Opiniões

Versos do domingo — Machado de Assis

Desde quando ele vivia, muito já se falou que, enquanto poeta, Machado de Assis (1839/1908) nunca chegou perto do que foi como romancista. Pode até ser, mas mesmo à sombra gigantesca da sua prosa, até que conseguiram vingar à luz alguns versos bem interessantes. Os escolhidos para bater ponto no domingo, dia em que o blog é espaço cativo à poesia, integram o livro “Crisálidas”, só de poemas, pubicado em 1864 e dedicado ao pintor de paredes mulato Francisco José de Assis e à lavadeira açoriana Maria Leopoldina da Câmara Machado, pais do autor. O poema trata de um amor platônico, com claros ingredientes sado-masoquistas, consumado na abstração machadiana escravizada pela última farani do Egito antigo, Cleópatra VII (70 a.C./ 30 a.C.), da dinastia macedônia dos Ptlomaicos (ou Lágidas), amante dos maiores homens do seu tempo…

 

 

“Cleóptara”, óleo sobre tela de 1888, de John William Waterhouse
“Cleóptara”, óleo sobre tela de 1888, de John William Waterhouse

 

Cleópatra

Canto de um escravo

 

Filha pálida da noite,

Nume feroz de inclemência,

Sem culto nem reverência,

Nem crentes e nem altar,

A cujos pés descarnados…

 A teus negros pés, ó morte!

Só enjeitados da sorte

Ousam frios implorar;

 

Toma a tua foice aguda,

A arma dos teus furores;

Venho c’roado de flores

Da vida entregar-te a flor;

É um feliz que te implora

Na madrugada da vida,

Uma cabeça perdida

E perdida por amor.

 

Era rainha e formosa,

Sôbre cem povos reinava,

E tinha uma turba escrava

Dos mais poderosos reis.

Eu era apenas um servo,

Mas amava-a tanto, tanto,

Que nem tinha um desencanto

Nos seus desprezos cruéis.

 

Vivia distante dela

Sem falar-lhe nem ouvi-la;

Só me vingava em segui-la

Para a poder contemplar;

Ea uma sombra calada

Que oculta fôrça levava,

E no caminho aguardava

Para saudá-la e passar.

 

Um dia veio ela às fontes

Ver os trabalhos… não pude,

Fraqueou minha virtude,

Cai-lhe tremendo aos pés.

Todo o amor que me devora,

Ó Vênus, o íntimo peito,

Falou naquele respeito,

Falou naquela mudez.

 

Só lhe conquistam amôres

O herói, o bravo, o triunfante;

E que coroa radiante

Tinha eu para oferecer?

Disse uma palavra apenas

Que um mundo inteiro continha:

— So um escravo, rainha,

Amo-te e quero morrer.

 

E a nova Ísis que o Egito

Adora curvo e humilhado

O pobe servo curvado

Olhou lânguida a sorrir;

Vi Cleópatra, a rainha,

Tremer pálida em meu seio;

Morte, foi-se-me o receio,

Aqui estou, podes ferir.

 

Vem! que as glórias insensatas

Das convulsões mais lascivas,

As fantasias mais vivas,

De mais febre e mais ardor,

Tôda a ardente ebriedade

Dos seus reais pensamentos,

Tudo gozei uns momentos

Na minha noite de amor.

 

Pronto estou para a jornada

Da estância escura e escondida;

O sangue, o futuro, a vida

Dou-te, ò morte, e vou morrer;

Uma graça única — peço

Como última esperança:

Não me apagues a lembrança

Do amor que me fêz viver.

 

Beleza completa e rara

Deram-lhe os numes amigos;

Escolhe os teus castigos

O que infundir mais terror,

Mas por ela, só por ela

Seja o meu padecimento,

E tenha o intenso tormento

Na intensidade do amor.

 

Deixa alimentar teus corvos

Em minhas carnes rasgadas,

Venham rochas despenhadas

Sôbre meu corpo rolar,

Mas não me tires do lábios

Aquêle nome adorado,

E ao meu olhar encantado

Deixa essa imagem ficar.

 

Posso sofrer os teus golpes

Sem murmurar da sentença;

A minha ventura é imensa

E foi em ti que eu a achei;

Mas não me apagues na fronte

Os sulcos quentes e vivos

Daqueles beijos lascivos

Que já me fizeram rei.

 

   

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe uma resposta

Fechar Menu