Opiniões

Pudim: “Doença” em Garotinho e “câncer” no governo Rosinha

Se alguém ainda tinha dúvida sobre o rompimento de Geraldo Pudim (PMDB) com Anthony Garotinho (PR), a quem teve como líder inconteste por 30 anos, ela desaparece após esta entrevista, primeira dada pelo deputado estadual desde que o rompimento se tornou público, em julho. Pudim não teve papas na língua ao afirmar que “o governo Rosinha está infestado de células cancerígenas em plena metástase”, ou que Wladimir tem “ranços de um garoto mimado” e atrapalhou seu pai na candidatura a governador. Sobre o próprio Garotinho, seu ex-fiel seguidor disse ser alguém incapaz de “enxergar para além da órbita do próprio umbigo”, que sofre da doença do “poder pelo poder” e não busca cura. Pudim também se postou contra a maneira como a “venda do futuro” vem sendo conduzida pelo governo Rosinha, cuja consumação foi anunciada ainda para outubro. No seu entender, a prefeita teria que vir a público “dizer que errou a mão causando esse déficit monstruoso que passa da casa de R$ 1 bilhão”. Além das críticas, o pré-candidato a prefeito do PMDB apresentou propostas, baseadas no diálogo e na transparência, para romper com a dependência dos royalties, no modelo atual de gestão que considera falido.

 

 

Geraldo Pudim

 

 

Folha da Manhã – Por que demorou tanto tempo para conceder esta entrevista, buscada desde o início de julho?

Geraldo Pudim – Bom, por dois motivos: o primeiro é a prudência. Estava ansioso para poder dar esta entrevista para falar das mudanças que vem ocorrendo na minha vida política, no entanto, me dei um período de ‘silêncio obsequioso’ na tentativa de refletir profundamente antes de falar qualquer coisa relativa a este tema. Parece que saí vitorioso e consegui reter minha ansiedade até este momento. O segundo motivo, que veio ao encontro da decisão pessoal pelo silêncio, foi a orientação das lideranças partidárias e dos meus companheiros de militância para que falássemos tão somente quando todos os detalhes da minha volta ao PMDB estivessem acertados ponto a ponto, nos mínimos detalhes. Este segundo motivo foi que me deu mais certeza de que o silêncio seria uma provação ao ímpeto de todo e qualquer político: falar e expor suas ideias à população.

 

Folha – Em entrevista exclusiva à Folha, o presidente fluminense do PMDB e da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani, disse (aqui): “o deputado Pudim será o candidato do PMDB (a prefeito) em Campos”. Será? Por quê?

Pudim – Sem dúvida acho que preencho o leque de qualidades necessárias para estar à frente da gestão da minha cidade. Anos e anos de política me prepararam para tanto. Fui vereador, vice-prefeito, deputado federal e atualmente estou em meu segundo mandato no parlamento estadual. Isso só para citar os cargos eletivos. Querer ser prefeito é legitimo, e estar preparado é uma obrigação. Me sinto preparado para apresentar meu nome como pré-candidato dentro do partido. Ninguém ainda é candidato. Todos precisam se viabilizar. Minha história me credencia para colocar meu nome em pauta. As pesquisas que temos nas mãos apontam meu nome como um dos três favoritos na disputa. Não serei candidato apenas para satisfazer um desejo pessoal. Se assim o fizesse seria apenas mais um vaidoso. Me coloco como pré-candidato com a consciência do tamanho do desafio que será gerir Campos, que apresenta um quadro complexo sobretudo quando se fala de gestão e transparência. Se depender do PMDB e do presidente Picciani, serei candidato. Agradeço essa confiança, mas o PMDB vai me acompanhar neste desafio se meu nome se mostrar viável, como tem sido até agora. O PMDB vê em Campos uma cidade estratégica no tabuleiro político nacional e isso é fundamental. Ter um prefeito do PMDB é devolver a Campos seu status original ante a lideranças nacionais e estaduais, o que poderá viabilizar trânsito político e grandes investimentos, coisas das quais nossa cidade está carente. É preciso construir pontes e não muros.

 

Folha – Outro entrevistado da Folha, o senador Romário (PSB), político mais votado pelos campistas em 3 de outubro de 2014, disse (aqui) que mesmo o carisma dele não bastaria para eleger seu pré-candidato Gil Vianna (PSB) prefeito de Campos. Se com votação de 106.953 campistas na última eleição, Romário disse isso, o que bastaria para alguém cujo principal cabo eleitoral é Picciani, a quem Campos deu apenas 34 votos para deputado estadual, no mesmo pleito?

Pudim – O senador Romário fez uma análise correta, se restringirmos esta análise ao PSB. Gil é um grande quadro, um homem sério que tem amor e devoção por esta cidade, e o senador Romário tem feito um excelente trabalho, mas não se pode ignorar o peso nem a experiência do PMDB. Picciani, Pezão, Paes e tantos outros estão debruçados na disputa aqui de Campos. A capacidade de articulação do PMDB é muito grande. Vide o exemplo do Governo Federal, onde o PMDB ocupa cargos de extrema relevância política. No Estado, o governador Pezão começou sua corrida para o Palácio Guanabara com apenas 2% das intenções de voto e sagrou-se vitorioso. Picciani conseguiu eleger a si próprio e ao filho como deputados estaduais, além do filho mais velho deputado federal e líder do PMDB na Câmara dos Deputados. Não podemos, nem devemos subestimar a capacidade de articulação do PMDB. Seu histórico de vitórias é incontestável.

 

Folha – No domingo seguinte à publicação de Picciani fechar apoio a você, a Folha entrevistou o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) que pareceu jogar água fria sobre qualquer definição, ao dizer (aqui): “Nenhuma decisão será tomada ou anunciada unilateralmente. Quando chegar o momento certo, vamos anunciar nosso apoio”. Entre um e outro, com quem ficar? E por quê?

Pudim – Pezão está certo. A decisão final sobre os caminhos do PMDB levará em consideração muitos fatores. Um desses fatores é o nome do postulante se mostrar viável nas pesquisas. Neste momento tenho trabalhado para que, na hora da decisão, meu nome seja o mais viável. Até lá, todos que caminharam com Pezão farão o mesmo, e estão certos ao fazê-lo. Não tenho dúvida de que quando o governador bater o martelo sobre o nome a ser apoiado, teremos um quadro maravilhoso no que diz respeito ao arco de alianças. Meu desafio é auxiliar o PMDB nesta construção e dirimir qualquer dúvida que possa haver sobre o nome do cabeça de chapa.

 

Folha – Antes da entrevista à Folha, num encontro com o deputado estadual Comte Bittencourt (PPS), junto do vereador e também pré-candidato a prefeito Rafael Diniz (PPS), Pezão disse (aqui): “Tenho compromisso não só com a eleição a prefeito de Campos, como em apoiar nela quem caminhou comigo ao governo do Estado”. Você apoiou Garotinho no primeiro turno a governador e Marcello Crivela (PRB), no segundo. Dá para chegar agora e sentar na janela?

Pudim – Não existe isso de sentar na janela. Política não é algo tão simples. Como disse anteriormente, Pezão apoiará o nome que se mostrar mais viável no momento da decisão. Quem caminhou com Pezão nas eleições será acolhido e prestigiado, e terá o apoio de outrora honrado no arco de alianças. Ter apoiado Garotinho ou Crivella em determinado momento, não me inviabiliza como candidato do PMDB. Política é a arte de conciliar os interesses dos diversos setores da sociedade através de seus respectivos representantes. Todos estamos em busca do consenso e é pelo consenso que se definirá o nome.

 

Folha – Na pesquisa mais recente, feita pelo instituto Pappel (aqui), na segunda quinzena de agosto, você ficou em quinto nas intenções de voto da consulta estimulada, com 6,93%, atrás do ex-prefeito Arnaldo Vianna (PDT), com 21,21%; do vereador Alexandre “Tô Contigo” Tadeu (PRB), com 10,21%;  de Rafael Diniz, com 8,21%; e do deputado estadual João Peixoto (PSDC), com 7,43%. Não é pouco para um deputado estadual, ex-federal, com o recall de duas eleições disputadas a prefeito de Campos, em 2004 e 2006, ambas perdidas só no segundo turno?

Pudim – Como disse Pezão começou com 2% das intenções de votos e hoje nos governa. A Dilma se elegeu tendo também números inexpressivos nas pesquisas. Os números iniciais apontam tendências, mas não são absolutos. Na quantitativa que fizemos pelo PMDB figuro entre os três primeiros, não é definitivo, mas orienta quais medidas tomar para tornar o nome o mais competitivo. Números não definem eleição. Trabalho define. E se depender de trabalho temos muito o que mostrar e o que fazer.

 

Folha – Por falar em segundo turno, além de melhorar nas intenções de votos para tentar chegar lá, o quesito fundamental na sua definição parece ser seu maior problema, já que na mesma pesquisa do Pappel você apareceu liderando a rejeição, com 16,5%, bem acima do segundo, Arnaldo, com 9,93%. Como convencer aos antigarotistas que você não será um “Cavalo de Tróia” e ao meso tempo desmanchar a imagem de Joaquim Silvério dos Reis diante dos rosáceos?

Pudim – Os anos que permaneci naquele grupo, mesmo não concordando com uma ou outra coisa, mas sim em um projeto maior, é o que referenda meu rompimento. Não deixaria anos de história política por qualquer desavença. O grau de desentendimento político-ideológico foi de tal grandeza que o rompimento se mostrou a única saída. Minha postura reta e leal aos meus ideais todos esses anos provam que quando rompi, o fiz para valer. Rompi após profunda reflexão, não tomei uma decisão emocional. Meu compromisso com a população não me dá ao luxo de tomar decisões baseada apenas em laços de amizade. Quem não está disposto a ouvir as verdades ditas por um amigo, não merece a amizade que tem. Garotinho e Rosinha levaram isso para lado pessoal, quanto a isso não posso fazer nada. O compromisso com meus ideais fala mais alto. O governo Rosinha está infestado de células cancerígenas em plena metástase. Quando o paciente se recusa em se tratar, não há mais nada que o médico possa fazer. Pouco a pouco as pessoas sérias daquele governo estão abandonando o barco. Sérgio Mendes, Arnaldo Viana, Alexandre Mocaiber, Roberto Henriques, todos esses romperam e não foram considerados cavalos de Tróia. Os que tentam colar em mim são os mesmos que tem medo da minha candidatura, mas com tempo essa tensão irá se diluir, verão que minhas práticas e atitudes são alinhadas com meu discurso.

 

Folha – A conversa na qual você definiu sua saída do grupo de Garotinho foi não com ele, mas com a prefeita Rosinha (PR), num encontro intermediado pelo deputado federal Paulo Feijó (PR), no qual ela lhe teria dito alhos e bugalhos. Foi um encontro difícil?

Pudim – Conheço Rosinha bem antes de conhecer Garotinho. A conversa com ela foi uma das mais duras e difíceis que tive na vida, afinal, não se rompe antigos laços sem que haja efeitos colaterais. Temos muita história juntos para que um rompimento desta natureza se dê de forma tranquila, sempre sobrarão lacerações para ambos os lados. No entanto, seguir as próprias convicções é uma caminhada, às vezes, solitária, e todos que seguem suas convicções tem que estar dispostos a sofrer as consequências de seguir o caminho que se acha o correto. Graças a Deus, neste momento, vi que há mais pessoas que me apoiam do eu pensava. Sou abençoado por ter companheiros e amigos que, assim como eu, vislumbraram outro caminho, para não ter que se desviar de seus ideais.

 

Folha – São muitas também as versões de bastidores sobre sua polarização interna com Wladimir Garotinho (PR), durante a campanha de 2014, pelo apoio dele à candidatura de Bruno Dauaire (PR) a deputado estadual, que acabou se elegendo com votação maior que a sua. Disse-me-disse ao largo, é correto supor que você saiu do grupo por perder nele espaço, tomado pela segunda geração dos Garotinho? Quem ficou da sua geração pode enfrentar o mesmo problema?

Pudim – Wladimir é um menino que vi crescer. Sempre foi muito querido pelas pessoas, mas ainda não está preparado para os desafios da política que exigem mais que um sobrenome para serem superados. Talvez crescer com os pais sendo governadores tenha lhe deixado ranços de um garoto mimado, que tem dificuldades em ser contrariado. Quando ele não pôde ser candidato, para não atrapalhar as várias candidaturas a deputado aqui de Campos, ele achou que foi prejudicado. Não entendeu o momento, agiu com ansiedade típica da juventude e se atropelou neste processo. Trabalhou internamente para minha derrocada, passou por cima de acordos que atrapalharam outros candidatos e principalmente a do pai ao governo do Estado. Quis mostrar força sem ter. Pagará um preço alto por isso. Meu rompimento com aquele grupo político nada tem a ver com desentendimentos com Wladimir, se assim o fizesse seria dar a ele uma importância política que ainda não tem.

 

Folha – Na rádio do seu grupo de comunicação, Garotinho dizia (aqui) desde julho, sobre a sua saída: “Não fiquei triste por perder um aliado político, porque eleição nunca foi o forte dele, mas por ter perdido um irmão (…) Você não me apunhalou pelas costas, porque isso seria traição política, você me apunhalou no peito”. Em contrapartida, usando as redes sociais, você só o respondeu (aqui) em setembro, após ele ameaçar seu mandato de deputado: “só o vejo como um ator em final de carreira em busca do brilho que já não terá mais”. Por que a demora?

Pudim – Como disse sempre fui firme em minhas convicções e não romperia velhos laços apenas por pequenos desentendimentos. Foi preciso maturar a ideia, consultar a família, os amigos e os companheiros de militância. Passei horas e horas em silêncio até que viesse a público anunciar o rompimento. Na minha idade, não há espaço para decisões sem o mínimo de reflexão. Há algum tempo vinha alertando Garotinho acerca dos rumos do grupo político, sobre a natureza das alianças, sobre os verdadeiros ideais que nos fizeram ingressar na política. Quando percebi que ele não estava ouvindo nem mais os amigos, vi que meu ciclo ali tinha acabado. Quem é contaminado pela doença do poder dificilmente pode enxergar para além da órbita do próprio umbigo e assim foi Garotinho.

 

Folha – Garotinho também disse: “Pudim pode pensar que a minha trajetória acabou. Mas quero lembrar que tenho 55 anos e fé em um Deus que é enorme”. Ao que você respondeu dois meses depois: “É sempre duro ver alguém com tanto potencial jogar toda sua história no lixo (…) Espero em Deus, pois já não me restam forças para tal, que te cure da doença provocada pela busca insana pelo poder”. Derrotado no primeiro turno da eleição a governador, e no segundo, apoiando Crivella, em cinco das sete zonas eleitorais de Campos (aqui), essa decadência de Garotinho tem cura?

Pudim – A decadência não é uma doença em si, mas sintoma de uma doença política que é a busca do poder pelo poder. De nada serve o poder se não há projeto, objetivo, perspectiva. Quando se busca o poder apenas para mantê-lo em suas mãos identificamos a doença, neste caso, compulsão. A cura é só para quem quer ser curado, e não acredito que Garotinho tenha pretensão de livrar-se dessa enfermidade, infelizmente.

 

Folha – Além de você, quase todos os outros pré-candidatos a prefeito da oposição são dissidentes dos Garotinho, como Arnaldo e, mais recentemente, Gil e Tô Contigo. Mesmo Rafael tem como presidente municipal do seu PPS o ex-prefeito Sérgio Mendes, eleito e depois defenestrado por Garotinho. Sem contar dentro da própria família, com as rupturas de Nelson e Helinho Nahim (DEM), além de Gustavo Matheus (PV). Na mata, debandada é sinal de incêndio. E na política?

Pudim – Na mata debandada às vezes é incêndio. Nesse caso acredito que Garotinho é o elemento que desequilibra o ecossistema político. Para manter a metáfora, podemos dizer que os diferentes seres desse ecossistema perceberam este desequilíbrio e afastaram-se daquilo que seus instintos identificaram como agente nocivo à sobrevivência da boa política.

 

Folha – A Folha vem fazendo uma série diária de matérias, ouvindo especialistas de cada área, para apontar princípios à próxima administração municipal. Em resumo, quais seus compromissos em questões como dependência dos royalties, transparência de governo, enxugamento da máquina, infraestrutura, comércio, indústria, agropecuária, cultura, esportes e lazer, sem contar os quadros falimentares de saúde e da educação, na qual Campos amarga a pior posição entre os 92 municípios fluminenses?

Pudim – O próximo gestor de Campos tem que ter característica conciliadora. A capacidade de diálogo com os diversos setores da política e da sociedade civil organizada é ponto chave para enfrentar a crise e traçar os novos rumos. As alianças entre os partidos devem ser de natureza programática e não um sorteio de cargos para viabilizar votações favoráveis na Câmara de Vereadores. Partindo desse princípio, penso em extrair de cada partido o seu melhor naquilo que é sua vocação. Sobre a dependência dos royalties penso que o modelo atual de gestão faliu. O uso dos royalties tem que estar focado na estruturação da cidade para que seja mais atrativa aos investidores. Uma boa medida será criar um comitê gestor dos royalties no qual tenham assento as universidades com seus técnicos, as forças políticas e a sociedade civil organizada. Tem que haver gestão participativa. Um dos desafios de Campos, e que influencia diretamente a economia é a mobilidade urbana. Campos, uma cidade com mais de 4000 km² não pode ter a parca estrutura de transporte público que tem. Não basta só passagem ser R$ 1,00 se temos uma cobertura de ônibus que não acompanhou o crescimento da cidade nos últimos anos. Corredores como Saldanha Marinho, Tenente Coronel Cardoso, Gilberto Cardoso, Felipe Uébe, não tem cobertura de ônibus. Campos não tem terminais que façam a interligação de linhas. Quem vem de Travessão e precisa ir para Goytacazes, paga duas passagens quando poderia pagar somente uma. Isso encarece o custo para as empresas e diminui a capacidade de investimentos, sem falar que atrapalha o fluxo de pessoas na cidade. Campos não tem ônibus 24h. Por quê? São coisas assim que dificultam o desenvolvimento da cidade. Quando se fala em cultura, esporte e lazer a coisa fica pior. Não há estimulo ao uso de equipamentos públicos. As pessoas residem na cidade, mas não vivem a cidade de fato. Por que não fazemos como no Rio de Janeiro e fechamos algumas ruas no final de semana para que as pessoas possam praticar atividades físicas? Temos uma orla lindíssima do Rio Paraíba que usamos como terminal rodoviário. Em que cidade do mundo isso acontece? É um absurdo. Campos precisa ter uma política de cultura que evoque nossas mais profundas raízes, prestigie as pratas da casa, crie festivais. O Cepop, uma obra monumental, não possui um calendário decente de eventos. Não pode um prédio público daquela dimensão ficar relegado a receber tão somente superproduções, cobrando ingressos caríssimos e excluindo grande parte da população. Não pode o Trianon não celebrar editais para que peças de produção campista possam utilizar aquele espaço. Não pode haver preços tão caros nos ingressos do teatro. Isso divide a cidade em: aqueles que podem pagar versus aqueles que não podem. Na Saúde falta gestão e fiscalização. Temos uma capacidade instalada de UBS’s e hospitais que é muito grande, mas muito mal geridas. Com gestão, se resolve a maioria dos problemas, sem precisar fazer pirotecnia e gastar rios de dinheiro. O Conselho de Saúde tem que funcionar, tem que ouvir as demandas. Não dá para fazer uma gestão de uma cidade das proporções de Campos sem diálogo com a sociedade e sobretudo planejamento. Tantos investimentos em obras de infraestrutura, mas que o povo não toma pertencimento, pois não são executadas no prazo, os valores são muito altos e a qualidade duvidosa. Isso só se corrige com gestão e transparência.

 

Folha – Chamada pelo povo de “venda do futuro”, a antecipação das receitas do município foi reprovada por 88,7% dos campistas, em pesquisa do instituto Pro4 (aqui), rejeição muito próxima à registrada em enquetes da Folha Online (85%) e da InterTV (90%). Anda assim, na ordem de até R$ 1,2 bilhão, a polêmica operação foi aprovada a mando dos Garotinho, em sessão da Câmara de 10 de junho, julgada ilegal pela Justiça, mas aprovada novamente no último dia 17. Sem tergiversar, qual sua opinião a respeito?

Pudim – Da forma como esse empréstimo está se dando sou contra. Compreendo que os municípios e estados que recebem royalties estão sofrendo impactos substanciais em suas contas. Porém, há municípios, a exemplo do Rio de Janeiro, que não sentiram esse impacto, porque tem praticado o que é moderno na administração pública, tem feito um governo com gestão e transparência. Talvez se a prefeita tivesse a humildade de vir a público dizer que errou a mão causando esse déficit monstruoso que passa da casa de 1 bilhão de reais e mostrasse a população com transparência a aplicação destes recursos, o povo poderia perdoá-la e entender a necessidade desse da antecipação dos royalties.

 

Folha – Perguntado sobre a posição assumida por Pezão em apoio à oposição em Campos, no encontro com Comte e Rafael, Picciani analisou e garantiu: “É natural que, numa eleição de dois turnos, os partidos trabalhem para firmar suas candidaturas. Mas, certamente, no fim da jornada, estaremos todos juntos”. Se você não estiver num segundo turno entre oposição e situação, seu apoio à primeira é uma certeza?

Pudim – Permanecerei na oposição. Como falei anteriormente, as alianças não são de natureza pessoal. As alianças são construídas, inicialmente, na convergência de projetos para Campos. Construindo uma aliança que aglutine projetos, avançamos para uma aliança eleitoral na oposição. Sendo possível esta construção caminharemos juntos, do contrário ficarei neutro.

 

Publicado hoje na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 26 comentários

  1. Acho que como seu ex líder Garotinho,Pudim também só tem olhos pra si e aprendeu com seu ex chefe a ter um projeto de poder e a (trecho excluído pela moderação) para conquista-lo.Quando Garotinho fala que Pudim é péssimo de votos ele fala a verdade,todos seus mandatos sem exceção foram lhes dado por seu ex patrão.Pudim não consegue eleger nem um vereador,vide o caso da experiencia mal sucedida de tentar eleger seu irmão Marcinho que só obteve 1.834 votos e sinceramente sem o apoio de Pudim acho que teria tido mais votos pois Marcinho e um cara legal,enfim Pudim no município de Campos não se elege nem a vereador querer mudar para um novo partido e já sentar na janela é muita pretensão e finalizo afirmando que o PMDB não cometerá a tolice de perder essa oportunidade de conquistar a prefeitura de Campos lançando um candidato que não tem votos,embora se assim o fizer será um verdadeiro Fracasso.

  2. Jamais ocupei cargo público, muito menos votei algum dia em Garotinho. Acho legítimo o deputado Pudim, eleito por Garotinho, querer seguir outro caminho. Mas cabe uma pergunta: porque só agora depois de eleito pela máquina, consegue ver que este modelo esta falido? porque não rompeu com este modelo antes do pleito? a semelhança do irmão Nelson Nahim, assim também como outras lideranças, que corajosamente discordaram e romperam com Garotinho, estando o mesmo no auge, quando era cotado par vencer a eleição de governador, apresentando-se em primeiro lugar em todas as pesquisas. Se Garotinho houvesse ganho a eleição para Governador do Rio de Janeiro; será que romperia??? será que o veria como câncer? porque levou 30 anos para enxergar isto? Ao meu ver, terá que dar muitas explicações, para tentar convencer o eleitor campista.

  3. Mesmo diante de longa entrevista, com perguntas e respostas inteligentes, ainda assim não estou convencido que depois de trinta anos de serviços prestados ao Garotinho, que ele romperia!!!! particularmente, acho que ainda é um Cavalo de Troia….. so o tempo nos fará mudar de idéia…….. acho que ficaram faltando perguntas do tipo ::::: (trecho excluído pela moderação)… entre outras!!!! mais apimentadas….

  4. Fisiologismo barato, isso sim!

  5. Alguém que leva 30 anos para descobrir que a
    liderança que seguia cegamente está errada,
    que leva 30 anos para perceber que a forma
    de fazer política do grupo a que pertencenão
    vai ao encontro dos interesses públicos ,etc,
    merece a confiança do eleitor?
    É subestimar em demasia a inteligência alheia.

  6. COITADO DE PUDIM.SE FOI ELEITO PRA CARGOS POLÍTICOS.
    FOI GRAÇAS A GAROTINHO E COMO POLÍTICO?
    HUM…
    É MUITO RUIM…

  7. pudim sabe que eu fui o primeiro a dexar garotinho há 2 anos! só que deixei com ele com 26% nas pesquisas pra governador. mas quera crer que esse rompimento seja pra valer: embora acho dificil a cidade acreditar mediante a tantas benesses recibidas por garotinho. vamos aguardar!

  8. Não acredito..td falácias…Garotinhos na veia….

  9. Ainda não é a hora de acreditar no pudim, essa credibilidade só vai acontecer depois de alguma informação que se transformar em (trecho excluído pela moderação). Vai pudimmmmmmmm…

  10. Pudim não ganha eleição nem p síndico de prédio, tá morto igual Garotinho!
    #forarosinha

  11. Não li a entrevista mais pelo titulo do testo posso concordar com o Pudim o Governo Municipal estava sim com um Câncer e o Governo se curou desse Câncer quando expulsou esse tumor que era o próprio Pudim.

  12. Acho que todo relacionamento tem um desgaste, não sei o que houve, uma coisa é certa, pudim é ruim de votos, tudo que ele conseguiu até hoje foi através do seu ex líder, fato!!!!! todos os mandatos que conseguiu foi através da máquina e garotinho, inclusive na última eleição usou o slogan candidato da família garotinho, tinha que continuar calado sem entrevista seria melhor, cuspindo no prato que comeu, caso queria ser candidato a prefeito , vai passar a maior vergonha, nunca mais ganha como nada, deixa bem claro que nunca votei em garotinho e não pretendo votar!!! esse pudim nunca teve e nunca vai ter luz própria!! abraços.

  13. Só sendo muito, muito, muito idiota mesmo, para não perceber que essa é mais uma jogada do garotinho para se manter no comando do nosso município!!! ARMAÇÃO PURA!! Vai tentar eleger o puxa-saco mor (compete em puxassaquismo com o suledil)usando o dinheiro do estado (nosso dinheiro) e colocará um bode qualquer para disputar com o dinheiro da PMCG (nosso dinheiro também) e vai tentar levar os dois para o segundo turno. E TEM IDIOTA QUE NÃO VÊ!

  14. Depois dos trinta?
    Olhe para nossa cidade.
    O que foi feito dela?
    Pudim participou de tudo,inclusive,quando foi vice-prefeito na gestão de Arnaldo e abandonou o cargo para continuar seguindo seu líder.
    Agora vem dar uma de bom moço?
    Temos que continuar a ter compromissos sérios com todos e não com nossos próprios umbigos.
    Depois de um suposta vitória nas urnas, este pré-candidato,vai se sentar com seu ex e vai torná-lo aliado novamente. Está na cara.
    Toda uma vida política não acaba com ceninhas de ciúmes, e também não se apaga os desmandos criados e exercidos por este grupo. Ele participou de todas as decisões, tomadas e postas em práticas, em que sua maioria foi contra os desígnios do município e a favor deste grupo durante esses trinta anos em todas suas eleições disputadas.
    Sinceramente fico muito preocupado com o que este moço aprendeu, para agora tentar fazer o contrário. DUVIDO!
    Todas estas palavras bonitas, ditas por ele, não me convencem.

    CUSTO A CRER QUE ELE TENHA LUZ PRÓPRIA, E DEIXE DE SER UM POSTE, ATÉ PORQUE NUNCA VENCEU UMA ELEIÇÃO DIRETAMENTE. Sempre foi na composição.

    Abram os olhos, campistas, P U D I M É G A R O T I N H O D E N O V O !

  15. A solução para Campos esta em Rafael Diniz.

  16. Quero saber da entrevista bomba?

  17. Aaaaah Cordeiro!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Vai conseguir enganar umas 10 mil pessoas.
    E mais uma vez não vai se eleger a prefeito.

    LEMBREMOS POVO DE CAMPOS:

    PUDIM É POLITICO DESDE garotinho.

  18. e mesmo que não fosse garotinho.
    Nunca foi o meu sonho de consumo te-lo com o politico para o meu município. VER O QUE FEZ ATÉ HOJE me basta para concluir isso.

  19. Pudim tem todo o direito de buscar novos caminhos,lutar pelos seus sonhos…. O fato de ter seguido Garotinho por tantos anos não o impossibilita de nada, muito pelo contrário,vem ganhando força… Pois mesmo consciente das dificuldades por ter tomado esta decisão, continua firme em seus propósitos….Isto demonstra personalidade e ciência do seu potencial…..Além do mais o PMDB,considerado o maior partido do Brasil, com tantos êxitos,não teria lançado seu nome se não tivesse convicção de suas reais possibilidades. É a grande oportunidade de PUDIM mostrar seu valor. Caso contrário… Morrerá politicamente….

  20. A pergunta sobre educação, que evidenciou nossa péssima colocação entre os 92 municípios ele não respondeu. Será que é porque vai continuar contratando a EXPOENTE?

  21. Gente qual desses candidatos tem currículo para ser prefeito de Campos o que eles administraram até hoje quais cursos de capacitação pública eles tem é tudo na base da politicagem,qual deles viajaram ao exterior para aprender alguma coisa em cidades de primeiro mundo de como se administra ou até mesmo algumas do terceiro mundo,só politicagem e de olho nos royalties.

  22. Essa é cidade do meu avô e ele não está vivo hoje para votar, mais ficaram os campinenses de hoje. É fácil achar culpado, acusar as pessoas, esse cidadão fazia parte de um partido que lhe deu sustentação política e que não fez nada de mais, se ele teve padrinho político ele mesmo aproveitou esse apadrinhado para aprender no seu ofício. O maior culpado é povo de Campos que elegeu com seu voto essa família que a muito tempo está no poder arrasando essa, estrangulando essa cidade e destruindo-a aos poucos com os votos que vocês mesmos os deram. Se Campos está passando por isso já faz algum anos é por causa de vocês mesmos. A voz do povo é a voz de Deus( dizem) nessa situação ” A voz do povo é a voz do diabo”.

  23. Esse aí não merece meu Voto.

  24. Pudim é o msm de hj e sempre, todas as eleições que teve foi com apoio de Garotinho, ou seja, não se faz sozinho. Não creio numa só palavra dele!! Ranço dos Garotinhos!!

  25. Pois quem é que vai cair no “conto da carochinha”? O “secretário” e suas maquiavelices cada vez mais mal arrumadas! Eu tenho uma fórmula bem simples e prática:

    __Se fez parte do time garotista, pra mim é “Walking dead”. Não acredito, não confio e não voto nem se Jesus me pedisse! Portanto, Pudim, Mauro, Tô Contigo e todo o resto, inclusive assessores, eu não confio, e os desprezo solenemente!

  26. Para muitos que não querem ver, a verdade é que o Pudim conviveu por 30 anos em fazer sempre as ordens do lider, e sempre seus projetos lhe erram atribuidos, como exemplo a comstrução das 10.000 casas, a passagem a 1,00 que estaõ em vigor ao governo rosado, estes foram plano de governo de Pudim em 2004 e 2006 mas a gestão atual se perderam ao modo que foram conduzidos.
    Pudim é estudioso e sabe administrar muito bem, basta ver a economia que fez na Alerj como secretario, onde em sua gestão na Mesa Diretora economizou R$ 12 milhões no primeiro trimestre do ano. Pudim é o melhor para Campos.

Deixe uma resposta

Fechar Menu