Opiniões

Deserção de Pudim é de fato ou de araque?

Dúvida

 

 

Jornalista e blogueiro Ricardo André Vasconcelos
Jornalista e blogueiro Ricardo André Vasconcelos

Por Ricardo André Vasconcelos 

 

Enquanto o deputado Geraldo Pudim (ainda no PR), mantém o mais absoluto silêncio (em público), sobre a troca de patrono, seu nome continua no centro do debate eleitoral para 2016. Sábado foi o ex-chefe Garotinho a lamuriar-se num longo e histriônico discurso na rádio da turma dele e, na edição de domingo da Folha da Manhã, quem falou por Pudim foi o presidente da Assembleia Legislativa e cacique do PMDB fluminense, Jorge Picciani.

Tanto o teatrinho de Garotinho — que teve trilha musical e interrupção por uma crise de choro — quanto à anódina entrevista de Picciani, reforçam a tese crescente de que estaria sendo urdida uma armação para introduzir Pudim no cenário eleitoral de 2016 como uma opção da oposição, com o intuito de dividir as formas que se contrapõem ao garotismo e tornar menos difícil a vitória de um candidato da situação, que, aliás, anda atrás de um candidato como um Diogénes com sua lamparina acesa em busca de um homem honesto.

Enquanto se mantiver calado, sem rejeitar publicamente o ninho que deixou, o deputado Pudim dificilmente se livrará da suspeita de uma conspiração cumpliciada por Garotinho e Picciani. Para quem imagina impensável uma aliança nas sombras, convêm refrescar a memória: a trinca Picciani/Paulo Mello/Sérgio Cabral foi o tripé de sustentação dos oito anos em que Garotinho/Rosinha governaram o Estado do Rio de Janeiro. O trio se revezou no comando da Assembleia Legislativa em sintonia finíssima com o casal no Palácio Guanabara. Nenhuma turbulência pública entre os dois poderes em todo o período.

No chororô de sábado, Garotinho anunciou que foi ele, em negociação direta com Picciani, quem deu a Pudim a cadeira de primeiro-secretário. Disse que, na disputa entre Picciani e Paulo Melo, ficaria com a presidência da Alerj, quem os sete deputados do PR apoiassem, e que ele, Garotinho, decidiu por Picciani, mas impondo Pudim no segundo cargo mais importante da Assembleia. Mas na época, negou qualquer participação e atribuiu à bancada a decisão de participar da Mesa. Em outro ponto do “desabafo”, Garotinho disse ter recebido um telefonema do deputado Paulo Melo, alertando-o da traição de Pudim. O mesmo Paulo Melo, a quem o ex-governador dizia estar proibido, pela Justiça, de publicar o nome em seu Blog. Outro que teria telefonado para ele para falar da saída de Pudim, o colunista Fernando Molica, de O Dia, desmentiu, no mesmo sábado sem seu blog, afirmando que há dois meses não conversa com Garotinho.

Alguns termômetros vão apontar nas próximas semanas se a deserção de Pudim é de fato ou de araque. As cassandras garotistas vão “bater” sem piedade no deputado desertor, como fazem com todos os traidores? A turma de Pudim que atua nas redes sociais e defende com fidelidade canina o governo Rosinha vai criticar a administração? E, principalmente: quando Geraldo Pudim — vereador, vice-prefeito, deputado estadual e deputado federal, sempre eleito pelas mãos e pés de Garotinho — vai assumir as teses da oposição? Só quando vier a público rejeitar o modelo político-administrativo desse grupo, cobrar transparência do governo e apuração das denúncias de corrupção, aí, sim, veremos de lado está o deputado feito de vento, que precisa ter um dono para existir como político.

Olhando o quadro como está hoje, Pudim é o candidato ideal para os dois lados: Garotinho o quer disputando pelo PMDB para rachar a oposição e a oposição o prefere candidato do garotismo porque acha mais fácil de derrotar.

E, pensando bem, trocar Garotinho por Picciani é… deixa pra lá.

 

Artigo escrito com base nas postagens publicadas previamente aqui e aqui, no blog “Eu penso que…”, e publicado hoje na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 6 comentários

  1. Os inimigos de hoje serão com certeza os amigos de amanhã; assim como a acertiva anterior também pode ser vista no sentido contrário.
    Tudo enganação, todo orquestrado por quem de direito.
    Brigam hoje com a tratativa de acordo amanhã. Só vai faltar entregar o diploma ao seu chefe se ganhar a eleição.
    Mas isso não será na pratica.A noite mesmo já estarão jantando juntos e rindo do povo da minhasaudosa Campos, que para lá não volto mais . Já deu como diz meu neto

  2. TUDO ISSO, QUERO DIZER ESSA MENTIRA DESLAVADA, NAO PASSA DE OUTRO GOLPE A CIDADE DE CAMPOS, ARQUITETADO PELO DIRETOR TEATRAL GAROTINHO…

    ISSO FOI UM ACORDO PRA ELEIÇAO DA PRESIDENCIA DA ALERJ, TAO E SOMENTE !!

    PICCIANI AGORA ESTA PAGANDO…

    TUDO FARINHA DO MESMO SACO, ALIAS, SE VOCE PEGAR O SACO POR ALGUM DESSES E JOGAR NO RIO, PERDE O SACO !!! NINGUEM VALE NADA…

    E SE CAMPOS VOTAR NELES, VAI SOFRER MUITO MAIS !!!

  3. Na politica tudo é possível, já vi boi voar.

  4. Armação só para desviar o foco

  5. Caro jornalista, discordo do seu posicionamento, quem transpira política em nossa cidade e acompanha a trajetória do menininho sabe que ele precisa de palanque pra crescer. Quando é retirado dele o púlpito, não passa de um “caipirinha” que esperneia na solidão de seu quarto o brinquedo quebrado, por isso, acho que a estratégia do Pudim de ficar quieto nesse momento atrapalha a estratégia do “pai dos pobres” da planície goitacá. Quanto ter padrinho, todos os políticos o têm, ja que não há possibilidade de fazer política solitariamente, até porque somente através de partido que pode se candidatar, o próprio menino teve o seu que foi Brizola. Quanto o seu posicionamento sobre o tripé da Alerj, a convivência foi saudável com o Cabral, mas sempre difícil com o Picianni, onde há acusações de ambos sobre denúncias de desvios de conduta, saindo do âmbito político e chegando ao pessoal, essa linha que não permite acordos futuros foi quebrada há muito tempo.

  6. Picciani candidato ao gov do est com apoio do garotinho

Deixe uma resposta

Fechar Menu