Opiniões

Prefeitáveis de Campos analisam discurso de Bolsonaro sobre Covid-19

 

Página 2 da Folha da Manhã de hoje (29)

Na terça-feira (24) pouco depois de ouvir os conselhos (confira aqui) do seu filho Carlos Bolsonaro (Republicanos) e dos assessores do chamado “gabinete do ódio”, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez um pronunciamento em cadeia nacional sobre a pandemia do novo coronavírus. Ele pediu a reabertura de comércios e escolas no Brasil, pregando o fim do “confinamento em massa” como maneira de enfrentar a Covid-19. Que voltou a chamar de “gripezinha”, além de “resfriadinho”. Foi recebido com panelaços enquanto falava na terça, em várias cidades do país, inclusive Campos. Mas também gerou carreatas nacionais na sexta (27), inclusive em Campos, pedindo a reabertura do comércio e o fim do isolamento social.

Já que Campos não está fora da divisão entre os que aprovam e desaprovam a maneira de Bolsonaro em lidar com a crise do novo coronavírus, como os pré-candidatos a prefeito do município reagiram à posição do maior mandatário do país? Até as 13h de ontem, o que ele chamou “gripezinha” já tinha infectado 621.636 pessoas em todo o mundo, causando 28.658 mortes. No Brasil e em Campos, o pico da doença é esperado por volta de 20 de abril, com projeção de queda só em agosto ou setembro. E já é considerada a maior crise mundial de saúde desde a pandemia da gripe espanhola entre 1918 e 1920, causada pelo vírus Influenza H1N1 e que se estima ter matado até 100 milhões de pessoas, incluindo no Brasil e em Campos. Um século depois, e a Covid-19?

Rafael Diniz

— Em Campos seguimos e continuaremos a seguir as orientações das autoridades em saúde, também em nível municipal, estadual, federal e mundial. E a recomendação para este momento é o isolamento social. É ficar em casa. Vimos o que aconteceu em outros países, que não fizeram o isolamento, pensando apenas na questão econômica. O posicionamento não é exclusivo da Prefeitura. Envolve, além das autoridades em saúde, incluindo o Cremerj, a Polícia Civil, a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e o Ministério Público Estadual. Nosso decreto estabelece quarentena até 5 de abril. Dependendo da evolução da doença em Campos, vamos fazendo adequações. Ele poderá ser estendido ou abreviado. Estamos sensíveis à questão econômica. Mas por mais importante que ela seja, nossa prioridade é a vida do cidadão — pontuou o prefeito Rafael Diniz (Cidadania), pré-candidato à reeleição em outubro.

Wladimir Garotinho

— Todos temos preocupação com a economia, entendo a fala do presidente, mas não pode o líder máximo na nação contrariar todas as autoridades de saúde, inclusive as do seu próprio governo. A nossa curva de contaminação deve atingir seu ápice perto de 20 de abril. Até lá o recomendado é o isolamento social total. Após esse período, deve-se rever os protocolos e aí sim poderemos implantar o isolamento vertical. Os países que não respeitaram o período necessário do isolamento total, pagam preços muito alto em vidas, o que vai refletir também em um sério problema econômico mais adiante. Neste momento de incerteza, o governo federal deve implementar medidas de compensação aos trabalhadores e empregadores, através de medidas de subsídio total e parcial.  É verdade que começou a se caminhar nesse sentido, mas demorou muito — observou o deputado federal Wladimir Garotinho (PSD).

— Em um momento como esse, o mais importante e prudente a se fazer é ouvir as orientações das autoridades sanitárias e da área de saúde, além de seguir os exemplos dos países que estão efetivamente combatendo o coronavírus e apresentando resultados reais. O objetivo de qualquer ação de combate à essa doença deve ser sempre o que coloca a segurança, a saúde e a vida das pessoas em primeiro lugar — criterizou Caio Vianna (PDT), também pré-candidato a prefeito de Campos.

Gil Vianna

— Os posicionamentos do presidente Jair Bolsonaro, sempre autênticos, causam muitas reações. Isso desde quando ele era deputado. Nesse discurso sobre o novo coronavírus, ele recomendou a flexibilização das medidas de isolamento social, para que a economia não pare. A pandemia é preocupante e o isolamento deve sim ser adotado, ainda mais por quem faz parte do grupo de risco ou tem contato direto com eles. Respeito o entendimento do presidente e ele tem direito a expor sua opinião. No entanto, sei da importância do isolamento orientado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Neste momento, são essas recomendações que devem ser seguidas pela população, até passar o período previsto para o pico da Covid-19 no Brasil — ponderou o deputado estadual Gil Vianna (PSL), ainda ligado ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) e “pré-candidatíssimo” a prefeito de Campos.

Roberto Henriques

— O presidente foi na contramão da Organização Mundial da Saúde. Todos os que não adotaram restrições a tempo, acabaram se curvando, como fizeram só tardiamente os Estados Unidos e a Itália. O administrador de uma crise não pode ser um falastrão que se orienta por seus desejos. Já passou da hora do presidente Bolsonaro abandonar o Twitter e ser o que a nação precisa: coordenar o Gabinete Nacional da Crise, ser o ponto catalizador de iniciativas conjuntas para o controle do Covid-19, solucionar o abastecimento, garantir renda mínima aos mais pobres, promover um plano de recuperação econômica nos moldes do “New Deal” do presidente Franklin D. Roosevelt  (nos EUA, após a Grande Depressão de 1929), inverter a lógica da supremacia do capital financeiro e dar soberania ao capital comercial e industrial — aconselhou Roberto Henriques (PPL), ex-prefeito e pré-candidato a prefeito de Campos

Marcelo Mérida

— É um momento muito grave para o país e essa decisão depende do diálogo e consenso entre governos e autoridades da saúde pública. A população, os trabalhadores, as pequenas empresas, em todo o Brasil, estão sofrendo com as restrições. Se a paralisação persistir, é preciso já, agora, de um novo Brasil no socorro a estados e cidades, com apoio direto, com liberação imediata de recursos ao trabalhador e ao empreendedor, sem restrições administrativas. No enfrentamento da pandemia da Covid-19, proteger a vida, preservar o emprego e a atividade dos micros e pequenos empreendedores, é assegurar ao Brasil e ao Estado do Rio condições de sobreviver à crise atual e também após ela — pregou o empresário Marcelo Mérida, presidente e pré-candidato a prefeito do PSC em Campos.

Lesley Beethoven

— Temos imediatamente de encontrar alternativas para o confinamento geral. Porém, as decisões não podem ser oriundas de um cabo de guerra institucional. Liberar tudo parece ser contra as recomendações médicas e científicas. Está provado que o sistema de saúde não suportará um aumento acelerado de atendimentos. O povo brasileiro está dando um show de comportamento, apesar do confinamento total, como o de agora, e das terríveis dificuldades que inúmeras famílias já estão passando. Espero que as forças políticas brasileiras, principalmente o presidente da República, consigam chegar a um consenso sobre a reabertura das atividades econômicas nas cidades. Não podemos deixar a fome vencer a quarentena. Não é um dilema entre saúde e economia. As vidas também precisam sobreviver — opinou Lesley Beethoven, presidente e pré-candidato a prefeito do PSDB em Campos.

José Maria Rangel

— A temporalidade do período de confinamento deve considerar, antes de mais nada, a capacidade de atendimento do sistema de saúde no Brasil e ter como meta o alongamento da fase de pico da epidemia no Brasil. Caso contrário, poderemos ser acometidos por um estrangulamento do sistema de saúde que não será capaz de lidar não só com os casos da Covid-19, como também com outras doenças. O governo deveria se preocupar em criar medidas para proteger a vida dos trabalhadores, preservando seus empregos e renda. O apoio ao empresariado deve ter cláusulas de não demissão e pagamento dos salários. A flexibilização da quarentena precisa ser analisada no âmbito da saúde pública. Não ser usada como instrumento de disputa política-ideológica do governo federal — ressalvou o petroleiro José Maria Rangel, um dos três pré-candidatos do PT a prefeito de Campos.

Odisséia Carvalho

— A gravidade do quadro em que vivemos hoje no Brasil, tem como ponto de partida a falta de liderança do governo Bolsonaro e sua oposição ao isolamento social. Mas principalmente da política econômica neoliberal de Guedes, que precarizou o SUS. Em 2019, foram cortados R$13,5 bilhões da Saúde. E, neste ano, mais R$ 4,5 bilhões. O Brasil tem que parar. O presidente Bolsonaro não vai parar, ele está alucinado, tem que ser detido, ou promoverá genocídio. Quem vai sair mais uma vez perdendo é o povo brasileiro, principalmente os mais pobres, os moradores de rua, de cortiços e favelas. É momento de ações extremas para minimizar o sofrimento da população e questionar o modelo econômico. O PT propõe duas medidas urgentes: taxar as grandes fortunas e o “seguro quarentena” durante a pandemia — expôs a ex-vereadora Odisséia Carvalho, também pré-candidata a prefeita do PT

Hélio Anomal

— Diante do atual cenário não só no Brasil, mas mundial, com a Covid-19, além de todos os cuidados preventivos, entendo também ser necessário que tenhamos também equilíbrio. Lamentavelmente, é uma característica dissociada da liderança do nosso país. O presidente não colabora e se faz constantemente contraditório. Afinal, a solução mais inteligente seria ignorar recomendações de especialistas da área de saúde e os fatos ocorridos em outros países? Tudo isso, essas milhares de mortes mundo afora, é simplesmente irrelevante? Na minha opinião, ainda há aqueles que merecem ser ouvidos. Cabe discernimento e sabedoria para que possamos vencer esse inimigo invisível. Cuide-se e, se possível, fique em casa — aconselhou o sindicalista Hélio Anomal, outro pré-candidato do PT a prefeito de Campos.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe uma resposta

Fechar Menu