Opiniões

Sem coincidências: Lula, de esperança à forte ameaça à democracia

Na reprodução de textos de opinião, colhidos das fontes mais diversas, vistos como fundamentais à tentativa de compreensão da delicadíssima situação do Brasil desgovernado pelo PT, este “Opiniões” se limita a transcrevê-los, sem nenhum adendo de texto que vise interferir na relação entre você, leitor, e a fonte primária. Nesta manhã, porém, após ler o artigo principal do sempre necessário Blog do Noblat, feliz foi a surpresa ao constatar que tudo que foi dito hoje pelo experiente jornalista, tratou-se de uma extensão com palavras do mesmo que já havia sido sintetizado em imagens neste blog, no último sábado, em postagem intitulada “Os filhos da puta por si próprios”.  De fato, a ladroagem e a incompetência dos donos do poder no Brasil chegou a tal ponto, que é mesmo difícil para qualquer ser pensante concluir algo diferente.

Confira aqui e na reprodução abaixo e tire as suas próprias conclusões:

 

 

Lula no ato da ABI (Imagem: Marcos de Paula / Estadão)
Lula no ato da ABI (Imagem: Marcos de Paula / Estadão)

 

 

Jornalista e blogueiro Ricardo Noblat
Jornalista e blogueiro Ricardo Noblat

Lula, de esperança à forte ameaça à democracia

Por Ricardo Noblat

 

O que leva Dilma, aos 67 anos de idade, a ser tão rude com seus subordinados? A pedido de quem me contou, não revelarei a fonte da história que segue.

No ano passado, ao ouvir do presidente de uma entidade financeira estatal algo que a contrariou, Dilma elevou o tom da voz e disse:

– Cale a boca. Cale a boca agora. Você tem 50 milhões de votos? Eu tenho. Quando você tiver poderá ocupar o meu lugar.

Dilma goza da fama de mal educada. Lula, da fama de amoroso. Não é bem assim. Lula é tão grosseiro quanto ela. Tão arrogante quanto.

Eleito presidente pela primeira vez, reunido em um hotel de São Paulo com os futuros ministros José Dirceu, Gilberto Carvalho e Luís Gushiken, entre outros, Lula os advertiu:

– Só quem teve voto aqui fui eu e José Alencar, meu vice. Não se esqueçam disso.

Em meados de junho de 2011, quando Dilma sequer completara seis meses como presidente da República, ouvi de Eduardo Campos, então governador de Pernambuco, um diagnóstico que se revelou certeiro.

“Dilma tem ideias, cultura política. Mas seu temperamento é seu principal problema”, disse ele. “Outro problema: a falta de experiência. E mais um: tem horror à pequena política. Horror”.

Na época, Eduardo era aliado de Dilma. Nem por isso deixava de enxergar seus defeitos.

“Dilma montou um governo onde a maioria dos ministros é fraca”, observou. “Todos morrem de medo dela. No governo de Lula, não. Ministro era ministro. Agora, é serviçal obediente e temeroso. Lula não pode fingir que nada tem a ver com isso. Afinal, foi ele que inventou Dilma”.

Lula não perdoa Dilma por ela não ter cedido a vez a ele como candidato no ano passado. Mas não é por isso que opera para enfraquecê-la sempre que pode.

Procede assim por defeito de caráter. Com Dilma e com qualquer um que possa causar-lhe embaraço.

Se precisar, Lula deixa os amigos pelo meio do caminho. Como deixou José Dirceu, por exemplo. E Antonio Palocci.

Pobre de Dilma quando Lula se oferece para ajudá-la.

Na última quarta-feira, ele jantou com senadores do PT. Ouviu críticas a Dilma e a criticou. No dia seguinte, tomou café da manhã com senadores do PMDB. O pau cantou na cabeça de Dilma.

Tudo o que se disse nos dois encontros acabou se tornando público. Em momento de raro isolamento, Dilma precisa de muitas coisas, menos de briga.

Pois foi com o discurso belicoso de sempre, do nós contra eles, do PT e dos pobres contra as elites,  que Lula participou de um ato no Rio em favor da Petrobras.

Sim, da Petrobras degradada nos últimos 12 anos pelo PT e seus aliados.

Pediu que seus colegas de partido defendessem a empresa e se defendessem da acusação de que a saquearam.

E por fim acenou com a possibilidade de chamar “o exército” de João Pedro Stédile, líder do Movimento dos Sem Terra, para sair às ruas e enfrentar os desafetos do PT e do governo.

Washington Quaquá, presidente do PT do Rio de Janeiro e prefeito de Maricá, atendeu de imediato ao apelo de Lula. Escreveu em sua página no Facebook:

– Contra o fascismo, a porrada. Não podemos engolir esses fascistas burguesinhos de merda. Está na hora de responder a esses filhos da puta que roubam e querem achincalhar o partido que melhorou a vida de milhões de brasileiros. Agrediu, damos porrada.

É o exemplo que vem de cima!

Para o bem ou para o mal, este país carregará na sua história a marca indelével de um ex-retirante nordestino miserável, agora um milionário lobista de empreiteiras, que disputou cinco eleições presidenciais, ganhou duas vezes e duas vezes elegeu uma sem voto, sem carisma e sem preparo para governar.

Lula já foi uma estrela que brilhava sem medo de ser feliz.

Foi também a esperança que venceu o medo.

Está se tornando uma forte ameaça à democracia.

 

Publicado aqui, no Blog do Noblat

 

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 2 comentários

  1. Acho infeliz o comentário do Noblat, pois não foi Lula quem criou o segundo mandato, e sim, o FHC. Lula não alterou nenhuma regra eleitoral em seus 8 anos de governo. E a democracia não é uma palavra, e sim, uma instituição. Como toda instituiçaão, possui regras, e quem está quebrando estas regras não é o Partido dos Trabalhadores, que saiu vitorioso nas urnas no dia 25 de outubro de 2015, e sim, os “defensores da moral” que irão às ruas no próximo dia 15.

  2. Acho infeliz o comentário do Noblat, pois não foi Lula quem criou o segundo mandato, e sim, o FHC.

    Caro, Renan, se o PT criticou tanto a emenda da reeleição, porque não acabou com ela? Lula se reelegeu e Dilma tbm. Criticam a existência do melaço, mas se lambuzam com o mesmo. Hipocrisia, não?

Deixe uma resposta

Fechar Menu