Frederico Paes fecha a semana do Folha no Ar nesta sexta

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Vice-prefeito de Campos e pré-candidato à reeleição na chapa do prefeito Wladimir Garotinho (PP), Frederico Paes (MDB) é o convidado para fechar a semana do Folha no Ar nesta sexta (24), ao vivo, a partir das 7h da manhã, na Folha FM 98,3. Também presidente da Coagro e engenheiro agrônomo, ele analisará o início da moagem (confira aqui) na Coagro e Canabrava, além do projeto (confira aqui) de retomada da usina Paraíso.

Frederico também avaliará a conturbada relação entre Executivo e Legislativo goitacá, com seu mais novo capítulo: o relatório da CPI da Educação pela oposição na terça (21) e (confira aqui, aqui, aqui e aqui) a reação de Wladimir. Por fim, com base nas pesquisas (confira aqui, aqui e aqui), ele tentará projetar as eleições a prefeito e vereador de Campos em 6 de outubro, daqui a exatos 4 meses e 14 dias.

Quem quiser participar ao vivo do Folha no Ar desta sexta poderá fazê-lo com comentários em tempo real, no streaming do programa. Seu link será disponibilizado alguns minutos antes do início, nos domínios da Folha FM 98,3 no Facebook, no Instagram e no YouTube.

 

Publicidade de Campos às grandes praças no Folha no Ar desta 5ª

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Publicitário com experiência em Campos e nos grandes centros, Douglas Oliveira é o convidado do Folha no Ar desta quinta (23), ao vivo, a partir das 7h da manhã, na Folha FM 98,3. Ele analisará as diferenças do mercado publicitário de Campos e interior às maiores praças do país.

Douglas também falará de publicidade e comunicação social em tempo de redes sociais e pós-verdade. E da importância da publicidade neste ano de eleições municipais pelo Brasil em 6 de outubro, daqui a 4 meses e 15 dias.

Quem quiser participar ao vivo do Folha no Ar desta quinta poderá fazê-lo com comentários em tempo real, no streaming do programa. Seu link será disponibilizado alguns minutos antes do início, nos domínios da Folha FM 98,3 no Facebook, no Instagram e no YouTube.

 

Alcimar Ribeiro — Contradições da riqueza do petróleo

 

 

Alcimar das Chagas Ribeiro, economista, professor da Uenf e membro da Academia de Letras de Campos (ACL)

Rio de Janeiro de contradições: ineficiência que permite o espraiamento da riqueza para além do território

Por Alcimar das Chagas Ribeiro

 

Diferentes autores fluminenses apresentam justificativas consensuais sobre a crise estrutural do estado do Rio de Janeiro. São ancoradas na perda de receita e, consequente, incapacidade de investimento, em função de questões históricas e mudanças institucionais. Dentre elas, a transferência da capital do antigo estado da Guanabara para Brasília, a isenção fiscal sobre exportações de produtos primários e semielaborados (Lei Kandir) e na distorção fiscal sobre a extração do petróleo no território que ocorre no destino e não na origem.

Estes argumentos parecem se fragilizar no contexto da análise conjuntural das duas últimas décadas. Já nos anos 2000, a dinâmica da conjuntura econômica mundial, puxada pela China, exerceu forte pressão na demanda por commodities, especialmente petróleo bruto, com reflexos no aumento do preço do barril internacionalmente.

Em meados de 2008 o preço do petróleo chegou a ser negociado em torno de US$ 138 por barril. Dois anos depois, o estado detentor da maior bacia petrolífera do país, a Bacia de Campos, atingiu o ápice de 87% da produção de petróleo no país.

A importância do estado na produção de petróleo possibilitou uma consistente transferência de rendas petrolíferas para o executivo estadual e para os municípios produtores. Estes ampliaram de sobremaneira a sua dependência orçamentária das mesmas rendas petrolíferas finitas.

Já na segunda década dos anos 2000, com a descoberta e avanço da exploração de petróleo no pré-sal (Bacia de Santos), a Bacia de Campos inicia um processo de declínio da produção e produtividade. Tal fato incentivou a transferência gradativa de investimentos para a Bacia de Santos, cujos campos petrolíferos sinalizavam melhor qualidade do produto, maior produtividade e garantia de maiores taxas de lucros para as operadoras.

Apesar do amadurecimento da Bacia de Campos e maior afluxo de investimentos em direção à Bacia de Santos, o estado do Rio de Janeiro continuou se beneficiando das rendas petrolíferas pela proximidade dos municípios de Maricá — hoje o maior beneficiário de rendas petrolíferas do país —, Saquarema, Niterói e Rio de Janeiro. Quatorze anos depois da descoberta do pré-sal, a bacia de Santos é responsável por aproximadamente 80% da produção nacional, enquanto a bacia de Campos é responsável por menos de 20% do total. Tal inversão não tirou a condição do estado do Rio de Janeiro de maior produtor de petróleo do país.

Complementarmente, quando são observados os resultados do processo de execução orçamentária nos últimos anos, contradições importantes são afloradas corroborando com a hipótese de fragilidade dos argumentos usados na justificativa da crise econômica do estado.

Importante resgatar a crise econômica no país em 2015 e 2016 que levou o estado a aderir ao Regime de Recuperação Fiscal em 2017. A forte recessão atingiu frontalmente o estado dependente das rendas petrolíferas. O desajuste das contas públicas foi acentuado com um déficit fiscal de R$ 5,4 bilhões em 2016, o qual levou o estado a decretar estado de calamidade em 2017.

Neste ano as receitas correntes realizadas em termos reais caíram 27,62% em relação a 2014, puxadas pela queda de 21,53% no ICMS no mesmo período. Já no grupo das despesas a parcela das ‘correntes liquidadas’ caiu 21,72% em relação a 2014.

Entretanto, é importante elucidar a movimentação contábil relativa à transferência de um valor real correspondente a 70,25% da conta de custeio para a conta de pessoal e sua contrapartida de redução de 60,64% na conta de custeio, na execução orçamentária em 2017.

Um primeiro indicativo é de que a movimentação executada possa representar um instrumento de pressão do estado sobre a União, já que o fato demonstra eficiência na gestão das despesas operacionais e dificuldade com a obrigação constitucional de remuneração com o servidor público.

Nos anos seguintes a observação é de que as receitas correntes seguem um processo de recuperação gradativa, atingindo em 2023 uma leve queda de 4,46% em relação a 2014, ano referência da conjuntura econômica de alta dinâmica. As despesas correntes também evoluem ao longo do tempo sem sobressaltos, chegando em 2023 com uma queda de 14,73% em relação a 2014.

Com isso, o problema contábil persiste na conta de pessoal que registrou um crescimento real de 84,42% em 2023 com base em 2014, impulsionado pelo crescimento de 70,25% de 2017, ano de ingresso do estado no Regime de Recuperação Fiscal. Adiciona-se a este quadro o crescimento real da folha de pessoal de 11,35% no triênio 2021/2023 em classes especiais, já que a massa dos servidores não se beneficiou de qualquer aumento salarial.

Situação inversa pode ser vista na avaliação do custeio. Ao contrário da evolução da conta de pessoal, a conta de outras despesas correntes apresentou queda acentuada de 59,93% em 2023 com base em 2014. Tal pressão veio da pedalada mostrada acima.

Quanto ao questionamento do exagerado juros da dívida que, segundo o governo, inviabiliza a prestação de serviços e o investimento público, a execução orçamentária não mostra tal dificuldade. O gasto com o serviço da dívida executado pelo governo atingiu um valor médio correspondente a 1,6% das receitas correntes no período de 2017 a 2023.

Já o investimento público atingiu um valor equivalente a 2,73% das receitas correntes no mesmo período, o que indica a perda de capacidade de investimento, apesar da venda da empresa pública de água e esgoto (Cedae).

Outra justificativa do estado de forte pressão sobre o Governo Federal diz respeito à possível paralização de prestação de serviços estratégicos. A evidência empírica é de que educação, saúde, infraestrutura, segurança, etc., não têm avançado no padrão esperado pela população fluminense.

Conclusivamente, considerando as ocorrências de recuperação das receitas correntes que atingiu quase o nível de 2014, do avanço das receitas patrimoniais com a venda da Cedae, do insuficiente padrão de investimento público e do baixo impacto dos gastos de serviços da dívida, o problema está na ineficiência da gestão pública. Conforme têm afirmado o Governo Federal e o Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Rio de Janeiro.

 

Folha Letras publicada (hoje) na Folha da Manhã

 

Arthur Soffiati — A lenda do “Rei do filme B” de Hollywood

 

Roger Corman, cineasta, produtor, descobridor de atores, redescobridor de outros e “Rei do filme B” de Hollywood

 

Arthur Soffiati, historiador, professor, ambientalista e crítico de cinema

A lenda Roger Corman

Por Arthur Soffiati

 

Hollywood reuniu estúdios e se tornou o maior centro cinematográfico do mundo. Dali, saíram grandes filmes, diretores famosos e artistas glamorosos. Eles ganharam o mundo e, por um lado, levaram-nos encantamento. Por outro, motivaram críticas severas. O festival do Oscar é o que melhor representa Hollywood.

Mas deixemos o palco da cidade do cinema e visitemos o porão. Lá não é apenas um lugar para guardar material usado e recordações. Encontraremos intensa vida ali: diretores, produtores, cinegrafistas, artistas, orçamentos baixos e a falta de glamour do andar de cima. Ou um glamour diferente daquele mais difundido e exibido nas grandes telas.

É a Hollywood B, talvez a verdadeira face da capital mundial do cinema: a produção de filmes comerciais para o grande público. O cinema sem meias palavras para render dinheiro: gastar pouco e ganhar muito. É preciso descobrir esta faceta por trás do charme.

Nesse sentido, a figura de Roger Corman talvez seja a mais representativa desse porão. Ele nasceu em 1926 e acaba de morrer aos 98 anos de idade. Corman fez de tudo no porão: carregou cenários, esteve atrás das câmaras, foi dublê, estreou como diretor em 1956, dirigiu muitos filmes nos mais distintos gêneros, vários deles não creditados, e se tornou um grande produtor mais pela quantidade que pela qualidade.

Corman recebeu merecidamente o título de “Rei do filme B”. Em todos os gêneros, encontraremos filmes B, aqueles que são produzidos com baixo orçamento. Por isso, não podem contar com bons roteiristas, fotografia, artistas e outros traços mais que marcam a produção do andar superior de Hollywood.

Não se pode dizer que Corman estava despreparado culturalmente. Ele se formou em engenharia e estudou literatura. Era pau para toda obra. Precisa-se de um filme para a próxima semana. Chama o Corman. Parece que certo estúdio não cumprirá o contrato para nos entregar um filme A. Chama Corman depressa e encomenda um filme B.

Como produtor, ele não se limitava em conseguir dinheiro para os filmes. Escolhia o livro a ser roteirizado, o roteirista, o diretor e os artistas. Ele deixou de dirigir em 1990, mas continuou como diretor indiretamente. E era grande seu tino para filmes voltados aos pequenos cinemas e ao público não exigente.

Os homens americanos gostam de peitos femininos? Pois coloquemos mulheres bonitas que exibem seus peitos gratuitamente. Foi assim que ele filmou Dawn Dunlap, uma bela e pouco conhecida atriz. O público gosta de briga? Ofereçamos briga a eles. E nada de filme-cabeça.

Assim, Corman adquiriu notoriedade e respeitabilidade do andar de cima. Ele se tornou um grande conselheiro dos jovens diretores, como Francis Coppola, Martin Scorserse, James Cameron, Tim Burton, John Landis, Joe Dante, Peter Bogdanovich, Jonathan Demme. Ele lançou artistas que se tornaram célebres mais tarde, como Jack Nicholson, e trouxe às telas artistas que estavam sendo esquecidos, como Peter Lorre e Boris Karloff.

Foi Corman que consagrou o nome de Vincent Price. Ele ganhou dinheiro com esses filmes baratos e simples de ficção científica, comédias macabras, faroeste, mitologia, dinossauros, máfia e tantos mais em que esteve por trás como diretor e produtor. Segundo ele, só teve prejuízo com um. Em 2009, ele recebeu o Oscar honorário.

Numa de suas muitas entrevistas, ele disse que não se deve abusar do virtuosismo com a câmara. Até certo ponto, ele podia fazer experiências, mas desagradar o público simples jamais. Pelo conjunto da obra, pela revelação de artistas, pela oportunidade que deu aos astros devorados por Hollywood e pela influência exercida sobre jovens cineastas, hoje famosos, Corman bem merece uma homenagem.

Mas é de se perguntar quem estaria disposto a assistir a “O monstro de um milhão de olhos”, “O emissário do outro mundo”, “O ataque dos caranguejos monstruosos”, “Um balde de sangue” (genial), “A mulher vespa” “A pequena loja dos horrores” (sua mais conhecida obra), “O homem dos olhos de raio-X” e “Frankenstein, o monstro das trevas”?

 

Publicado hoje na Folha da Manhã.

 

Wladimir aceita provocação, campista Zé Maurício, Tezeu a vereador e Filipe com Tiradentes

 

Wladimir Garotinho, José Maruício Linhares, Tezeu Bezerra e Filipe Estefan (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

 

Provocação aceita por Wladimir

Em todas as pesquisas de 2023 e na única até aqui de 2024, o prefeito Wladimir Garotinho (PP) é favorito à reeleição em 6 de outubro, daqui a 4 meses e 15 dias. Por isso, ao gravar um vídeo para dizer que a “a oposição não tem vergonha na cara”, após a leitura do relatório da CPI da Educação ontem (21) na Câmara Municipal, ele parece não ter nada a ganhar. Até porque sua briga já tinha sido comprada por seu líder legislativo, edil Juninho Virgílio (Podemos). Enquanto a briga real da oposição é para tentar diminuir a aprovação e aumentar a rejeição de Wladimir. Que, para manter essa condição hoje favorável, talvez não devesse aceitar provocação. A ver.

 

O campista Zé Maurício (I)

Faleceu no último sábado (18), aos 88 anos, o campista José Maurício Linhares. Talvez menos conhecido pelos mais jovens, foi deputado federal seis vezes consecutivas, de 1975 a 1999. Ajudou a elaborar a Constituição Federal de 1988 e se marcou também como secretário de Minas e Energia dos dois governos Leonel Brizola (PDT) no RJ, de 1983 a 1987 e de 1991 a 1994. Quando Zé Maurício, como era conhecido entre os mais próximos, capitaneou o projeto “Uma Luz na Escuridão”. Com o qual levou eletrificação a várias localidades fluminenses, sobretudo na zona rural, que nunca tinham contado com esse serviço essencial.

 

O campista Zé Maurício (II)

Nos tempos do bipartidarismo imposto pela nossa última ditadura militar (1964/1985), Zé Maurício se opôs a ela no MDB. Em 1980, quando o PDT foi criado por Brizola, ingressou no novo partido, do qual nunca saiu. Formado em Direito na UFF, fez sua vida profissional e política no Grande Rio, mas nunca perdeu os laços com Campos. Esteve entre os brizolistas que romperam com o então jovem Anthony Garotinho (hoje, Republicanos). Quando julgou que este pôs seu projeto individualista de poder acima da luta pelo trabalhismo fundado pelo ex-presidente Getúlio Vargas (1882/1954), do qual Brizola era considerado sucessor.

 

Campistas de outro tempo

Zé Maurício foi colega no Liceu de Humanidades de Campos do jornalista Aluysio Cardoso Barbosa (1936/2012), fundador da Folha da Manhã e desta coluna. Mesmo que o segundo nunca tenha escondido em vida ressalvas a Brizola, os dois ex-liceístas sempre se mantiveram amigos. Ambos testemunharam crianças a II Guerra Mundial (1939/1945). E se tornaram adultos no mundo bipolar da Guerra Fria (1947/1991), entre os EUA e a antiga União Soviética. Foi uma época de verdades conflitantes. Mas também de luta pelo direito ao contraditório. Com base em convicções muito mais sólidas do que a destes tempos rasos da pós-verdade.

 

Folha no Ar de hoje e ontem

No Folha no Ar da manhã de hoje, ao vivo, das 7h às 9h, a Folha FM 98,3 recebe três entrevistados para falar da vida e do legado de Zé Maurício: o ex-prefeito de Campos e ex-deputado estadual Roberto Henriques (que busca refundar o PTB de Getúlio), o engenheiro da Petrobras e ex-secretário de Energia do RJ Wagner Victer, e Sérgio Mendes (Cidadania), outro ex-prefeito. Já no Folha no Ar de ontem (21), o trabalhismo de Campos ganhou um reforço à eleição municipal de 6 de outubro. Presidente do Sindipetro NF, o petroleiro Tezeu Bezerra revelou que é pré-candidato a vereador pelo PT goitacá.

 

Petroleiros a vereador pelo PT

Na última eleição municipal, o petroleiro José Maria Rangel (PT) foi o candidato a vereador da categoria em Campos. Com 2.934 votos, foi o 5º mais bem votado. Mas não se elegeu por conta do quociente partidário. Mais que a eleição a prefeito, onde a deputada estadual Carla Machado já aparece com dois dígitos nas pesquisas, mesmo hoje impedida de concorrer por toda a jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e Supremo Tribunal Federal (STF), o PT acerta ao priorizar a reconquista de uma cadeira de vereador. Tezeu e os cerca de 3 mil petroleiros residentes em Campos, entre ativos e aposentados, reforçam essa pretensão.

 

Estefan recebe Medalha Tiradentes (I)

Como a coluna adiantou no sábado, o presidente da OAB de Campos, Filipe Estefan, recebeu na segunda (20) a Medalha Tiradentes, maior honraria dada pela Alerj. Que foi proposta pela deputada estadual Carla Machado. Com quem Filipe trabalhou como procurador de São João da Barra na primeira das quatro gestões da hoje parlamentar como prefeita do município. Também advogado e presente à solenidade, o presidente campista da Alerj, Rodrigo Bacellar (União), saudou o homenageado: “Preside a OAB de Campos com muita energia e dedicação. Sei do seu carinho enorme por toda a região, nesse trabalho árduo que é advogar”.

 

Estefan recebe Medalha Tiradentes (II)

Prestigiado por pares do mundo jurídico, como o presidente da OAB-RJ, Luciano Bandeira, Filipe disse ao receber a Medalha Tiradentes: “Minha gratidão à deputada, que viu neste advogado intensa militância para receber esta áurea. A honraria não é só do Filipe Estefan, filho de Lurdinha e Fidélis, mas de toda a advocacia. Divido a homenagem com os colegas que, como eu, labutam dia a dia na defesa intransigente dos direitos. E levam a todos os cidadãos, em todo território fluminense, o restabelecimento da ordem jurídica, contribuindo à pacificação dos conflitos e ao fortalecimento do estado democrático de direito”.

 

Publicado hoje na Folha da Manhã.

 

José Maurício Linhares é o tema do Folha no Ar desta 4ª

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Falecido no último sábado (confira aqui), aos 88 anos, a vida e a obra do campista José Maurício Linhares, ex-deputado federal por seis mandatos e ex-secretário de Minas e Energia dos dois governos Leonel Brizola (PDT) no estado do Rio, serão o tema do Folha no Ar desta quarta (22). Que vai ao ar ao vivo, a partir das 7 da manhã, na Folha FM 98,3.

Em ordem e blocos separados, darão seus testemunhos o ex-prefeito e ex-deputado estadual Roberto Henriques, o engenheiro da Petrobras e ex-secretário de Energia do RJ Wagner Victer, e o ex-prefeito Sérgio Mendes. Todos falarão sobre José Maurício.

Quem quiser participar ao vivo do Folha no Ar desta sexta poderá fazê-lo com comentários em tempo real, no streaming do programa. Seu link será disponibilizado alguns minutos antes do início, nos domínios da Folha FM 98,3 no Facebook, no Instagram e no YouTube.

 

Petrobras e PT a prefeito e vereador em Campos no Folha no Ar desta 3ª

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Petroleiro, petista e presidente do Sindipetro NF, Tezeu Bezerra é o convidado do Folha no Ar desta terça (21), ao vivo, a partir das 7h da manhã, na Folha FM 98,3. Ele falará (confira aqui) dos casos de intoxicação alimentar na plataforma P-53 e de falta de sanitário na P-25.

Tezeu também analisará a troca de comando na Petrobras, com Jean Paul Prates substituído na presidência por Magda Chambriard, suas causas e reflexos na Bacia de Campos. Por fim, falará das três pré-candidaturas do PT a prefeito de Campos e de novidades na nominata a vereador do partido.

Quem quiser participar ao vivo do Folha no Ar desta sexta poderá fazê-lo com comentários em tempo real, no streaming do programa. Seu link será disponibilizado alguns minutos antes do início, nos domínios da Folha FM 98,3 no Facebook, no Instagram e no YouTube.

 

Favoritos a prefeito por 15, 30 e 40 pontos de vantagem

 

Marcelo Magno em São Pedro da Aldeia, Fábio do Pastel em Arraial do Cabo, Maira do Jaime em Silva Jardim, Carlos Augusto Balthazar em Rio das Ostras, Wladimir Garotinho e Campos dos Goytacazes e Alfredão em Itaperuna (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

 

Pesquisa a prefeito de Itaperuna

Atual prefeito de Itaperuna, Alfredão (União) liderou (confira aqui) a primeira pesquisa de intenção de votos registrada no município. Na consulta estimulada, ele apareceu com 33,9%. Veio seguido de Nel (PL), com 18,8%; de Doutor Bruno (Novo) com 16,4%; Kadu Novaes (REP), com 14,3%; e Adilson Ribeiro, com 8,6%. Brancos e nulos somam 6,5%, enquanto 1,5% não soube dizer em quem votará. Divulgada na última quinta, a pesquisa foi feita entre 9 e 11 de maio, com 596 eleitores e margem de erro de 4 pontos para mais ou menos. Foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número RJ-08982/2024.

 

Favorito à reeleição?

“Itaperuna tem 76.528 eleitores habilitados a votar em 6 de outubro. Será de turno único, já que o 2º turno só pode existir em municípios a partir de 200 mil eleitores. A pesquisa indica a provável reeleição do prefeito Alfredão, que lidera fora da margem de erro. Tem a vantagem de ser o único candidato que disputará a eleição já com o controle da máquina administrativa e do orçamento municipal. Os números de intenção de voto provavelmente refletem, em algum grau, uma boa avaliação do itaperunense em relação ao atual mandato”, analisou o especialista William Passos, geógrafo com especialização doutoral em estatística pelo IBGE.

 

Os favoritos por 15 e por 40 pontos

Entre as pesquisas registradas às eleições de municípios do Norte e Noroeste Fluminense, e Região dos Lagos, Alfredão lidera a corrida à reeleição com a menor vantagem sobre o 2º colocado: 15,1 pontos. Em Arraial do Cabo, o prefeito Marcelo Magno (PL) liderou (confira aqui) a consulta estimulada com 62% de intenção de voto. Teve 46,8 pontos de vantagem sobre o 2º colocado: Andinho (PL), com 15,2%. Em São Pedro da Aldeia, o prefeito Fábio do Pastel (PL) liderou a consulta estimulada com 57,2% de intenção de voto. Teve 43,7 pontos de vantagem sobre os dois empatados em 2º lugar: Bia do Guga e Chumbinho, com 13,5% cada.

 

(Infográfico: Elaibe de Souza, o Cássio Jr.)

 

 

Os favoritos por 30 pontos

Em Silva Jardim, a prefeita Maira do Jaime (MDB) liderou (confira aqui) a estimulada com 51,2% de intenção de voto. Teve 31 pontos à frente do 2º colocado: Juninho da Peruca, com 20,2%. Em Rio das Ostras, o ex-prefeito Carlos Augusto Balthazar (MDB) liderou (confira aqui) com 50% de intenção de voto. Teve 35,9 pontos à frente do 2º colocado: Maurício BM (PV). E, em Campos, o prefeito Wladimir Garotinho (PP) liderou (confira aqui) com 53,7% de intenção de voto. Teve 35 pontos à frente da 2ª colocada: a deputada estadual Carla Machado (PT), com 18,7%. Magno, Fábio, Maira, Carlos Augusto e Wladimir têm vantagem bem mais confortável que a de Alfredão em Itaperuna.

 

Filipe Estefan, presidente da OAB Campos

Medalha Tiradentes a Filipe Estefan

Presidente da OAB Campos, Filipe Estefan será condecorado às 18h30 desta segunda (20), na Alerj, com a Medalha Tiradentes. A maior honraria do Legislativo fluminense é destinada a pessoas e entidades que prestaram relevantes serviços à causa pública do estado. Como deputada, Carla Machado propôs a homenagem. E a justificou: “Conheço Filipe Estefan há vários anos. Ele sempre primou pela postura ética e de cumprimento às leis, sem abrir mão do lado humano. Foi procurador-geral de São João da Barra na minha gestão e me ajudou muito. Tem o reconhecimento da sociedade como um todo e dos seus colegas advogados”.

 

Luta em defesa do autismo

Pré-candidata a prefeita de Campos, a deputada complementou na homenagem que Filipe receberá da Alerj: “Ele está em seu terceiro mandato à frente da OAB de Campos. Mais recentemente, através de Filipe, tivemos a contribuição importante da OAB numa luta para que as pessoas com autismo pudessem ser atendidas através do plano de saúde. Não conseguimos, por se tratar de legislação federal, mas vimos o empenho dele em prol da causa”, destacou Carla. Que coordena a Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (TEA) na Alerj.

 

Robson Maciel Junior, procurador da Alerj, com a Medalha Tiradentes

Medalha Tiradentes de Robson Maciel Jr.  

Em 14 de setembro do ano passado, outro jurista de Campos recebeu a Medalha Tiradentes. Procurador-geral da Alerj, Robson Maciel Jr. recebeu a homenagem proposta pelos deputados Chico Machado (SDD), Tia Ju (Rep), Dionísio Lins (PP) e Léo Vieira (PSC). Presidente campista da Alerj, Rodrigo Bacellar (União) disse na ocasião: “Fiz questão de deixar que outros deputados chamassem a atenção à figura do Robson. Além de conterrâneo, é um amigo de infância”. Por sua vez, Robson disse ao ser homenageado: “A atividade jurídica necessita de sensibilidade para perceber sutilezas e diferenças envolvidas em palavras escritas, ditas e não ditas”.

 

Direito Previdenciário na OAB

Com o tema “Processo Administrativo Digital, recursos e estratégias processuais: Processo Administrativo ou Judicial?”, o Direito Previdenciário trouxe nomes importantes do cenário nacional em workshop promovido pela OAB-Campos na última quinta (16). Secretária geral da instituição, Mariana Lontra Costa destacou que a OAB goitacá vem promovendo diversos eventos para trazer atualizações à categoria: “O Direito Previdenciário está crescendo muito e ter essa oportunidade de presentear os nossos colegas com um evento como esse, é extremamente relevante”.

 

Publicado hoje na Folha da Manhã.