A crise que afronta a todos nós!

Para espargir as sombras do fascismo, bem como aos canalhas sem vergonha na cara para tentar difundi-las do Planalto Central à Planície Goitacá, o artigo do jornalista Zuenir Ventura, publicado hoje na edição impressa de O Globo, foi um bálsamo, não só por sua eloquência inconteste e serena, como por perceber que finalmente a elite intelectual deste país, sobretudo aquela curtida na luta por sua redemocratização, começa finalmente a enxergar à luz do sol real a verdadeira face do lulo-petismo, monstro montado seguindo a receita do Dr. Frankenstein de Mary Shelley, com as partes dos piores criminosos da aldeia.

Abaixo, a transcrição do artigo do Mestre Zu, como é respeitosamente chamado pelo também jornalista Juca Kfouri…

A crise que afronta

Zuenir Ventura
Zuenir Ventura

Há muito eu não via num dia só tanta gente conhecida preocupada com a perspectiva de uma crise institucional no país. A causa seria a emenda parlamentar que pretende submeter ao Congresso decisões do Supremo Tribunal Federal, usurpando-lhe o poder constitucional de dar a “última palavra”.

Saindo de uma sessão especial do belo e comovente filme “Flores raras”, de Bruno Barreto, encontro Cacá Diegues que, como se sabe, filma e pensa o Brasil com igual lucidez.

Estava chocado com a declaração de Renan Calheiros, acusando o STF de “invasão” por ter barrado a tramitação do projeto que limita a criação de novos partidos. É curioso porque o presidente do Senado carrega nas costas pesadas denúncias de “invasão”, só que do terreno da ética e dos bons costumes morais.

À tarde, eu já recebera de Ziraldo um telefonema indignado, dizendo que preferiria deixar o país se a ameaça se consumasse. Nem quando foi preso pela ditadura militar umas quatro vezes manifestou essa disposição de agora. “Isso é uma afronta à democracia”.

À noite, em casa, vi na TV Arnaldo Jabor revoltado, afirmando que se o “vexame” de fato acontecesse seria melhor fechar o Supremo. Ou então mantê-lo aberto, tendo na presidência José Dirceu e na Procuradoria-Geral da República, Valdemar da Costa Neto.

Sem ironia, a mesma hipótese tinha sido levantada pelo ministro Gilmar Mendes: “Se algum dia essa emenda vier a ser aprovada, é melhor que se feche o Supremo.” Seu colega Marco Aurélio não acredita na possibilidade de o Congresso “virar a mesa”, mas admite que a medida seja uma “retaliação” ao julgamento do mensalão pelo STF.

Não por acaso, na Comissão de Constituição e Justiça, que aprovou a emenda, estão homiziados dois mensaleiros condenados na ação penal 470, José Genoino e João Paulo Cunha, e um procurado pela Interpol por causa dos milhões de dólares que tem em contas bancárias no exterior: Paulo Maluf.

Finalmente, resta o personagem que criou toda essa confusão, um obscuro deputado pelo PT do Piauí, Nazareno Fonteles, que diz falar em nome do povo: “Nos submetemos ao crivo popular.” Suplente que deve o cargo não ao “crivo popular”, mas ao titular da vaga, Átila Lira (PSB), que se afastou para ser secretário de governo, esse Nazareno é um daqueles tipos do baixo clero prontos para os serviços sujos. Insignificante, sim, mas capaz de pôr em risco com uma proposta irresponsável o que o país custou tanto a conquistar: o equilíbrio entre os poderes constituídos e a harmonia institucional.

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 5 comentários

  1. Perfeito, Aluysio, tanto em nível local, quanto em nível estadual e federal, a ameaça a democracia é ululante e salta os olhos. 2014 está aí. É hora de lutar por uma mudança.

  2. Adelia

    Perfeita matéria descrevendo o que esta se passando em todos os âmbitos! Parabéns .
    E continuo afirmando vivemos uma pseudodemocracia , numa ditadura make up!
    Que espetáculo Zuenir Ventura bem como os demais intelectuais citados! Como me vi nesse contexto, venho pensando na proposta de ir embora de minha cidade onde nasci ha 50 anos e do meu Brasil tão lindo e tão maltratado!
    Abs

  3. maria

    Absurdo.Se isto acontecer o STF deixa de ser SUPREMO passa a ser MINIMO.
    Isto e’uma VERGONHA

  4. Aluysio

    Caros Leniéverson, Adelia e Maria,

    Contra esses fascistóides do Planalto à Planície, deve nos servir de exemplo o dito do ex-primeiro ministro britânico: “É chegado o momento dos homens de bem terem a audácia dos canalhas!”

    Abç e grato pelas colaborações!

    Aluysio

  5. Adelia

    Eu prefiro ser audaciosa sem a pretensão dos canalhas, porque as mascaras já estão prestes a cair……penduradas no fio da navalha!
    Abs

Deixe um comentário