Jogo de cartas marcadas com dinheiro público na BR 101 privatizada?

Ao anunciar o adiantamento da duplicação da BR 101, a pedido de Cabral, nem o bem informado Ancelmo Gois foi capaz de prever que o único adiamento no trecho seria bancado, quatro meses depois, pela generosidade de Rosinha
Ao anunciar o adiantamento da duplicação da BR 101, a pedido de Cabral, nem o bem informado Ancelmo Gois foi capaz de prever que o único adiamento no trecho seria bancado, quatro meses depois, pela generosidade de Rosinha
O que deveria ser causa de alegria, a duplicação da BR 101 pelo governo Rosinha, anunciada pela própria prefeita na última quarta-feira (aqui), tem se tranformado em motivo de suspeitas entre muitos leitores comentaristas da Folha Online (aqui). Embora a obra seja fundamental, não só aos campistas, mas a todos os usuários da rodovia, o questionamento é relativamente simples: Privatizada para que sua conservação e reforma fosse custeada pela iniciativa privada, por que agora gastar dinheiro público na BR? Sobretudo, por que se gastar, numa rodovia federal privatizada, o dinheiro público de Campos?

Mas, para quem tem boa memória, os motivos de estranhamento são ainda maiores. Se, em 17 de dezembro do ano passado, a coluna do Ancelmo Gois, de O Globo, anunciou que, a pedido do governador Sérgio Cabral, o prazo para duplicação do trecho Campos/Rio tinha sido adiantado de 2023 para 2015, no mesmo dia este blog noticiou  (aqui), com exclusividade, que a concessionária Autopista SA havia antecipado o início das obras já para este ano de 2010. O colunista de O Globo, este blog e, no dia seguinte, a Folha, só ressalvaram que o único adiamento, naquela revisão dos prazos, ficou por conta da Estrada do Contorno, cujas obras eram incialmente previstas para 2013, mas que ficaram sem data a partir do adiantamento no resto da BR.

Como o Contorno é justamente o trecho que Rosinha anunciou agora que será não mais duplicado, mas quadruplicado, às custas da Prefeitura, fica a dúvida: ou é um jogo de cartas marcadas, no mínimo desde dezembro, ou uma espetacular coincidência…

 

A capa da Folha de 18/12/09 noticiava o adiantamento das obras da BR para 2010, com destaque ao contraste com o adiamento apenas às obras no Contorno, que agora serão bancadas pelos cofres públicos de Campos
A capa da Folha de 18/12/09 noticiava o adiantamento das obras da BR para 2010, com destaque ao contraste com o adiamento apenas às obras no Contorno, que agora serão bancadas pelos cofres públicos de Campos
fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 10 comentários

  1. carlinhos

    ALUYSIO,O PIOR DE TUDO ISSO É A GENTE SABER QUE TEM O AVAL DOS VEREADORES!!!AINDA QUEREM AUMENTAR O NºDE CADEIRAS NA Cãmara,PRA QUE?NAO TEMOS DEFENSORES(LEGISLADORES),TODOS CONIVENTES!PERA AÍ,TEM “ALGUEM ” QUE VOTOU CONTRA,PÔ,FALO EM MAIORIA!!!PRA ONDE TÁ INDO O DINHEIRO DA SAUDE?NAO TEMOS REMEDIOS,EXAMES ESTAO SUSPENSOS E FALTANDO MEDICOS…EU SOU DEPENDENTE,SOU CARDIACO EHOJE MESMO 30/04 VOLTEI PARA CASA REVOLTADO,POIS DESDE 08/03 NAO CONSIGO FAZER UM SIMPLES EXAME DE ERGOMETRIA(TESTE DE ESTEIRA),ME FALARAM QUE ESTA SEM PREVISAO.ACEITO [email protected]

  2. daniel

    JÁ ESTAMOS DESCRENTES EM RELAÇÃO AO PODER EXECUTIVO E AO LEGISLATIVO DE CAMPOS HÁ TEMPOS. SE O MINISTÉRIO PÚBLICO NÃO AGIR COM MUITO RIGOR EM RELAÇÃO A ESTE CASO, SERÁ MAIS UMA INSTITUIÇÃO QUE VAI FICAR DESACREDITADA. É REALMENTE LAMENTÁVEL QUE, ÀS VÉSPERAS DAS ELEIÇÕES, COMO É DE COSTUME POR AQUI, APAREÇAM “OBRAS” QUE À PRIMEIRA VISTA PARECEM SER EXCELENTES NEGÓCIOS PARA OS CAMPISTAS, MAS DEPOIS DE UMA RÁPIDA ANÁLISE, PERCEBEMOS QUE É SIMPLISMENTE UMA MANOBRA PARA ARRECADAÇÃO DE DINHEIRO E QUE SERVE PARA POLÍTICOS POSAREM DE BONS MOÇOS NA PORTA DA ELEIÇÃO. QUE O MINISTÉRIO PÚBLICO SE FAÇA PRESENTE NESSE MOMENTO CRUCIAL.

  3. David Gomes

    O caso é todo de desencontro de informações. O próprio Ancelmo Gois deu um informação inexata. O fato é que NÂO há previsão de duplicação, pela Autopista Fluminense, do trecho anunciado pela prefeitura. O que existe e foi adiado é o chamado “Contorno de Campos” – e não a estrada do contorno. Aliás, a própria matéria da Folha se refere ao Contorno de Campos – ou nunca soube ou esqueceu que não se trata da estrada do contorno.
    Trata-se, da verdade, de um contorno que começaria nas proximidades de Ibitioca e sairia depois do aeroporto (lembrando que a prefeitura pretende duplicar justamente entre Ururaí e o aeroporto), numa via de aproximadamente 23 km que inclui uma ponte sobre o rio Paraíba e tiraria o tráfego pesado do trecho urbano. Como o custo seria grande, a ANTT autorizou o adiamento em troca do adiantamento da duplicação entre Campos e o Rio. Além disso, pode ser que traçado seja alterado, pois seria pelo lado oeste, mas estão tentando uma solução que atenda melhor a demanda do Complexo do Açu, que está a leste de Campos.
    Portanto, faz sentido sim a obra da prefeitura, pois contempla um trecho que, repito, NÂO seria duplicado.

    Sugiro uma olhada nesse link, que pode ajudar a entender melhor o que expliquei: http://www.antt.gov.br/concessaorod/fluminense/PER-AutopistaFluminense.pdf.

    Espero poder ter ajudado a esclarecer esse enorme jogo de informações imprecisas.

    Abs

  4. Márcio

    Acho que a folha deveria falar a verdade,ela está jogando a população contra o governo Rosinha nessa matéria de duplicação,não existe nenhum jogo de cartas marcadas e vcs blogueiros da folha saem disso,duvido que um jornal que tem o compromisso de passar imformações corretas não saiba que esse trecho de Ururaí ao aeroporto não está previsto a duplicação.Portanto a prefeita Rosinha está com razão ao iniciar essa obra,ainda mais agora que assumiu esse compromisso com o Shopping Boulevard.Não é por aí que a Dona Ilsan vai mostrar trabalho,antes de procuarar saber de quem é a responsabilidade dessa obra,procure saber se o valor está correto, fiscalizem as licitações,mesmo eu sabendo que nada disso foi feito em governos passados.Se fizermos uma comparação no que foi gasto na reforma da Pça S. Salvador(40 milhões)e no previsto para duplicação(109 milhões)veremos que a possibilidade de superfaturamento na obra da pça deve ter ficado em mais de 200 %

  5. JOSÉ MARIA

    Rapaz, tô gostando, já tem gente que lê e pesquisa antes de falar, participando dos debates e não como muitos por ai que só fala da boca para fora ou fala com o coração e pela razão ou por não gostar deste ou daquele politico, É ISSO AI DAVID GOMES PARABENS, as pessoas precisam parar de falar bobagens, tem que criticar claro que sim, mais com coerencia, com base, não só por que ouviu falar, ou no popular maria vai com as outras, que me desculpem as marias, não e preconceito meu é um velho ditado, TEMOS QUE COBRAR CLARO, TEMOS QUE CRITICAR SIM, POIS TODA LEI EMANA DO POVO, mais vamos ser sensatos para essa nossa cidade de Campos dos Goitacazes tão rica, de um povo tão guerreiro, com paisagem e lugares lindos, ser um dia um lugar de Harmonia entre todos, não sei quando mais eu ACREDITO, assim como muitos que aqui moram

  6. Guilherme

    Estou em dúvida? Qual das tres empresas vai “levar” a obra:Construsan, Imbeg ou Odebrecht?

  7. geraldo lopes

    O pior nisso tudo, é que tem gente achando que somos idiotas, tentando justificar o injustificável, dando interpretações( à matéria jornalistica)pusilânimes a um assunto tão claro, pois,é tão pustulento, que qualquer inocente perceberia. Dá um tempo meu irmão!

  8. Antônio Nunes

    Excelente comentário David. As pessoas de nossa cidade são desinformadas, não conhecem a verdade como um todo, lêem uma pena nota de um jornal qualquer e acham que tudo é verdade.

  9. Aluysio

    Caro David,

    Realmente, o blog foi impreciso acerca da distinção que vc bem traçou entre o trecho que será duplicado por Rosinha e o desvio a ser executado pela Autopista. O esclarecimento devido foi prestado hoje, tanto pelo assesssor da concessionária da BR 101, Rodrigo Meira, quanto pelo procurador do município, Francisco de Assis Pessanha Filho. Sugiro que confira três posts acima…
    Agora, se vc acha mesmo que faz sentido investir R$ 109 milhões do dinheiro público de Campos, num trecho que cessará sua demanda de veículos pesados após o desvio feito pela iniciativa privada, no máximo oito anos depois, só posso afirmar que, a despeito da precisão das suas informações, discordo diametralmente da opinião que vc busca sustentar a partir delas.

    Grato pela colaboração e abraço!

    Aluysio

  10. Aluysio

    Caro Antônio Nunes,

    Discordo que uma informação até então exclusiva, publicada pelo Ancelmo Gois, em O Globo, seja uma “nota de um jornal qualquer”…
    Ademais, a precisão das informações do David sobre as do colunista se devem, sobretudo, ao fato de que o primeiro só as divulgou quatro meses e meio após o furo do colunista.

    Abraço e grato pela colaboração!

    Aluysio

Deixe um comentário