“Governo Rosinha perdeu a capacidade de interlocução com a sociedade”

Zero! Na contabilidade do deputado estadual Geraldo Pudim (PMDB), esta é a possibilidade dele ser um “Cavalo de Tróia” do secretário municipal Anthony Garotinho (PR) na sucessão da prefeita Rosinha Garotinho (PR), assim como de ser vice numa chapa de oposição que a dispute. Nas contas do pré-candidato do PMDB a prefeito de Campos, próximo de zero está o caixa do município, numa crise que, ele acredita, forçará o afunilamento das candidaturas de oposição.

 

 

(Foto de Michele Richa - Folha da Manhã)
(Foto de Michele Richa – Folha da Manhã)

 

 

Pudim “Cavalo de Tróia” – Zero de possibilidade! Nem Garotinho tem essa “genialidade” para me fazer de “Cavalo de Tróia”, nem eu tenho a genialidade de enganar (governador Luiz Fernando) Pezão, (presidente da Alerj, Jorge) Picciani, (prefeito do Rio, Eduardo) Paes e (vice-presidente Michel) Temer.

Rogério Matoso “Cavalo de Tróia” – Seria leviano da minha parte afirmar que o ex-vereador se prestaria a esse tipo de papel. Mas o que o mundo político diz é que Rogério Matoso é uma candidatura plantada na oposição por Wladimir (Garotinho, PR). Mas ele tem todo direito de pleitear ser candidato. É legítimo.

Oposição – Hoje todas as pré-candidaturas de oposição colocadas são legítimas. Agora, é imperioso avaliarmos mais adiante a possibilidade de redução do número de candidaturas. Até porque, é com essa hipótese de fracionamento que Garotinho joga. Porque só há uma chance dele vencer a eleição em Campos: levar dois candidatos seus ao segundo turno. Qualquer candidato de oposição que for ao segundo turno repetirá o que ocorreu comigo, como candidato governista, em 2004 e 2006: todos se unem contra.

Governo – A despeito de vários avanços, o modelo de gestão se esvaiu. O governo Rosinha perdeu a capacidade de dialogar com a sociedade civil. É um governo que decide entre quatro paredes, que sequer tem sensibilidade para definir prioridades. Quer exemplo? Há anos o Hospital São José espera R$ 6 milhões para ser concluído, enquanto R$ 18 milhões são gastos na Cidade da Criança. Não sou contra a Cidade da Criança, sou contra colocá-la na frente de um hospital decente para a Baixada. Quer outro exemplo? O transporte coletivo. Houve grande avanço com a passagem a R$ 1,00. Agora suspensa por três meses, ela nunca ofertou segurança, conforto ou regularidade de horário e linha aos passageiros. E as obras de infraestrutura? Toda a população verifica que são obras de custo altamente elevado, de péssima qualidade, com uma demora assustadora. Campos hoje é um grande cemitério de obras inacabadas.

Fogueira das vaidades – As vaidades estão muito afloradas. Todo mundo acha que pode ser candidato, que merece, e isso é natural. Com o avanço do processo, a tendência é que as candidaturas de oposição se afunilem para três ou quatro. Em reportagem publicada num matutino local, a Prefeitura anunciou que está gastando R$ 74 milhões em folha mensal de pagamento. Isso significa que a despesa com pessoal está próxima de R$ 1 billhão por ano. Com pagamento de dívida e a queda dos royalties, isso chega a R$ 1,3 bilhão, R$ 1,4 bilhão. Com um orçamento de R$ 1,7 bilhão, sobram só entre R$ 300 milhões a R$ 400 milhões para investimento. Em resumo: a conta não fecha. O próximo prefeito terá que fazer uma gestão eficiente, enxuta, transparente e atenta às esferas estadual e federal. A crise, ao meu ver, não se finda em 2016. Ela tende a se aprofundar. Por isso as candidaturas de oposição tendem a se afunilar. Como disse o Délio Leal, ex-deputado do PMDB: “Na crise, estamos todos conenados a nos unir”.

Vice – Eu vir como vice de uma chapa encabeçada por outro partido? Zero de possibilidade! O PMDB é o maior partido deste país. O PMDB tem um projeto nacional e estadual. E nós recebemos a incumbência de reinserir o município de Campos nesses projetos. Agora, se é quanto ao vice da nossa chapa, ainda é conjectura, que estaremos trabalhando na perspectiva de alianças, embora o PMDB tenha quadros a oferecer. Como exemplo, cito o nome da Dra. Cândida Barcelos, que implantou a vacina Prevenar em Campos. É uma médica comprometida com as causas sociais, especialmente com a saúde da mulher.

 

 

Página 2 da edição de hoje (15/03) da Folha
Página 2 da edição de hoje (15/03) da Folha

 

 

Publicado hoje (15/03) na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 3 comentários

  1. Alexsandro

    ROSINHA NUNCA TEVE CAPACIDADE ALGUMA….

    E SOBRE DIALOGAR NAO É SEU FORTE, ARROGANTE E PREPOTENTE COMO SEMPRE… NAO CONSEGUE OUVIR NINGUEM !

  2. James

    PUDIM FOI UM GRANDE ALIADO DO GOVERNO E DO GRUPO ROSINHA GAROTINHO.
    HOJE FALAM QUE SE DIVORCIOU DO DESGOVERNO COR DE ROSA, MAS MUITOS ACHAM QUE ISSO TUDO É UMA JOGADA, UM ACORDO ENTRE PUDIM, GAROTINHO E PICCIANI. MAS A REALIDADE É A SEGUINTE: PUDIM FOI UM GRANDE COLABORADOR AJUDANDO AO GAROTINHO E ROSINHA, ACABAREM COM A NOSSA CIDADE CAMPOS DOS GOYTACAZES.
    OS SEUS MANDATOS COMO DEPUTADO FEDERAL E DEPUTADO ESTADUAL, FICARAM À DISPOSIÇÃO DO GRUPO DE GAROTINHO PARA QUE JOGASSE A NOSSA CIDADE CAMPOS DOS GOYTACAZES, DENTRO DAS TREVAS. SE HOJE CAMPOS ESTÁ DO JEITO QUE TÁ … PUDIM FOI UM DOS MAIORES COLABORADORES.

  3. Mauro Neves

    ALEXSANDRO, ACHO QUE VOCÊ ESTÁ FALANDO DA PESSOA ERRADA, POIS PUDIM NUNCA FOI ARROGANTE E PREPOTENTE, ESSES PREDICADOS NORMALMENTE SÃO ATRIBUÍDOS AOS NASCIDOS EM BERÇO ESPLÊNDIDO. VOCÊ DEVE ESTAR FALANDO DE OUTRA PESSOA.
    AGORA OU VOCÊ É LEVIANO EM SUA ANALISE OU ESTÁ A SERVIÇO DE OUTROS…

Deixe um comentário