Novo Censo: população do NF cresce e hoje é de 920.815

 

De 2010 a 2022, população do Norte Fluminense cresceu 8,4% e atingu 920.815 habitantes. Em 1º de agosto de 2022, Campos dos Goytacazes tinha 483.551 habitantes, enquanto São João da Barra somava 36.573 moradores. Os dois municípios formam a Concentração Urbana ou Arranjo Populacional de Campos dos Goytacazes, que alcançou 520.124 residentes.

O novo recorte territorial foi criado pelo IBGE em 2015 para representar as unidades geográficas formadas por pessoas que se deslocam constantemente entre dois ou mais municípios, por motivo de trabalho ou estudo. Os números são dos primeiros resultados do Censo Demográfico de 2022, divulgados hoje (28) pelo IBGE.

No caso da mesorregião Norte Fluminense, formada pelos municípios de Campos, São João da Barra, Macaé, São Francisco de Itabapoana, Cardoso Moreira, São Fidélis, Conceição de Macabu, Carapebus e Quissamã, a população atingiu um crescimento de 8,4% entre os anos 2010 e 2022, alcançando 920.815 habitantes. O crescimento foi superior aos 6,5% da população brasileira, que chegou a 203.062.512 habitantes em 1º de agosto do ano passado, e aos 0,04% de crescimento da população do Estado do Rio de Janeiro, que alcançou 16.054.524 moradores.

Com isso, os totais da população de cada município do Norte Fluminense, de acordo com o Núcleo de Pesquisa Econômica do Estado do Rio de Janeiro (Nuperj/Uenf), coordenado pelo professor Alcimar das Chagas Ribeiro, passaram a ser os seguintes:

Para o analista estatístico do Nuperj/Uenf, o geógrafo com especialização doutoral em estatística pelo IBGE, William Passos, os números da população do Norte Fluminense divulgados pelo Censo Demográfico 2022 precisam ser observados com cautela:

 

(Infográfico: Nuperj/Uenf)

 

William Passos, geógrafo com especialização doutoral em estatística pelo IBGE

— Os números do Norte Fluminense divulgados hoje precisam ser inseridos no contexto do comportamento demográfico do Estado do Rio de Janeiro. Entre 2000 e 2010, importante recordar, fora da Região Metropolitana, a faixa litorânea entre Saquarema e Quissamã concentrava o maior crescimento populacional do Estado. Isso foi comprovado por um trabalho da professora Joseane de Souza, da Uenf. Agora entre 2010 e 2022, Maricá (54,8%) e Rio das Ostras (48,1%) apresentaram os maiores aumentos de população, enquanto São Gonçalo perdeu 10,3% de moradores e a cidade do Rio de Janeiro perdeu mais de 109 mil residentes. Isso significa desaceleração do ritmo de crescimento da Região Metropolitana, de maneira geral, e manutenção de um forte ritmo de evolução da população nos municípios do litoral, acompanhando a produção do petróleo da Bacia de Santos e, em menor intensidade, também da Bacia de Campos. Entretanto, este forte ritmo não chega a Campos e São João da Barra, ficando restrito, no caso do interior fluminense, a faixa entre Saquarema e, agora, Macaé. Em comparação ao período intercensitário anterior, Carapebus e Quissamã desaceleraram demograficamente com muita força. Além disso, os números divulgados hoje também indicam que o Porto do Açu não impacta no crescimento da população e que os orçamentos milionários de Carapebus e Quissamã, e bilionário, no caso de Campos, que deve se aproximar dos R$ 3 bilhões no ano de 2024, têm efeito neutro no crescimento da população — analisou Willam.

 

fb-share-icon0
Tweet 20
Pin Share20

Deixe um comentário