Com condenação de Nolita e outros torturadores, Estado se impõe ao crime

 

 

Charge de José Renato publicada hoje (22) na Folha

 

Estado se impõe sobre o crime

Enquanto o Ceará sofre com ações terroristas do crime organizado, em Campos o poder do Estado prevaleceu sobre o terror da bandidagem. Apontado como chefe do tráfico no Parque Santa Rosa, em Guarus, Francio da Conceição Batista, o Nolita, foi condenado a 22 anos e oito meses de prisão, pelos crimes de tortura e corrupção de menor. Em 28 de fevereiro do ano passado, ele estava em casa, onde já cumpria prisão domiciliar. Ainda assim, por telefone, comandou uma sessão de tortura contra uma menor de 17 anos. Ela teve a cabeça raspada, foi agredida a pauladas e teve o cano de um arma apontado para sua boca e órgãos genitais.

 

Barbárie

Por terem cumprido as ordens de Nolita na tortura da menor, Jhony Cândido Barreto, Diego Alves da Iva, Fabiano da Silva dos Santos, Romário Soares Armando e Paulo Victor Fernandes também foram sentenciados. O acinte do poder dos bandidos sobre a comunidade era tanto que Jhony decidia quem poderia estudar ou não no Ciep do Santa Rosa. Condenado a 20 anos de prisão, ele agora só poderá dar ordens dentro da sua cela. Os outros quatro cumprirão 12 anos em regime fechado. O motivo para a barbárie contra a menor? Ela residia na comunidade conhecida como “Sovaco da Cobra”, dominada por uma facção rival dos seus torturadores.

 

Terror só aos seus

A violência em Guarus explodiu em 2018, quando Nolita recusou a união entre as duas facções. Em 8 de março do ano passado, ele foi preso. Ao entrar algemado na caçamba do camburão, o bandido se proclamou “o terror de Fiúza”.  A referência foi a André Fiúza, apontado como chefe do tráfico da Tira Gosto, que já estava preso. Marra à parte, Nolita mentiu. Como os criminosos que infernizam o povo do Ceará, ele era o terror apenas da sua própria comunidade. Com suas forças de Segurança, mas também ações sociais, o Estado tem que se impor sobre essa gente. Se fosse na Pelinca, isso teria ocorrido há muito mais tempo.

 

Wladimir e Bruno

Dada como certa, a transferência do deputado federal Wladimir Garotinho e do estadual Bruno Dauaire, do PRP pelo qual foram eleitos ao PSC do governador Wilson Witzel, só espera a posse dos dois jovens parlamentares em 1º de fevereiro. Ambos formaram uma dobradinha vitoriosa na urnas de outubro. A parceria remonta 2014, quando Wladimir foi preterido pelo próprio pai, o ex-governador Anthony Garotinho, e em resposta elegeu Bruno pela primeira vez à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Garotinho, como de hábito, vai sair do PRP e trocar mais uma vez de legenda, mas disse que não será para o PSC.

 

E Genásio?

Outro que deve sair do PRP é o deputado estadual Renato Cozzolino, que como Bruno também se reelegeu ao cargo. Seu destino deve ser o PR do vereador Marcão Gomes, que fez mais votos que Wladimir a deputado federal, mas acabou não se elegendo. Com isso, o PRP perderia os dois parlamentares que elegeu à Alerj, cumprindo sua sina de legenda de aluguel. Após servir ao naufrágio da candidatura de Garotinho a governador, o partido pode acabar na base do prefeito Rafael Diniz (PPS). Líder da sua bancada na Câmara de Campos, o vereador Genásio é que ficaria em situação ruim. Ele é do PSC que espera Wladimir e Bruno.

 

Transporte

A confiança em um novo sistema de transporte em Campos, que seja eficiente, muitas vezes esbarra na realidade de antigos problemas. Na última semana a Viação MMM, que operava no município em caráter emergencial nas linhas de Morro do Coco, Santa Maria, Espírito Santinho e Santo Eduardo, abandonou o serviço. Atendendo a um pedido da Prefeitura, a Auto Viação São João voltou a circular nas linhas do norte do município. No entanto, espera uma reavaliação quanto às condições para operação, pois considera o prestação de serviço insustentável. A promessa da Prefeitura é de um novo sistema de transporte em abril.

 

Mobilidade

A cada dia se percebe o agravamento das sérias dificuldades na questão do trânsito em Campos. Na área central, a fluidez que já era difícil tornou-se péssima com a instalação de vagas para estacionamento em vários pontos.  A mobilidade urbana é uma das principais preocupações do brasileiro, colocada atualmente como política pública tão importante quanto saúde, segurança e educação. Todavia, a cidade dormiu sobre os royalties do petróleo e não contou, nos últimos anos, com investimentos proporcionais à importância do problema.

 

Com os jornalistas Paulo Renato Porto e Arnaldo Neto

 

Publicado hoje (22) na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário