Renan ironiza o “Mais Médicos” e cobra publicamente a Dilma o “Menos Ministérios”

O presidente do Senado, Renan Calheiros (foto de Ueslei Marcelino - Reuters)
O presidente do Senado, Renan Calheiros (foto de Ueslei Marcelino – Reuters)

 

 

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), voltou a alfinetar o Palácio do Planalto nesta terça-feira ao defender a redução do ministério da presidente Dilma Rousseff. Em tom irônico, ele afirmou que o governo precisa lançar o programa ‘menos ministérios’. “Se nós aplaudimos o Mais Médicos, está na hora do ‘menos ministérios’. Nada mais justo, em tempo de sacrifícios para a sociedade, que o governo dê o exemplo”, afirmou durante um evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O discurso reforça o posicionamento da bancada do PMDB na Câmara dos Deputados, que propôs na semana passada uma emenda à Constituição (PEC) para enxugar o número de ministérios de 39 para 20.

O senador pediu humildade do governo federal para reconhecer as dificuldades. “O momento é difícil, o momento é grave. Só os aliados divergem da magnitude desse diagnóstico. O problema é complexo e não será resolvido com uma visão simplista”, disse, frisando que o pacote de ajuste fiscal enviado ao Congresso dificilmente será aprovado no formato em que foi encaminhado. “O fim da desoneração, como quer o governo, será um colapso no aumento da produtividade e do emprego no Brasil. O ajuste é necessário, mas não pode ser um fim em si mesmo”, completou.

Segundo Renan, o trâmite das medidas provisórias (MPs) que alteram regras trabalhistas e previdenciárias ocorrerá de forma semelhante ao do reajuste na tabela do Imposto de Renda (IR): com negociação. O senador também afirmou que definirá uma pauta comum entre o Senado e a Câmara que priorize as “urgências nacionais” na economia.

 

Publicado aqui, na veja.com

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário