Opiniões

Blogueiros “progressistas” — O retrocesso dos chapa branca

Em comentário à estréia do seu “Ponto de Vista”, quando afirmei que, em prosa, o Christiano Abreu Barbosa sempre escreveu melhor do que eu, alguns colegas, como o também jornalista e blogueiro Saulo Pessanha, entenderam minha postura como fruto de humildade. Agradeço à generosidade, por certo imerecida, do Saulão, mas apenas escrevi da maneira como apreendo ser a realidade.

Intercalando suas muitas funções como empresário com a atividade de comunicador, Christiano tem sempre evoluído, post a post, na construção daquele que entendo ser o blog mais completo (sempre bem equilibrado entre economia, política, futebol, cotidiano e cultura) entre os 41 orgulhosamente hospedados pela Folha Online.

No último domingo, a partir da entrevista de compadres promovida por Lula entre os blogueiros que deram apoio à candidatura vitoriosa de Dilma Rousseff — muitos deles em troca de benefícios custeados com dinheiro público, como já denunciou o jornalista Merval Pereira —, Christiano fez (aqui) uma análise detalhada, didática e equilibrada sobre a polarização entre a mídia tradicional e os blogs auto-intitulados “progressistas”, recrudescida pelo calor da campanha presidencial.

Os reflexos desse confronto “David e Golias”, pretendido por muito candidato a “rei de Israel”, tem seus reflexos também em Campos, sobretudo naqueles que, muitas vezes por interesses e projetos pessoais inconfessáveis, insistem no estabrismo da contraposição, tentando desviar o foco da complementaridade entre as mídias, caminho endossado não só pelos mais de 20 mil acessos diários da Folha Online (aditivo aos blogs que hospeda, na mesma medida em que é por eles aditivada), como pela Folha impressa, ao reproduzir entre suas edições de sábado e amanhã, entrevistas feitas com o presidente da seção local do Sinasefe, Paulo Caxinguelê; o presidente da OAB-Campos, Filipe Estefan; o juiz criminal Glaucenir Oliveira; e o presidente do Cidac, Ranulfo Vidigal. Agregadas ao leitor do papel, as entrevistas puderam ser lidas em primeira mão, respectivamente, nos blogs “Juventude e Atitude” (aqui), neste “Opiniões” (aqui), no “Marco Barcelos” (aqui) e no “Entrelinhas” (aqui).

Curioso é notar que, entre os quatro responsáveis pelos blogs, apenas dois passaram pelo curso de Comunicação Social: este blogueiro e a também jornalista Júlia Maria, mas ambos sem concluí-lo. Já o André Lacerda cursa administração de empresas e o Marcos Barcelos é dentista. Este foi um dos aspectos que influiu na decisão do Supremo, ao considerar um anacronismo a exigência do diploma à atividade de jornalista: como exigí-lo de um comunicador que trabalha num jornal e não fazer o mesmo com quem o complementa ou com aqueles que alimentam até a pretensão de competir com os jornais?

Como bem disse o Christiano, em seu post, “são os consumidores de informação que realmente determinam a consagração ou o fracasso de um veículo de comunicação”. Em Campos, talvez fosse interessante pesquisar, por exemplo, se os consumidores de informação conhecem o percentual entre os formados do único curso de Comunicação da cidade — onde quem ensina como é uma redação de jornal, o faz dentro dos seus defasados conhecimentos práticos da década de 90 — e aqueles universitários que passam por um estágio na Folha, quantos deles vingaram no mercado de trabalho como jornalistas. 

Como diretor de redação da Folha, a imensa desproporção pró-jornal, no lugar de motivo de orgulho, é assustadora, pois não tenho dúvidas de que a maioria dos jornalistas, em Campos ou qualquer outro lugar, sempre sairá dos cursos de Comunicação, mesmo aqueles que relegam a formação do profissional quase integralmente à prática. De qualquer maneira, fica aí a sugestão, quem sabe, para uma monografia…

PIG: abreviatura de Partido da Imprensa Golpista, não coincidentemente “porco” em inglês. A expressão, como Christiano bem lembrou, foi cunhada pelo jornalista Paulo Henrique Amorim, ex-Globo e atual Record do bispo Edir Macedo, da Igreja Universal, principal sustentáculo do lulo-petismo dentro do relevante eleitorado evangélico. Serve bem aos interesses do patrão de um jornalista, mesmo quando é ironicamente ecoado ad nauseam pelos blogueiros auto-intitulados “progressistas” contra os mesmíssimos patrões da mídia, sempre que esta se “atreve” a veicular críticas ou denúncias contra o velho personalismo messiânico e assistencialista encarnado com raro talento por Lula.

Velha também, quase tão antiga quanto o próprio Gutenberg, é a nomenclatura que se aplica aos blogueiros que vociferam a “novidade” ecomendada do “PIG”. São os manjadíssimos chapa branca. Em nome da diversidade, da alternativa democrática à versão oficial, só podem ser sinônimo de “progressistas” no dia em que o adjetivo deixar de ser antônimo de retrocesso. 

Mas, aí, o “nunca antes na história deste país” teria que ser expandido também à língua portuguesa.

Abaixo, o post do Christiano…   

  

Blogs, mídia tradicional e Lula

Por Christiano, em 28-11-2010 – 12h33

Na última quarta-feira, o presidente Lula concedeu uma entrevista, classificada pelo governo como histórica, a alguns blogueiros no Palácio do Planalto. Foi a primeira vez que um presidente concedeu aos blogs uma entrevista coletiva.

Os blogs são, hoje, uma forma de expressão individual que vai se consagrando como um novo tipo de mídia, na qual qualquer simples mortal pode, com um computador e acesso à Internet, expressar a sua opinião para o mundo.

Como toda mídia, não está imune a qualquer tipo de posicionamento, inclusive o político, muitas vezes visando interesses pessoais. Cabe aos consumidores de informação, que são os que realmente determinam a consagração ou o fracasso de um veículo de comunicação, saber separar o joio do trigo.

O sucesso dos blogs, muito ligado à grande interatividade com os leitores, fez muitos pensarem que eles vêm para substituir os velhos órgãos de comunicação. Um imenso erro, em meu ponto de vista. Blogs convivem bem e são complementares a jornais, TVs, rádios, portais e demais tipos de mídia.

Tanto é que recente pesquisa apontou que 90% do conteúdo dos blogs são republicações ou análises sobre conteúdos produzidos pela mídia tradicional. Uma interessante visão sobre este assunto foi publicada recentemente aqui pelo blog Opiniões, do jornalista Aluysio Abreu.

Cientes que o coletivo faz a força, muitos blogs se organizaram e se reuniram em redes informais. Em Campos, por exemplo, surgiu a Rede Blog, que fez sucesso nas eleições de 2008. Hoje, com o surgimento de outros blogs na cidade, o movimento perdeu força.

Alguns dos blogs espalhados pelo país elencaram como inimigos a mídia tradicional, destinando a ela toda a sorte de críticas, algumas com fundamento, outras nem tanto. Os mais coléricos partem para ofensas, muitas vezes de forma covarde, usando comentários anônimos postados pelos próprios blogueiros.

Brigar e polemizar com o mais forte dá Ibope. É a velha luta do Davi contra o Golias, que faz sucesso no católico Brasil, onde se valoriza a cultura do tadinho. Nesta linha, em todo o país há enfrentamento entre blogs e a mídia tradicional.

O jornalista Paulo Henrique Amorim, ex-Globo e atualmente na Record do bispo Edir Macedo, cuja linha editorial é aliada ao governo Lula, cunhou a expressão PIG, o Partido da Imprensa Golpista.

Nas disputadas eleições presidenciais deste ano, o acirramento também chegou à Internet, onde inúmeros blogs defenderam, a maioria veladamente, os seus candidatos, seja Dilma, Serra ou Marina.

Como a grande mídia, principalmente os maiores jornais impressos do país, em sua maioria apoiou, também veladamente (à exceção do Estadão), a candidatura de José Serra, os blogs aliados da candidatura do PT miraram os seus estilingues nos órgãos de comunicação.

Este blogs se uniram em um movimento, se auto denominando blogs progressistas. Realizaram até um encontro, nas vésperas da eleição. Os blogs progressistas apoiam Lula, Dilma e o governo do PT. Alguns por ideologia. Outros, por benefícios pessoais, seja diretos ou indiretos, dentro da estrutura de poder do governo federal.

A suposta entrevista coletiva “histórica” realizada por Lula com os blogueiros, foi exatamente com estes ditos progressistas, que apóiam o seu governo. O resultado, claro, não podia ser outro, uma entrevista totalmente chapa-branca, em mais um grande erro da desastrada comunicação do governo federal.

O jornal O Globo, assim como outros órgãos de comunicação, cobriu o encontro (veja na imagem acima e clique para ampliar), mostrando o caráter chapa branca da entrevista. Leia aqui a matéria, reproduzida no Blog do Noblat.

Os blogs progressistas presentes no encontro, que incluiu até o blog Cloaca News, escrito sob pseudônimo, defenderam sua posição, afirmando que a entrevista não foi chapa branca. Leia aqui, aqui e aqui, opiniões de alguns blogueiros progressistas sobre o assunto.

A Presidência da República publicou aqui matéria sobre o assunto, no Blog do Planalto, divulgando links para ouvir (aqui) ou ler (aqui) a entrevista de Lula na íntegra. Leia, ouça, forme sua opinião e tire as suas próprias conclusões.

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 2 comentários

  1. Caro Aluysio,
    Não penso que o leitor seja mais um consumidor de informação passivo que precisa ser pego pelas mãos e conduzido com todo cuidado pelas notícias diárias. O aumento na quantidade de informações advindas com a internet serviu para enriquecer e fortalecer a democracia e o acesso ao conhecimento, dando aos leitores a capacidade de discernir joio de trigo. Ao mesmo tempo, ferramentas como os blogs findaram com a ideia de que os grandes veículos são os “donos” da notícia, da verdade. Mas não deixaram de ter sua importância. Só precisam encontrar um novo papel nesta função de informar ao lado de mídias tão dinâmicas e interativas.
    Estamos, isto sim, diante de um novo fato social neste processo de globalização. Sai hoje na frente não quem passeia por todos os sites e blogs, consumindo indiscriminadamente todo tipo de notícia (“quem lê tanta notícia”, lembra?), mas aquele que consegue criar um bom “filtro”. É esta a palavra que deve reger a comunicação social no espaço virtual.
    Como bem você e o Christiano destacaram, são os leitores quem decidem o sucesso e o fracasso de um veículo de comunicação. Ainda levaremos algum tempo para aprender a lidar com todas essas novidades que tornaram mais tênue a linha que antes dividia quem faz e consome notícia. Mas uma coisa é certa: sempre haverá a má e a boa imprensa. Haverá sempre o jogo de interesses escusos. Haverá sempre notícias para leitores e para (e)leitores.

  2. MUITO BEM ALUYSIO,nossa IMPRENSA É LIMPA,a pior do mundo é a AMERICANA,ganhando CUBA,VENEZUELA E RÚSSIA juntas nas mentiras e fazer o povo de bobo.PIG são os jornalistas que estão no Planalto,como o ex-Globo,que deseja censura.LUTEMOS CONTRA ISSO!UM ABRAÇÃO!

Deixe uma resposta

Fechar Menu