Fabio Bottrel — Resgate da Memória Sonora de Campos

Bottrel 02-04-16

 

 

“Pelos olhos o amor chega ao coração, pois os olhos são os guias do coração. Os olhos procuram o que o coração gostaria de possuir, quando estão de pleno acordo, os três em harmonia, nasce o perfeito amor, oriundo do que os olhos tornaram bem-vindos ao coração. Os verdadeiros amantes sabem, o amor é a perfeita bondade, que nasce sem dúvida do coração e dos olhos.”

Logo após escutar essas palavras de Joseph Campbell na célebre entrevista sobre O Poder do Mito concedida ao jornalista Bill Moyers(*1), conheci o Resgate da Memória Sonora de Campos, e não tive dúvidas, pelos ouvidos o amor também chega ao coração. Quando a canção beija os ouvidos, o corpo se emociona e agradece toda a beleza que os olhos não puderam ver. Fez pensar as histórias que ainda hei de conhecer, pelas notas, as paisagens, pelos versos, as lágrimas e os sorrisos dos poetas. Segui a migração das almas, discordei de Jung, aos sussurros das usinas moendo a esperança, escapei do preconceito da condição humana.

Carregado pela brisa, o som preencheu meu corpo de história e melodia, de “verde bonança dos canaviais. Era o caldo espumante, o refrigerante de um tempo demais.”(*2) Como nas  Heroides de Ovídio, meu coração suave é presa fácil dos que regam — sem água — a arte plantada nesse solo fértil(*3). Vozes, Goytacazes, levantam-se das terras molhadas de lágrimas, ouro negro usurpado em bolso branco dentro da noite se perdeu e encontrou com o passado, chorou.(*4)

Em tempo de banda com nome inglês, as cores da minha identidade não compõem essa bandeira sem pátria, minha origem está aqui onde os negros deram a vida, aqui onde os índios por muitos foram esquecidos. Não vendo a minha história a preço de banana, a nascente desse rio é minha voz, minha memória. O resgate sonoro de Campos é também o resgate da nossa alma acanhada, perdida há muito, por se sentir tão menosprezada.

Presente do meu grande amigo Helio de Freitas Coelho, cujo tempo dedicado a me apresentar a cidade e aconselhar se transformaram em conhecimento para toda a vida.

O Resgate da Memória Sonora de Campos é uma coletânea fonográfica em tributo ao passado musical da terra goitacá.

 

Realizado por Orfeão de Santa Cecília.

www.orfeaodesantacecilia.org

 

(*1)  Série de conversas entre Joseph Campbell e Bill Moyers, foram transcritas e transformadas em livro: O Poder do Mito.

(*2) Referência à faixa 01 do primeiro disco: Nossa Cidade. “O Gênio criador de Anoeli Maciel (1940 – 2005), associado à inspiração do poeta Luiz de Gonzaga Balbi, produziu este retrato nostálgico da paisagem campista, a um só tempo singelo e verdadeiro, de tocante beleza melódica. A gravação original tem o mavioso teclado de Anoeli Maciel acompanhando as brilhantes vozes de Magid Abud e Alba Valéria.” Extraído do livreto explicativo Resgate da Memória Sonora de Campos.

(*3) Referência às Heroides de Ovídio, XV, 79-80. “Meu coração suave é fácil presa das flechas ligeiras, e por isso estou sempre amando.”

(*4) Referência à Faixa 08 do segundo disco: Dentro da noite. “A cantora e compositora Neuza Pinto Pessanha foi musicista de muita inspiração, sobretudo quando tratava a temática noturna, recorrente em suas românticas composições, tendo sido este samba-canção, Dentro da noite, uma das peças mais marcantes em sua carreira. A interpretação é da versátil cantora Alba Valéria, sobre o piano de Luiz Reis.” Extraído do livreto explicativo Resgate da Memória Sonora de Campos.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário