Opiniões

Caio anuncia PL como destino de Gustavo, critica o PV e alfineta Rodrigo

 

Caio Vianna,Gustavo Matheus, Rodrigo Bacellar e Thaís Tostes (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Após perder a presidência do PV em Campos e sair do partido atirando (confira aqui), Gustavo Matheus foi rápido: seu novo destino é o PL, legenda do arco de alianças da pré-candidatura a prefeito de Caio Vianna (PDT). Pelo novo partido, o ex-verde tentará amadurecer em mais uma candidatura a vereador. A informação foi passada ao blog por Caio, de quem partiu o convite a Gustavo. Citado por este ao perder o PV, o pedetista também comentou a movimentação da legenda no fechamento da janela partidária. E, ao final, aproveitou para alfinetar seu ex-aliado, o deputado estadual Rodrigo Bacellar (SD):

— Com relação à definição do PV, não me cabe fazer comentários porque não faço parte do partido e essa decisão cabe exclusivamente aos seus dirigentes. Obviamente é ruim uma decisão que não respeite a vontade popular dos dirigentes do partido na cidade e dos quadros que compõem o partido aqui em Campos. Com relação ao Gustavo, ele é um grande quadro. Acredito que fez um grande trabalho à frente do PV. Inclusive, na última eleição municipal, ele conseguiu se consagrar como o (candidato a) vereador mais bem votado da história do PV na cidade. Por isso e por todas as outras qualidades que o Gustavo vem apresentando, ao longo da sua trajetória, eu acredito muito no potencial dele. E fiz convite para ele estar com a gente em uma das nominatas que compõem o nosso arco de alianças para as próximas eleições. Ele aceitou esse convite e se filiou ao PL, para concorrer a vereador. E acrescentando, como já havia dito antes, qualquer discussão que exclua a sociedade e vise meramente um projeto de poder, não um projeto de cidade, eu estou fora! — exclamou Caio.

O pedetista repetiu o que havia dito em entrevista publicada (aqui) na Folha em 22 de março. Quando indagado do motivo da sua ruptura com Rodrigo, que era considerado o principal articulador da pré-candidatura a prefeito, Caio respondeu:

 

“Folha – A cisão com Rodrigo se deu por que ele queria indicar seu pré-candidato a vice, além da disputa entre PDT e SD como destino do vereador Igor Pereira (atual PSB), líder do G-7? Se cedesse, todos fossem candidatos e eleitos, você poderia se tornar refém do deputado?

Caio – Esse tipo de negociata que você relata não é projeto de cidade. É um projeto de poder que exclui a sociedade. Estou fora!”

 

Por sua vez, no PL, Gustavo terá outra oportunidade de concorrer em uma eleição contra sua colega jornalista Thaís Tostes, pré-candidata a vereadora pelo PDT. Em 2018, quando os dois ex-profissionais da redação da Folha concorreram a deputado estadual, Gustavo teve 2.364 votos, um pouco menos que os 2.485 de Thaís.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe uma resposta

Fechar Menu