Opiniões

Governo Rosinha recua no IPTU

Reunião que acabou agora há pouco na CDL, onde as entidades de classe lojistas forçaram o secretário Francisco Esqueff (à direita, de óculos) a admitir não só as distorções no aumento do IPTU, como a revisar os abusos (foto de Antonio Cruz)
Reunião que acabou agora há pouco na CDL, onde as entidades de classe lojistas forçaram o secretário Francisco Esqueff (à direita, de óculos) a admitir não só as distorções no aumento do IPTU, como a revisar os abusos (foto de Antonio Cruz)

 

Acabou de acabar a reunião na CDL, entre os presidentes desta, Joilson Barcelos; da Acic, Amaro Ribeiro Gomes; e da Carjopa, Eduardo Chacur; com secretário municipal de Finanças, Francisco Esqueff. E, ao que parece, as entidades classistas fizeram o governo Rosinha recuar, ao admitir não só distorções no aumento do IPTU, como a revisão destas.

O que ocorreu, segundo Esqueff, foi que o imposto anteriormente cobrado com base só em duas alíquotas (imóveis até 100 e com mais de 100 m²) passou a ser dividido em quatro: de 51 a 100 m², de 101 a 150 m², de 151 a 200 m² e com mais de 200 m². Daí teriam vindo as distorções, sobretudo nas duas alíquotas intermediárias, punindo com aumentos abusivos, sobretudo, a classe média de Campos.

Explicações técnicas à parte, o importante é que o secretário abriu a possibilidade de correção nos aumentos abusivos, muitos de 80% e, em alguns casos, de até 150%. Quem entender ter sido prejudicado na revisão do imposto municipal, pode levar seu talão para pedir a revisão na própria secretaria, ou nas entidades que forçaram o governo Rosinha a recuar: CDL, Carjopa e Acic.

Para quem tanto critica os empresários locais, fica aí a chance da mão à palmatória…

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 6 comentários

  1. Gostaria de comentar que tive tanto me informar sobre o secretário municipal de Finanças e descobri que o voces nao sabem escrever o nome dele direito.

    Ou seja qual credibilidade de um jornal que nao sabe escrever direito o nome do secretario local???

  2. Espero q a prefeitura realmente recue e faça uma revisão para esse absurdo aumento do iptu!

  3. Por que será que os empresários locais se preocucuparam tanto assim???? por causa do povao? Ou porque tambem atingiu o bolso deles??? rs

  4. Por que será que os empresários locais se preocuparam tanto assim???? por causa do povao? Ou porque tambem atingiu o bolso deles??? rs

  5. PARABÉNS À TODOS!A GRANDE MAIORIA DOS MUNÍCIPES SE CONGRATULAM COM ESTA DECISÃO.DÊ A CEZAR O QUE É DE CEZAR.E QUE DEUS NOS AJUDE ATÉ O FINAL DESTE MANDATO.CESTEIRO QUE FAZ UM CESTO,FAZ UM CENTO.

  6. Caros Ladir, Simone e Marcos Paulo,

    Ao primeiro comentarista, quanto à grafia correta do nome do secretário municipal de Finanças, informo que o próprio site da Prefeitura (http://www.campos.rj.gov.br/) escreve como fazemos neste blog e na Folha: Francisco Esqueff. Basta acessar e conferir. De qualquer maneira, buscar a sua credibilidade e a de todos os demais leitores é o que nos esforçamos para fazer neste blog e na Folha, não sem muitas falhas, pelas quais nos deculpamos e tentamos não repetir.
    Quanto a Simone, observo que, embora o recuo dado ontem pelo secretário Esqueff seja o próprio tema do post, é possível que mais passos para trás sejam dados pelo governo Rosinha, após o novo IPTU ter sua inconstitucionalidade revelada pelo vice-presidente da OAB-Campos, Carlos Alexandre, como o blog noticiou também ontem, com exclusividade, dois posts acima, e como a Folha deu hoje em sua manchete de primeira página.
    Por fim, ao Marcos Paulo, creio que vc esteja correto quando diz que, sem doer no bolso dos empresários locais, a mobilização das suas entidades de classe talvez não fosse tanta. Todavia, como o IPTU dói no bolso de quase toda a população economicamente ativa do município, no lugar de ressalvar os motivos de um grupo ou outro, unidos no enfrentamento de um aumento de imposto abusivo e inconstitucional, prefiro ficar com a saudação do Afonso Claudio: Parabéns a todos!

Deixe uma resposta

Fechar Menu