Poeta Ronaldo Junior e os muros de Campos hoje na ACL

 

Ronaldo Junior, o rio, a cidade e a ponte no sua livro “Muros impalpáveis” (Foto: Rodrigo Silveira/Folha da Manhã)

 

“O rio da minha aldeia não faz pensar em nada”, versejou Alberto Caeiro, heterônimo do poeta português Fernando Pessoa. Não é o caso do Paraíba do Sul ao poeta carioca/campista Ronaldo Junior. Para quem o rio que corta e forma planície goitacá é também muro. A separar — e segregar — Campos de Guarus. “O rio/ é muro/ que separa/ as versões/ de pobreza/ de riqueza/ de quem acha que é/ de quem não sabe o que ser” compõe estrofe do poema “Travessia”, um dos 16 do livro “Muros impalpáveis”. Lançado em fevereiro de 2021, deu de cara com o muro da pandemia da Covid-19. E o superou 16 meses depois, no lançamento físico da obra. Será a partir das 16h deste sábado (4), na Academia Campista de Letras (ACL), da qual Ronaldo é membro.

— “Travessia” resume o motivo do título: Campos é um município em que as relações sociais são fortemente guiadas a partir das divisões sociais, os muros impalpáveis, criando barreiras interpessoais simbolizadas na própria divisão do município oriunda do rio Paraíba do Sul — explicou Ronaldo

Em outra “Travessia”, de Milton Nascimento e Fernando Brant, a voz do primeiro imortalizou os versos: “Minha casa não é minha/ E nem é meu este lugar/ Estou só e não resisto/ Muito tenho pra falar”. Dolosamente ou não, são versos que ecoam em “A rua onde não nasci”, outro poema do carioca Ronaldo: “identifico/ que jamais nasceria/ em certas ruas,/ mas nasço em/ tantas outras// — urbano que sou,/ restrito aos lugares/ de luz/ e pedra// ainda assim,/ permaneço carioca/ em Campos dos Goytacazes”.

Ronaldo disse — ainda — não conhecer a obra do grande poeta modernista grego, nascido no Egito, Konstatínos Kaváfis. Mas seu “A rua onde nasci” tem impressionante aparência de diálogo com os versos do último heleno de Alexandria. Que sentencia em seu poema “A cidade”: “Novas terras você não há de encontrar, não encontrará outros mares./ A cidade o seguirá. Você voltará a percorrer as mesmas ruas”.

— De fato, as referências parecem explícitas. Muito bom esse enriquecimento da obra pelos diálogos que ela gera. Não conheço o poeta grego, mas começarei a ler em breve. Em “A rua onde não nasci”, falo sobre o sentimento de ser campista sem ser nascido aqui, o que também simboliza a mensagem do livro — revelou Ronaldo.

O poema escolhido para abrir “Muros impalpáveis” foi um diálogo intencional com outro autor. Em “PaleoGênesePoética”, diz o poeta e literato campista Joel Ferreira Mello: “Como TeluriCidade/ camposAluvional/ HeteroIdentidade/ regioNacioUniversal”.

— Essa obra de Joel é marcada pela criticidade voltada ao urbano, à desigualdade social que ele aponta. É marcada pela universalidade e regionalidade da qual ele vem. Até então, eu nunca havia escrito sobre Campos. Passei a escrever por provocação do professor Antônio Cardoso, coordenador da Casa das Artes do Alpha, depois de uma palestra sobre as possíveis datas de nascimento de Campos feita pelo Instituto Histórico e Geográfico de Campos — lembrou Ronaldo.

A partir da provocação, o poeta carioca escreveu “Do nascimento de Campos”, a partir da discussão da data de fundação da cidade que o adotou, que tem provocado tantas polêmicas entre historiadores e intelectuais locais. E, ao revistar o passado campista, traz à tona versos com crítica contundente ao presente brasileiro e bolsonarista: “o seu berço seria/ a criação da Câmara/ com os homens ditos de bem”.

Para dar fim à polêmica do aniversário de Campos, o poeta se vale de metáfora cara às velas do bolo: “uma data/ é faísca/ em meio a chamas”. Em seus versos com jeito de prosa, o carioca/goitacá finaliza o poema no questionamento que deveria mais interessar: “mas é preciso especular/ a formação de cada alma/ — em contexto desigual —/ para fazer das ferramentas/ (educação/ passado/ poema)/ expressão/ de uma gente/ que resiste pelos anos/ sem nem sempre saber/ a dimensão/ de ser/ campista”.

 

Capa da Folha Dois de hoje

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário