Esquerda e direita saem às ruas pelo impeachment de Bolsonaro

 

Protesto pelo impeachment de Bolsonaro promovido no sábado pela esquerda em várias cidades do país, como o Rio de Janeiro (Foto: Ricardo Moraes – Reuters)

 

Respeitando as regras de distanciamento por conta da pandemia da Covid, este final de semana marcou a volta da população brasileira às ruas para pedir o impeachment de um presidente, como aconteceu em 1992 e 2016. Ontem (23) foi o dia de militantes de esquerda saírem em carreata em várias cidades do Brasil para pedirem a saída do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) do poder. Hoje foi a vez de movimentos de direita, como MBL e Vem Pra Rua, também pedirem o impeachment de Bolsonaro e a saída do general Eduardo Pazuello no ministério da Saúde, em carreata organizada nas ruas de São Paulo.

Ainda não é algo que pareça ameaçar a permanência de Bolsonaro no cargo ao qual foi eleito em 2018. Mas, diferente do que ocorreu com os ex-presidentes também eleitos Fernando Collor de Mello (hoje, Pros), em 1992, e Dilma Rousseff (PT), em 2016, a pandemia em 2021 não permite adesão em massa. Ademais, Collor e Dilma só caíram quando a aprovação popular aos seus governos ficou abaixo dos 10%. Mesmo em queda, por sua desastrosa condução do combate à Covid, Bolsonaro ainda tem 31% de bom ou ótimo, segundo a pesquisa Datafolha (confira aqui) feita na quarta (20) e quinta (21), e divulgada na sexta (22).

Todavia, como a Datafolha também mostrou que Bolsonaro tem seu governo hoje reprovado por 40% da população, 9 pontos a mais que a sua aprovação, cautela, canja de galinha e senso de ridículo não fariam mal ao capitão. Mesmo que a pesquisa tenha mostrado uma maioria de 53% dos brasileiros hoje contrária ao seu impeachment, também revelou uma substancial minoria de 42% que o querem fora do Palácio do Planalto antes de 2022. E que se manifesta neste sentido tanto com a cor vermelha das esquerdas, quanto no verde e amarelo da direita que levaram o presidente ao poder.

 

Protesto da direita contra Bolsonaro, convocado pelos movimentos MBL e Vem Pra Rua, neste domingo nas ruas de São Paulo (Foto: Fábio Vieira – Metrópoles)

 

Em Macaé, uma carreata pelo impeachment de Bolsonaro também foi promovida na tarde de ontem, como em outras cidades do país. Mas não em Campos dos Goytacazes. Confira abaixo a convocação para a manifestação, veiculado nas redes sociais macaenses, e o vídeo da sua realização na cidade vizinha:

 

 

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 2 comentários

  1. Sr. Aluysio, interessante… porque será que só a sua coluna, em toda a imprensa campista, publicou as notícias da “queda” nas pesquisas do Presidente Bolsonaro, e a passeata “em todo o Brasil” pedindo a saída dele? Vc, cara, se fosse um jornalista de verdade, teria que entender que a verdade é o seu futuro. Larga de ser militante, sujeito!! É por isso que “sua esquerda”, seu “PT” derrotado nas eleições, derreteram suas credibilidades. O sr. , como todos da sua “estirpe”, ainda não entenderam que o brasileiro está revoltado com tanto roubo e desgoverno, que seus ídolos promoveram. Não acredito que o sr. vá mudar de posição ou de partido. Mas, como jornalista, responsável por formar a opinião pública, não minta. Mostre, por exemplo, fotos e vídeos em perspectivas abertas, para que o povo possa contar nos dedos o número de “derrotados” que estavam na passeata. O sr. e os “esquerdas” tem o “José Dirceu” que merecem.

    1. Aluysio Abreu Barbosa

      Será o Benedicto, Damião? Faça a sua pergunta a quem na imprensa de Campos julga ter sonegado informar jornalísticamente sobre as manifestações do último final de semana pelo impeachment de Bolsonaro. Inclusive, como resgistrado na postagem, a promovida no município vizinho de Macaé. E é fruto do derretimento da popularidade do capitão registrado em todas as pesquisas, consequência da sua absoluta incompetência para comandar o enfrentamento à Covid no país. Assim como do inapto general da ativa colocado por ele no ministério da Saúde. Que foi a Manaus promover a “Cloroquina de Jesus”, enquanto brasileiros morriam da forma mais sôfrega possível por falta de oxigênio na capital do Amazonas. E agora está sendo investigado criminalmente no Supremo Tribunal Federal por isso.

      Quem mente, de maneira descarada, é o presidente, que ontem teve a cara de pau de afirmar que o Brasil era o 6º país do mundo que mais vacinou contra a pandemia, quando na verdade é o 46º. Diferença negativa de 40, número exato dos ladrões do Ali Babá, antes do tempo das “rachadinhas”. Em companhia melhor está quem, como o blog, fica ao lado de dois mestres do jornalismo brasileiro, como são o Zuenir Ventura e o Elio Gaspari. Na dúvida, confira: https://opinioes.folha1.com.br/2021/01/27/culpado-pela-gravidade-da-covid-no-brasil-fora-bolsonaro-para-que/

      Grato pela chance de colocar os pingos nos is!

      Aluysio

      P.S. José Dirceu, como o PT da nota única dos minions como vc, é um dos responsáveis pela introdução do “nós contra eles” na política brasileira, que gerou em cópia de papel carbono o bolsonarismo. Melhor definido pelo conservador Delfim Netto como “direita incultural”. Tão arrogante e prepotente quanto Bolsonaro, Dirceu tem uma sobre ele vantagem: é mais inteligente. O que, convenhamos, não chega a ser grande vantagem.

Deixe um comentário