Opiniões

Centro de Controle e Combate ao Coronavírus de Campos entra em atividade

 

Centro Controle e Combate ao Coronavírus iniciou hoje o atendimento (Foto: Cíntia Cordeiro)

 

Instalado pelo governo municipal no prédio novo da Beneficência Portuguesa, o Centro de Controle e Combate ao Coronavírus começou a funcionar no início da noite de hoje. E já atendeu dois pacientes com queixas de problemas respiratórios. O primeiro deles, um homem de 37 anos, tinha doença pulmonar, mas foi descartado como suspeito de Covid-19 e liberado. O outro, um homem de 59 anos, estava passando na triagem. O atendimento será 24h, com mais de 100 profissionais de Saúde, do município e da Beneficência.

 

Área da antiga Vasa, na av. 28 de Março, onde o hospital estadual de campanha de combate à Covid-19 começa a ser instalado nesta segunda (Foto: Rodrigo Silveira – Folha da Manhã)

 

É a segunda boa notícia para Campos e o Norte Fluminense, que tem o município como polo em Saúde Pública, no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Hoje, em videoconferência com Rafael Diniz (Cidadania) e outros prefeitos da região, o governador Wilson Witzel (PSC) prometeu (confira aqui) que o hospital estadual de campanha para combater a Covid-19 começa a ser instalado na próxima segunda-feira (06). Funcionará na área da antiga Vasa, na av. 28 de Março, como o blog adiantou aqui, com exclusividade.

Enquanto o hospital estadual de campanha não vem, a iniciativa municipal em parceria com a Beneficência Portuguesa já conta com 40 leitos clínicos de enfermaria, com a perspectiva de instalação de outros 20, para tratamento dos casos moderados. Considerados a diferença entre vida e morte dos casos mais graves da Covid-19, o Centro de Controle e Combate do Coronavírus já conta com 19 leitos instalados de UTI, todos com aparelho de respirador mecânico. Outros 19, com seus respectivos respiradores, já estão em fase final de instalação.

Após a triagem no setor laranja, de onde os casos leves são encaminhados e orientados ao isolamento residencial, a definição entre os casos moderados e graves será feita na unidade semi-intensiva do setor vermelho. Ele conta com cinco leitos e mais um respirador mecânico. As informações foram passadas pela médica pneumologista Patrícia Meireles, membro do Comitê de Controle e Combate ao Coronavírus. Também membro dele, a médica oftalmologista Cíntia Cordeiro informou que as máscaras para proteção de face produzidas no IFF (confira aqui) e doadas ao município, já estão à disposição como item de equipamento de proteção individual (EPI) aos profissionais de saúde.

O médico nefrologista Luiz Otávio Enes Barreto também participou da instalação do Centro de Controle e Combate ao Coronavírus. E vai continuar auxiliando os pacientes da Covid-19 que necessitem de hemodiálise, uma das comorbidades que, como a diabetes e doenças cardiorrespiratórias pré-existentes, costumam agravar o quadro dos infectados pelo novo coronavírus. A maioria destes casos tende a ser encaminhada para a UTI, que será coordenada pelo cirurgião cardíaco e intensivista Vitor Carneiro, além de Simone Serafim, também médica intensivista.

Segundo explicou Patrícia Meireles, a primeira triagem é feita no setor laranja, por uma técnica em enfermagem. Ela medirá a temperatura, frequência cardíaca e a saturação de oxigênio de quem procurar o Centro de Controle e Combate ao Coronavírus. Depois, uma nova triagem é feita por uma enfermeira, a quem cabe o questionamento sobre os sintomas, doenças pré-existentes e medicação utilizada. Se for caso leve, como são 80% dos infectados pela Covid-19, o suspeito é atendido por um médico e encaminhado para isolamento residencial. Onde é orientado a ficar em aposento isolado, com roupa de cama, banho, pratos e talheres separados, por 14 dias.

Os doentes que apresentam gravidade são encaminhados pelo médico à internação em um dos leitos clínicos, destino de cerca de 15% dos infectados pelo novo coronavírus. Ou à unidade semi-intensiva do setor vermelho, para estabilização. De lá, os pacientes mais graves são encaminhados à UTI, que correspondem a 5% dos casos.

 

Com a jornalista Virna Alencar

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu