Matoso cobra abstenção de Álvaro nas contas de Rafael

 

Rogério Matoso, Álvaro Oliveira, Wladimir Garotinho e Rafael Diniz (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

Nas contas de 2019 de Rafael Diniz, quando teve oportunidade de julgar a gestão, Álvaro não votou contra (optou pela abstenção). Será que aconteceu o quê? Apagão? Falta coerência ao vereador, que se posicionava de uma forma quando oposição e hoje, como líder governista, esqueceu tudo o que defendia. Mas patrocina essa guerra retórica para continuar sendo dentro do grupo governista um dos maiores puxa-sacos da história, desde que teve a insanidade de pintar postes de rosa (em 2012, gerando uma das condenações à inelegibilidade da ex-prefeita Rosinha Garotinho) quando estava à frente do IMTT, com fidelidade canina à sua patroa”. Foi assim que o vereador de oposição Rogério Matoso (DEM) reagiu às críticas a ele feitas pelo colega Álvaro Oliveira (PSD), líder governista na Câmara de Campos.

No programa Folha no Ar da última terça (02), Matoso teceu críticas ao governo Wladimir Garotinho (PSD), que foram resumidas na coluna Ponto Final, na edição de hoje da Folha da Manhã. Também hoje, pela manhã, Álvaro respondeu ao colega de oposição: “É uma tentativa de tirar o lamaçal do seu quintal, jogando por cima do muro, no quintal dos outros. Ele fez parte (Matoso foi subsecretário de Desenvolvimento Humano e Social e superintendente de Trabalho e Renda), até quase o final, do governo passado (Rafael Diniz)”. A tréplica de Matoso, hoje à tarde, também foi forte:

— Álvaro faz parte de uma família marcada por prisões, condenações e até escândalo com o “doleiro dos doleiros” (como era conhecido Daniel Messer, marido da sobrinha do líder governista, preso em julho de 2019 pela Polícia Federal, na operação “Câmbio Desligo”). E quer falar de lama no quintal? Não há nem mais espaço para colocar mais lama no quintal dele. Estão chafurdados.

Na troca de farpas com Álvaro, Matoso lembrou seu apoio no segundo turno de 2020, já vereador eleito, ao então candidato a prefeito Wladimir Garotinho (PSD). Com quem o parlamentar romperia em maio deste ano, na polêmica do pacote governista com 13 projetos à Câmara de Campos, que teve 12 aprovados, à exceção da proposta do novo Código Tributário:

— Apoiei Dr. Bruno em 2020 (candidato a prefeito do SD, terceiro colocado no primeiro turno) e, no segundo turno, Wladimir. Em 2016 fui candidato a prefeito adversário de Rafael Diniz (que venceu aquela eleição no primeiro turno) e Dr. Chicão, irmão dele (de Álvaro) e candidato da gestão Rosinha, que promoveu esse inchaço da máquina e arrasou com as contas públicas, com integrantes e correligionários presos. E hoje o vereador Álvaro e o prefeito tentam reduzir a importância do meu trabalho por eu ter feito parte, por um certo período, do governo Diniz. Mas quando meu apoio foi importante para eleger o candidato Wladimir, ele soube elogiar meu trabalho. Na questão do IPTU retroativo, as irregularidades foram comprovadas na ação do dr. Carlos Alexandre de Azevedo Campos — disse o edil do DEM.

A partir das 7h da manhã desta quinta (04), o líder governista Álvaro Oliveira será o convidado do Folha no Ar, na Folha FM 98,3. Citado por ele e Matoso, o ex-prefeito Rafael Diniz (Cidadania) foi procurado pelo blog, mas preferiu não se posicionar, mantendo a discrição que adotou desde que saiu do poder. Hoje na oposição, Matoso também enviou um vídeo com a declaração do seu apoio a Wladimir no segundo turno a prefeito de 2020. Confira abaixo:

 

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário