Lula e Bolsonaro: Campos, Brasil, playboy e motoboy

 

(Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

 

A presidente na região e Brasil

Em Campos, o presidente Jair Bolsonaro (PL) ampliou sua votação entre o 1º turno de 2018 e 2022: de 55,19% a 58,01% dos votos válidos. No Norte e Noroeste Fluminense, no entanto, ele diminuiu sua votação nos últimos quatro anos: de 57,45% a 52,79%. Mas, se dependesse das duas regiões fluminenses, o capitão teria sido reeleito em 2 de outubro. Como o Brasil não se resume a elas, quem quase se elegeu no 1º turno foi o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que teve 48,43% dos votos. Ficou a apenas 1,47% mais 1 voto de fechar a fatura em turno único. E, daqui a 18 dias, disputará o 2º turno contra Bolsonaro, que sai de 43,20%.

 

Decepção lulista e bolsonarista

No Norte e Noroeste Fluminense, onde Bolsonaro foi mais votado foi em São Francisco de Itabapoana: 61,84%. Nas duas regiões, Lula ficou na frente em sete municípios. E venceria em turno único em quatro: Laje do Muriaé (57,73%), Porciúncula (52,20%), Miracema (51,30%), Quissamã (50,53%). Do regional ao nacional, as urnas de 2 de outubro trouxeram frustações aos eleitores de Lula e Bolsonaro. Aos do petista, por ele não ter vencido no 1º turno, possibilidade indicada nas cinco pesquisas da véspera. Aos do capitão que nele creem, pelo mesmo motivo. Ele afirmava que venceria com os 60% que nunca teve em nenhuma pesquisa.

 

Pesquisas no 1º turno: erros e acertos

Se já eram questionadas pelos bolsonaristas, por mostrarem a liderança de Lula durante todo o ano e a possibilidade de ele levar em turno único, as pesquisas passaram a sofrer mais críticas após subestimaram a votação do capitão no 1º turno. No contraste com os 43,20% que teve das urnas de 2 de outubro, Bolsonaro teve sua votação subestimada na véspera. Em 35% na Ipespe (8,2 pontos abaixo), 36% na Datafolha (7,2 pontos), 37% na Ipec (6,2 pontos), 38% na Quaest (5,2 pontos) e 40% (3,2 pontos) na MDA. Mas três delas acertaram os 48,43% de Lula quase exatamente: a Quaest e a MDA lhe deram 48%, enquanto a Ipespe lhe deu 49%.

 

Lula lidera na Ipec

Na margem de erro de 2 pontos, a Datafolha também acertou a votação de Lula no 1º turno, ao projetá-la em 50%. Por sua vez, a Ipec deu-lhe 51%, errando em 0,57 ponto fora da margem de erro. Correndo atrás dos seus erros, foi da Ipec a primeira pesquisa desta semana, segunda do instituto na corrida a 30 de outubro. Até aqui, é a quem vem dando maior vantagem de Lula para Bolsonaro neste 2º turno. Feita de sábado (8) a segunda (10) e encomendada pela Globo, ouviu 2.000 eleitores presencialmente. E deu ao petista 55% dos votos válidos, contra 45% do capitão. Como são os mesmos números da Ipec de 5 de outubro, indicou estabilidade.

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Lula lidera?

A vantagem de 10 pontos na Ipec ao 2º turno para Lula, se repetidos os erros do 1º turno 0,57 ponto para cima a ele, e de 6,2 pontos para baixo a Bolsonaro, afunilariam a disputa do 2º turno em 3 pontos, empate técnico na margem de erro. Do que a pesquisa mostrou, outro dado também preocupa o petista. Fundamental à definição do 2º turno, a rejeição mostra uma aproximação. Nos últimos cinco dias, Bolsonaro reduziu de 50% a 48% os brasileiros que não votariam nele de maneira nenhuma, enquanto Lula subiu de 40% a 42%. A diferença é de 6 pontos, a apenas 2 do empate técnico. Se a rejeição se igualar, qualquer resultado é possível.

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Disputa na Ipespe

Segunda pesquisa da semana e primeira do instituto ao 2º turno, a Ipespe foi divulgada ontem (11). Foi feita também entre sábado e segunda, mas entre 1.110 eleitores ouvidos por telefone. Com margem de erro de 3 pontos, ela também deu a liderança de Lula, com 54% dos votos válidos, contra 46% de Bolsonaro. A diferença de 8 pontos, se repetido o erro de 8,2 pontos para baixo com o capitão no 1º turno, a despeito do acerto com o petista, significaria hoje nenhuma diferença. Na rejeição, a diferença entre os dois é um empate técnico de 4 pontos: 49% não votariam de maneira nenhuma em Bolsonaro, contra 45% de Lula.

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Lula lidera no Sudeste?

Tão fundamental quanto a rejeição, o que definirá o 2º turno presidencial será a votação da região Sudeste, que concentra 42,6% do eleitorado do país. No 1º turno, Bolsonaro ficou na frente, com 47,6% dos votos válidos, contra 42,6% de Lula. Mas a Ipec na segunda projetou que o petista teria virado: 48% contra 44% do capitão, com 6% de brancos e nulos, mais 2% que não souberam responder. O cientista político Antônio Carlos Almeida, professor da UFF e da FGV, e autor do livro “O Voto do Brasileiro” (2018), disparou do Twitter: “Está errado o resultado do Ipec para o Sudeste indicando Lula à frente de Bolsonaro”.

 

 

Bolsonarismo no Noroeste

Da região brasileira eleitoralmente mais importante de volta às regiões fluminenses, ontem viralizou nas redes sociais um vídeo de alunos do curso de medicina do campus Itaperuna da Universidade Iguaçu (Unig). Foi gravado na última sexta (7), quando eles participavam dos Jogos Universitários de Medicina (Intermed), em Vassouras. Onde os futuros médicos cantavam animadamente: “Ei, eu sou playboy. Não tenho culpa de seu pai é motoboy”. A Unig divulgou de repúdio à atitude discriminatória dos seus estudantes. No 1º turno presidencial de Itaperuna, município polo do Noroeste Fluminense, Bolsonaro teve 60,95% dos votos válidos.

 

 

Publicado hoje na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
Tweet 20
Pin Share20

Deixe um comentário