Ocinei Trindade — Ditaduras, imbecilidades, motins e matanças

 

Ocinei 17-01-17

 

 

Desprezo ditadores. A tirania talvez funcione no cinema ou na literatura para efeito de narrativa ou reflexão, mas na vida cotidiana, não.  Não dá para ser feliz sob jugo. Desconfio de quem despreza a História e os fatos. Os militares? São úteis. Os sacerdotes religiosos? Também são. Os criminosos? Ameaças constantes e devem ser combatidos. Os jornalistas? Necessários. O diálogo e o debate? Sempre. O silêncio? Segundo um provérbio árabe é uma grande sabedoria. Li tal provérbio em um livro do Malba Tahan. Nem tudo que se lê interessa, mas o poder atrai muitas atenções, protestos e críticas.

Na semana passada, o texto escrito por Claudio Kezen neste blog despertou (aqui) alguns comentários acalorados (o que acho ótimo) quanto à defesa da democracia. O Brasil e o mundo vêm sendo acometidos por uma onda de extremistas, sejam de esquerda, sejam de direita, além da ultra-esquerda e da ultra-direita. Estes defensores de interesses políticos e religiosos estão em diversos segmentos da sociedade. A cultura, as tradições, as fronteiras do país, a liberdade de expressão, os idiomas e credos devem ser preservados e respeitados, mas hoje em dia estamos discordantes de quase tudo. Estamos convictos de que estamos certos e todos os outros errados. Maniqueísmo já é algo preocupante desde sempre, mas quem é bom e quem é mau hoje no convívio social? Depende do ponto de vista.

O escritor italiano Umberto Eco chegou a dizer que a Internet ajudou a dar voz aos imbecis. As redes sociais ajudam a dilatar essa impressão de bobagens escritas e postadas a todo instante. É muito provável que eu também seja um dos imbecis que escreve ou comenta este texto ou aquela postagem, dependendo do ponto de vista de quem me lê. Todos nós queremos opinar (o que acho ótimo), mas nem todos nós queremos ouvir ou ler a opinião contrária à nossa. Não basta ser contra ou a favor, mas a capacidade de argumentação quase sempre passa pela superficialidade e incapacidade, percebo. Quando critico o PT e outros partidos, lulistas, ativistas em geral, tucanos, líderes religiosos em geral, maus políticos em geral, membros da família Garotinho, Dilma, Temer, um filme, uma obra teatral, a fala de alguém que se expõe em rede, significa correr risco. Se elogio, também corro risco. Posso ser julgado e condenado quando agrado ou quando desagrado. Se o texto for ruim, piorou. Paciência e pagamento compulsório. Percebo claramente quando não agrado e vejo um lado positivo nisto, pois tento conviver com as diferenças, já que não sou igual a todo mundo, apesar de algumas semelhanças.

O mundo já seria violento desde antes do Éden. A violência não deve ser encarada como algo banal para ser tolerado. Porém, se não toleramos tantas ameaças, somos exterminados antes da hora derradeira. Dizer a verdade e o que se pensa custa caro e custa cargos. O ex-secretário nacional da Juventude, Bruno Júlio, caiu depois que defendeu uma chacina por semana nos presídios brasileiros após a explosão de motins em Manaus e em Roraima. “Tinham que ter matado mais”.  A declaração do político do PMDB ligado ao gabinete do presidente Michel Temer não deixa de ser um exemplo do que boa parte da sociedade pensa.  Certamente, muitos concordaram com ele, mas outros não. Presos e criminosos também têm pai, mãe, filhos, alguém que os ama, mesmo sendo malfeitores. O milagre da regeneração desses bandidos em cadeias infernais espalhadas pelo Brasil e pelo mundo deve ficar mais difícil de acontecer. O Estado é responsável em preservar a vida de todos os cidadãos, inclusive encarcerados, mas não dá conta.  E a população carcerária só aumenta.

Se o Brasil não dá conta de hospitais, escolas e universidades públicas, quando poderá contar com prisões adequadas para recuperar e ressocializar condenados?  Muitos acham melhor (e creio que sobretudo governantes) que presos se rebelem e se matem, pois assim esvaziam cadeias, policiais e políticos não são tão expostos e é menos complicado botar problemas para debaixo do tapete, visto que nossa sociedade violenta costuma dizer que “bandido bom é bandido morto”. Imagina uma rebelião dessas com Anthony Garotinho, Sérgio Cabral, Eduardo Cunha, José Dirceu, Marcelo Odebrecht e outros dentro do sistema prisional brasileiro? O crime organizado tem vencido em todas as frentes, e combatê-lo e vencê-lo não tem sido competência de nenhum governo.

A corrupção é tamanha na sociedade, governos e instituições (nem igrejas escapam) que tudo está entregue à sorte, principalmente nossa sobrevivência. O Brasil conta com cerca de 700 mil encarcerados e outro tantos milhões de criminosos do lado de fora à espera de algum tipo de freio, punição ou julgamento. Aqueles que defendem o regime militar de governo de volta ao comando do Brasil devem se lembrar que crimes bárbaros e toda espécie de corrupção não deixaram de existir de 1964 a 1985. Há décadas registramos assassinatos no Brasil com números que superam países que vivem em guerra por anos. Entretanto, recentemente na história do país nunca se viu tanto empresário e político poderosos sofrerem prisões e condenações como temos testemunhado, muito embora alguns acusem esses acontecimentos como perseguição e disputa de poder entre uma suposta elite minoritária de direita contra uma esculhambada esquerda (im)popular e (des)articulada. Vivemos em uma guerra civil não declarada oficialmente faz tempo.

Brasileiro tem um baita complexo de inferioridade. A arrecadação nacional de impostos é trilionária, mas nenhum serviço público funciona como deveria, sem falar no quesito “segurança”. Quase tudo é inferior e de qualidade ruim. O feliz ano novo e o tão aguardado ano 2017 vem enchendo de tapas e tabefes a cara da sociedade brasileira em duas semanas apenas. Nem o governo, nem as instituições republicanas escapam de mais essa (com)provação de desajustes e incompetência no que diz respeito ao sistema prisional e o combate ao crime.

As pessoas de bem já são reféns de maus políticos, traficantes de drogas e armas, além de empresários gananciosos e opressores há muito tempo, bem antes desses motins e matanças dentro dos presídios. Há, talvez, muito mais criminosos perigosos do lado de fora das prisões. E, com quase absoluta certeza, poucos de nós estamos preparados para enfrentá-los sem por vidas inocentes em risco e cabeças a prêmio. Alguns se iludem com a especulação de que ditadores militares (Jair Bolsonaro é um exemplo) ou regimes autoritários como de Adolf Hitler que promoveu matanças atrozes resolvam o problema da violência e da ordem social. Faltam-nos saúde, educação, moradia e segurança dignas, mas nos faltam sobretudo o amor à vida. Existir ou deixar de existir já parecem não ter importância ou significado para as pessoas que têm se desumanizado demais.

Os comentários de postagens em redes sociais e de reportagens em sites de notícias nos dão um bom termômetro o quão preconceituosos, intolerantes, cruéis e mal-informados somos. Porém, precisamos e queremos opinar. Nem que seja para aniquilar o outro (uma pena). A jornalista Paula Vigneron outro dia em sua rede social se mostrou chocada com comentários de pessoas sobre mulheres que sofrem abuso sexual. Eu cheguei a dizer a ela que fico dividido entre ler e não ler os comentários imbecis de internautas, os quais Umberto Eco um dia chegou a criticar. Os imbecis, tiranos e machistas têm na rede o mesmo espaço democrático para se manifestarem que um Prêmio Nobel  ou um cientista sério possuem, por exemplo.  Mas, infelizmente, muitos desperdiçam tal privilégio, incitando o ódio e promovendo mais intolerância. Donald Trump parece ser o tirano imbecil da vez (mas eleito pelo voto).

Como separar o joio do trigo? Bem, o respeito às diferenças, a começar pelas opiniões, é um tremendo exercício de paciência e sabedoria. Seria mais fácil admitir que cometemos erros e equívocos. Opinar sobre o filme La La Land, de DamienChazelle; ou sobre homens usarem saias (eu defendo firmemente, sobretudo em um país quente como o Brasil) também vale. Em outro momento, quem sabe, falaremos de cinema e vestuário masculino, pois precisamos antes de falar sobre qualquer assunto, sobreviver às ditaduras, tiranias e matanças. Haja bom humor e sorte.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 3 comentários

  1. Gildo Henrique

    “(…) ditadores militares (Jair Bolsonaro é um exemplo) ou regimes autoritários como de Adolf Hitler “.

    Jair Bolsonaro nunca foi ditador. E usar seu nome numa mesma oração – embora intercalada – em que figura Hitler, é “um exercício de paciência” para o leitor.

    Continuo batendo na mesma tecla. Sim, é preconceito.

    1. Aluysio

      Caro Gildo,

      Do Facebook ao blog, em mão oposta, o comentário em resposta ao seu, também replicado aqui: “Com todo o respeito, Bolsonaro é obtuso e fascista. Ter a pretensão de levá-lo a sério, a favor ou contra, revela a falência do nosso sistema de democracia representativa”.

      Abç e grato pela chance da ressalva!

      Aluysio

  2. MARIA

    Chuva de DAS2 no governo Diniz.Seguidores antigos dos Garotinhos no governo Diniz.PALHAÇADA.

Deixe um comentário