Lula cresce e Bolsonaro encolhe aos olhos do mundo

 

Líder em todas as pesquisas presidenciais a 2022, Lula foi recebido pelo presidente francês Emmanuel Macron em Paris, enquanto Bolsonaro fez motociata com os apoiadores que levou a Doha, capital do Qatar (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

 

Ricardo Noblat, jornalista

O contraste entre as viagens de Bolsonaro e de Lula

Por Ricardo Noblat

 

Se, no momento, Lula e Bolsonaro são os principais candidatos a presidente da República ano que vem, e se eles estão em viagem a outros países, um na Europa, outro no Golfo Pérsico, o natural seria que a imprensa brasileira acompanhe os passos dos dois.

Verdade que Bolsonaro está em campanha desde que subiu pela primeira vez a rampa do Palácio do Planalto. A condição de presidente lhe garante uma grande exposição. Quanto a Lula, é a primeira viagem internacional que faz depois de tornar-se elegível.

Foi preciso, contudo, que o presidente francês, Emmanuel Macron, o recebesse com honras só devidas a um chefe de Estado para que a imprensa acordasse e conferisse ao fato o destaque merecido. Hoje, Lula se encontrará com o presidente espanhol.

Lula poderia ter sido ignorado pelos líderes europeus, mas não foi. Reuniu-se também com o próximo chanceler da Alemanha. Em visita oficial, os líderes das ditaduras do Golfo Pérsico jamais poderiam ter ignorado Bolsonaro. Não por ele, mas pelo Brasil.

Dizia-se antigamente que o brasileiro sofria do complexo de vira-lata. O complexo perdeu força entre 1994 e 2018, quando o país foi governado por Fernando Henrique Cardoso, Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer. Com Bolsonaro, o brasileiro é o próprio vira-lata.

Enquanto Lula e Macron repassavam alguns dos problemas que afligem o mundo, Bolsonaro, ao desembarcar em Doha, capital do Catar, foi participar de uma “motociata”. De saída, avisou a árabes perplexos que seu secretário de Cultura é hétero.

Antes, em Dubai, capital dos Emirados Árabes Unidos, ele havia dito a empresários que não há incêndios na Amazônia porque a floresta é úmida. Foi lá que ele produziu barulho com o anúncio de que suspendera sua filiação ao PL de Valdemar Costa Neto.

Depois, em Manama, capital do Reino do Bahrein, Bolsonaro inaugurou a nova sede da embaixada do Brasil, jantou com empresários e pegou o avião de volta acompanhado por sete ministros, dois de seus três filhos (Flávio e Eduardo) e amigos.

A irrelevância do seu périplo contrasta com a distinção do périplo ainda inacabado do seu adversário. Bolsonaro foi passear como gosta de fazer. Coleciona lembranças dos países que visita e também gafes inesquecíveis. Lula foi fazer política, e deu-se bem.

 

Publicado no Blog do Noblat, no site Metrópoles.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 2 comentários

  1. Cesar Peixot

    Querendo ou não querendo ele vai ter que engolir de güela dentro Bolsonaro mais quatro anos, é bom ir se acostumando

  2. Cesar Peixoto

    O Brasil ainda é o melhor país prá se viver, aqui o nosso presidente sofre ataque de toda natureza e ninguém sofre qualquer punição, lá na China a tenista Shuai Peng está desaparecido após acusar ex-vice primeiro ministro da China de abuso sexual

Deixe um comentário