Opiniões

Cinema na capital do carnaval — Direita e esquerda ruins da cabeça e doentes do pé

 

“Deixe tudo acontecer com você

Beleza e terror

Apenas continue

Nenhum sentimento é final”

(Rainer Maria Rilke, poeta alemão de mãe judia)

 

 

Oscar de roteiro adaptado, Taika Waititi dirige e interpreta Hitler em “Jojo Rabbit”

 

 

Cinema e vida real na capital do carnaval

 

Vinha pelo metrô de Botafogo. Era o domingo antes do carnaval no Rio, cidade que só perde para Salvador na extensão prévia da regência de Momo. Como foram as duas capitais do Brasil antes de Juscelino abrir a farra das empreiteiras nacionais na construção de Brasília, que financiariam a operação Bandeirante na ditadura militar e teriam seu “Baile da Ilha Fiscal” no período lulopetista, explica muita coisa.

 

 

Como cantou na música “Americanos”, sobre nós, o baiano carioca Caetano: “Enquanto aqui embaixo/ A indefinição é o regime/ E dançamos com uma graça/ Cujo segredo nem eu mesmo sei/ Entre a mesmice e a desgraça/ Entre o monstruoso e o sublime”.

 

Estação Botafogo, cinema mais charmoso do Rio

 

Saíra de Botafogo, bairro charmoso do Rio, com o qual fixara relação de intimidade há três décadas. No velho Estação, outra amizade antiga, assistira ao último filme que ainda não vira entre os principais concorrentes do Oscar de 2020: “Jojo Rabbit”. Escrito e dirigido pelo neozelandês Taika Waititi, levou a estatueta dourada por melhor roteiro adaptado.

Waititi é filho de um maori — índios nadadores que a seleção natural tornou grandes, fortes e principal causa do sucesso da Nova Zelândia no rugby — e uma judia russa. A ascendência, no entanto, não o livrou das críticas do politicamente correto, por também interpretar Hitler como amigo imaginário de Jojo, na pele do menino franco-inglês Roman Griffin Davis. É o personagem central do filme, que tem como mãe a musa estadunidense Scarlett Johansson.

Nazista fanático como são hoje os bolsonaristas, e permanecem os lulopetistas, Jojo vai sendo humanizado pela queda violenta do Reich de mil anos — que durou apenas uma dúzia no mundo apartado à bala do fanatismo. Abandonado por Jojo, sobretudo, pelo contato inesperado com uma jovem judia, interpretada pela neozelandesa Thomasin Mckenzie.

 

Diante de Jojo, personagem nazista de Sam Rockwell solta a franga no combate final

 

Outro personagem importante é vivido pelo bom ator estadunidense Sam Rockwell. Como oficial alemão que perde um olho na guerra, ele tem uma relação homoafetiva com seu assistente, enquanto treina Jojo e outras crianças recrutadas obrigatoriamente pela Juventude Hitlerista. Para bater ponto com o politicamente correto, Rockwell é um nazista que, no final da Guerra, se assume homossexual e salva judeus e alemães amigos de judeus.

 

O lacrimogêneo “A Vida É Bela”, vencedor de três estatuetas na festa italiana do Oscar de 1999

 

No vagão de metrô no domingo antes do carnaval, pensava nos vagões de trem com passageiros de menos sorte rumo aos campos de extermínio de Hitler. E em como “Jojo Rabbit” parecia uma versão alemã, mas falada em inglês, do lacrimogêneo “A Vida é Bela”, do italiano Roberto Benigni. Que, a exemplo de Waititi, também roteirizou, dirigiu e atuou na sua visão cinematográfica da II Guerra e do Holocausto pelos olhos de um menino judeu.

 

A socióloga Marília Andrade, mãe de Petra Costa e filha do fundador da empreiteira Andrade Gutierrez, no encontro montado com a ex-presidente Dilma Rousseff, momento mais “meu querido diário” de “Democracia em Vertigem”

 

Ao idiota que cobrou para o documentário “Democracia em Vertigem” (leia aqui sua resenha de 1º de julho de 2019), de Petra Costa, a mesma atenção dada pela mídia em 1999 à ficção “Central do Brasil”, de Walter Salles, a lembrança de “A Vida É Bela” é pertinente. Foi ele que derrotou o candidato brasileiro de maior mérito na disputa do Oscar de filme estrangeiro. Vinte e um anos depois, como defender Fernanda Montenegro dos ataques do nazibolsonarista Roberto Alvim, para depois cobrar paridade do trabalho antológico da diva em “Central” com o documento da parcialidade de Petra?

 

Vinícius de Oliveira, hoje homem de 34 anos, e a diva Fernanda Montenegro em “Central do Brasil”, filme brasileiro com mais mérito a concorrer e perder o Oscar

 

No Oscar de 2020, o lulopetismo lutou por migalhas e foi derrotado pelo documentário “Indústria Americana”, de Steven Bognar e Julia Reichert. No eco ao delírio de que a Lava Jato teria sido urdida pela CIA por conta do Pré-Sal, “Democracia em Vertigem” foi preterido pelo filme produzido pelo casal Obama. Ao denunciar o imperialismo yankee, a filha branca de uma família de grandes empreiteiros brasileiros ficou a ver navios diante de um ex-presidente dos EUA, filho de africano e falando de operários chineses na indústria de Ohio. Justiça poética?

 

Steven Bognar e Julia Reichert, diretores de “Indústria Americana”, entre o casal Michelle e Barack Obama, que produziram o documentário vencedor do Oscar 2020

 

Na estação da Cardeal Arcoverde, já em Copacabana, o solilóquio entre cinema, Brasil, Alemanha, Nova Zelândia, EUA, África, China e mundo é interrompido pelo espalhafato do trio ébrio que entra no vagão. São duas mulheres e um homem. Todos jovens e fantasiados de índio, no eco do surdo ao pentecostalismo psolista do Leblon. Que esqueceu de fantasiar seu ridículo ao tentar catequizar até o tradicional carnaval da periferia do Cacique de Ramos.

 

Um dos blocos mais tradicionais do carnaval de rua da periferia carioca, o Cacique de Ramos sofreu patrulha politicamente correta da equerda festiva do Leblon no carnaval de 2020

 

Os três sentam nos bancos vazios do metrô do início da noite de domingo. Entre elas, ele é mordido por ambas. E grita com o agudo estridente que o cinema creditou às mulheres no medo. E aos índios, na guerra. Descem cambaleantes duas estações depois, no Cantagalo, corte nos morros cariocas para ligar a Lagoa Rodrigo de Freitas à Copacabana.

A esquerda identitária do “lugar de fala” e da “apropriação cultural” não aprovaria as fantasias do trio. A direita obscurantista do “menino veste azul, menina veste rosa” não aprovaria sua atitude. Em um extremo e no outro também, ruins da cabeça e doentes do pé.

 

Entre os maiores gênios da história do cinema, o estadunidense Orson Welles filma o carnaval do Rio de 1942, no documentário inacabado “It’s All True”, perdido até 1985 e só lançado em 1993

 

Já em seus créditos iniciais, o carnaval de rua carioca prometia outro didático documentário a olhos vistos. Mais para o “It’s All True” (“É Tudo Verdade”, relembre aqui) do revolucionário Orson Welles, no Rio real de 1942, quando a Alemanha ainda ganhava a II Guerra, do que para as ruas brasileiras na mão única de Petra Costa, burguesinha de longo vermelho, cor do tapete de Hollywood.

 

Na festa do Oscar, Petra Costa dá entrevista à Rede Globo, acusada em seu filme de cobertura parcial nas revelações da Lava Jato e nos protestos que levaram ao impeachment de Dilma

 

Como em “Jojo Rabbit”, na queda da suástica entre estrelas, listras, foice e martelo, tudo que talvez importe seja ter seu par — ou ímpar — para dançar ao final.

 

 

Publicado hoje (23) na Folha da Manhã

 

Este post tem 7 comentários

  1. Deixe SEMPRE um aviso de Spoiler ao publicar algo ou principalmente o final de um filme, eu assisti que não, pode ficar chateado. Abraço e bom Domingo.

  2. Texto brilhante. Fez guinchar no lombo da esquerda e direita suínas que emporcalham o Brasil. Parabéns!

  3. Ninguém melhor que o cacique Raoni para assumir o ¨lugar de fala¨ dessa esquerda sem noção: ¨Quem está fazendo, faz porque quer se enfeitar, adquirindo nossas vestimentas, nosso cocar, nossas coisas. Nós usamos objetos de vocês também, então é uma troca.¨ https://g1.globo.com/ba/bahia/carnaval/2020/noticia/2020/02/19/em-salvador-cacique-raoni-comenta-polemicas-sobre-uso-de-fantasia-de-indigena-no-carnaval.ghtml?fbclid=IwAR3kMP83DLiLEMpo-Vzc7dlJoh9sj_TJXlrUJMk2oDoHvJOfQmJ5ObOnO4k

  4. Um partido que governou 13 anos o maior país do Hemsfério Sul agora disputa as migalhas de Obama no Oscar. Greta Garbo quem diria acabou no Iarajá. Ou no Cacique de Ramos.. kkkkkkkkkkk

  5. Parabéns pelo texto, caro Aluysio Abreu Barbosa. Perfeito na análise e nas críticas aos grupos que, para mim, são aliados na tentativa de suprimir a democracia. Não é por acaso que Putin, que influiu para eleger Trump, agora busca influir na indicação de Sanders. Cito três filmes que mostram que todos os autoritarismos na verdade são irmãos. ” Ida”, “A onda” e “A vida dos outros”. Os radicais “opostos” buscam a limitação da livre expressão e a imposição de seu pensamento desprezando a busca de diálogo ou mediação. Em meu conto “Cor”, publicado na Folha da Manhã, abordo isso de forma figurada. Desculpe o texto longo para padrões de redes antissociais. Mas confesso que ando precisando desabafar. Infelizmente Karl Popper estava certo. Pelo bem da tolerância não se pode ser tolerante com o intolerante. Parabéns mais uma vez. Saudações fraternas.

  6. Obrigada pela dica do filme de Orson Welles do Brasil. Já conhecia o título mas não o filme. Vou ver na primeira chance. Bom Carnaval !

Deixe uma resposta

Fechar Menu