Durante a prisão de Garotinho, Campos não teve protestos. Por que será?

 

 

 

Charge do José Renato publicada hoje (28) na Folha

 

 

Coincidência?

Durou pouco mais de 13 dias a prisão domiciliar e a incomunicabilidade do ex-governador Anthony Garotinho (PR). Condenado no último dia 13, pelo juízo da 100ª Zona Eleitoral (ZE) de Campos, a nove anos e 11 meses de cadeia pelos crimes de corrupção eleitoral, associação criminosa, coação de testemunhas e supressão de documentos, Garotinho teve a prisão e todas as medidas cautelares suspensas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na noite de terça (26). Coincidência ou não, nestas quase duas semanas, Campos não teve quase nenhum protesto popular, nem de categoria, como servidores ou motoristas de vans e lotadas.

 

Garotinho e Rosinha convocam

O dia de ontem (27), seguinte à concessão de habeas corpus pelo TSE, foi gasto com formalidades jurídicas para o cumprimento da decisão da instância máxima da Justiça Eleitoral brasileira. Uma reunião com a militância, engordada pelos que andaram sumidos durante os 13 dias de prisão do líder, chegou a ser convocada nas redes sociais por Garotinho e sua esposa, a ex-prefeita Rosinha Garotinho (PR). Seria às 18h de ontem, no Clube de Regatas Rio Branco, no Centro. Mas, diante dos contratempos burocráticos à liberação do ex-governador, acabou sendo adiada para hoje (28), a priori nos mesmos local e horário.

 

Protestos à míngua

Se a reunião acontecer mesmo hoje, impossível contabilizar a quais categorias e bairros pertencerão os militantes presentes. Mas, nos pouco mais de 13 dias em que Garotinho ficou preso, só duas manifestações ocorreram em Campos: na última quinta (21), pais de alunos e funcionários da Escola Municipal Heitor Alves Barreto, em Ponta de Coqueiros, fecharam (aqui) a RJ 216 contra demissão de uma diretora; enquanto na última terça (26), motoristas e cobradores da empresa Rogil paralisaram (aqui) o serviço, reivindicando os salários de agosto, mesmo com a confirmação do pagamento do consórcio por parte do município no referido mês.

 

Ameaça dos RPAs

Bem verdade que os médicos que trabalham para a municipalidade com Recibo de Pagamento Autônomo (RPA) ontem já ameaçavam cruzar os braços. Segundo eles, o atraso no pagamento chegaria a dois meses. Em comunicado da superintendência da Comunicação, a Prefeitura admitiu dificuldade no pagamento de agosto. Ninguém discute que quem trabalha, sobretudo numa área essencial como a Saúde Pública, tem que receber. Mas a lógica nem sempre é a tônica de quem insufla os protestos para criar o clima de caos na cidade.

 

Quanto pior, melhor

Condenado a oito anos de inelegibilidade na mesma Chequinho que prendeu Garotinho, o ex-vereador Albertinho (PMB), por exemplo, já foi flagrado tanto nos protestos de motoristas de vans e lotadas que se acostumaram a parar impunemente a cidade (aqui, aqui, aqui, aqui e aqui), quanto na paralisação dos rodoviários (aqui) do último dia 4, pedindo fiscalização às vans e lotadas. Nessa ausência de lógica reunida contra a cidade, ontem, diante à “casinha na Lapa” de Garotinho, a militante do ex-candidato a prefeito Caio Vianna (PDT), Josy Vaz, gritava às vans e lotadas que passavam: “A perseguição vai acabar”. E depois vociferava aos ônibus: “A passagem a R$ 1,00 vai voltar”.

 

Expectativa

A retomada da Bacia de Campos é a grande aposta das cidades que fazem parte da Organização dos Municípios Produtores de Petróleo (Ompetro). Ontem, enquanto dez novos blocos na região eram arrematados em leilão da 14ª Rodada de Licitações de Petróleo e Gás, a busca por investimentos nos campos maduros também levou o prefeito Rafael Diniz à sede da Petrobras, em Macaé, para um encontro com o gerente geral da Unidade de Operações de Exploração e Produção na Bacia de Campos (UO-BC), Marcelo Batalha. A projeção é que R$ 10 bilhões sejam aplicados nos próximos anos onde já há exploração.

 

Socorro

A expectativa é de que o aumento da produção de petróleo eleve a receita de royalties e participações especiais dos municípios. A curto prazo, esses investimentos podem gerar impactos socioeconômicos positivos, com destaque para a geração de empregos, na arrecadação de impostos, como ISS (Imposto Sobre Serviços) e dinamização de serviços e comércio. Diniz ressaltou que os municípios estão unidos por ações de desenvolvimento.

 

Com o jornalista Rodrigo Gonçalves

 

Publicado hoje (27) na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 3 comentários

  1. ALEX

    Nossaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa…. essa pergunta ta muito dificil de responder !!!

  2. cesar peixoto

    A verdade que todos os politicos sabem, e fingem que nao sabe de nada,nenhum vereador, deputado ou senador faz parte da base do governo se nao estiverem levando alguma vantagem ou eu estou enganado.

  3. ALEX

    A verdade é que GAROTINHO manipula uma INSATISFAÇÃO INEXISTENTE… pra tentar assim formar opiniao e continuar no comando, pq sabe quanto ruim, pessimo e horrivel foi o desgoverno ROSACEO e assim sendo nao quer que as pessoas percebam com uma administração melhor do que a dele (o que nao e dificil ne), entao assim ele mantem as boquinhas sedentas por comida nas maos… vejam que sao pessoas que ja tao mamando ha tempos esses que produzem os protestos organizados e preparados pelo CHEFAO DE QUADRILHA ARMADA !!!

    ENTAO TODOS SABEM O QUE ACONTECE… NAO EXISTE TAL INSATISFAÇÃO, A UNICA INSATISFAÇÃO DO POVO E VER GAROTINHO LIVRE DA CADEIA !!!

Deixe um comentário