Poema do domingo — Ivan Junqueira

“O abraço”, óleo sobre tela de 1917, de Egon Schiele
“O abraço”, óleo sobre tela de 1917, de Egon Schiele

 

 

Quando solene e agudo

 

Quando solene e agudo eu te penetro,

mais agudo que o gume de uma adaga,

e à tua ilharga, que de suor se alaga,

me enlaço como quem abraça um cetro,

e lambo a tua espádua que naufraga

sob o sêmen fugaz com que perpetro

em ti o que não falo ou mal soletro

tal o peso do pasmo que me esmaga,

sou como um rei na cripta de uma vaga

cuja espuma engalana cada imagem

ou palavra que ruge na voragem

das páginas sagradas desta saga.

Quando me afundo em ti, útero adentro,

como Deus, numa esfera, estou no centro.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário