Dilma, a mãe dos cleptocratas

Jornalista Elio Gaspari
Jornalista Elio Gaspari

Por Elio Gaspari

Com a prodigalidade de uma imperatriz, a doutora Dilma anunciou em Adis Abeba que perdoou as dívidas de doze países africanos com o Brasil. Coisa de US$ 900 milhões. O Congo-Brazzaville ficará livre de um espeto de US$ 352 milhões.

Quem lê a palavra “perdão” associada a um país africano pode pensar num gesto altruísta, em proveito de crianças como Denis, que nasceu na pobre província de Oyo, num país assolado por conflitos durante os quais quatro presidentes foram depostos e um assassinado, cuja taxa de matrículas de crianças declinou de 79% em 1991 para 44% em 2005. No Congo Brazzaville 70% da população vivem com menos de US$ 1 por dia.

Lenda. Denis Sassou Nguesso nasceu na pobre província de Oyo, mas se deu bem na vida. Foi militar, socialista e estatizante. Esteve no poder de 1979 a 1992, voltou em 1997 e lá permanece, como um autocrata bilionário privatista. Tem 16 imóveis em Paris, filhos riquíssimos e seu país está entre os mais corruptos do mundo.

O socialista convertido em privatista do próprio bolso Denis Sassou Nguesso, presidente do Congo-Brazzaville
O socialista estatizante convertido em privatista do próprio bolso Denis Sassou Nguesso, presidente do Congo-Brazzaville

Em tese, o perdão da doutora destina-se a alavancar interesses empresariais brasileiros. Todas as dívidas caloteadas envolveram créditos de bancos oficiais concedidos exatamente com esse argumento. As relações promíscuas do Planalto com a banca pública, exportadores e empreiteiras têm uma história de fracassos.

O namoro com Saddam Hussein custou as pernas à Mendes Junior e o campo de Majnoon à Petrobras. Em 2010 o soba da Guiné Equatorial, visitado por Lula durante seu mandarinato, negociava a compra de um tríplex de dois mil metros quadrados na Avenida Vieira Souto. Coisa de US$ 10 milhões.

Do tamanho de Alagoas, essa Guiné tem a maior renda per capita da África e um dos piores índices de desenvolvimento do mundo.

O repórter José Casado chamou a atenção para uma coincidência: em 2007, quando a doutora Dilma era chefe da Casa Civil, o governo anunciou o perdão de uma dívida de US$ 932 milhões.

Se o anúncio de Adis Abeba foi verdadeiro, em seis anos a Viúva morreu em US$ 1,8 bilhão. Se foi marquetagem, bobo é quem acredita nele.

O Brasil tornou-se um grande fornecedor de bens e serviços para países africanos e a Petrobras tem bons negócios na região.

As empreiteiras nacionais têm obras em Angola e na Líbia. Lá, tiveram uma dor de cabeça quando uma revolta derrubou e matou Muamar Kadafi, um “amigo, irmão e líder”, segundo Lula. Acolitado por empresários, seu filho expôs em São Paulo uma dezena de quadros medonhos.

Em Luanda os negócios vão bem, obrigado, e a filha do presidente José Eduardo Santos é hoje a mulher mais rica da África, com um cofrinho de US$ 2 bilhões. Ela tem 39 anos e ele está no poder há 33.

Se o Brasil não fizer negócios com os sobas, os chineses farão, assim como os americanos e europeus os fizeram.

A caixinha de Kadafi para universidades inglesas e americanas, assim como para a campanha do presidente francês Nicolas Sarkozy, está aí para provar isso. Contudo, aos poucos a comunidade internacional (noves fora a China) procura estabelecer um padrão de moralidade nos negócios com regimes ditatoriais corruptos.

A doutora diz que “o engajamento com a África tem um sentido estratégico”. Antes tivesse. O que há é oportunismo, do mesmo tipo que ligava o Brasil ao colonialismo português ou aos delírios de Saddam Hussein e do “irmão” líbio.

Publicado hoje em O Globo.

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 5 comentários

  1. Antonio Rangel

    Amado Batista irrita revanchistas ao admitir que mereceu tortura por colaborar com a luta armada no Brasil

    Por Jorge Serrão – [email protected].net

    O que seria mais uma entrevista para reforçar teses revanchistas contra o Governo dos Presidentes Militares – que a esquerda chapou no senso comum modificado dos brasileiros como “Ditadura” – acabou se transformando em mais um esclarecedor espetáculo de autocrítica de um hoje famoso personagem que se arrependeu de ter atuado em favor dos guerrilheiros, sequestradores, assaltantes e terroristas que queriam implantar um regime comunista no Brasil, nas décadas de 60-70.

    O cantor Amado Batista deu uma saia justa na experiente entrevistadora Marília Gabriela, no “De Frente com Gabi” que foi ao ar na madrugada de domingo para segunda-feira, no SBT. Conhecido por ter sido preso por colaboração com a tão idolatrada “Luta armada revolucionária”, Amado Batista tirou Marília Gabriela do sério ao reconhecer que “estava errado de estar contra o governo, e, ter acobertado pessoas que queriam tomar o País à força”. Amado ainda foi além: “”Fui torturado, mas merecia”.

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=42lh954fkuU

    Tentando retomar o raciocínio revanchista, Marília Gabriela ainda tentou provocar: “Você passou pro lado de quem te torturou?!”. Amado Batista retrucou, com a mesma serenidade que, os militares estavam certos, pois se eles não fizessem “aquilo” o Brasil poderia ter se tornado uma Cuba. Por sua sinceridade, o cantor vai se transformar em mais um alvo do patrulhamento ideológico de esquerda. Acima, o trecho da surpreendente entrevista que deve ter deixado o pessoal da “Omissão da Verdade” e adjacências muito PT da vida…

    Apesar dessa baixa, o esquema revanchista continua a pleno vapor. Não passa de dissimulação a declaração do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, de que o governo não pretende apresentar um projeto para acabar com a Lei de Anistia de 1979. O sistema revanchista insiste no contrário. Também exige que a Comissão da Verdade revele os nomes e os atos praticados por militares que insistem terem sido “torturadores”.

    No recente VII Simpósio de América Latina, com o título “A Comissão Nacional da Verdade: O Brasil revê a sua história”, promovido pelo curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo, um dos homens mais ligados ao ex-Presidente Lula da Silva defendeu todas as teses revanchistas possíveis. Frei Betto declarou-se totalmente a favor da Comando Vermelho, mas ressaltou com veemência a necessidade revisão da Lei de Anistia:

    “Eles nos puniram, mas não foram punidos. É uma situação absolutamente surreal. Não quero vingança, quero justiça, até para que acontecimentos como aqueles não se repitam. Sei que é uma frase batida, mas retrata a realidade. A Comissão da Verdade é um passo importante, mas é preciso pressão para mudar a Lei da Anistia e apurar quem foram os responsáveis”.

    Ou seja, se um dos melhores amigos de Lula diz o que tem de ser feito, e a Presidente Dilma Rousseff, ex-terrorista, concorda com tudo que é dito e já cansou de cobrar mais resultados à Comissão da Meia-Verdade, é porque o governo apenas dissimula que não deseja rever a Lei de Anistia. O governo quer, mas teme admitir com toda clareza, por puro medo de uma reação militar – mesmo que esta pareça cada vez mais remota…

    http://www.alertatotal.net/2013/05/amado-batista-irrita-revanchistas-ao.html

  2. Alberto de Souza

    Contratação dos médicos cubanos: o que há por trás disso?

    A propósito do burburinho que se formou a respeito da contratação de 6.000 médicos cubanos pelo Governo brasileiro, quero tecer alguns comentários e informar algumas coisas que me foram reveladas por um médico cubano, amigo meu de longa data. Por questão de segurança, pois ele ainda tem familiares vivendo na ilha-cárcere como “refém”, passo a chamá-lo de “Ernesto”.

    Ernesto formou-se em 1984 numa faculdade de medicina de Havana. Naquela época ainda não existia a Escola Latino-Americana de Medicina (ELAM), que só foi fundada em 1999 e hoje produz médicos em série, como numa fábrica. Conta-me ele que em seu tempo o curso era em 6 anos, como aqui, mas que todos os formandos se graduavam como “médico da família” e quem quisesse se especializar em outro ramo da medicina teria que cursar mais 3 anos na especialidade escolhida. Desses 6 anos, desde o primeiro até o terceiro ano constava no currículo o estudo do marxismo-leninismo, como materialismo dialético, materialismo histórico e ainda história do movimento operário cubano e da “revolução de Fidel”. Essa escola, entretanto, e apesar do ódio visceral aos norte-americanos, seguia o currículo e a bibliografia da Escola Norte-Americana de Medicina, pois Fidel seguia as política e ideologia da extinta URSS mas sabia que a medicina mais avançada era a ianque.

    Quando já havia cumprido sua especialização em gastroenterologia (3 anos), Ernesto decide sair de Cuba a qualquer preço, quando uma amiga lhe fala que estavam enviando médicos para outros países. Não era condição sine qua non, mas davam preferência àqueles que fossem filiados ao Partido Comunista. Ele recebeu uma proposta de filiação e, por incentivo da família, como uma maneira de escapar da ilha, filia-se e é enviado para trabalhar em Pernambuco (PE) em 1997, num convênio firmado entre o Ministério da Saúde do governo de FHC e Cuba, o “programa médico de saúde da família”. A seleção foi feita em Miramar, num organismo estatal chamado “Colaboração Internacional” que tem vários departamentos: Departamento África, Departamento Caribe, Departamento América Latina, etc., e durante a entrevista foi-lhe dito que teria que, “nas horas vagas”, trabalhar como “comissário político”, ao qual ele recusou-se.

    Durante sua permanência em PE, ele foi alocado na prefeitura de uma cidade do interior, recebendo uma casa para morar com mais outras pessoas e uma empregada, alimentação e o salário de R$ 700,00. O governo federal pagava à Embaixada de Cuba por cada médico a importância de R$ 3.000,00, que repassava à prefeitura a parte correspondente a cada médico, ficando com um lucro de mais de 100%.

    Com a criação do programa “Barrio Adentro”, criado por Chávez e Fidel Castro em 2002, conta-me Ernesto que o curso de medicina da ELAN sofreu um processo de “aceleração” e agora forma-se um médico em “Medicina familiar-comunitária” em 5 anos, quer dizer, em apenas dois anos, uma vez que os outros 3 são de doutrinação ideológica porque o objetivo não é formar médicos e sim “comissários políticos”. E as provas disto abundam, conforme pode-se ver nos vídeos que seguem.

    Neste primeiro vídeo, vários estudantes brasileiros da ELAN dão seus depoimentos sobre sua experiência de estudar em Cuba. Desde 1999 o PT e Cuba, seu sócio no Foro de São Paulo (FSP), firmaram o primeiro convênio para enviar estudantes brasileiros para estudar na recém-inaugurada ELAM – talvez até tenha sido uma concepção do próprio FSP – como bolsistas, cujo edital de seleção todo ano é publicado pelo site do PT, conforme pode-se ler aqui. Para concorrer a uma dessas bolsas é condição indispensável ser filiado ao PT ou ao MST, conforme comprovam o edital e o vídeo.

    Nestes depoimentos, todos os estudantes afirmam ser militantes do braço armado do PT, o MST, e a última a dar seu depoimento confirma o que me informou Ernesto mais acima. Diz a estudante esta pérola: “Espero voltar para meu país e implantar esta semente revolucionária que estou vivenciando aqui e que está me nutrindo”. Esse vídeo não quer carregar, então, assistam-no no link abaixo:

    https://www.youtube.com/watch?v=KslPYEoUg-A

    No vídeo seguinte temos uma explicação sucinta do ex-espião cubano Uberto Mario, sobre como começou o programa “Barrio Adentro”. Sobre este senhor, o Notalatina fez uma edição em 26 de novembro de 2007 mas que não chamou a atenção de ninguém, apesar da extrema gravidade, pois os brasileiros não estavam interessados em saber o que se passava na Venezuela que eu vinha denunciando há anos. Agora, com a vinda desses 6.000 agentes castristas ao Brasil, é possível que desperte a curiosidade negligenciada antes… Vejam as denúncias que Uberto faz:

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=Wip6D6eeCGQ

    Nesse próximo vídeo um médico venezuelano que “desertou” e hoje vive nos Estados Unidos, conta como era sua vida na Venezuela. Saliento que a maioria dos médicos (ou profissionais de outras categorias) cubanos se submetem a sair do país deixando alguém da família como “refém” (também foi assim com Ernesto), na esperança de fugir do “paraíso” e pedir asilo em outro país. O Dr José Luis de la Cruz, entrevistado nesse vídeo, conta – e confirma o que disse Ernesto – que ao chegar na Venezuela recebeu um lugar para morar, alimentação e um salário que era, no seu caso, U$ 160 dólares, enquanto Chávez pagava a Fidel U$ 800 a U$ 1.200 dólares por pessoa. Da idéia de liberdade, o Dr José Luis só soube quando deixou a Venezuela, pois segundo o “regulamento”, eles têm que voltar para seus alojamentos às 5 h. da tarde e de lá não podem mais sair. Mas assistam ao vídeo e conheçam as barbaridades que sofrem esses cubanos no vídeo abaixo:

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=VmYwsTTwtA4

    E, finalmente, convido-os a assistir esse vídeo do ex-espião Uberto Mario que publiquei em 2007, sobretudo a partir do minuto 8:55, onde ele fala sobre como os médicos cubanos são controlados e espionados até em seus telefonemas pela Embaixada de Cuba que retransmite TUDO para o controle dos ditadores Castro.

    Ernesto me contou ainda que o “encurtamento” do curso da ELAM, além do objetivo de doutrinação ideológica, impede a validação dos diplomas nos países de destino, de modo a que “seus agentes” não desertem como fizeram tantos já desde a Venezuela. Ele me confirmou também que os médicos que foram para a Venezuela têm seus passaportes retidos pela Embaixada e, do mesmo modo que conta Uberto Mario nesse vídeo, recebem cedulação venezuelana para poder votar, um documento que não tem qualquer valor legal fora da Venezuela.

    Depois de juntar e analisar todos esses dados, me parece que algumas coisas ficam claras. A vinda desses médicos cubanos ao Brasil serve a alguns fins: fazer doutrinação marxista e enaltecer a revolução cubana e, de passagem, enaltecer o governo brasileiro angariando votos para as eleições de 2014. Como a “eleição” de Maduro está ameaçada, pois a oposição desta vez não aceitou calada a monumental fraude, os Castro querem se assegurar de que se perderem essa “boca” terão outra na reserva, afinal, esses 6.000 médicos cubanos vão custar aos cofres públicos, isto é, o nosso bolso, a bagatela de U$ 792 milhões. Se considerarmos o dólar a R$ 2,00, o custo aproximado será de UM BILHÃO, QUINHENTOS E OITENTA E QUATRO MILHÕES DE REAIS, que poderiam construir ambulatórios e hospitais nos locais menos assistidos, pois os médicos brasileiros não querem ir para os rincões mais distantes por FALTA DE CONDIÇÕES DE TRABALHO!

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=grEs8i6gii4

    E para terminar, os questionamentos que me inquietam são: “quem” vai espionar esses médicos no Brasil? Já temos espiões instalados aqui de maneira encoberta e a sociedade que vai pagar esta farra não sabe? Onde vão ficar os “censores”, em um comando central na Embaixada em Brasília ou cada cidade vai ter seu corpo pessoal de espiões? Mais do que saber se esses médicos vêm tratar diarréia, catapora ou pressão alta, é preciso saber dessas questões político-ideológicas e de espionagem, pois se não cuidarmos, não tarda em acontecer o mesmo que na Venezuela que já é uma colônia de Cuba. Se você ama o Brasil, pense nisso. Quero agradecer a Christoffer Alex Souza Pinto pela inestimável ajuda que me prestou. Fiquem com Deus e até a próxima!

    http://notalatina.blogspot.com.br/2013/05/contratacao-dos-medicos-cubanos-o-que.html

  3. Valéria Mattos

    Sempre em Porto Alegre – Desta vez, simpatizantes e terroristas das Farc reúnem-se na Câmara de Vereadores com apoio do governo Tarso

    A mídia brasileira, inclusive gaúcha, não deu um pio acerca deste famigerado encontro em Porto Alegre.

    http://www.youtube.com/watch?v=jQU3a1xArSQ&feature=youtu.be

    Entre os dias 24 e 26 de maio, a Câmara de Vereadores de Porto Alegre-RS serviu de palco para mais uma manifestação pró-FARC no “Foro pela paz na Colômbia”, promovido pela “Marcha Patriótica-Capítulo Brasil”, uma ONG das FARC que realiza o trabalho de massas. O evento contou com a presença de membros das FARC no Brasil, inclusive com status de “exilados”, como é o caso de Francisco Cadena Collazos, cognome “Oliverio Medina”, mas com esse evento em Porto Alegre tomei conhecimento de que há mais um exilado e é evidente que se trata de um membro das FARC.

    O governo estadual do PT do RS pagou passagens e considerou hóspedes oficiais os mais representativos participantes do evento.

    Na tarde do dia 25 estava programada uma videoconferência entre os participantes do evento e os “negociadores da paz em Havana”. Entretanto, os “negociadores” ouvidos foram apenas os das FARC, evidenciando que não há interesse na paz da Colômbia, e sim respaldar e fortalecer politicamente o bando terrorista.

    Também é importante notar que esse encontro contou com a presença de uma deputada do Euskal Erría, o partido político do bando terrorista ETA.

    http://polibiobraga.blogspot.com.br/2013/05/sempre-em-porto-alegre-desta-vez.html

  4. ROBERTO DOS SANTOS

    E o Paraguai dá um bunda-lê-lê para o Brasil

    Enquanto o governo brasileiro fica de guardião do Mercosul, onde só entra o atraso de republiquetas antidemocráticas e falidas, e onde até papel higiênico é artigo de luxo, o Paraguai, expulso do Mercosul por ter deposto um presidente esquerdista, mas que seguiu as normas constitucionais do país, foi aprovado ontem como membro observador da Aliança do Pacífico. Paraguai se une agora ao México, Colômbia, Chile e Peru, para, este sim, buscar progresso, desenvolvimento e bons negócios.

    Segundo o jornal ABC Color, o Brasil tentou colocar o Mercosul como observador da Aliança. Mas foi barrado pela cúpula que acusou o Brasil de estar tentando impor, sorrateiramente, a Venezuela, já que esta faz parte do Mercosul. Para não melindrar o vizinho, a Aliança do Pacífico utilizou como justificativa que só é aceito o ingresso de países, e não blocos.

    Ainda de acordo com o ABC Color, o Brasil havia solicitado que a Aliança do Pacífico não aceitasse a inclusão do Paraguai baseado, imaginem vocês, nas cláusulas democráticas do Mercosul e da Unasul, dos quais Chile, Peru e Colômbia são membros. A diplomacia ideológica do Itamarati tentou impedir a suspensão do Paraguai de todos os fóruns de integração regional após o impeachment de Fernando Lugo, em 2012. Como se vê, sem sucesso.

    http://lilicarabinabr.blogspot.com.br/2013/05/e-o-paraguai-da-um-bunda-le-le-para-o.html

  5. Carlos Heitor

    Enquanto isso o BB executa pequenos agricultores que contraíram dividas para produzir riquezas para Nação e tiveram azar de terem colheitas, zero, por problemas climáticas, vide diversas matérias em programas jornalistas da mídia televisa.

Deixe um comentário para Alberto de Souza Cancelar resposta