Opiniões

Artigo do domingo — Porque o ciclo dos Garotinho chegou ao fim

Se liga

 

 

Economistas e analistas políticos Wilson Diniz e Ranulfo Vidigal
Economistas e analistas políticos Wilson Diniz e Ranulfo Vidigal

Por Wilson Diniz e Ranulfo Vidigal (*)

Recorremos à historiadora americana Barbara W. Tuchman, no livro “A marcha da insensatez – De Tróia ao Vietnã”, para explicar a forma política como a cidade campista vem sendo governada há mais de 30 anos por um grupo de populistas implantando o modelo falido de Hugo Chávez e de Nicolás Maduro sem deixar esperança de governabilidade para o próximo prefeito.

Barbara comprova que o desgoverno é de quatro tipos: muitas vezes combinado com tirania ou opressão, ambição desmedida, incompetência ou decadência e finalmente insensatez ou obstinação.

Analisando o secretário de governo e o núcleo de poder que comanda as finanças municipais (afastado por decisão judicial noticiada pela Folha da Manhã), tal comportamento corrobora todas as variáveis apontadas pela historiadora e definem o perfil e as loucuras cometidas em seis anos de governo que levou a cidade à falência, mesmo recebendo vultosas transferências governamentais de royalties do petróleo.

Em decadência política e por ambição desmedida faliram a Prefeitura trazendo crescente intranquilidade à classe empreendedora, bem como à sociedade campista. O grupo criou uma série de programas de transferências de renda em estilo venezuelano e inchou a máquina pública. Conforme dados da Rais/MTE, o setor público na capital do açúcar e do petróleo é responsável por 36% do emprego formal, contra apenas 6% do setor industrial. Isso comprova a inexistência de políticas públicas estruturantes preparando o município para o desenvolvimento competitivo como a vizinha Macaé, que mesmo diante da crise está conseguindo reverter a queda da atividade industrial.

Na conta, a administração dos Garotinhos gastou o mesmo valor com contratos de funcionários terceirizados e encheu a prefeitura com 1.714 cargos comissionados inchando a folha de pagamento com seus militantes políticos.

Cometendo loucura política, em 2014, de concorrer ao governo do Estado, utilizou o orçamento da Prefeitura como trampolim para chegar ao Palácio Guanabara. A consequência foi o rombo nas contas com atrasos de pagamentos a fornecedores. Fechando a equação financeira de suas loucuras política, recorreu a empréstimo no Banco do Brasil de R$ 250 milhões e mais juros de R$ 50 milhões. Fez aplicações de mais de R$ 100 milhões em títulos no mercado financeiro que foi para o ralo segundo auditoria. No programa de rádio declarou que tem dívida de mais R$ 350 milhões. Somando a três contas totalizam R$ 700 milhões de rombo e de irresponsabilidade financeira.

Agora, em desespero, pretende recorrer mercado financeiro para captar R$1,2 bilhão de empréstimo indexado ao dólar a taxas de juros que podem chegar a 27% por antecipação dos royalties para cobrir o déficit. Caso a operação seja realizada, a Prefeitura na próxima gestão entra em processo de concordata, pois o preço do barril no mercado americano deve ficar estabilizado em 60 dólares. Com queda de receita e de endividamento crônico, o secretário de governo sem solução com sua plataforma de governo populista, entra em confronto com a oposição acusando a imprensa e institutos de pesquisas para camuflar a opinião pública de seus erros na condução da administração da Prefeitura.

A reação da sociedade civil organizada se esboça e ganha robustez, com a coleta assinaturas (com cobertura de diversos órgãos de comunicação, incluindo a Folha da Manhã) e grande aceitação popular. Exige-se um plebiscito que ouça a sociedade campista, que em última instância vai pagar a conta da aventura arriscada, através de impostos mais caros (IPTU, ISS, ITBI) no futuro.

Os protestos que hoje estão nas ruas estavam reprimidos e vieram à tona, através da imprensa, blogs e articulistas políticos que trouxeram à baila o fracasso do governo venezuelano implantado na cidade.  Blefes e mentiras não mais enganam a sociedade campista. O ciclo fracassado dos Garotinhos chegou ao fim!

 

(*) Economistas e analistas políticos

 

Publicado hoje na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 5 comentários

  1. Campos cada vez mais pobre e esta familia cada vez mais rica.Sera que o tal garotinho tem a cara de pau de dizer que so tem a casa da lapa.Gente bota a cabeça pra funcionar so foi diminuir os royates e cana brava começou a atrasar salario e se procurar-mos acharemos mais.Sera que nunca ouvimos falar (trecho excluído pela moderação).Quem bancou canditatura de filha garotinho ou do poprio

  2. Depois dessa análise, não precisamos falar mais nada. Aqui se faz, aqui se paga. Decadência total de um um governo arcaico e como já mencionado, modelo falido de gestão, comparado a Chavez e Maduro.

  3. pega a reta com destino a RJ,SP,BA,ES,e finalmente Pro inferno que lá os teus aliados evangelicos irão salvar vcs do mal.

  4. Tudo tem principio meio e fim e não está sendo diferente com este casal que navegam nos links das mentiras, falsidades, promessas com o objetivo de sempre alcançar mais e mais. Esqueceram que temos limites e que quando não sabemos segurá-los, a força da natureza se encarrega, pelas suas próprias leis justas a atuar onde a “Torre de Babel” ja está instalada.

  5. Com o dinheiro do CEPOP e “Cidade da Criança “Daria pra construir e equipar Hospitais .mas
    A política de brioches e circo ,da nossa “Maria Antonieta” Goitacá ,terá o mesmo fim da sua homônima.

Deixe uma resposta

Fechar Menu