Wladimir: pacificação com Bacellar e gestão privada da Saúde Pública

 

Em mais de duas horas e meia da entrevista do prefeito Wladimir Garotinho (PSD) na manhã de ontem ao Folha no Ar, da Folha FM 98,3, vários foram os pontos que poderiam ser pinçados para abrir uma matéria sobre os cinco primeiros meses do governo de Campos. A de que ele vai enviar à Câmara Municipal sua proposta de reforma do Código Tributário na próxima semana, independentemente do resultado da votação, para firmar posição junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) por um Termo de Ajustamento de Gestão (TAG), seria um deles. Que foi suplantado pelo recado do chefe do Executivo aos vereadores da planície: “Acabou a época do cabide de emprego”. Também defendeu a aprovação das contas de 2016 da sua mãe, a ex-prefeita Rosinha Garotinho (Pros), mas ressalvou: “prefiro deixar isso para outro momento”. Ele fez críticas ao seu antecessor, Rafael Diniz (Cidadania), ao aliado deste, o ex-vereador e ex-secretário Marcão Gomes (PL), e a Caio Vianna (PDT). Já com aquele que é considerado seu principal opositor, o secretário estadual de Governo, Rodrigo Bacellar (SD), o prefeito preferiu destacar o pedido de pacificação feito a ambos pelo governador Cláudio Castro (PL). Wladimir também falou de Covid, reafirmou seu compromisso com a gestão profissional da Saúde de Campos e listou suas realizações, como a retomada das obras do Shopping Popular.

 

(Foto: Folha da Manhã)

 

Racha na base – Alguns vereadores podem ter esticado um pouco a corda. Eu também. Mas eu acho que a gente precisa pensar primeiro em Campos. E volto aqui a afirmar e a pedir: a gente tem que lutar por Campos, mesmo com pensamentos diferentes, que o foco seja a cidade. Não existem vencedores, nem vencidos nessa história. Existem pessoas que precisam pensar na sua cidade, entender que o momento precisa ser de união. Mesmo na diferença, precisa haver convergência para que Campos possa avançar e sair da situação em que se encontra hoje. Por isso que eu acho (o racha na base governista na Câmara Municipal) um movimento natural, que não impede que possa haver reaproximação. Estou aqui para buscar o caminho da paz, Campos precisa de paz para seguir em frente. Todo mundo sabia que (governar Campos) seria difícil. Sem entendimento e convergência, fica ainda pior.

Novo Código Tributário – Estão vendendo uma coisa que não é. Desculpe eu discordar de algumas pessoas, mas é o meu papel, enquanto chefe do Executivo, propor as medidas que entendo como necessárias. Até porque não é que eu queira fazer, mas estou em negociação com o Tribunal de Contas do Estado para tentar fazer um Termo de Ajustamento de Gestão. Conversei pessoalmente com o presidente do Tribunal (Rodrigo Melo do Nascimento), com a nossa Procuradoria, e ele me disse que a Prefeitura precisa dar demonstrações de boa-fé que está diminuindo despesa com pessoal e aumentando receita própria. E aí os técnicos da Prefeitura começaram a elaborar o que era possível. E nem tudo aquilo que eles me passaram eu enviei à Câmara. Porque entendo que não é o momento de fazer cortes profundos, por conta da pandemia, na questão de pessoal, sobretudo na Saúde. Então não tinha pacote de maldades contra servidor. E na questão de aumento de receita própria, me foi encaminhada pela equipe técnica uma série de opções. E eu falei: tem coisa que é possível a gente tentar, tem coisa que não é. Dentro do que a gente achava possível, encaminhamos à Câmara.

Negociação com o setor produtivo – Talvez tenha havido uma falha da comunicação. A gente encaminhou muito depressa porque eu tenho prazo, até semana que vem, para apresentar o Termo de Ajustamento de Gestão no Tribunal. O pedido, não quer dizer que eu vou conseguir. Chamei a sociedade civil (líderes do setor produtivo da cidade), tivemos uma conversa na terça (dia 8, assim como outra na quinta, dia 10), no auditório do Cesec. E, para minha surpresa, eles não conheciam as (propostas de) mudanças, só tinham ouvido falar, não conheciam a fundo os números. E eu disse: “Olha, estão vendendo a vocês uma coisa que não é”. Peguei tabela por tabela e fui mostrando para eles, uma a uma. E eu disse: “Preciso apresentar alguma coisa ao Tribunal, me deem sugestões do que vocês querem que tire, que vocês querem que mude. Vamos dialogar, a gente está aqui para isso”. E ontem (na quinta) eles me deram uma resposta: não tem diálogo, não aceitam nada. Não é Wladimir, a Prefeitura de Campos precisa negociar com o Tribunal de Contas. Para isso, preciso dar as demonstrações que eles pedem.

Impasse – Ontem (na quinta), eu me reuni com um grupo de vereadores e o presidente da Casa (Fábio Ribeiro, PSD) e falei: “Olha, é uma decisão enquanto cidade, não apenas do prefeito”. Se a gente não conseguir com que essa negociação com o Tribunal seja vitoriosa para Campos, podemos novamente ficar sem pagar salário (dos servidores). É isso que o setor produtivo quer? Acho que não. A Prefeitura sempre teve papel preponderante na economia, no comércio local. A folha de pagamento da Prefeitura hoje é cerca de R$ 82 milhões por mês, entre servidores, comissionados, contratados. O que vai ser pior. É um impasse enquanto cidade. É importante que a cidade aprove o Termo de Ajustamento com o Tribunal de Contas. É possível negociar, retirar alguma coisa, desde que eu apresente algo ao Tribunal. Na semana que vem (na sessão de terça, dia 15), se vai ter voto (na Câmara) para aprovar, se não vai ter voto para aprovar, eu não sou um ditador, eu sou o prefeito. É uma prerrogativa do Legislativo. Mas eu deixei claro aos vereadores: é uma decisão de cidade. Se fosse fácil, qualquer um teria resolvido. Rafael (Diniz, Cidadania) ficou quatro anos e não conseguiu, tanto que não foi nem ao segundo turno (da eleição a prefeito).

Possibilidade de derrota – Nós estamos tomando medidas, nós estamos buscando caminhos, a economia está reagindo. A máquina hoje gasta menos do que arrecada. Se tudo continuar correndo como esperamos que corra, é possível até que Campos tenha superávit, pagando 15 folhas (13 de 2021 mais 13º e dezembro de 2020) em 12 meses. É possível, mas a gente precisa ajustar a cidade. E não é desculpa, mas quem está achando que (a possibilidade de não passar a alteração do Código Tributário) vai ser uma derrota para o governo, eu acho que é ruim para a cidade não aprovar o Termo de Ajustamento de Gestão. Mas fica na conta daqueles que, desculpa, querem mais tumultuar, atrapalhar o que pode ser feito pela cidade.

Se passar na Câmara, Código Tributário pode cair na Justiça — Estou com o parecer da Procuradoria do município. E repito: não existem vencidos ou vencedores. Isso não é uma disputa entre prefeito e Legislativo, entre governo e setor produtivo. É uma necessidade do município para equilibrar suas contas, aprovando o Termo de Ajustamento com o Tribunal para recuperar sua capacidade de investimento; para ter a segurança de pagar seus funcionários em dia. Eu vou encaminhar à Câmara. Se ela vai aprovar ou não, eu vou fazer o meu papel. Se a Câmara aprovou ajuste contra servidor, não quer aprovar aumento de ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis), de 2% para 3%, que afeta uma parcela mínima? Quem mais é afetado não é o setor imobiliário, da construção; é quem vive fazendo intermediação, compra e venda de imóveis.

Contas de Rosinha de 2016 – A questão da anulação da votação que reprovou as contas (por 15 votos a nove na Câmara, em 18 de julho de 2018, seguindo a recomendação do TCE) é uma questão jurídica e de se fazer justiça. Ela (Rosinha) efetivamente não havia sido intimada para defesa em tempo hábil. Existe um parecer de um procurador de carreira da Câmara informando isso, que o rito daquela sessão foi atropelado. Então a sessão foi anulada (em 24 de fevereiro deste ano, por 18 votos a um da nova Câmara). E agora, sim, ela vai ter a possibilidade de defesa, de alegações finais. E até, se for da vontade dela, ela ir à Câmara e fazer a defesa oral na tribuna. Mas como isso está suspenso, porque ela não protocolou as alegações finais ainda, não tem prazo ainda. É uma questão interna da Câmara, mas obviamente que mexe porque estamos falando das contas de uma ex-prefeita que é mãe do atual prefeito, a gente tem uma relação familiar envolvida nisso. Mas eu prefiro deixar isso para um outro momento, até porque isso não vai ser votado agora. O parecer que já foi aprovado pela Comissão de Orçamento da Câmara, por dois votos a um, pela aprovação das contas, mostra claramente que tudo que o Tribunal (TCE) aponta são questões contábeis e sanáveis. Vou deixar isso para o momento certo.

Salário do servidor – Se Deus quiser, durante o meu mandato, não faremos isso (deixar de pagar o funcionalismo). Eu já disse isso aos servidores: se eu precisar não fazer mais nada, mas pagar salário em dia, assim o farei. Só que eu não quero ser esse prefeito, que vai só pagar salário e não vai fazer mais nada pela cidade. Mas é isso que a cidade quer? Pagar salário e ficar com as ruas esburacadas, sem sinal (de trânsito), sem obra de infraestrutura, sem investimento público? Eu acho que não é isso que a cidade precisa. Mas salário, para mim, é uma coisa sagrada, a pessoa trabalhou e tem que receber. Tanto que eu paguei os salários do ano corrente em dia, paguei dezembro, que Rafael não conseguiu pagar, e ainda estou pagando o 13º atrasado dele. Só que o município vem sendo informado desde 2017, primeiro ano do governo de Rafael, que no voto do Tribunal de Contas, a partir de janeiro de 2021, não poderia mais usar nenhum centavo dos cinco tipos de conta royalties (do petróleo) para pagar salário de servidor. E que ele precisava tomar medidas para se adequar a essa realidade. E ele não tomou medida nenhuma. Muito pelo contrário, a folha cresceu. A ponto dele, no último ano, de 2020, extrapolar o limite de 54% (imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal) com folha. Então eu estou tentando um Termo de Ajustamento de Gestão com o Tribunal.

“Acabou a época do cabide de emprego” – Hoje a folha está em R$ 82 milhões. Nos dados que a gente tem do fim do governo Rafael, a folha chegou a R$ 96 milhões, com uma arrecadação média de R$ 115 milhões, R$ 118 milhões. Ele (Rafael) vivia para pagar folha, somente. Não é isso que eu quero. Por isso se diz que eu estou esticando a corda com a Câmara, eles (os vereadores) estão se queixando de falta de espaço. Nós vamos voltar a viver o que nós vivemos em Campos: uma folha inchada, que é impossível de ser paga? Porque, se é impossível de ser paga, uma hora ela vai ser atrasada. Foi o que aconteceu com Rafael. Atrasou salários de RPAs seis meses, às vezes oito meses; atrasou salário de servidor, atrasou salário até de DAS. R$ 96 milhões é impossível de pagar com a arrecadação que Campos tem. Eu prefiro o caminho politicamente mais difícil, que é ter uma folha enxuta, para que Campos possa ter equilíbrio fiscal e sua capacidade de investimento retomada. Eu estou tentando reduzir a folha de R$ 82 milhões, mas, agora, com a reabertura gradual das escolas, ela vai aumentar. É uma escolha que a cidade precisa fazer. Acabou a época do cabide de emprego na Prefeitura. A gente tem que fazer a economia girar para que a cidade gere emprego.

Sai Bruno Dauaire e entra Rodrigo Bacellar no governo Cláudio Castro – Toda vez que eu vou ao governador, eu peço pela minha cidade. Peço investimento, peço apoio, peço renovação do auxílio que ele me deu na Saúde. Mas, obviamente, a gente conversa sobre política. Eu, por exemplo, recebi o convite para ir também para o PL (Cláudio Castro foi e se fala que Rodrigo Bacellar, agora secretário estadual de Governo, deve também ir) pelo próprio deputado (federal) Altineu (Cortês), que é o presidente estadual. O diretório (estadual) do PSD (partido de Wladimir) mudou, era (o deputado federal) Hugo Leal. Mas, agora, com a entrada do (deputado federal) Rodrigo Maia e de Eduardo Paes (prefeito do Rio), as coisas mudaram um pouco. Para onde Bruno (PSC) vai, para onde minha irmã (deputada federal Clarissa, Pros) vai, a gente não tem isso definido ainda. O governador também convidou Bruno para o PL, mas não tem nada definido ainda. Mas as questões de espaço no Governo do Estado, é uma questão de composição com a Alerj, não passa por nós, aqui em Campos. Bruno deixa de ser secretário, mas volta a ser deputado (estadual), tem um voto importante ao governador. Quanto à escolha de Bacellar para a Segov, foi uma opção que o governador teve. Quando saiu aquela matéria que o (deputado estadual) Márcio Pacheco (PSC) tinha levado, eu achei mais normal, porque ele é aliado do Cláudio há muito tempo. Mas isso é uma escolha do governador.

Encontro com Bacellar – Estive com Rodrigo esta semana, que fui ao Palácio Guanabara, conversei com ele, que me mandou um WhatsApp para resolver uma situação (cessão de funcionário ao Estado) aqui em Campos, com uma pessoa próxima a ele, e eu resolvi. Não tenho motivo para estar guerreando, mas também a gente não vai aceitar guerra parado. A cidade vive um momento muito complicado, a gente precisa de paz. Os vereadores ligados a ele esticaram a corda comigo, eu não quero esticar a corda com ninguém. Mas também existem questões que, pelo momento da cidade, eu não posso ultrapassar. Passou o momento de a Prefeitura ser a mantenedora de tudo. Ela precisa pagar seus funcionários, prestar serviços e ter a capacidade de investir. Senão a cidade não vai andar, a economia não vai girar, nós vamos ficar eternamente dependentes dos salários dos funcionários da Prefeitura. É uma realidade que precisa, aos poucos, mudar. Inclusive eu vou reativar o Comudes (Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável), que a minha mãe havia criado e está desativado desde o governo Rafael, para a gente estreitar os laços com o setor produtivo, ter reuniões mensais ou trimestrais e buscarmos juntos alternativas. Não cabe mais a Prefeitura ser a mãe de tudo.

Garotinho fala em “governo morder” com vereadores – Não foi bem isso. Quando ele (Garotinho) usou essa expressão, ele estava se referindo a uma conversa que ele havia tido com uma outra pessoa, no caso do afastamento do (ex-governador Wilson) Witzel. E ele usou como exemplo: “Olha, o que você tiver que fazer, faça logo, porque o governo tem dente. Se você não fizer, o governo reage”. Não foi se referindo a Campos. Mas essa questão de metáfora, de o governo ter dente ou não, não é esticar a corda. Quem está com o governo, está com o governo; quem não está, não está. Eu só acho que, pelo momento que a cidade vive, não cabe uma oposição como alguns vereadores estão tentando fazer, raivosa. Quando alguns vereadores sobem na tribuna, parece que estão eufóricos para arrumar problema, arrumar confusão. O momento que a cidade vive é difícil e todo mundo sabe. Este primeiro ano vai ser assim; é um ano de ajuste na máquina. Se a gente não ajustar agora, a cidade vai descarrilhar nos próximos três anos. Nós não temos opção.

 

Wladimir Garotinho, Cláudio Castro e Rodrigo Bacellar (Montagem: Joseli Mathias)

 

Castro pede paz entre Bacellar e Garotinho — Posso falar isso em público aqui, o governador pediu, explicitamente, para que eu e Rodrigo possamos ter uma relação cordial. Ele falou comigo que quando chamou o Rodrigo para ser secretário de Governo, eles falaram sobre Campos. E o governador disse a Rodrigo que eu também era um aliado em Campos. E que ele (Castro) não poderia ter dois aliados brigando. Eu repito: estou em clima de paz. É preciso que as pessoas entendam que o clima é de paz. Eu não quero guerrear com ninguém, diferença política a gente disputa na eleição. Óbvio que o debate é saudável, ter oposição é saudável, as críticas são bem-vindas, porque ajudam a gente a corrigir rumos. Mas eu sou aliado do governador, Rodrigo também é, existe um pedido do governador para que a gente possa ter paz e entendimento para que a cidade avance. Dentro do que for possível, a gente vai ter.

Caio Vianna – Uma pessoa que quer ser prefeito de uma cidade, ela tem que viver os problemas da cidade, tem que conhecer seus problemas, tem que ter raiz aqui. Ele não tem. Sempre que a eleição acaba, ele vai embora. Ele preferiu ser secretário (de Ciência e Tecnologia) em Niterói do que continuar aqui, com o seu grupo político, fazendo política, debatendo. É uma opção dele, mas toda vez é assim. Ele já perdeu três eleições e nas três é a mesma coisa: ele vem, disputa e depois some; vem, disputa e depois some. É uma característica dele. Apesar de eu achar uma característica ruim para quem quer ser político de uma cidade como Campos, que não é uma cidade pequena, tem mais de 500 mil habitantes. Mas é a opção de vida dele. A gente entende, só que fica difícil uma pessoa que quer ser político em Campos não viver o dia-a-dia aqui. É só uma opinião minha.

Covid – O CCC (Centro de Controle e Combate ao Coronavírus de Campos), na verdade, não foi fechado. O que foi fechado foi a triagem, para a gente poder descentralizá-la. Antes era feita em um único local, no CCC, e hoje é feita em 10 locais. E quando há necessidade de internação, a pessoa é transferida para internação na Beneficência (Portuguesa, onde está o CCC); até hoje os leitos estão lá. Foi uma alternativa técnica para a descentralização do atendimento, para que não possa ficar aglomerando no CCC. Isso foi bastante estudado pela equipe técnica, foi uma coisa feita a mais de 30 mãos, com mais de 15 pessoas envolvidas. E eu acatei a decisão da equipe técnica. No início teve uma ou outra reclamação, o que sempre ocorre quando as coisas mudam, mas acho que equalizou bem. A equipe é muito boa, muito competente. Tanto que, nas reuniões do Gabinete de Crise, eu sequer tenho participado, porque as coisas têm fluído bem, sem a necessidade de eu estar presente. Eles me apresentam os números e as demandas e a gente toma as decisões juntos. Estou muito satisfeito com a condução.

Gestão privada da Saúde Pública – Primeiro é importante saber, como algumas pessoas estavam tentando dizer, talvez por desconhecimento do contrato, não é uma terceirização, ou uma privatização da Saúde de Campos. Quantas vezes a imprensa de Campos não noticia: “falta atendimento no PU tal”, “falta médico no hospital tal”? O modelo que foi construído pelo vice-prefeito Frederico Paes (MDB), que é gestor da área hospitalar, é de gestão profissional das unidades de atendimento 24h. E a gestão profissional inclui o nosso servidor, apenas a gestão passará a ser profissional, com administrador hospitalar profissional, responsável do estoque profissional, responsável técnico profissional, contratados por uma empresa contratada para gerir as unidades. E os nossos funcionários continuarão trabalhando ali, normalmente. O valor de R$ 33 milhões é um registro de preço. Campos tem, curiosamente, e aí não é uma crítica à categoria, mas uma constatação, mais de 1.400 médicos concursados. E, mesmo assim, falta médico nas unidades. A Prefeitura tem outros milhares de técnicos de enfermagem, de enfermeiros e, mesmo assim, falta profissional, falta atendimento. A gente compra material, mas também falta. Eu me lembro de um final de semana que o secretário (de Saúde, Adelsir Barreto) me disse que, na sexta-feira chegaram cinco caminhões de material e, na segunda-feira, tinha hospital reclamando da falta de material. Eu falei: “Não pode!”. Essa empresa (contratada para gerir a Saúde) vai ter esse controle: o CPF de quem recebeu a dipirona, o CPF e o CRM de quem prescreveu.

Povo de Campos “sacaneado” – A empresa vai ter um registro de horas médicas. Precisou, vai lá no registro, pega um médico e põe para cobrir o lugar de quem faltou. E quem faltou, se não apresentar justificativa plausível, vai receber a falta, descontar do salário e ter aberto um PAD (processo administrativo disciplinar). Ele é funcionário e tem que trabalhar. Isso não é perseguição, isso é trabalho; as pessoas precisam cumprir sua carga horária. É assim em qualquer lugar que tem organização e gestão. Agora, não dá para o povo de Campos, desculpa o termo, ficar sendo sacaneado, sem atendimento de qualidade na ponta, porque falta atendimento, falta material, falta gestão. Aí, quando o servidor reclama de falta de condição de trabalho, eu estou querendo dar a ele, contratando um serviço profissional de gestão das unidades, em que o próprio servidor vai continuar trabalhando. E dar à população uma qualidade de atendimento melhor.

Da suspensão do contrato emergencial ao pregão eletrônico – Na contratação emergencial (por 180 dias com a empresa MX Gestão de Saúde, suspensa no dia 30, horas antes de ser anunciada), você faz um plano de trabalho com o que você quer e pede cotação. Cinco ou seis empresas mandaram e a que tinha menor preço (a MX), a gente iria homologar. Como veio uma série de questões, falando da empresa, eu disse: “vamos ver se é isso mesmo”. De fato, o que tinha contra a empresa? Nada, efetivamente nenhuma ação judicial contra a empresa. Porém, a gente perguntou: “onde vocês prestam serviço em município do porte de Campos?”. E eles responderam que não tinham essa comprovação. Então nós concluímos que ficaria complicado justificar para o Ministério Público e para a sociedade que estávamos contratando a empresa. Preferimos suspender o contrato e, em vez de fazer o contrato emergencial por seis meses, para depois fazer o pregão eletrônico, nós vamos fazer o pregão de cara. Mas que nós vamos perseguir esse modelo de gestão, nós vamos. Não tem outra saída para a Saúde de Campos. Deve ser um contrato por 12 ou 24 meses.  Mas vamos fazer por pregão, que dá muito mais transparência. E vamos colocar no edital, porque foi uma falha da tentativa anterior, a necessidade de comprovar serviço em município de porte e complexidade semelhantes aos de Campos. A população e a Câmara têm o direito de desconfiar e fiscalizar, mas tem muita fake news. Desculpa quem pode pensar o contrário, mas vamos avançar para esse novo modelo gerencial da Saúde de Campos ainda este ano.

Realizações – Difícil, todo mundo sabia que iria ser. E não é fácil mesmo. Mas se eu fosse pontuar estes cinco meses com uma realização por mês, a primeira coisa: salários em dia em cinco meses. Todo mundo, do servidor concursado ao RPA, porque existia essa divisão interna na Prefeitura: um funcionário recebia e o outro, não. Hoje, todo mundo recebe na segunda semana do mês, impreterivelmente. E quando eu pude adiantar, eu adiantei, como foi no caso do Dia das Mães. Segundo, que também é relativo a salário, eu estou pagando os atrasados, o que parecia improvável. Mas, com cinco meses, eu já paguei sete folhas. Paguei dezembro e estou pagando o 13º (de 2020). Terceiro, as vans voltaram a circular no Centro. Para muita gente isso pode ser ruim, mas para mim é ótimo, está movimentando o centro da cidade, o comércio. As pessoas puderam voltar a vir do seu distrito para o Centro. Esta semana, inauguramos mais um ponto, que foi um pleito do setor produtivo, na av. Sete de Setembro, para irrigar aquele trecho do comércio, que estava morto, com lojas fechadas, alugando. O ponto ali era um pleito de 15 anos do comércio. Quarto, reabrimos o Restaurante Popular, em quatro meses, que ficou quatro anos fechado. E é bom que se diga, o governo Rafael, era o Marcão (Gomes) o secretário (de Desenvolvimento Humano e Social), pagando o aluguel mais de um ano de um galpão no centro da cidade, dizendo que iria reabrir o Restaurante e nunca abriu. Quinto, podemos falar nos quase 100 km de estradas vicinais recuperadas pelo professor Almy (Junior, ex-reitor da Uenf e secretário de Agricultura), com uma garra tremenda, pedindo máquina emprestada. A gente está se virando do jeito que pode neste início de governo. E posso aqui citar a sexta, que vai estar começando nesta segunda-feira (14), quando vai ter uma reunião com a Associação do Shopping Popular (Michel Haddad) para retomar as obras do Camelódromo. E quero fazer um agradecimento especial à minha irmã, a deputada Clarissa Garotinho, porque é com recurso dela, R$ 4,5 milhões de emenda impositiva. É emenda de destinação livre e ela e eu decidimos colocar para os camelôs de Campos, porque movimenta todo o comércio central.

 

Confira abaixo, em três blocos, os vídeos com a íntegra da entrevista do prefeito Wladimir Garotinho ao Folha no Ar de sexta:

 

 

 

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 2 comentários

  1. CRICIO MANHAES PINTO

    MEIO POLÍTICO TEM TUDO:FALSIDADE;DEMAGOGIA;EXPLORAÇÃO SERVIÇOS;APADRIANHAMENTO ; INDICAÇÕES FAMILIARES ETC… AGORA!! QUEM VAI ACREDITAR EM ALGUNS DESTES???? INFEIZMENTE NÃO DÁ. QUEM ACREDITOU WLADIMIR GAROTINHO TEM AGUENTAR ATÉ FINAL MANDATO OU SEJA, GERAÇÃO EM GERAÇÃO DIZEM QUE A FAMÍLIA TEM UMA CASINHA E CARRO POPULAR?????? MEU DEUS VAMOS DEIXAR FINGIR ENXERGAR.

  2. CRICIO MANHAES PINTO

    JÁ HAVIA COMANTADO AQUI A RESPEITO DESTA MANOBRA MEIO POLÍTICO: 1º OS GAROTINHOS ABREM DIVERSOS CANTEIROS OBRAS EM CAMPO/RJ EX: HGG; PALÁCIO CULTURA;CAMELÓDROMO;MERCADO MUNICIPAL ETC… SABENDO QUE Á POSSIBILIDADE PRÓXIMA ELEIÇÃO MUNICIPAL Á ÉPOCA ROSINHA/PREFEITA SE NÃO CONSEGUIR ELEGER SUCESSOR O PRÓXIMO PREFEITO NÃO IRIA TERMINAR OBRA E AGORA QUEREM SER UM TIPO “SALVADOR/PÁTRIA” IRONIA HEIN !! INJETARAM VENENO E QUREM SAIR RERÓICOS!!! PELO AMOR DE DEUS!!!! SE QUER ECONOMIAS COMEÇAM POR IMPLAMTAÇÃO DE TODAS AS SECRETARIAS DE CAMPOS/RJ NA SEDE PREFEITURA E DESLIGAR LUZES EM TODOS SETORES FINAIS SEMANA/FERIADO REDUÇÃO LUZES EM 45%. ISSO COMEÇO ECONOMIA.

Deixe um comentário