Semana santa e Covid — Como Cristo na cruz, mas sem domingo de ressurreição

 

“Cristo de São João da Cruz” (1951), óleo sobre tela de Salvador Dalí, Museu e Galeria de Arte de Kelvingrove, em Glasgow, Escócia (Foto: Aluysio Abreu Barbosa)

Como Cristo na cruz, mas sem domingo de ressurreição

 

Ontem foi a sexta-feira santa. Dia em que a cristandade lembrou da crucificação de Cristo em Jerusalém. Lá, os judeus como ele comemoravam o Pessach (a Páscoa, ou “Passagem” em hebraico), quando quase 1.500 anos antes seu povo saíra do cativeiro no Egito para a Terra Prometida. Ao contrário do que talvez pense a maioria, a morte por crucificação não se dava por hemorragia nos pulsos e pés com que a vítima da pena capital romana era pregada. Todos os crucificados morriam de maneira muito mais sôfrega. Eram lentamente sufocados pelo peso do próprio corpo, que empurrava o diafragma contra os pulmões. É a mesma sensação que tiveram até morrer os mais de 325 mil dizimados pela Covid-19 no Brasil, entre eles 863 campistas, que segundo levantamento em cartório (confira aqui) chegam a 1.057.

Enquanto 49 outros campistas, doentes e lutando pelas próprias vidas, aguardam sem sequer terem direito a um leito de hospital, todos superlotados por pacientes da pandemia, há quem defenda o fim total ou parcial das restrições ao comércio não essencial, assim como à circulação de pessoas. Com as quais circulam o vírus, tornando-o ainda mais mortífero em variantes como o P-1 de Manaus e o P-2 do Rio, já presentes em todas as regiões do Brasil transformado em principal epicentro mundial da doença. Alguns buscam ignorar os fatos pela sobrevivência dos seus negócios e empregos, o que seria legítimo na velha luta de classes, se não fosse contra a preservação da vida humana. Na paródia a quem morreu mergulhado na mesma agonia: quem não tiver perdido um parente, amigo ou conhecido para a Covid, que bata o martelo nos pregos aos pés e pulsos dos que estarão crucificando.

O assunto é sério demais para ser tratado por leigos. Com a mesma pretensão dos 212 milhões de brasileiros que se tornam “especialistas” em futebol de quatro em quatro anos, durante Copas do Mundo. Tampouco pode ser vulgarizado em mais um Fla-Flu apaixonado e acéfalo das redes sociais. Quem deve falar são os especialistas, mulheres e homens da ciência, ao qual o momento de fé deve ser dirigido. Tanto pela razão quanto pela compaixão ao semelhante, que um rabi da Galileia ensinou a amar como a nós mesmos, maior virtude do cristianismo. Foi àqueles que afunilaram anos de estudo e prática no combate à maior pandemia que a humanidade enfrenta nos últimos 100 anos, que a Folha recorreu para tentar alcançar a real dimensão daquilo que todos enfrentamos.

O programa Folha no Ar, da Folha FM 98,3, ouviu na terça, dia 30 (confira aqui), os médicos Patrícia Meirelles e Vitor Carneiro, ela pneumologista e ele intensivista, no mesmo dia em que ambos completavam um ano de dedicação para salvar vidas no Centro de Controle e Combate ao Coronavírus (CCC) de Campos. Na quarta, dia 31 (confira aqui), o convidado foi o biólogo Renato DaMatta, cientista e professor da Uenf, mais importante universidade do município e da região. Já na quinta, dia 1º (confira aqui), foi a vez da médica infectologista Andreya Moreira, que comandou o combate à pandemia em Campos em 2020, como chefe da Vigilância em Saúde do governo Rafael Diniz (Cidadania). E quem ainda alguma dúvida tiver sobre com o que todos estamos lidando, que se vacine em seus testemunhos:

Patrícia Meireles, médica pneumologista

— A gente pede consciência à população. A gente poderia estar completando o ano no CCC em comemoração, mas infelizmente, neste dia, a gente abre o nosso serviço em superlotação. Pela primeira vez, a gente está além dos 100% da ocupação, temos pacientes em todos os lugares possíveis, à espera de uma vaga regular. Este é o nosso cenário atual. O início da vacinação e o fato de essa ser uma população que realmente respeita o isolamento, fez com que os idosos tenham hoje se tornado a exceção entre os internados em leitos clínicos e de UTI do CCC. Então essas são provas da eficiência da vacinação, do distanciamento. E isso trouxe essa faixa etária para baixo — alertou a pneumologista Patrícia.

Vitor Carneiro, médico intensivista

— Está difícil, a gente tem que usar várias alternativas às medicações usuais, não só para entubar o paciente, mas para manter ele entubado, manter ele sedado no respirador. Isso dificulta o manejo do paciente, prejudica o tratamento. Mas isso é uma falta nacional, não só no CCC; os hospitais particulares também estão sofrendo isso. A gente está sempre usando alternativas para manter esse paciente sedado, em ventilação mecânica. É uma situação dificílima para a gente. A gente pede cotação dessas medicações e não tem nem retorno, as empresas não têm como fornecer. A gente vai usando outras drogas, associando e tentando suprir essa necessidade — desabafou o intensivista Vitor.

Renato DaMatta, biólogo da Uenf

— As variantes são extremamente preocupantes e a vacinação lenta atrapalha o processo. Por isso o Brasil é hoje o epicentro da doença no mundo. Porque aqui é onde tem mais gente morrendo e mais gente com o vírus. Quando você tem muito vírus em muita gente, a probabilidade de novas variantes aumenta. Foi isso que aconteceu com o P-1, por exemplo. Ele apareceu em Manaus e tem uma grande capacidade de infecção. Quanto mais rápido você vacina, menos variantes você vai ter. Se você demora, o vírus vai infectar as pessoas durante um longo período. A chance de surgirem novas variantes é enorme. Inclusive, a variante pode ficar tão diferente que você tem que fazer uma nova vacina. A notícia boa é que, até agora, as vacinas estão funcionando contra as novas variantes — explicou o cientista Renato.

Andreya Moreira, médica infectologista

— Com muita tristeza, a gente está vendo esse momento. Colapsou não foi só em Campos, estamos vendo isso no Brasil inteiro. Já era previsto. Lá em dezembro, a gente sabia que as festas de fim de ano iriam ser bastante importantes no número de pacientes que seriam infectados, entre os que precisariam de tratamento intensivo (UTI) e clínico. Mas as pessoas ignoraram isso literalmente. E estamos pagando o preço; um preço alto nas vidas ceifadas. E, apesar disso, as pessoas mantêm a não restrição. Isso é um assassinato! O que vai ser mais preciso para essas pessoas usarem a máscara, fazerem o distanciamento social e evitarem aglomeração? Quantas vidas a mais? — indagou a infectologista Andreya.

Com base em estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Andreya também lembrou que a projeção, mesmo com a rede de saúde pública, contratualizada e privada de Campos já colapsadas, é de que os casos continuem aumentando no país e na cidade até a primeira quinzena de abril. Nesta segunda (05) o gabinete de crise do governo Wladimir Garotinho (PSD), que tem tido a coragem de se pautar pela ciência para salvar a vida dos seus governados, decide se mantém o município na Fase Vermelha.

Com a lentidão das vacinas no Brasil do Messias, se o isolamento não for mantido e respeitado, como o uso correto das máscaras e higienização das mãos, tudo indica que o próximo sistema de Campos a colapsar será o funerário. Certamente alguém que você e eu conhecemos, talvez bem próximo, talvez nós mesmos, estejamos em uma das duas filas por vaga. Ou de leito em hospital, ou de caixão e jazigo. Nestes, após sofrer como Cristo na cruz. Mas sem a chance de despedir da família ao pé do calvário. Nem domingo de ressurreição.

 

Publicado hoje (03) na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem um comentário

  1. Na minha opinião, o que fez aumentar o numero de pessoas infectadas com covid, foi a eleição do ano passado.

Deixe um comentário