Empate sem gols pode bastar para chegar às oitavas, mas Brasil precisa de mais

E ficou no 0 a 0. Com grandes defesas do goleiro Ochoa, e sem nenhum erro capital do juiz, o México confirmou o equilíbrio do seu retrospecto recente com o Brasil e parou o dono da casa, hoje na Arena Castelão, em Fortaleza.  Após chamar o Brasil para o seu campo defensivo no primeiro tempo, os mexicanos voltaram ao segundo tentando pressionar, arriscando chutes perigosos de fora da área.  O volante Vásquez, aos 9 minutos; o meia Herrera, aos 11; e Guardado, aos 14, deram sustos em Júlio César, com bolas para fora, mas sempre próximos ao gol.

A pressão mexicana durou até uma falta dura, aos 16 minutos, que valeu o cartão amarelo a Vásquez, sobre Neymar. Ele mesmo cobrou, com a bola saindo após roçar o ângulo direito de Ochoa. A partir daí, quem partiu para o ataque foi o Brasil, com Jô como nova referência de frente, após substituir Fred, que saiu vaiado pela torcida aos 22. Um minuto depois, numa blitzen brasileira sobre a área mexicana, Bernard (que começou o segundo tempo no lugar de Ramires) cruzou da esquerda. Neymar matou no peito e chutou de canhota dentro da área, obrigando Ochoa a uma grande defesa.

Aos 30, com as tabelas do Atlético Mineiro ainda na memória, Bernard enfiou para Jô penetrar na área pela esquerda, mas o chute cruzado do atacante saiu pela linha de fundo no lado oposto. Aos 40, uma cobrança de falta de Neymar, também pela esquerda, achou Thiago Silva dentro da pequena área, que cabeceou à queima roupa em mais um milagre operado pelo goleiro mexicano.

Como a bola não entrava, o lateral Marcelo invadiu a área do México pela esquerda e, pressionado por Jimenez, se jogou na área, mesmo com a possibilidade de seguir no lance. Mas diferente do que ocorreu contra a Croácia no polêmico lance de Fred, o árbitro turco Çüneyt Çakir não entrou na encenação brasileira. Aos 45, o mesmo Jimenez bateu uma bomba na quina esquerda da área de Júlio César, colocando o goleiro brasileiro para também trabalhar.

No apito final do juiz, os mexicanos comemoram o empate, que os coloca iguais ao Brasil em números de pontos (4), na disputa pela liderança do Grupo A, mesmo que o técnico time da Croácia vença amanhã, em Manaus, no jogo que fecha a rodada, a desorganizada seleção de Camarões. Quanto ao time de Felipão, esse primeiro empate da Seleção sob seu comando num jogo de Copa (incluindo a campanha do Penta, no Japão e na Coréia do Sul, em 2002) pode ser suficiente para garantir a vaga às oitavas, mas a partir daí, as dificuldades certamente serão maiores do que a boa atuação de um goleiro.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário