União de Garotinho no apoio de Castro a governador?

 

Anthony Garotinho, Wladimir Garotinho, Cláudio Castro e Luciano Bivar (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

 

Garotinho e Wladimir antecipados

Ontem à noite, enquanto o debate sobre os servidores dominava a Câmara Municipal, o ex-governador Anthony Garotinho (União) anunciava uma live sobre a sua pré-candidatura a governador. Em matéria de análise sobre a interferência da disputa política de Campos, entre os Garotinhos e os Bacellar, na eleição de outubro a governador, a Folha do último sábado (21) lembrou como o Ponto Final adiantou desde quarta (18) as palavras de Garotinho: “serei candidato a governador, ou a nada”. Assim como a posição do prefeito Wladimir (sem partido) sobre a pré-candidatura do pai: “vou esperar as convenções partidárias”.

 

Bivar joga areia na farofa

Além de antecipar as palavras do pai ex-governador e do filho prefeito, a coluna revelou há uma semana que Garotinho teria recebido sinal verde do presidente nacional do União, deputado federal Luciano Bivar, em Brasília, no dia anterior (17). Só que na segunda (23), após implodir a terceira via a presidente, Bivar também jogou areia na farofa de Garotinho. Como a mídia carioca noticiou e o Blog do Arnaldo Neto registrou no Folha1, disse o dono do União: “Temos um apoiamento ao governador Cláudio Castro (PL). Ele (Garotinho) entrou com o pedido de pleitear a candidatura dele como governador (…) Não há uma decisão”.

 

(Reprodução do Facebook)

 

Combinou com os russos?

No dia 10, a ex-prefeita Rosinha (União) tinha usado suas redes sociais para expor publicamente o filho Wladimir. Ela se ressentia da falta de apoio do filho prefeito à filha deputada federal, que deve se lançar em outubro à Alerj. No dia 12, uma força-tarefa saiu de Campos ao Rio para tentar a pacificação entre os Garotinho. Na qual foi acordado o que interessa à família: 20 mil votos em Campos para Clarissa (União) e outros 20 mil à reeleição do deputado estadual Bruno Dauaire (União). A Folha lembrou a advertência do craque Mané Garrincha: “faltou combinar com os russos”. Parece que entre Garotinho e Bivar, também.

 

Thiago Ferrugem, Juninho Virgílio, Clarissa Garotinho, Fábio Ribeiro, Álvaro Oliveira e Thiago Virgílio no Rio da última quinta (Foto: Facebook de Rosinha Garotinho)

 

Waguinho, prefeito de Belford Roxo e presidente estadual do União

Pressão em Castro

Garotinho ainda tem muitos votos no Estado do Rio, sobretudo no Norte e Noroeste Fluminense, Região Serrana e na populosa Baixada Fluminense. Nesta, tem um aliado importante, Waguinho, prefeito de Berford Roxo e presidente estadual do União. Que foi com ele e Clarissa à reunião com Bivar em Brasília. Uma candidatura do político da Lapa a deputado federal ou estadual seria considerada pule de 10. Mas dificilmente teria condições de voltar a ser governador. E ele sabe disso. Mas pode tirar votos de Castro, talvez decisivos se o embate for apertado. E o governador candidato à reeleição também sabe disso.

 

Alvo, Bacellar alveja

Garotinho quer pressionar Castro a diminuir o espaço do deputado estadual Rodrigo Bacellar (PL). Que só saiu da secretaria estadual de Governo para disputar a reeleição à Alerj, também considerada pule de 10. Já Wladimir precisa de Castro para tocar seu governo, concluir as obras do Hospital Geral de Guarus (HGG) e retomar as obras no Parque Saraiva. Com a iminência de Marquinho Bacellar (SD), irmão de Rodrigo, assumir a Câmara Municipal no biênio 2023/2024. Ontem, em mais um passo neste caminho, a oposição impôs R$ 400,00 à indicação da retomada do auxílio alimentação ao servidor, o dobro do que queria o governo.

 

Servidores de Campos em peso na Câmara foram atendidos pela oposição hoje liderada por Marquinho Bacellar (Fotos: Rodrigo Silveira/Folha da Manhã)

 

Frederico Paes, vice-prefeito e presidente da Coagro

Fator vice

Com Wladimir pressionado pelas derrotas sucessivas na Câmara, pela greve dos servidores, pela demanda de verbas estaduais e pela própria família, a Folha de sábado também lembrou o fator vice na equação do prefeito. Após colocar em risco a própria candidatura na eleição municipal de 2020, ao bancar o industrial Frederico Paes em sua chapa contra as investidas de Rodrigo Bacellar na Justiça Eleitoral, o projeto ambicioso do vice de reforma da Saúde Pública de Campos, usando sua experiência como dirigente hospitalar, foi para o estaleiro. E, no sentido oposto a Garotinho, Frederico tem buscado abrir pontes com Rodrigo e Castro.

 

Frederico homenageado

Como a coluna registrou em 11 de maio, dia seguinte à missa de abertura de safra da Coagro, da qual Frederico é presidente, o evento teve a participação de Castro e Wladimir. E de muito mais vereadores de Campos da oposição que da situação. Como a Folha lembrou no sábado, o vice-prefeito foi sondado pelos Bacellar como candidato a prefeito pelo grupo em 2020. Esta semana, foi anunciado que ele receberá da Firjan NF o prêmio “construtor do desenvolvimento regional”, como presidente da Coagro. Junto com o economista e produtor rural Gonçalo Meirelles. Está marcado para 8 de junho, no teatro Firjan/Sesi de Campos.

 

Armas e Aras

Ontem, além da presença maciça de servidores, a sessão da Câmara foi marcada pela revista dos vereadores. Presidente da Casa, Fábio Ribeiro (PSD) determinou o acautelamento de armas no Legislativo, mas disse que não determinou a revista. Da planície goitacá ao Planalto Central, também ontem, durante a sessão do Conselho Superior do Ministério Público Federal, o procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras, bateu boca e chegou a partir para cima do colega procurador Níveo de Freitas. Conhecido por desempenhar a função de advogado do governo Jair Bolsonaro (PL), não de PGR, Aras prestou ontem mais um desserviço ao MPF e ao país.

 

 

Publicado hoje na Folha da Manhã.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário