Opiniões

Uenf, UFF, IFF e os royalties

O jornalista Gustavo Smiderle enviou ao blogueiro, por e-mail, desde o início da noite de ontem, mas no corre-corre de assuntos correlatos, a divulgação da nota oficial sobre os royalties da Uenf, UFF e IFF acabou ficando só para hoje. Antes tarde do que nunca, e até porque é muito grande o número de leitores que tem neste espaço sua principal fonte de informação acerca da polêmica dos royalties, vamos a ela…

 

Nota oficial do IFF, UENF e UFF sobre a legislação dos royalties

Neste momento crucial, em que se discutem mudanças abruptas na legislação que altera regras da distribuição de royalties do petróleo, nossas três instituições públicas de ensino, pesquisa e extensão vêm defender a manutenção do princípio de que as regiões produtoras devem receber as receitas compatíveis com a riqueza que geram para o país. Afinal, são elas que realmente sofrem os diversos impactos da exploração petrolífera.

Nossas três instituições têm atuado juntas na formulação, implementação, supervisão e avaliação de boas políticas públicas. Desta forma, entendem que a pura e simples redivisão — e, o que é mais grave, a pulverização — de toda esta riqueza reforça um desequilíbrio inaceitável diante de questões tributárias que justificaram sua implementação, bem como a tornam ineficaz como suporte ao desenvolvimento das áreas contempladas. Como se sabe, a atual regra de rateio dos royalties veio compensar a norma de cobrança do ICMS sobre o petróleo.  Ao contrário do critério geral, o ICMS do petróleo incide sobre o destino e não sobre a origem.

A UENF, o IFF e a UFF entendem que a interrupção brusca desta receita acarretaria um ônus de proporções gigantescas, ainda não completamente avaliadas. Esta diretriz não suprime a necessidade da implantação de instrumentos de controle social, que garantam uma utilização que leve em conta a situação temporária da receita deste bem finito, assim como torna imperativo que as administrações municipais das regiões produtoras implementem políticas eficazes de diversificação produtiva, com sustentabilidade ambiental, e de autossustentação de despesas de custeio a partir das receitas próprias municipais, assumindo as responsabilidades da sustentabilidade perante as gerações futuras.

Neste sentido, as direções destas três instituições se colocam ao lado do movimento comunitário em defesa do direito aos royalties para os estados e para os municípios produtores de petróleo em nosso país.

Campos dos Goytacazes (RJ), 16 de março de 2010

 

Almy Junior – Reitor da UENF

Cibele Daher – Reitora do IFF

José Luis Vianna da Cruz – Diretor do Polo da UFF em Camposdos Goytacazes

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe uma resposta

Fechar Menu