Opiniões

Por que o impeachment de Bolsonaro não está no horizonte?

 

(Foto: Igo Estrela – Estadão)

 

Jair Bolsonaro (sem partido) terminou dezembro de 2020 com 37% de aprovação popular pela Datafolha e 35%, pelo Ibope. Como provaram Fernando Collor de Mello (hoje, Pros) em 1992 e Dilma Rousseff (PT), em 2016, a linha histórica para o impeachment de um presidente no Brasil é 10% ou menos de aprovação popular. E ele só é consumado pelo Congresso após o povo tomar as ruas. O que só deve ser possível, por conta da Covid, no segundo semestre deste ano de 2021.

Em outras palavras, por mais besteiras que diga e faça, sobretudo em relação à pandemia e na condução econômica do país, Bolsonaro deve ficar onde foi eleito para estar. Pelo menos até 2022, ano em que a decisão será novamente no voto popular. A não ser que a aprovação popular do presidente caia, ao menos, pela metade. O que, dada a resiliência bovina do eleitor alcunhado pela oposição de “gado”, parece hoje pouco provável.

Lógico, a relação do Brasil com os EUA de Joe Biden, que assume a Casa Branca nesta quarta (20), e uma eventual vitória de Baleia Rossi (MDB) sobre Arthur Lira (PP), na eleição a presidente da Câmara Federal de 1º de fevereiro, podem mudar — e acelerar — o rumo dos fatos. Mas, por mais que possam ter razões lógicas, jurídicas e sanitárias os que passaram recentemente a elevar o coro pelo impeachment de Bolsonaro, ele ainda não está no horizonte de qualquer análise política dissociada do desejo.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 2 comentários

  1. Pq não roubou igual a Lula e Dilma.
    Qdo vc vai sair do salto scarpin e colocar as sandálias da humildade (trecho excluído pela moderação) ?
    Comunista burguezinho.

    1. Marcos Caldeira,

      Quem não roubou, cara pálida? Flávio Bolsonaro e as rachadinhas com dinheiro público lavado em chocolate da Kopenhangen? Ou os R$ 89 mil de Queiroz para Michelle? Ou o laranjal do PSL para eleger Bolsonaro em 2018? Ou a disputa pelas verbas milionárias do fundo partidário que o fez sair do partido? Ou a milícia do Escritório do Crime sua vizinha no condomínio da Barra?

      Assuma essa sua farda nazista da Hugo Boss, que o salto do scarpin pode ter melhor uso. Como o personagem de Brad Pitt em “Bastardos Inglórios”, para riscar a suástica na testa de fascista.

      Grato pela chance das perguntas e da resposta.

      Aluysio

      P.S. Por questão sanitária, é o seu último comentário neste blog. A partir de agora, vc será dele automaticamente excluído.

Deixe uma resposta

Fechar Menu