Opiniões

Opiniões de poesia — João Cabral de Melo Neto

Na transição da política à poesia, momento sempre mais prazeroso das quartas-feiras, segue a reprodução neste “Opiniões” de textos originalmente escritos pelo blogueiro para o “Cantos” (aqui), inativo há algum tempo. Precisa como na tacada de sinuca ou no passe de Zidane, a bola da vez é…

 

João Cabral de Melo Neto — Poeta

diamante

Por aluysio, em 07-11-2009 – 2h49

 

Cronologicamente, o poeta pernambucano João Cabral de Melo Neto (1920/1999) pertenceu à Geração de 45, ano do fim da II Guerra Mundial e inicial da Guerra Fria. A ela, coube a difícil missão de suceder à Geração de 30, talvez a mais profícua na história da poesia brasileira, com valores como um Carlos Drummond de Andrade (1902/1987), um Murilo Mendes (1901/1975), um Mário Quintana (1906/1994), uma Cecília Meireles (1901/1964), um Augusto Frederico Schmidt (1906/1965), um Emílio Moura (1902/1971), um Jorge de Lima (1895/1953) e um Vinícius de Moraes (1913/1980). Por sua vez, foi a qualidade destes autores que solidificou o Modernismo no Brasil, inaugurado pela transgressora Geração de 22, de Mário de Andrade (1893/1945), Oswald de Andrade (1890/1953), Cassiano Ricardo (1895/1974), Raul Bopp (1898/1984), Ribeiro Couto (1898/1963) e do maior poeta entre estes pioneiros, ainda que modernista tardio: Manuel Bandeira (1886/1968), que, aliás, era primo de João Cabral.

Todavia, todo esse preâmbulo geracional, talvez didático e certamente enfadonho, se desvanece diante da afirmação do próprio Cabral: “Eu não sou de 45”. Cronologias à parte, não afirmava isso desprovido de razão, posto ter inaugurado uma póetica diametralmente oposta ao confessionalismo e à metafísica que marcaram seus contemporâneos.

Curiosamente, é uma toada de claras cores surreais, influência certamente do amigo Murilo Mendes, que vai ditar o primeiro livro de João Cabral, “Pedra do sono”, de 1942. A direção inicial, no entanto, seria realinhada pelo compasso e esquadro com os quais acabaria por sedimentar sua obra, tomados de empréstimo não de um poeta, mas de um arquiteto, o francês de origem suíça Le Corbusier (1887/1965): 

— Quem mais influência exerceu sobre mim, teoricamente, foi o arquiteto Le Corbusier. Por muitos anos, ele significou para mim lucidez, claridade, construtivismo. Em resumo: o predomínio da inteligência sobre o instinto — admitiria o próprio Cabral.

Essa influência das artes visuais não se restringiria ao grande arquiteto, se espraiando também sob os traços do pintores holandês Piet Mondrian (1872/1944), do francês André Masson (1896/1987) e dos espanhóis Pablo Picasso (1881/1973) e Joan Miró (1893/1983), sobre quem chegou a escrever um livro em prosa e com quem chegou a conviver em sua carreira diplomática na Espanha — cuja Andaluzia, como seu Nordeste natal, está tão impressa em seus versos. Na poesia em si, ironicamente, quem mais marcou o vate pouco afeito ao canto das musas foi uma mulher: a estadunidense Marianne Moore (1887/1972), que “em vez de lápis,/ emprega quando escreve/ instrumento cortante:/ bisturi, simples canivete”, como ele descreve logo à estrofe inicial de “O sim contra o sim”,  poema do livro “Serial”, de 1961. 

Identificados na gênese do “verso cicatriz” de Moore, a analogia óbvia desse “bisturi” e desse “canivete” com a “faca” e a “lâmina” que rasgam presença em boa parte da obra cabralina evidencia bem o autor marcado a fio de navalha pela imagem, auto-destinado à coisificação da poesia. Afinal, como diagnosticou nos versos de “Psicologia da composição”, poema que batiza o livro publicado em 1947: “São minerais/as flores e as plantas,/as frutas, os bichos/quando em estado de palavra.”

Poeta da concisão e da contenção, do “seco”, avesso ao lirismo fácil, ao derramamento sentimental que o grande público costuma associar aos poetas,  João Cabral está para a poesia brasileira como Graciliano Ramos (1892/1953) para a prosa. Elevado pelos concretistas a ponto de partida de uma nova estética, é o principal referencial ao fazer poético de lá ao Brasil dos nossos dias, mais que qualquer outro poeta do Modernismo, incluindo Drummond. 

Atual inimigo público nº 1 do Concretismo, o poeta Alexei Bueno sequer considera os concretistas como pares, mas “artistas gráficos”, e denuncia ruidosamente o monopólio que os seguidores do movimento passaram a exercer no eixo Rio/São Paulo, a partir dos anos 1950 e do encastelamento nas universidades, sobre a produção e crítica da poesia brasileira. Mas ao radiografar esta numa obra de fôlego, “Uma história da poesia brasileira” (de 2007), ele ainda assim não se furtou em classificar Cabral “entre seus maiores criadores”.  Ou seja, embora critique o que chama de “seita” — o Concretismo e os neo-concretistas —, Bueno reverencia o “messias”. 

Para o bem ou para o mal dos olhos de quem lê, a “pedra” que Cabral atirou no leito da poesia brasileira tem suas ondas de impacto refletidas até hoje. E sem margem ainda à vista…

Vários são os poemas que poderiam ser escolhidos para tentar sintetizar sua obra neste blog. “O cão sem plumas”, “Uma faca só lâmina”, “A educação pela pedra” e “Morte e vida severina” certamente estão entre eles. Todos pertencem a livros homônimos, publicados, respectivamente, em 1950, 1955 e, os dois últimos, em 1966. Para muitos, sua grande obra seria “Estudos para uma bailadora andaluza”, que abre “Quaderna”, de 1960. Também deste livro, a escolha, no entanto, acabou recaindo sobre outro poema:“‘Cante a palo seco’”.

O título do livro, pela etimologia, remete ao latim quaterna: “que são em número de quatro; que são quatro a quatro”, na definição do Houaiss. Muitas vezes pelos motivos errados, considerado um poeta complexo, o fato do pernambucano ter a quadra como sua estrofe de eleição é  fruto da influência direta que assumidamente sofreu da poesia popular nordestina. No poema “O número quatro”, do livro “Museu de tudo”, de 1975, ele dá sua razão: “O número quatro feito coisa/ ou a coisa pelo quatro quadrada,/ seja espaço, quadrúpede, mesa,/ está racional em suas patas”.

Se todos os poemas de “Quaderna” são compostos em estrofes de quatro versos, é em “‘Cante a palo seco’” que a exatidão da forma vem na numeração exata: quatro movimentos, cada um de quatro conjuntos com o divisor do quatro (dois) por número de estrofes. E, ao quadrado ou vezes quatro, quatro é conta sempre precisa de 16.  

Dedicado ao poeta espanhol Rafael Santos Torroella — que apresentou a Drummond e que traduziu este ao castelhano —, o poema é também onde Cabral mais brilhantemente rascunha, em versos, o seu próprio fazer poético, onde o anti-confessional melhor confessa sua arte diante de si e do leitor, nesse difícil “ser-se ao meio-dia”. Entre os maiores imagéticos da poesia brasileira e universal, ele faz isso utilizando metáforas de musicalidade, despindo-a em suas rimas toantes ao quase silêncio; mas só quase, como  “esse fio/ quando sem qualquer pássaro/ dá o seu assovio”. 

A música, que costumava chamar de “menos desagradável dos ruídos”, foi a sua chave para negá-la.

Poeta mais apolíneo da Literatura brasileira, João Cabral de Melo Neto foi pintado em “Retrato, à sua maneira”, por Vinícius de Moraes, nosso maior dionisíaco: “Adiante Ave/ Camarada diamante!”

Bem sabia o Poetinha que a pedra mais dura é também a que mais brilha.

 

 

“A Palo Seco”

 

A R. Santos Torroella

 

1.1 Se diz a palo seco

     o cante sem guitarra;

     o cante sem; o cante;

     o cante sem mais nada;

 

      se diz a palo seco

      a esse cante despido:

      ao cante que se canta

      sob o silêncio a pino.

 

1.2 O cante a palo seco

      é o cante mais só:

      é cantar num deserto

      devassado de sol;

 

      é o mesmo que cantar

      num deserto sem sombra

      em que a voz só dispõe

      do que ela mesma ponha.

 

1.3 O cante a palo seco

      é um cante desarmado:

      só a lâmina da voz

      sem a arma do braço;

 

      que o cante a palo seco

      sem tempero ou ajuda

      tem de abrir o silêncio

      com sua chama nua.

 

1.4 O cante a palo seco

      não é um cante a esmo:

      exige ser cantado

      com todo ser aberto;

 

      é um cante que exige

      o ser-se ao meio-dia,

      que é quando a sombra foge

      e não medra a magia.

 

2.1 O silêncio é um metal

      de epiderme gelada,

      sempre incapaz das ondas

      imediatas da água;

 

      a pele do silêncio

      pouca coisa arrepia:

      o cante a palo seco

      de diamante precisa.

 

2.2 Ou o silêncio é pesado,

      é um líquido denso,

      que jamais colabora

      nem ajuda com ecos;

 

      mais bem esmaga o cante

      e afoga-o, se indefeso:

      a palo seco é um cante

      submarino ao silêncio.

 

2.3 Ou o silêncio é levíssimo,

      é líquido sutil

      que se coa nas frestas

      que no cante sentiu;

 

      o silêncio paciente

      vagaroso se infiltra,

      apodrecendo o cante

      de dentro, pela espinha.

 

2.4 Ou o silêncio é uma tela

      que difícil se rasga

      e que quando se rasga

      não demora rasgada;

 

      quando a voz cessa, a tela

      se apressa em se emendar:

      tela que fosse de água,

      ou como tela de ar.

 

3.1 A palo seco é o cante

      de todos mais lacônico,

      mesmo quando pareça

      estirar-se um quilômetro:

 

      enfrentar o silêncio

      assim despido e pouco

      tem de forçosamente

      deixar mais curto o fôlego.

 

3.2 A palo seco é o cante

      de grito mais extremo:

      tem de subir mais alto

      que onde sobe o silêncio;

 

      é cantar contra a queda,

      é um cante para cima,

      em que se há de subir

      cortando, e contra a fibra.

 

3.3 A palo seco é o cante

      de caminhar mais lento:

      por ser a contrapelo,

      por ser a contravento;

 

      é cante que caminha

      com passo paciente:

      o vento do silêncio

      tem a fibra do dente.

 

3.4 A palo seco é o cante

      que mostra mais soberba;

      e que não se oferece:

      que se toma ou se deixa;

 

      cante que não se enfeita,

      que tanto se lhe dá;

      é cante que não canta,

      cante que aí está.

 

4.1 A palo seco canta

      o pássaro sem bosque,

      por exemplo: pousado

      sobre um fio de cobre;

 

      a palo seco canta

      ainda melhor esse fio

      quando sem qualquer pássaro

      dá o seu assovio.

 

4.2 A palo seco cantam

      a bigorna e o martelo,

      o ferro sobre a pedra,

      o ferro contra o ferro;

 

      a palo seco canta

      aquele outro ferreiro:

      o pássaro araponga

      que inventa o próprio ferro.

 

4.3 A palo seco existem

      situações e objetos:

      Graciliano Ramos,

      desenho de arquiteto,

 

      as paredes caiadas,

      a elegância dos pregos,

      a cidade de Córdoba,

      o arame dos insetos.

 

4.4 Eis uns poucos exemplos

      de ser a palo seco,

      dos quais se retirar

      higiene ou conselho:

 

      não o de aceitar o seco

      por resignadamente,

      mas de empregar o seco

      porque é mais contundente.

 

 

João Cabral de Melo Neto, em João Cabral de Melo Neto — Obra completa (1994), Editora Nova Aguilar, Quinta reimpressão da 1ª edição (2006), págs. 247 a 251

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe uma resposta

Fechar Menu