Paula Vigneron lança livro de contos nesta sexta no Shopping Boulevard

 

“Um meio-dia à beira-mar, entre lembranças; a entrada em um apartamento recentemente abandonado; a cena de um espetáculo teatral desnudando sua vida; vozes, jeitos, odores que desaparecem lentamente; o desencanto de outros corpos sobre o dela contra a sua vontade. Encontros e desencontros marcam as 33 narrativas de Entre outros. Personagens de diferentes perfis, vivências, idades e expectativas contam e revivem, por meio da memória, suas trajetórias, erros e acertos, confrontando-se com a própria essência e solidão.”

Na noite desta sexta-feira (15), acontecerá o lançamento de “Entre outros”. “Epitáfio” é um dos textos do livro, escrito entre 2015 e 2017. Convido você, leitor do blog Opiniões, a conhecer um pouco da obra e participar do evento, que será às 20h, na livraria Leitura, no Boulevard Shopping.

 

 

 

 

Epitáfio

 

No dia em que eu partir, não chore. Sorria! Permitirei apenas lágrimas vertidas entre risadas pelas lembranças inventadas de um dia de sol que não vivemos. Aquelas histórias, contadas por outros, sobre os momentos em que dividimos cervejas e memórias, vãs memórias, das horas passadas em lugares distantes. Perdidos entre árvores, músicas e beijos.

Não chore! Recorde-se das horas que não passei falando sobre nós. Os abraços nunca dados. Que permaneceram em sonhos contados às três da manhã, em uma noite fria de um domingo de maio. Se vier a angústia, apague-a com as palavras imaginadas. E, também, com as ditas. Creia-me. Não menti em nenhuma ocasião. Exceto quando neguei um sentimento. Ou uma verdade. Duas ou três mentiras entre tantas frases claras.

O som da voz. Por ora, ligue-se a ela. Em breve, meus tons sumirão no meio de outros que surgirão em seu caminho. Mas não deixe que eu parta com eles por toda a estranha eternidade. Não imediatamente. Não. Mantenha meu jeito de falar, o mexer dos lábios, em sua mente enquanto ainda me despeço dia a dia. É nossa fonte de união.

Quando vier a dor da ausência, sinta-me ao seu lado. Na cama. No travesseiro. Nas roupas jogadas no chão. Naquela toalha de banho velha que deixei sobre a cama. Toque meus livros e sinta os meus toques nos seus. Os dedos cansados que folhearam tantas páginas da vida. Há resquícios de minha fisionomia perdidos em seu rosto sombrio.

Não deixe que o tic-tac dos relógios te torne exausto. Ele será o barulho do meu silêncio. Você se lembra do quanto eu gostava de acompanhar os ponteiros? Olhe-os. Ali, estarei. Siga os meus passos em todos os cômodos. Em cada canto de nossos cantos, encontrará meu sorriso. Se procurar pela casa, restam os bilhetes que deixei naquela noite. E os que não deixei. Nem tudo precisa ser claramente dito. Você também me achará na escuridão.

Na solidão.

No apagar das luzes da cidade.

Das nossas luzes.

Das suas luzes.

E, quando elas sumirem vagarosamente, estarei ali, do outro lado, para te contar sobre um dia de sol que não vivemos. Para lembrar aquelas histórias, inventadas por outros, sobre os momentos em que dividimos cervejas e memórias das horas passadas em lugares distantes. Detalhar o tempo que não passei falando sobre nós. Os abraços nunca dados. Os beijos perdidos entre árvores e músicas. E revertê-los em vidas quase vividas.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário