Thuin reage a demissões na FME e Wladimir responde

 

Vereador Raphael Thuin e prefeito Wladimir Garotinho (Montagem: Mario Sergio Junior)

 

O vereador Raphael Thuin (PTB) postou hoje vídeo nas redes sociais, em reação à demissão de nomes ligados a ele, assim como ao edil Bruno Vianna (PSL), da Fundação Municipal dos Esportes (FME) de Campos (confira aqui). A decisão do governo Wladimir Garotinho (PSD) foi uma represália à posição contrária de Thuin e Bruno à proposta de novo Código Tributário de Campos, que na sessão da última quarta (16) foi engavetado por conta de apenas um voto para sua aprovação. O prefeito também reagiu à posição do vereador.

Em seu vídeo, Thuin elencou as realizações dos servidores demitidos, ligados a ele desde que era presidente da FME no governo Rafael Diniz (Cidadania). Mas reafirmou sua posição contra o novo Código e denunciou “compra de voto” do governo municipal:

— Aumentar importo, eu sou contra, totalmente contra. Os empresários estão sofrendo, a gente está vivendo uma pandemia. Ninguém aguenta mais pagar, que seja ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis), que seja taxa de lixo, que seja um centavo a mais de aumento de imposto. Infelizmente, por eu ser contra, funcionários excelentes, pessoas maravilhosas, infelizmente estão desempregadas. A gente fica muito triste de ver a política ainda andando de marcha à ré, não tem seis meses de governo (Wladimir). E fica nesse troca-troca de presidente (da FME) em cima de compra de votos (de vereadores).

Ouvido pelo blog, o prefeito Wladimir Garotinho também se posicionou sobre o vídeo do vereador:

— Respeito a posição dele (Thuin), apesar de achar equivocada. A celebração do Termo de Ajuste de Gestão (TAG) perante o Tribunal de Contas e necessária para a cidade fazer a virada de chave da admistração pública, o que eles pediram foram gestos e o executivo encaminhou à Câmara algumas possibilidades. Lamentavelmente politizaram o assunto ao ponto de não querer diálogo e para imputar derrota ao governo. Foi oportunizado a todos a liberdade de flexibilização de algumas das medidas apresentadas. Mas se preferiu caminhar para um discurso político cheio de inverdades sobre o tema. Não quero esticar a corda com Câmara e as entidades. Na minha opinião deveria ter sido votado, independente do resultado, pois precisamos virar a página e seguir em frente. O TAG já foi protocolado e vamos trabalhar para aprová-lo.

Confira abaixo o vídeo com a íntegra do posicionamento do vereador Raphael Thuin sobre as demissões do governo Wladimir na FME:

 

 

Atualização às 8h49 de 21/06: Nesta manhã, em comentário ao link da postagem no Facebook, o vereador fez sua tréplica ao prefeito:

— Com todo respeito ao prefeito, mas o que que o TAG tem a ver com a demissão dos funcionários da FME? Funcionários que estão lá há mais de quatro anos, fazendo um excelente trabalho. Se por acaso eu votasse a favor do aumento de tributos, eles seriam demitidos? Lógico que não, né?! — questionou Raphael Thuin.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 5 comentários

  1. Marcos Merlin

    Concurso público para ocupar esses cargos resolve toda essa questão.

  2. Jc Olivee

    O sujo falando do mal lavado, serviço publico é apenas com concurso público, estes cargos pendurados servem exatamente para isto: apoio político. Se fossem servidores convidados os nossos nobres representantes teriam que fazer política e não conchavos, teriam que discutir o mérito da proposta e não a perda de cargos dos apadrinhados. O mais interessante é o silêncio da coluna sobre a base do problema.

    1. Aluysio Abreu Barbosa

      Caro Jc Olivee (IP: 172.68.26.201),

      Como vc, pelo menos com esse nome, nunca comentou antes no blog, não “coluna”, sua ignorância dos temas aqui anteriormente tratados deve ser perdoada. Mas, se dúvida realmente houver, leia a primeira matéria de análise na mídia goitacá sobre a crise política entre Legislativo e Executivo, publicada desde 29 de maio no blog, não “coluna”, da qual o episódio mais recente entre Thuin e Wladimir é reflexo. Nela, na boca do jurista Cléber Tinoco, consta: “Utilizar cargos e empregos precários, como RPAs, em troca de apoio político, embora seja prática antiga, não deixa de ser uma forma de corrupção”. Para tentar ajudá-lo, está na sexta frase, do sexto parágrafo: https://opinioes.folha1.com.br/2021/05/29/semana-mais-tensa-do-governo-wladimir-garotinho-sob-analise/

      Grato pela chance de refrescar a memória do leitor desatento!

      Aluysio

  3. É um pesar muito grande que toda essa desunião se reflita mais uma vez diretamente no povo campista. Independente de cabide, indicação e etc, no qual sempre convivemos e eu acredito que isso não vai acabar de imediato, pois o exemplo deve ser dado de cima para baixo e no entanto não se vê isso, se vê cada vez mais a utilização de todos os meios públicos sendo barganhados como fonte de poder e exploração, decaindo para o mais fraco e criando hierarquias de comando, nesse nível fica impossibilitado a qualquer ente, que ainda tenha boas intenções a pratica do bem social. A Fundação de Esportes realizava até antes da Pandemia um trabalho de excelência junto a crianças com necessidades especiais, trabalhando com seu desenvolvimento cognitivo e auxiliando os pais nessa empreitada de vida. Eu vi com meus próprios olhos, uma das poucas Secretarias que funcionavam em Campos atendendo a população campista. É realmente triste o fato de tudo ser tão pouco oferecido aos cidadãos campistas nesse cenário de desolação que se encontra a Cidade e acredito que o mundo inteiro nesse momento com a Pandemia. O povo precisa de comida na mesa. porém também precisa da conquista desta, de forma honrada, com suor e trabalho, mas com seus direitos adquiridos como saúde, educação e o direito a lazer. E hoje cuidar da saúde não é mais um luxo é um direito de existência, sendo a utilização dos esportes um meio de prevenção das doenças emocionais que assolam a maioria da população levando muitos ao suicídio. É preciso ter consciência do que se faz com o poder em mãos e este pode infelizmente destruir vidas de pessoas inocentes por mero orgulho.

  4. Cesar Peixoto

    Ninguém é insubstituível acertou o prefeito,vereador tem que fazer o seu dever para qual foi eleito, e não ficar indicando a b ou c para cargos que compete ao secretário do prefeito.

Deixe um comentário