Pesquisas da semana a presidente, governador e senador

 

Favoritos das pesquisas a 70 dias das urnas de 2 de outubro: Lula, Bolsonaro, Castro, Freixo, Romário e Lula (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

 

A presidente, governador e senador

A semana trouxe três pesquisas que tornaram mais claro o horizonte no Brasil e no RJ às urnas de 2 de outubro, daqui a 70 dias. A PoderData presidencial foi feita de 17 a 19 de julho, a Exame/Ideia presidencial foi feita de 15 a 20 de julho, e a Ipec (antigo Ibope), feita de 17 e 19 de julho, trouxe a projeção do RJ das eleições a governador. E também a senador e presidente. As três confirmaram as tendências das pesquisas anteriores de julho: 1) segundo turno entre Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PL), com vitória de Lula; 2) segundo turno entre Cláudio Castro (PL) e Marcelo Freixo (PSB), em empate técnico; e 3) liderança folgada de Romário (PL) na corrida ao Senado.

 

Contraste a presidente

A PoderData e a Exame/Ideia confirmaram todas as demais pesquisas, com a liderança isolada de Lula no primeiro turno. Mas com uma importante diferença: na PoderData, como todas as pesquisas presidenciais de julho, a diferença entre Lula e Bolsonaro diminuiu. Comparada a PoderData desta semana com a anterior, divulgada em 6 de julho, a diferença de Lula a Bolsonaro diminuiu: de 8 pontos (44% a 36%) aos 6 atuais (43% a 37%). Comparada a Exame/Ideia desta semana com a anterior, divulgada em 23 de junho, a diferença de Lula para Bolsonaro aumentou: de 9 pontos (45% a 36%) para os atuais 11 (44% a 33%).

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Reação a mentiras

Na margem de erro das duas pesquisas, as diferenças apontam estabilidade. Mas trazem alerta a Bolsonaro. Embora dentro da margem de erro, o presidente vinha crescendo em todas as pesquisas de julho. E caiu na Exame/Ideia, primeira a pegar de maneira consistente o reflexo das mentiras comprovadas repetidas pelo capitão contra o sistema eleitoral que elegeu ele e seus filhos, diante de embaixadores estrangeiros, na segunda (18). Assim como a reação forte contra a ameaça golpista de Bolsonaro, por várias instituições públicas do país e do mundo. Inclusive o Departamento de Estado dos EUA, na quarta (20), último dia da Exame/Ideia.

 

Chequinho nacional

Pesquisas internas do próprio PL, partido de Bolsonaro, revelam que os ataques deste contra a urna eletrônica que o elegeu presidente são encaradas pela maioria do eleitorado como choro de mau perdedor. Após rasgar a legislação eleitoral com a sua PEC Kamikaze, para injetar R$ 41,2 bilhões numa Chequinho em plano nacional, na tentativa de comprar o voto do eleitor mais pobre com o qual Lula tem sua maior vantagem, as pesquisas de agosto são esperadas. Para saber o efeito eleitoral da chegada desse dinheiro no bolso do povo. Como faz com a economia do país, Bolsonaro parece já gastar por conta um voto que ainda não tem.

 

Segundo turno a presidente

Após muitas pesquisas de maio e junho — incluindo duas Datafolha, principal instituto de pesquisas do país — apontarem a possibilidade de Lula vencer a eleição já no primeiro turno, todas as pesquisas de julho indicam até aqui o segundo turno em 30 de outubro. E, em todas, Lula bate Bolsonaro fora da margem de erro. Na PoderData, o petista bateria o capitão por 51% a 38% no segundo turno. E por 47% a 37% na Exame/Ideia. A PoderData não divulgou rejeição, mas sua projeção de segundo turno indica que a de Bolsonaro é a mais alta. Como registrou a Exame/Ideia, com 46% que não votariam no presidente de maneira nenhuma.

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Empate técnico a governador

O segundo turno também parece ser a única certeza, até aqui, da eleição a governador do RJ. Com os dois primeiros colocados em empate técnico, dentro da margem de erro, no primeiro e segundo turnos. Na Ipec divulgada na quinta (21), Castro apareceu com 20% de intenções de voto, contra 14% de Freixo, na consulta estimulada do primeiro turno. E um segundo turno projetado pela pesquisa em 34% de Castro a 33% de Freixo, quase um empate exato. Freixo tem, no entanto, a desvantagem da rejeição. São 26% os eleitores fluminenses que não votariam nele de maneira nenhuma a governador. Castro tem rejeição bem menor: 15%.

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

A senador e presidente no RJ

Na maior vantagem registrada nas pesquisas eleitorais da semana, Romário (PL) caminha até aqui tranquilo em sua tentativa de ficar com a única vaga do RJ ao Senado. No cenário principal da Ipec, ele tem 30% de intenções de voto na consulta induzida. Segundo colocado, sem ainda ter definido se concorrerá a senador, Marcelo Crivella (Republicanos) tem 11%. Romário e Crivella são aliados de Bolsonaro. O que contrasta com a pesquisa Ipec do voto fluminense a presidente. No RJ, Lula lidera fora da margem de erro a corrida ao primeiro turno: 41% a 34% de Bolsonaro. A quem bateria também no segundo turno, por 47% a 39%.

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Rufino Gomes de Barros

Comércio de luto

Morreu na quinta (21) e foi sepultado ontem, no Cemitério do Caju, o comerciante Rufino Gomes de Barros. Português de São João do Ver e radicado em Campos, foi fundador e proprietário da Refrigeração Portuguesa, que marcou época no comércio goitacá por 40 anos, na rua Barão de Amazonas, até fechar as portas há seis anos. Ele estava internado há cerca de 15 dias na Santa Casa de Misericórdia de São João da Barra, onde residia, por conta da Covid-19. Que, mesmo com as quatro doses de vacina, evoluiu para pneumonia e parada cardiorrespiratória. A coluna registra seu pesar à família, aos amigos e ex-clientes.

 

Publicado hoje na Folha da Manhã.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário