Opiniões

Postura, PM e vizinhança residencial nesta 5ª para por fim à baderna da saída da Luxx

 

No detalhe, o flagrante de cliente na saída da boate Luxx correndo de pistola em punho, após briga generalizada e três tiros disparados, na madrugada de 01/12/18 (Fotos: Reprodução de vídeo)

 

Após as denúncias do blog (aqui) sobre a mais recente briga generalizada na saída da boate Luxx, no Parque Tamandaré, uma reunião foi marcada para as 19h desta quinta (26) pelo superintendente municipal de Postura, Victor Montalvão, com o comandante da 1ª Companhia da PM, tenente Israel, e os condôminos do edifício Van Gogh, vizinho à casa noturna. A pauta é a necessidade de acabar de vez com as confusões geradas na saída da boate, que têm infernizado as madrugadas do final de semana no bairro residencial e antes pacato.

O incidente mais grave ocorreu em 1º de dezembro de 2018. Cerca de 10 clientes saídos da boate visivelmente embriagados se envolveram em uma briga generalizada que durou alguns minutos, fechando as duas pistas da rua Pero de Góis. Ao final, dois homens saíram em disparada em um carro, enquanto outro envolvido estacionou o seu no lado oposto, em frente à garagem do edifício Van Gogh.

O veículo que havia saído fez a volta um pouco à frente e, antes de retornar, do seu interior foram efetuados três disparos com arma de fogo. Também empunhando uma pistola, o motorista do segundo carro correu e se agachou atrás de outro, também estacionado. De arma na mão, felizmente só acompanhou o veículo que retornou. Apenas por sorte, uma tragédia não ocorreu.

As câmeras de segurança do edifício Van Gogh flagraram o ocorrido por dois ângulos. No primeiro, a filmagem se inicia da câmera direita. Entre o centro e a esquerda da parte superior da tela, se observa a briga generalizada no meio da Pero de Góis. Até que aos 4’50” o carro de um dos envolvidos estaciona em frente à garagem do edifício. Aos 7’10”, após os três disparos, o motorista corre e se agacha atrás de outro veículo parado. E dali observa passar o carro de onde saíram os tiros. Confira:

 

 

O segundo vídeo das mesmas cenas é da câmara esquerda do prédio, que melhor evidencia o homem armado. É ele que, a 1’41”, para seu carro em frente à garagem do edifício. Aos 3’11”, corre de arma em punho e se abaixa atrás de outro veículo estacionado, junto a duas mulheres, acompanhando o carro de onde saíram os disparos. Confira:

 

 

Não bastasse toda a confusão, com tiros disparados e armas em punho, mais uma briga aconteceria na saída de outros clientes da boate naquele mesmo 1º de dezembro de 2018, já após o dia nascer. Confira:

 

 

Após as imagens revelarem a gravidade do incidente de 1º de dezembro, a superintendência de Postura, que já tinha autuado e multado a boate Luxx por infrações, a obrigou a fechar as portas até fazer tratamento de vedamento acústico. Até aquele momento, além das brigas, o som alto da casa noturna também impedia toda a vizinhança residencial de dormir durante a madrugada.

Após cumprir as exigências da Postura, a Luxx reabriu em maio deste ano. E na madrugada do dia 20 daquele mesmo mês uma nova confusão foi flagrada em vídeo e noticiada (aqui) pela Folha, com um homem agredindo uma mulher física e verbalmente, na saída da boate. Confira abaixo o novo flagrante de vídeo:

 

 

Por fim, a briga mais recente na saída da boate do Parque Tamandaré foi flagrada em vídeo às 2h da manhã dessa segunda. Aos 25 segundos da filmagem um homem de bermuda branca e já sem camisa atira uma garrafa de vidro sobre outro homem, de calça jeans e camisa escura. Por sorte, erra o alvo, mas a garrafa se espatifa contra o muro de uma residência. Confira:

 

 

Após a nova confusão gerada em mais uma madrugada do Parque Tamandaré, a reunião foi marcada pela Postura e a PM com os condôminos do edifício vizinho da boate Luxx. Na matéria da Folha de hoje, seu proprietário, o advogado Amaro Galaxe declarou:

— Cumprimos todas as exigências e a acústica está dentro dos parâmetros exigidos, inclusive já tendo passado por várias medições. Desde a denúncia, que tomamos conhecimento pela Folha, fizemos nova reforma, inclusive com a construção de mais uma parede acústica, para evitar a saída do som. Quanto à confusão, não houve confusão dentro da boate. A gente preserva dentro de nossas responsabilidades, mantendo uma equipe de segurança legalizada e tentando desenvolver, da melhor forma, a política da boa vizinhança.

Com a repercussão da nova confusão gerada na saída da Luxx, o filho de Amaro, Maron Galaxe, que administra de fato a casa noturna, postou uma foto sua nas redes sociais. Tomando uma cerveja, buscou mostrar tranquilidade com uma situação que talvez seja normal para ele. Também escreveu algumas palavras pouco lisonjeiras, destinadas ao jornal e ao jornalista, desmentidas pelos cincos flagrantes de vídeo postados acima.

Como seus clientes demonstram também sob efeito de álcool na saída da sua boate, confira a encarnação virtual daquilo que na realidade da gíria da noite é mais conhecido como “fanfarronice” ou “garotice”:

 

 

Pessoas mais maduras e sóbrias discutirão a questão na noite desta quinta, na vizinhança antes pacífica da Luxx, com a Postura e a PM. E, provavelmente, ninguém usará marquinha feita por barbeiro para imitar cicatriz na sombrancelha e no cabelo.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 3 comentários

  1. Parece que “Postura” e PM só funcionam mesmo nestas questões no Parque Tamandaré e Pelinca! Na área do Horto Municipal, aos finais de semana, decibéis atingem nível estratosférico. Quase sempre de quinta a domingo, os graves do “pancadão” ultrapassam a madrugada, o mau gosto da breguice rola sem perturbação de seus promotores. Portanto, desde o condomínio de luxo do “Bugainville”, Residências do Horto e outros, todos somos “agraciados” com o som de muitos decibéis de muito mau gosto. No bairro surgem locais deste tipo de evento, brotam como erva-daninha, resta saber se são “oficiais”, se possuem “alvará” e se estão autorizados à prática do som sem controle de volume.

  2. Parabéns a folha por divulgar esse video, as pessoas de bem já não aguentam mais esse tipo de impunidade, agora vamos aguardar qual medida o poder público vai tomar.

  3. Me solidarizo com esses moradores que sofrem com a desordem e espero que tenham mais sorte do que os moradores dos entornos da Rua Barão da Lagoa Dourada e Nações Unidas, região até então tranquila também.
    Pois aqui passamos por uma situação semelhante: sofremos com barulho, algazarra e risco de brigas ou coisa pior não só no final da noitada, mas durante toda noite e madrugada, pois o Mercadinho do Telmo usa as calçadas e ruas adjacentes como extensão do seu estabelecimento à noite. Os seus clientes compram bebidas alcoólicas e bebem nas calçadas e ruas, porém a Superintendência da Postura diz que nada pode fazer pois os clientes estão na Rua e calçadas e não dentro da Mercearia.
    Como se não bastasse, após as 24:00 a Mercearia fecha e os clientes continuam na rua com gargalhadas, gritos, atos de vandalismo…
    A algazarra, gritaria, brigas incomodam demais e nós moradores temos que nos trancar dentro de nossas casas, como reféns.
    E, por enquanto, encontramos isso: deboche, retaliações, desculpas esfarrapadas…
    O certo virou o errado!
    Só que não diz respeito à Postura…
    Só não sabemos diz respeito à quem?

Deixe uma resposta

Fechar Menu