Opiniões

Na CPI da Petrobras, Graça Foster diz ter “muita vergonha” do Petrolão

Graça Foster, hoje, na CPI da Petrobras
Graça Foster, hoje, na CPI da Petrobras

 

 

Por Pedro Venceslau, Daniel Carvalho, Daiene Cardoso e Bernado Caram

 

Em sua quinta passagem pelo Congresso Nacional em menos de um ano, a ex-presidente da Petrobras Graça Foster  disse nesta quinta-feira, 26, aos integrantes da CPI que investiga a estatal que sente “muita vergonha” dos colegas que participaram do esquema de corrupção flagrado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal. “Lógico que passo horas do meu dia pensando em tudo o que está acontecendo na Petrobras. Eu entrei aqui nas outras CPIs , em audiências, com muito mais coragem do que entro hoje. Podiam ter todas as suspeitas mas não tinham os fatos que estão aí. Eu tenho realmente um constrangimento muito grande por tudo isso, de olhar para vocês”.

Questionada sobre seu sentimento em relação aos diretores evolvidos no esquema, ela afirmou sentir “muita vergonha” e ter “decepção”. “Já passei por várias fases de sentimento. Eu tenho vergonha, muita vergonha”, afirmou. Ao falar do gasoduto Gasene, disse que “gostaria que tudo isso fosse mentira e que não tivesse tido propina alguma”.

A presidente da estatal chegou ao plenário 2 da Câmara às 10h20, escoltada por deputados petistas e acompanhada de ao menos quatro advogados, inclusive uma da Petrobras. Os parlamentares Sibá Machado (AC), Maria do Rosário (RS), Afonso Florence (BA) e Valmir Prascidelli  (SP) se revezaram em elogios e defenderam Foster das críticas da oposição. O relator, o também petista Luíz Sérgio (RJ), fez longas perguntas.

Apesar da tentativa de blindagem, Foster foi pressionada por deputados de oposição a dizer se gostava mais do PT ou da companhia. “A Petrobras, mil vezes a Petrobras”. E fez uma autocrítica: “Certamente a Petrobrás merecia um gestor muito melhor do que eu. Não tenho a menor dúvida disso”. A ex-presidente negou que a perda de R$ 88,6 bilhões registrada no terceiro trimestre do ano passado seja referente à corrupção. “Esses R$ 88 bilhões representam o valor justo por conta de uma série de ineficiências, até mesmo por causa de chuva e outros, não são o número da corrupção”.

FHC. Quando inquirida sobre a declaração do ex-gerente da estatal Pedro Barusco, que afirmou ter recebido propina de forma isolada durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), a ex-dirigente da empresa duvidou da versão. “Não consigo imaginar como pode ser verdadeira a fala do Barusco de que ele sozinho recebia propina. Não consigo entender isso de forma alguma”.

“Fico surpresa de saber que alguém pode ganhar alguma coisa no meio da estrutura sem ninguém de cima saber. Quando a gente vê o Barusco falando de si, a gente pensa que está em outro planeta”. O ex-executivo, que fez um acordo de delação premiada, disse à CPI que começou a receber propina de forma individual em 1997, durante a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Segundo o ex-gerente, porém, os pagamentos de forma organizada e envolvendo diretores da estatal e o tesoureiro do PT tiveram início em 2004, no mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Nunca soube de propina na Petrobrás. O esquema de corrupção se formou fora (da estatal)”, afirmou Graça. “Não fomos capazes de captar a corrupção na empresa”. Ela afirmou ser a Polícia Federal a responsável pela descoberta da corrupção na estatal. “Não tenho dúvida em relação ao bem que a Operação Lava Jato já vem causando à Petrobras”.

A ex-presidente negou que a corrupção na estatal tenha se tornado “sistêmica” durante a gestão do PT, como afirma Pedro Barusco. “A partir do momento em que eu não sabia, como diretora e como presidente, passei a ter informações depois da Operação Lava Jato, não posso caracterizar a corrupção como sistêmica e institucionalizada”.

Foster disse ter sido indicada pela presidente Dilma Rousseff tanto para a diretoria quanto para a presidência da Petrobras. Ela afirmou desconhecer os responsáveis pelas indicações de Nestor Cerveró, Paulo Roberto Costa e Renato Duque, ex-executivos investigados por envolvimento no esquema de corrupção. A ex-presidente disse nunca ter visto o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, acusado por Barusco de receber US$ 300 mil para a campanha presidencial de Dilma em 2010. Ela também disse já ter discordado do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e citou a localização de uma fábrica de fertilizantes como exemplo. “Cabe também desagradar o líder, dizer que isso dá ou não dá pra fazer”, afirmou.

Como em outras sessões, petistas e deputados de outras legendas protagonizaram bate-bocas. No momento mais tenso da sessão, o deputado Jorge Solla (PT-BA) questionou o porquê de supostos operadores do PMDB não terem sido convocados até o momento. Ele discutiu acaloradamente com o Delegado Waldir (PSDB-GO)

 

Publicado aqui, no estadao.com

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem um comentário

  1. ainda debocha da cara do povo brasileiro. ELA NÃO PODE SENTIR UMA COISA QUE NÃO TEM. VERGONHA.
    E esse mesmo povo é tão PACATO que não reage contra esses ladrões.
    Mesmo sabendo que esses ladrões roubam até alimentos de criancinhas pobres, que roubam emprego de milhões de brasileiros.
    Tiram o sonho da casa própria, da vida digna e feliz.
    Desviam dinheiro que faria o desenvolvimento de de um país maravilhoso que, plantando, tudo dá.
    Que temos do vegetais de todo os tipos e frutas ao ouro negro, o petróleo.
    Mas que infelizmente, o que não não é desperdiçado por causa das rodovias de péssima qualidade, é roubado por quadrilhas como (des)Graça Foster e seus amigos.

    SENHOR:
    OLHAI POR NÓS QUE ROGAMOS A VÓS.

    CADEIA PRA ESTE POVO.
    E POR UM BOM TEMPO.
    Nada de prisão domiciliar.
    Nada de relaxar prisão.

Deixe uma resposta

Fechar Menu