Garotinho, Sérgio Mendes, a história da Uenf e de Campos

 

Anthony Garotinho, Sérgio Mendes,Darcy Ribeiro e a história de Uenf e de Campos passada a limpo na Folha FM (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

Em entrevista na última sexta (15) ao programa Folha no Ar, da Folha FM 98,3, o ex-governador Anthony Garotinho (sem partido), que também foi prefeito de Campos duas vezes, fez duras críticas aos seus antecessores Sérgio Mendes e Rafael Diniz (ambos, Cidadania). Aos dois foi oferecido o mesmo espaço na rádio mais ouvida da região, zelosa do espaço jornalístico ao contraditório. Rafael declinou, como tem optado por ficar em silêncio desde que saiu do poder em 2021, muito mal avaliado pelas urnas de novembro de 2020. Sérgio, no entanto, aproveitou. E foi o entrevistado do Folha no Ar na manhã de ontem.

 

Livro sobre o garotismo

Sérgio revelou estar escrevendo um livro a seis mãos sobre o período inicial do garotismo, em que foi o segundo prefeito eleito pelo movimento, governando Campos entre 1993 e 1996. Seus parceiros no livro compuseram sua gestão, como tinham participado do primeiro governo municipal Garotinho, entre 1989 e 1992: o empresário, líder lojista e colunista da Folha, Murillo Dieguez; e o jornalista, servidor federal e advogado Ricardo André Vasconcelos. Os dois se mantiveram leais a Sérgio, quando Garotinho rompeu com quem elegeu prefeito, para voltar a ocupar ele mesmo a Prefeitura em 1997. E, no ano seguinte, se eleger governador.

 

Auge do movimento

Após governar o estado do Rio entre 1999 e 2002, Garotinho deixou o cargo para se lançar candidato a presidente da República. Chegou a ultrapassar Ciro Gomes (então, PPS) e ficar próximo a José Serra (PSDB), que fez e perdeu o segundo turno para Lula (PT), na primeira vez que este chegou ao poder. Apesar da derrota, o político da Lapa fez mais de 15 milhões de votos a presidente. E elegeu a esposa, Rosinha (então, PSB), governadora ainda no primeiro turno. Como o próprio Garotinho admitiu no Folha no Ar de sexta, foi o seu auge. Desde então, só conquistaria mais um mandato nas urnas, de deputado federal, em 2010.

 

“Página virada”?

O ex-prefeito reconheceu que Garotinho, se tiver condições jurídicas de se candidatar em 2022, não teria dificuldade eleitoral para voltar à Câmara Federal. Mas, em contraste com o auge que conheceu do ex-aliado transformado em desafeto, Sérgio destacou o presente: “O Folha no Ar tem duas horas? Garotinho passou 40 minutos explicando processos, prisões, se ele está elegível, se está inelegível. Antigamente, ele falava das suas realizações. Agora ele precisa, em toda a entrevista, levar quase metade explicando seus problemas na Justiça. Acho que é uma página virada. Garotinho deu uma contribuição à cidade, mas ele errou muito”.

 

A história da Uenf

Entre as afirmações de Garotinho que deverá contestar em seu livro com Murillo e Ricardo, Sérgio também refutou que o ex-governador seja o “pai” da Uenf. E, por conseguinte, da condição de polo universitário que Campos ganhou com a implantação do projeto do antropólogo Darcy Ribeiro. “Dia 7 de janeiro (de 1993), na primeira semana do meu governo, o professor Darcy veio a Campos. Ele me levou (à área onde está a Uenf) e falou: ‘prefeito, eu preciso que o senhor desaproprie aqui 500 mil metros quadrados. O governador Brizola vai construir a universidade, mas só se o senhor doar a área’”, lembrou Sérgio na Folha FM.

“Como era início de governo, fui a Garotinho, que estava saindo. Disse a ele o que Darcy queria, para saber se seria para valer. Sabe o que ele me disse? ‘Sérgio, não desapropria, que isso aí é devaneio de Darcy’. Eu fui à professora Ana Lúcia Boynard, que fazia essa interface do governo municipal na questão da universidade. E falei que Garotinho disse que não iria dar em nada. Ela me disse, lembro que com lágrimas nos olhos: ‘Prefeito, a universidade é a redenção de Campos e toda a região’. Naquele mesmo ano de 1993, desapropriei e doei a área. E, em agosto, o governador Brizola inaugurou a Uenf”, contou Sérgio ontem ao Folha no Ar.

 

Confira abaixo o vídeo do primeiro bloco da entrevista do ex-prefeito de Campos Sérgio Mendes ao Folha no Ar da manhã de ontem. Que em parte responde à entrevista do ex-governador Anthony Garotinho à Folha FM na sexta, e passa a limpo a história da Uenf e de Campos, do final dos anos 1980 ao presente:

 

 

Publicado hoje, na coluna Ponto Final, da Folha da Manhã.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário