Opiniões

Primeiro tempo sem gols, mas com duas defesas difíceis do goleiro do México

Tecnicamente, foi um primeiro tempo bem abaixo do que contra a Croácia. Diferente desta, a seleção do México abriu mão de disputar o jogo no meio, preferindo se defender na sua metade do campo e explorar os contra-ataques, com apoio dos seus laterais, sobretudo o esquerdo Layun, na tentativa de explorar a velocidade e habilidade dos seus homens de frente: Giovanni dos Santos e Peralta. Também com apoio dos seus laterais, o Brasil aceitou o convite e tentou atacar, obrigando Ochoa a duas defesa difíceis. A primeira aos 25 minutos, numa forte cabeçada de Neymar, após cruzamento de Daniel Alves da direita, que o goleiro tirou rente à trave esquerda, em cima da linha do gol, como mostrou depois o tira teima eletrônico da Fifa. A outra, aos 43, num chute à queima roupa de Paulinho, dentro da área, após um passe de peito do zagueiro Thiago Silva.

Emboda com menos trabalho, Júlio César também fez uma defesa difícil, aos 23, ao desviar com a ponta dos dedos o chute forte de fora da área do meia Herrera, ao 23. Ramires, que como previsto substituiu Hulk, não teve boa atuação e tomou um merecido cartão amarelo aos 44, após fazer falta dura. No seu lugar, o Brasil voltou ao segundo tempo com Bernard, na promessa de um time mais ofensivo.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe uma resposta

Fechar Menu