Opiniões

Presidente da AIC analisa a cultura da “Era dos Royalties”

Jornalista, escritor e presidente da Associação de Imprensa Campista (AIC), Vitor Menezes acredita que a política pública de cultura do governo Rosinha Matheus é a mesma das gestões Arnaldo Vianna e Alexandre Mocaiber, no que denominou como “Era dos Royalties”. Embora concorde com as críticas mais fortes feitas pelo colega Ricardo André Vasconcelos, em outra entrevista na Folha Dois com foco cultural, e tenha considerado “infelizes” algumas declarações da presidente da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL), Patrícia Cordeiro, numa entrevista recente em outro jornal, Vitor não considera o comportamento dos gestores públicos locais uma exceção. No entanto, criticou esse comportamento, cobrou promessas e propôs mudanças, entre elas a descentralização administrativa da cultura goitacá. Para ele, o maior crime cultural cometido nos últimos anos em Campos, “empreendido no âmbito dos interesses privados”, foi o “assassinato do jornal Monitor Campista”, no qual era articulista aos domingos.

(Foto de Rodrigo Silveira/Folha da Manhã)
(Foto de Rodrigo Silveira/Folha da Manhã)

Folha Dois – Qual sua opinião sobre a cultura de Campos e as discussões que sobre ela têm se dado?

Vitor Menezes – Tenho acompanhado à distância, mas considero muito produtivo que este debate se dê. Campos por vezes se assemelha a um deserto, uma província conservadora com cada um cuidando dos seus mexericos e interesses menores, satisfeitos com as suas fotos nas colunas sociais, e então vez por outra algo significativo se move na paisagem. E aí a gente se anima de novo. Parece até que este é o sentido de ficar por aqui: estar a postos para quando se dá alguma oportunidade de oxigenação. No entanto, há um dado desalentador quando se percebe que uma discussão tão séria e necessária como esta sempre se torna vítima da polaridade crônica que as prefeituras de cidades médias e pequenas exercem no cenário local, com a consequente partidarização e “fulanização” dos temas. Como presidente da AIC, creio que seja minha obrigação lembrar, por exemplo, que o maior crime contra a cultura de Campos cometida nos últimos anos foi o assassinato do jornal Monitor Campista, empreendida no âmbito dos interesses privados, como ocorreu com o antigo Trianon, e sob inexplicável omissão do poder público. Não houve situação, oposição ou qualquer outra força social que percebesse a gravidade do que estava ocorrendo. Permitimos que uma publicação de quase duzentos anos se perdesse. Uma cidade assim vai demorar a poder falar seriamente sobre cultura.

Folha – Em comentário nas redes sociais, você afirmou assinar embaixo de tudo do que disse o também jornalista Ricardo André Vasconcelos, na entrevista dele (aqui) sobre a cultural local. Tudo não é muita coisa?

Vitor – Embora, claro, eu tenha lido a entrevista, em se tratando de Ricardo André a gente poderia concordar até sem ler. Ele é um dos mais íntegros jornalistas que conheço e seu espírito público é o que falta em muitos políticos. Creio até que seria um bom vereador, se ainda houvesse ambiente político na cidade para eleger gente como ele. Uma das maiores satisfações profissionais que tenho foi ter dividido com ele a, digamos, bancada do programa “Mercearia Campista”, que fazíamos na Mult TV.

Folha – O lead daquela entrevista foi definido numa declaração forte do Ricardo: “Cultura no governo Rosinha, só o da gastança”. Ainda que, diferente dele, você não se mostre, enquanto blogueiro, afeito à conferência das despesas municipais publicadas em Diário Oficial, o que pensa sobre essa sentença?

Vitor – De fato não tenho a paciência que o Ricardo tem para os números municipais, o que é apenas uma das minhas muitas falhas profissionais. Mas não é difícil concordar e fazer apenas um adendo: essa também foi a cultura de todos os governos que antecederam ao atual, se tomarmos o período da Era dos Royalties do Petróleo. Ou alguém pode se esquecer do que foi o governo Arnaldo, ou o governo Mocaiber? Mais uma vez, reduzir a questão ao simulado duelo entre oposição e situação em Campos é improdutivo sob o ponto de vista analítico. Padecemos há décadas de um ambiente transparente.

Folha – Outra denúncia forte do Ricardo foi afirmar que a política de shows da Prefeitura é pensada e executada no sentido de se levar pessoas às ruas para criar um clima permanente de campanha. Vê da mesma maneira?

Vitor – É engraçado como o óbvio em Campos às vezes soa como “denúncia forte”. O Ricardo só falou o que todos sabemos. Só que, infelizmente, torna-se mais uma vez necessário o adendo de que essa não é uma exclusividade de Campos e nem mesmo do atual governo, o que de forma alguma abona a cidade e a sua gestão do momento, mas abre a perspectiva para pensarmos porque as coisas funcionam deste modo e o que temos feito ou deixado de fazer para reagirmos.

Folha – Ricardo também afirmou ser necessário “despatricizar” a discussão da cultura goitacá. Em sua visão, qual o limite entre a política cultural do governo Rosinha e seu cumprimento por quem foi tornado único poder central da cultura municipal, a partir da última reforma administrativa?

Vitor – Se há tanta insistência em focar a análise no governo Rosinha, o que é até compreensível em virtude dele ser o que está em curso, prefiro então outra ferramenta: a análise do Plano de Governo apresentado pela então candidata ainda para o seu primeiro mandato. Há, nele, 20 itens na área da Cultura. Sugiro à Folha, como pauta, verificar o que dali foi feito, o que não foi feito e o que foi feito parcialmente. Há, de fato, itens onde houve avanço, como a “reestruturação do Carnaval” e a conclusão do restauro do Museu de Campos, ainda que se possa fazer críticas a aspectos que envolvam a ambos. Mas há outros que não, como a “reedição de obras antológicas” de Lamego e outros autores, ou o aproveitamento das antigas estações ferroviárias. E há ainda os que poderiam ficar na categoria do “parcialmente”, como a Bienal do Livro, que tem o mérito de continuar a ser realizada, o que em si mesmo é uma conquista, dado o histórico de rupturas de projetos entre governos, mas que ainda precisa melhorar para atingir níveis propostos pelo próprio plano de governo apresentado.

Folha – Fica mais difícil atender essa “despatricização” quando a presidente da FCJOL concede uma entrevista em outro jornal (aqui), em resposta clara a esta série de entrevistas da Folha Dois, e já abre dizendo: “Eu não estou aqui para me defender, não preciso disso e nem o governo”?

Vitor – É uma frase lamentável. Infeliz mesmo. Talvez ela mesma repense isso em algum outro momento. Mas o fato é que a cultura política que temos é essa: o gestor público brasileiro, de modo geral, se considera em condição de mando, não na condição de subalterno dos interesses maiores da cidadania. Então cunha expressões como essas, como se não precisasse prestar contas, demonstrando um fastio em relação às cobranças e sempre utilizando a estratégia de tentar desqualificar quem o questiona. E em Campos, terra onde a herança escravocrata se faz tão presente, não haveremos de nos surpreender com arroubos autoritários, tanto no poder público quanto nas empresas, nos condomínios, nas relações domésticas.

Folha – Numa outra entrevista da presidente da FCJOL, dada anteriormente a um site local (aqui), ela havia afirmado que “todas as vertentes da cultura têm sido atendidas”, ao que outro entrevistado da Folha Dois, o diretor de teatro Antonio Roberto Kapi, respondeu com veemência (aqui): “É mentira!”. Como saber quem está mais próximo à verdade?

Vitor – O problema é o conceito de “atendida”, que é parente próximo do conceito de “clientela”. O governante, até por razões eleitorais, pode ser tentado a acreditar que seu papel é “atender” às demandas que lhe são apresentadas, sofregamente, de mo-do a deixar o máximo de setores contemplados, sem que se tenha uma noção de conjunto e um planejamento democrático e plural, que é fruto do debate republicano, não dos pedidos de gabinete. Por isso, uma das propostas que a Associação de Imprensa Campista fez na audiência da Lei Orgânica do Município foi justamente a dos editais da Cultura, para tornar impessoais essas relações e não tratarmos mais de “atendimentos”. Agora mesmo, na ausência de uma política de editais, a própria AIC e a Academia Campista de Letras se vêem na condição de proponentes de um projeto, feito à Secretaria de Desenvolvimento e Turismo, de criação do que estamos chamando de “FDP!”, Festival Doces Palavras, uma feira nos anos ímpares que misture a cultura do doce com a produção literária, em um local aberto e de modo mais informal que uma Bienal, que seria mantida nos anos pares. Não gostaríamos que uma sugestão como esta, que é para toda a cidade e para as futuras gerações, fosse reduzida ao “atendimento” de uma clientela. Tenho muita esperança que esta ideia dê certo e que sobreviva a qualquer falso debate entre oposição e situação, como de forma positiva ocorreu com a Bienal.

Folha – Um ponto unânime não só entre Ricardo e Kapi, mas também para os professores Artur Gomes (aqui), Adriano Moura (aqui), Deneval de Azevedo Filho (aqui), Arthur Soffiati (aqui), Cristina Lima (aqui) e Cristiano Pluhar (aqui), além do diretor teatral José Sisneiro (aqui), é a crítica à centralização administrativa de toda a política cultural de Campos na presidência da FCJOL. Para você, essa concentração de poder merece ser revista?

Vitor – Sim, precisa ser revista. Pelos evidentes perigos anti-democráticos que qualquer centralização oferece. Mais que isso: não foi devidamente explicado o esvaziamento das funções da natimorta secretaria de Cultura, que manteve o professor Orávio de Campos, uma referência a quem respeito e a quem a cidade deve muito, extremamente limitado em suas possibilidades de ação, até a extinção relâmpago da pasta.

Folha – Como encarou não só a negação, pelo rolo compressor governista, do pedido de audiência pública para debater a cultura de Campos (aqui), como a retirada da assinatura do seu pedido, na última hora, pela vereadora da situação Auxiliadora Freitas (PHS), em sequência ao esvaziamento da sessão do dia anterior, comandado (aqui) pela vereadora Linda Mara (PRTB), personagem também atuante nos corredores do Palácio da Cultura?

Vitor – Compreensível sob o ponto de vista do jogo menor da política, como estratégia para não legitimar um movimento feito pelo oponente, ao assumir uma agenda ditada por ele. Acontece todo dia, em todas as esferas de poder. E lamentável sob o ponto de vista da oportunidade que se perde para que se faça um debate democrático, no caso, sobre a cultura local. Foi mais um sintoma da má apropriação da questão pela armadilha da disputa entre oposição e situação.

Folha – Como a presidente da FCJOL propôs, em sua última entrevista, dá para resumir toda a discussão sobre a cultura com a exibição de um vídeo na Câmara, mas só “quando ficar pronto”, com as realizações do governo Rosinha no setor?

Vitor – Isso não seria debate. Seria propaganda. Não creio que a presidente da Fundação Cultural tenha realmente pretendido dizer isso. Deve ter se expressado mal.

Folha – Como a experiência do Cine Jornalismo da Aic, na exibição e debate de filmes com temas pertinentes à categoria, ao longo dos últimos cinco anos, tem contribuído com a atividade cultural da cidade? Acredita que essa experiência, como a de outros cineclubes, poderia servir de exemplo para as políticas públicas de cultura do município?

Vitor – O Cine Jornalismo AIC é muito específico e contribui pouco, mas é algo que fazemos com nossas parcas possibilidades, em cumprimento da nossa vocação institucional de promover o debate permanente sobre o papel do jornalismo e da comunicação. Tem sido um espaço mensal muito rico em discussões sobre a nossa realidade, inclusive cultural. Mas esperamos que nossa contribuição maior, junto com a Academia Campista de Letras, outras instituições e o próprio poder público, venha mesmo a ser o Festival Doces Palavras. Esta é uma grande aposta nossa. Sua pergunta também me dá oportunidade para ponderar sobre o que podem fazer outros agentes na área da cultura, para não ficarmos apenas nesta eterna lamentação sobre as ausências da Prefeitura. Na área do audiovisual, que você cita, por exemplo, a nossa realização é baixíssima, mesmo com instituições como a Uenf, que nos deve até hoje uma Escola de Cinema, e a UFF, que tem um curso de Cinema em Niterói. Na área privada, o que fazem os bancos no município além de nos cobrarem tarifas? Onde está a Caixa Cultural? Por que não temos um Centro Cultural Banco do Brasil? Ou um Itaú Cultural? E as empresas de telefonia? Quando houve aqui uma mostra do OI Futuro? Uma exceção recente ocorreu com a Ampla, ainda assim com o seu evento episódico, e não com uma política de investimento local permanente na área. Pegue qualquer política cultural pública bem sucedida e verá que ela se deu em uma ambiência privada favorável. Ainda estamos por fazer isso aqui.

Folha – Pergunta de Soffiati agregada (aqui) à pauta geral: se você fosse convidado a organizar o setor cultural de Campos, quais seriam as suas ações?

Vitor – Gostaria mesmo é de um dia ver um Soffiati organizando o setor cultural de Campos. Mas para não fugir da pergunta, creio que experimentaria uma democracia radical. Todo fim de tarde o Palácio da Cultura seria uma audiência pública. A Câmara de Vereadores nem precisaria convocar uma. Tenho maior vocação assembleística, herança dos meus tempos de movimento estudantil. Ia gostar mais de estar com os Cabruncos Livres no Jardim São Benedito discutindo os rumos da cultura do que engravatado buscando recursos em Brasília, até mesmo porque buscaria recursos com projetos consistentes e em relações institucionais. Falando um pouco mais sério, há também um certo cacoete  autoritário na noção de que cultura se “organiza”. Há, no máximo, a criação de uma plataforma de ações que estimulam a criação, a pluralidade, a preservação da memória, a inclusão, o espírito artístico, a produção, a livre manifestação. E isso deve perpassar todas as áreas de um governo, porque cultura é algo grande demais para caber em uma pasta de cultura. Se o burocrata da área de finanças não entender a importância que a cultura tem para uma cidade, não vai funcionar, e assim também com outras secretarias. Cabe então ao governante ter essa sensibilidade maior, de tocar o governo neste sentido. Um belo exemplo é Berlim, que está desbancando Paris e Londres como nova referência cultural da Europa, justamente porque uma geração identificou que a cultura os redimiria e entendeu o valor de cada músico de esquina, de cada bar, de cada figuraça, de cada alma criativa, e adotou como slogan a admissão de ser uma cidade pobre, mas sexy, o que anda tão distante de Campos, uma cidade careta com sucessivos governos caretas.

Folha – Tendo como tema o atual cenário da cultura goitacá, se tivesse que traduzi-lo num conto, como seriam o início e o final?

Vitor – Seria difícil escapar do realismo mágico, especialmente na terra de José Cândido. Para caber numa resposta, prefiro então arriscar um mini-conto:

Escolha inevitável

Caminhando sobre o dique do rio Paraíba, braços abertos na aerodinâmica do vento nordeste, ele oscilava entre se atirar na água, e ganhar o Atlântico, ou se jogar no asfalto da XV de Novembro, e morrer atropelado por uma van Centro-Nova Brasília sob a Ponte Rosinha. Tomou a sua decisão quando passou pelo Teatro de Bolso. E você, que estava lá, sabe qual foi.

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 3 comentários

  1. Vitor Menezes é uma das vozes que escuto e respeito dentro deste limitado universo que se propõe discutir Cultura, na completa acepção da palavra. Sempre lúcido em suas colocações, sua fala é desprovida de raiva ou ódio, ele sempre fala sem estar com a faca nos dentes e isso é para lá de bom, sua visão do processo, além de lúcida como disse antes, é holística. Eu tenho também uma visão particular do que é Cultura, talvez pela minha formação humanista, estudei e me formei na Escola Nacional de Belas Artes, lá pelos idos dos meados dos anos setenta, em plena ditadura militar, quando era impensável se fazer, fiz, fizemos um movimento que foi ocupar a Cinelândia, montando toda um estrutura de funcionamento das nossas oficinas de pintura, gravura e design, levando a discussão do que era Arte, para as ruas, lá, a gente se revesava, dormindo, se é que se pode dizer que dormíamos em redes, durante vários dias, entendíamos e entendemos que assim deve ser a Cultura produzida na Academia sustentada pelo dinheiro público, ela deve se tornar pública. Aqui, em Campos dos Goytacazes, ela está limitada à uma política (se é que podemos assim classificar) de eventos (alguns de cunho duvidoso e questionáveis) que atraiam as massas e nada acrescentam do ponto de vista cultural e digo isso com algum conhecimento de causa, com algum conhecimento acadêmico, mas tudo isso que escrevi, se resume no seguinte: esse espaço aqui dedicado à discussão do tema Cultura, está cada vez mais pródigo em qualidade de debatedores, parábens ao Blog, parabéns aos blogueiros.

  2. Li no papel (sempre o papel…rs). Vitor Menezes, se mantém como de costume: olhar acurado. Ele tem razão, vivemos só o agravamento de uma situação crítica na Cultura em Campos. Fazendo uma retrospectiva mental, desde que aqui cheguei, em 1982, sinceramente pouco mudou enquanto à inexistência de política cultural perene. O que mudou foi a grana, infinitamente mais farta para a prefeitura com os bilhões dos royalties. Da parte da sociedade mudou o ânimo. A relação, me parece ter sido paternalista, desde muito patrimonialista e nas últimas décadas de um fisiologismo populista escancarado. Estive governo, por um tempo nesse período, dele não me excluo. Fizemos ótimas ações, estou certa de que sim. Acima de tudo realizamos gestão mais democrática, sem pavor do debate aberto, tanto que puxamos a 1ª Conferência Municipal de Cultura, em momento que não nos cobravam, mas, nós nos exigíamos assim. Criamos o Conselho Municipal de Cultura, paritário, sem chapa branca. No entanto, como não reconhecer o tanto de pífio feito nos eventos de entretenimento popular?
    Quando algo acontece na Cultura local, é pontual, aquém de uma cidade média, com a história da nossa. Temos gente – com as universidades instaladas construímos renovada massa crítica – e hoje uma administração pública que não alcança (estou convencida disto) o dinamismo da vida cultural campista e mais ainda da universal. Aqui estamos conectados. O mundo mudou, a arte é a saída, mas, esta questiona, coloca em cheque políticas menores. Vitor tocou na ferida, ” O problema é o conceito de “atendida”, que é parente próximo do conceito de “clientela”. Mais uma boa entrevista da série. Corajosa a atitude da Folha da Manhã ao fomentar o temido debate, sem montagem. Nos cabe, não baixar a cabeça e continuar a crença em nosso potencial transformador. Bravo!

  3. Estou mais que convencido que é muito fácil e bom falar de cultura em nossa cidade. No momento estamos concordando com quase tudo que é dito sobre a falência da cultura pública em nosso município. Peço permissão ao nobre jornalista Vitor Menezes, para discordar das colocações feitas, associando a cultura dos governos de Arnaldo e Mocaiber ao atual governo. Em alguns pontos são possíveis algumas semelhanças. Mas seja na era dos Royaltis ou não, o artista quer que haja investimento nele. Investir na rede física é também importante, mas, preciso concordar com Luciana Portinho, em outros tempos a cultura era mais humanizada. Havia um respeito maior com o humano.

Deixe uma resposta

Fechar Menu