Artigo do domingo — Campos tem solução sem os Garotinhos

 

Solução

 

 

Economistas e analistas políticos Wilson Diniz e Ranulfo Vidigal
Economistas e analistas políticos Wilson Diniz e Ranulfo Vidigal

Por Wilson Diniz e Ranulfo Vidigal

 

Surge na Espanha, nova proposta de uma esquerda consciente que ao chegar ao poder aplica políticas que atendem às demandas da sociedade em uma nova ordem mundial de queda da atividade econômica, sem gerar choques de classes sociais, entre as elites e os segmentos dos mais pobres que mais sofrem os efeitos das crises e dos desgovernos corruptos que se apoderam do poder e saqueiam os cofres públicos.

Na Espanha, nascem duas estrelas políticas oriundas dos movimentos sociais. As prefeitas de Madri, a juíza aposentada, Manuela Carmena, 71, e de Barcelona, Ada Colau, 41, eleitas há cinco semanas, revolucionam o sistema político espanhol. Elas, líderes dos movimentos dos indignados — com a Espanha em recessão com mais de 50% os jovens desempregados e suas famílias sendo despejadas, sem poder de pagar a casa própria. As duas prefeitas, ao assumirem os cargos, colocaram em prática um amplo programa de reformas de saneamento das finanças e se aproximarem de todas as classes sociais.

Manuela e Ada, nos primeiros dias de seus governos, cortaram seus salários em 75%, reduziram os gastos com a Câmara dos Vereadores, eliminaram mordomias do secretariado e acabaram com a farra dos automóveis utilizados pelos funcionários públicos. As duas andam a pé, de bicicleta e no seu próprio carro nas ruas de Madri e de Barcelona.

Quando analisamos a administração dos Garotinhos na cidade de Campos, o caos financeiro e de gestão propaga-se em todos os segmentos do poder público. Com discurso populista, provinciano e cheio de rótulos e clichês, enganam a população ao permitir a desindustrialização da cidade e a redução do emprego formal. O ilusionismo impera com suas políticas de Cheque Cidadão, de distribuição da tarifa social nos transportes, do programa Morar Feliz, de colocar 1.714 funcionários com gratificação e da contratação de mais de 6.000 trabalhadores terceirizados. No lugar poderíamos ver políticas estruturantes visando criar empregos e políticas sociais progressistas como a de Manuela e a de Ada.

Mais grave ainda, a atual atriz coadjuvante que comanda a cidade de Campos tenta impor um arriscado endividamento em dólar, escondendo o fracasso da gestão e o caos financeiro colocando a culpa na crise da queda do preço do petróleo. Ludibria a população de baixa renda que recebe esmolas via programas sociais, tornando-os reféns do jogo político e do caciquismo eterno, dependentes dos cofres da Prefeitura para sobreviver. Em contrapartida, desestimula o lado empreendedor da cidade contrariando a tendência vigente em São João da Barra e Macaé.

Contudo, Campos passa por momento político histórico ímpar. Chega o momento que as classes sociais — média e alta — devem se unir ao sentimento popular, na forma de um projeto único para salvar a sociedade das mãos da gestão da prefeita que quebrou a cidade.

A oposição fragmentada e sem projeto de união, com vários candidatos, pode colocar a população nos bancos dos réus, caso não chegue a um candidato de consenso. É preciso cuidado com falsas candidaturas de oposição, clonadas no berço da família que protagonizou o modelo venezuelano na cidade.

O novo prefeito que será eleito em 2016, não precisa ser como Manuela e Alda, pois os movimentos sociais campistas não passam por quem é de direita ou de esquerda, mas pela coalizão com a sociedade, o Estado e a União.

Campos só terá solução de políticas públicas se implantar, por exemplo, o Orçamento Participativo; cortar mordomias de carros para secretários; ser administrada com o máximo de 12 secretarias; criar a função do agente comunitário local; transformar o cheque Cidadão em Bolsa Escola; acabar com o subsídio para empresários de ônibus; fazer o Carnaval fora de época com artistas locais; reduzir de R$ 600 milhões para R$ 250 milhões os gastos na conta Administração, cortar 40% dos gastos em obras públicas ‘faraônicas’, priorizar a Saúde, e finalmente elevar as despesas da Educação que é de R$ 350 milhões, para 30% dos gastos das contas públicas como teto mínimo.

Campos têm solução e jeito, mas é preciso superar a decadente oligarquia que tentou fazer da cidade mero trampolim para o secretário de Governo retornar o Palácio Guanabara. Concluindo: que a oposição marche unida com apoio da sociedade e da imprensa pode acabar com essa oligarquia familiar que nasceu há 30 anos.

 

Publicado hoje (26/07) na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 22 comentários

  1. JOSÉ RICARDO

    A linha de raciocínio foi tão absurda, que não há nem comentários. Francamente !

  2. A palavra ou as palavras mágicas para a reestruturação da cidade de Campos tão enxovalhada, chama-se administração. Exemplos tem de montão. Aqui ou lá fora. bastando pra isso verificar na história, a Inglaterra em 1945. Eles conseguiram reerguer o país completamente destruído, em escombros, implementando entre outras coisas,o plano de saúde que cuidava realmente das pessoas mais pobres, conseguiram reestruturar o sistema ferroviário, implantar a segurança nas minas de carvão, as assassinas de plantão, enfim, com administração, que combina planejamento, honestidade, disciplina e trabalho sério, o império inglês cresceu novamente. Anos depois, apareceu uma tal de “dama de ferro”. Privatizou empresas, terceirizou empregos, etc, mais aí é uma outra história. Campos, que também está de quatro, após administrações desconectadas com o bem comum e que destruíram a cidade, nãoligaram e atuaram para o assoreamento do Paraíba do Sul, o abandono das lagoas do Vigário, Campelo e Feia,a paralização da ferrovia que tinha uma linha tronco, (Rio a Vitória) e transversal (Campos a Cisneiros), Linha pra São João da Barra, Para Santo Amaro, etc. Reerguer as usinas de cana de açúcar, pode também se reerguer. Basta seguir a lição da Espanha ou da Inglaterra, fica a critério do povo.

  3. Agora, se continuarem a acreditar no “caô” desses caras, nada vai mudar, a não ser as velhas filas de doentes entulhados nos hospitais públicos da cidade, as ambulâncias destruídas sem manutenção adequada, sem ônibus , sem segurança nas ruas e avenidas, etc. As cadeias entupidas de pessoas sem perspectivas de mudança. As escolas querendo simplesmente aprovar os alunos sem que os mesmos tenham capacidade de evolução. Chega de corrupção, chega de mentiras, etc. Se o povo não quiser mudar realmente, é acostumar com o desvio dos royalties da Petrobrás em benefício próprio e tchau. Vão é acostumar com o erro e transformar isso em paisagem, e achar que outra pessoa é que tem resolver. Né não boca aberta. É o povo !!! precisamos de um orçamento participativo e alguém pra cuidar que cada item , cada etapa seja completada, atraindo cada vez mais coisas corretas e pessoas comprometidas com o bem comum. Little boy ? Litlle flower ! No more !!!!!!!

  4. Pedro Carlos

    Me parece uma boa análise, com algumas propostas razoáveis. Mas o problema é ter voto. Infelizmente o povo campista não vota o suficiente na oposição, na hora da decisão fala mais alto a força da máquina. Não podemos nos iludir, ninguém da oposição tem voto o suficiente para derrubar uma máquina, que apesar de no momento está emperrada, no período da campanha vai estar a todo vapor. Seria necessário um fenômeno eleitoral e isso, pelo menos no momento, Campos não tem. O que temos são alguns oportunistas que já fizeram parte da mesa dos garotinhos e outros, como o Rafael Diniz, que parece bem intencionado, mas que tem a mancha do seu avô, que um foi, igual ao garotinho, um coronel, que só pensava em ser o dono da cidade junto com a família.
    Vamos aguardar, tomara que as coisas mudem, mas no cenário de hoje, na minha humilde opinião, mesmo que tenha uma candidato da máquina estadual, que é muito distante e que nada faz para nossa cidade, ganha o candidato da máquina municipal e vamos lamentar mais 04 anos de desgoverno..

  5. estou de saco cheio de comentar e ninguém resolve. se sou eu já estava há muito tempo na casa de custodia, é lamentavel tandos grandes estão indo para a CADEIA, só Campos, a cidade da IMPUNIDADE, ´e UMA VERGONHA. os campista parece que tem medo dos GAROTINHO, coloquem uma (trecho excluído pela moderação)

  6. Marcio

    A política incompetente e inconsequente dos últimos 20 anos em nossa cidade, não se deve somente a mente (trecho excluído pela moderação) e limitada dos “garotacios”. As elites conservadoras, arcaicas e incompetente de nossa cidade também resolveram se beneficiar da comida farta e (trecho excluído pela moderação) servida no mesmo coxo dos cofres públicos. Em nossa cidade falta vergonha e decência e sobra oportunismo e vaidade incompetente. Temos que deixar de termos vergonha de sermos campistas. Temos que amar e curtir mais nossa cidade, pois só assim teremos uma real preocupação com ela. Búzios, Guarapari, Cabo Frio ou Ipanema e Copacabana não podem continuar sendo nosso sonho que viver. Campos dos Goytacazes tem que ser gerida por campistas e para campistas que moram e vivem aqui. Cidadãos que residem em Campos. Que temos nossos filhos, pais e netos aqui. Campistas que tenham mais amor por Campos mesmo que aqui não tenham nascido. A palavra chave é AMOR PELA CIDADE.

  7. edson faes de araujo

    Esse modelo administrativo que levou nosso Município a falencia,modelo em que um grande ilusionista desvia a atenção popular para projetos pessoais e inerentes as necessidades do Município,enquanto uma (trecho excluído pela moderação) os recursos e por sinal ,fartos recursos,tem que ser banido da história.O que apreciamos durante este período foi que o trem da história passou por Campos lotado de recursos para beneficiar, não a população mas sim a essa (trecho excluído pela moderação) liderada por um insano e descompensado. Exemplos não nos falta,olhem a situação do nosso País,com o mesmo modelo de administração,só vemos corrupção,roubos escandalosos e sofrimento do povo,afinal é quem paga essa conta. Desejamos que o povo,alerta com todas essas denuncias descarrilhe esse trem,já com os cofres vazios,mas punindo exemplarnente esses algozes,que seja juridicamente e eleitoralmente e resgate a dignidade de CAMPOS DOS GOITACAZES.

  8. César Martins

    Eu concordo com este Pedro Carlos. Realmente nosso município tá passando um momento difícil. Seria importante novas opções. Mas estes que se apresentam da oposição, a maioria vem tudo do grupo atual e o outro, como o Pedro disse, parece ser bem intencionado. Também acho o Rafael um bom rapaz, mas ele também foi beneficiado por este tipo de política que os Garotinhos praticam, que é uma política de práticas antigas, de coronelismo. O avô de Rafael Diniz, o ex-prefeito Zezé Barbosa, também era um coronel. E isto com certeza na campanha vai ser usado e vai prejudicar muito ele. A maioria destes candidatos da oposição participava do banquete de Garotinho. E o Rafael Diniz representa uma política velha, igual a que era praticada por seu avô. Um bom nome seria este José Geraldo, que o pessoal chama de Bozo. Mas infelizmente ele não tem voto. Mas se vier candidato meu voto é dele.

  9. cricio manhaes pinto

    Blá Blá Blá ! Chega queremos uma Campos/RJ com dignidade e não meros puxa sacos!! Dos “G”arotinhos.Todos os seres humanos tem capacidade sucesso no trabalho e vida pessoal.Basta trabalho, Estudar, trabalho, estudar,trabalho e estudar!!!!

  10. Roberto

    E qual foi a solução que esses garotinhos implantaram ou trouxeram para Campos,nenhuma a não ser para o grupo familiar e para o município quebradeira total e justificativas de problemas deixados por eles para um golpe final;A venda de nossos impostos para obter grana para próxima próxima campanha.

  11. Gil

    Isso é (trecho excluído pela moderação). Por isso não são pegos. Por isso continuam no poder. É só pensar um pouco e saberão quem são seus membros.

  12. Decio. Rangel Barcelos

    Se, faz necessario, uma politica de lava-Campos, MPF. MPE. TCE e Policia Federal, urgente, tem que passar Campos a limpo, dispensa. qualquer comentario e. So chegar uns 3 ou4 Fcker 100 da PF. Aquele preto que esteve em Campos no governo Mocaiber, pena que a maioria nao foi levada e cresceu muito, fora os que ficaram andando de mobilete , motos piquenas, e carros velhos, esconderam, caminhonetes, Mercedes e outros mais. Volta logo, enquanto ainda pode se recuperar, mais ta sendo montada uma operacao, escapa politicos, maior cama de gato, pra o povo.

  13. Jaci Capistrano

    Esse negócio de orçamento participativo me lembra PT, Nova Ordem Mundial me lembra o PSDB e os globalistas.
    Nem socialismo marxista, nem socialismo Fabiano nos servirá.

    Precisamos de políticas liberais na economia e conservadores nos costumes quem se habilita? Não vejo quase ninguém que possa encarnar estes valores, talvez o JOSÉ GERALDO 44 seja a mudança necessária que precisamos.

    Ora, já temos uma inflação de políticas socialistas no município conforme o slogan do consorte “Só é bom se for para todo mundo”, passagem a 1 Real, cheque cidadão, agora querem mais lixo esquerdista revolucionário pelo amor de DEUS não!.
    Já não basta o governo comunista da Dilma que fracassou e querem mais socialismo.

    Até quando vamos continuar lendo desconexas análises e artigos de esquerdopatas que odeiam a liberdade individual e adoram o papai estado e suas tetas?
    A Folha da Manhã e seu jornalistas insistem em nos impingir mais do mesmo infelizmente.

  14. Aluysio

    Caro Jaci,

    Quer dizer que as conspirações marxistas que se abatem sobre o Brasil e Campos, o fazem tendo a Folha e seus jornalistas como instrumentos? Com todo o respeito, mas qd a ideação persecutória excede o limite do ridículo, o caminho mais curto à realidade é aquele que conduz ao consultório do psiquiatra.
    E cá entre nós, à luz do sol real, se Campos tivesse orçamento participativo, os Garotinhos teriam mt mais dificuldades para falir o orçamento bilionário do município, Deus sabe em quê.

    Grato pela chance do debate!

    Aluysio

  15. Carlos

    Ca pra nos, nossa cidade antes de Garotinho nao existia, hj todos, o pais inteiro conhece,ouve falar de Campos dos Goitacazes,Campos era uma cidadesinha do interior esquecida , sequer conhecida antes do Garotinho surgir no cenario politico.Temos que agradecer muito ao Garotinho sim por ter mudado a historia de nossa cidade que vivia sobre os poderes de politicos do passado que nada fizeram por nossa cidade durante seculos.

  16. Jaci Capistrano

    E se eu te disser que a maioria das redações dos jornais são compostas de esquerdistas tendo atitudes totalitárias, quando
    são confrontados com assuntos tabu como URSAL, Foro de São Paulo,
    Nova Ordem Mundial, Comunismo, Fabianismo, partem logo para a ofensa ad-hominem, pois não suportam serem desmascarados nas suas rotinas esquerdistas A gente sabe que os jornais ganham pelas noticias que não dão!
    Como todo esquerdista vive no mundo em que impera o sofismo, é a miséria intelectual que impera.

  17. Aluysio

    Carlos,

    Cá para nós, vc já ouviu falar num tal Nilo Peçanha?

    Grato pela chance da indagação!

    Aluysio

  18. Aluysio

    Caro Jaci,

    Vc afirma genericamente, mas metendo a Folha no meio, que os jornais ganham pelas notícias que não dão, e são os “demônios esquerdistas” que qd “desmascarados” partem para a ofensa ad-hominem? Quem é, mesmo, que sofisma? O mundo, como as redações de jornais, não serão divididos nesse maniqueísmo bipolar, só pq vc parece ser incapaz de enxergar de outra maneira.

    Grato pela chance do debate!

    Aluysio

  19. lenieverson�

    Bom dia, Aluísio, tudo bem? Sou seu amigo no Facebook e, creio eu, que não terei problemas em dizer o que tenho para dizer. Eu sou jornalista e tudo que o Jaci está falando eh verdade. Há uma ala expressiva da nossa “classe” que possuem fortes inclinações ao marxismo e preconceituosos com quem eh de direita e conservador nos costumes, como se estes não tivessem o direito de ter suas pautas. E isso não eh nada bom a uma democracia.
    Agora, quanto ao texto, eh preciso abandonar a tese de que o esquerdismo será a salvação da humanidade. As soluções tomadas pelas líderes políticas espanholas são liberais direitistas, que se resumem na presença menor do Estado no Estado. Já ouviu falar no Estado Mínimo? A Suécia eh um país socialistas que adota política capitalista do ponto de vista econômico. Países que adotaram o Estado Máximo como o Brasil, Argentina, Grécia, Venezuela e outros se deram ou estão se dando mal. Quem segue idéias marxistas a lá Thomas Piketty sobre a economia acabam vivendo tragedias.
    Campos dos Goytacazes, sob os Garotinhos, reproduz o plano nacional do Estado Máximo, paternalista, capaz de resolver todas coisas do cidadãos. Aliás, não custa nada lembrar que Garotinho começou na política no PT, depois foi para o PDT e o resto se sabe.
    Quanto ao Orçamento Participativo, embora o nome e o conceito sejam bonitos, tenho lá minhas ressalvas. Quem seria, de fato, os participantes? As partes mais interessadas, o povo e quem entende os seus verdadeiros anseios ou os membros de conselhos populares de matiz bolivariana?

  20. Aluysio

    Caro Lenieverson,

    Boa tarde! Sim, somos amigos do face, o que não me impede de reafirmar que Jaci prega inverdades. Assim como vc, qd abraça a pretensão de endossá-lo em “tudo”. Não demonizo a direita, nem os conservadores, como vc e Jaci têm coragem em se assumir. Pelo mesmo motivo, tampouco enxergo pés de cabra, rabo pontudo, cornos de carneiro montês na testa e tridente na mão dos que são de esquerda, mesmo daqueles que ainda tentam impor sobre o mundo do séc. XXI uma visão dogmática do séc. XIX, cuja semeadura em nome da “humanidade” teve colheita farta de ditaduras e genocídio em boa parte do séc. XX.
    Concordo, entretanto, que o lulopetismo e o garotismo são pares no maniqueísmo raso dos seus “fiéis”, na ocupação despudorada do Estado, na promiscuidade entre público e privado, no populismo assistencialista que precisa da miséria para sobreviver, na incompetência administrativa e nas evidências de corrupção institucionalizada. Por outro lado, o que vc chama de país socialista com política econômica capitalista na Suécia, nada mais é que a social-democracia europeia, o welfare state concebido sob orientação justamente de um sueco, o economista e sociólogo Karl Gunnar Myrdal.
    Curiosamente, esse “estado do bem-estar social” quase foi levado a pique com a crise econômica global gerada não por um esquerdista, mas um conservador descerebrado: o ex-presidente estadunidense George W. Bush. Fundamentalista pentecostal, ele dizia pensar em Cristo antes de tomar suas decisões sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão, abacaxis descascados com maestria, assim como a crise econômica nos EUA, pelo reformador progressista Barak Obama.
    Por fim, Lenieverson, para retornar ao nosso canavial, chega a ser curioso como a mesma imprensa atacada como Partido da Imprensa Golpista (PIG) pelos aloprados lulopetistas é exatamente a mesma acusada por Jaci, vc e outros seguidores do filósofo Olavo de Carvalho, de estar infiltrada por comunas. Pela lógica, um dos lados tem que estar mais errado do que palhaço em velório. Como é costume dos radicais, provavelmente os dois.

    Abç e grato pela chance do debate!

    Aluysio

  21. Tanta roubalheira e o dinheiro jogado fora em passagens sociais e os hospitais públicos deficientes e o trânsito na altura do Boulevard porque não construir um viaduto sobre a linha férrea eu acho que iria acabar aquele engarrafamento o dinheiro da petrobras e para isso também melhorar a cidade e os hospitais (trecho excluído pela moderação)

  22. Sandra Maria santos

    Claro que tem solução ,mas sem a família no pedaço.Soluções simples, partindo para o Turismo. …por exemplo

Deixe um comentário