca.

A própria vida se encarrega de mostrar que ela é um ciclo e que estamos aqui somente de passagem.

Na nossa breve despedida, cujos laços se perpetuarão em sua esposa e filhos, decidimos, lembrando a retidão de caráter e a pureza de alma de Marcos, colocar uma frase em nossa coroa de flores em sua homenagem, que o sintetiza: “Ao melhor de todos. Saudades da galera”.

 

Atualização às 16h23, após correções feitas por Christiano.

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 3 comentários

  1. Caro Paulo Vitor,

    Nós, como “Joãos Batistas” que lhes abrimos caminhos, podemos afirmar isso com alguma certeza…

    Abraço!

    Aluysio

Deixe uma resposta

Fechar Menu