População impede que Rosinha e Edson vendam Campos para cobrir rombo

Ponto final

 

 

Povo recusa projeto de Rosinha

Pode até soar demagogia a quem não esteve presente na sessão de ontem, na Câmara Municipal. Mas para quem assistiu ao vereador e prefeito eleito Rafael Diniz (PPS) entrar com a bancada de oposição, sob os aplausos da população que lotou as galerias, bem como as vaias que levaram o presidente da Câmara Edson Batista (PTB) e os demais edis rosáceos, pouca dúvida restou: Rafael e seu candidato a presidir a próxima Legislatura, vereador Marcão Gomes (Rede), não estavam mentindo quando disseram (aqui e aqui) ter sido o povo campista o responsável pela recusa ao projeto de lei da prefeita Rosinha Garotinho (PR).

 

Esclarecimento viral

Pelo projeto de Rosinha, ficariam comprometidos todos os bens imóveis do município. Não bastasse, uma emenda proposta por Edson ainda queria avançar sobre todos os créditos e direitos creditórios de Campos. Tudo para pagar o rombo deixado pelos rosáceos no Previcampos. Da intenção e suas consequências, a população campista foi esclarecida na edição de ontem desta coluna e pelo blog “Opiniões”, que anunciou (aqui) o “Ponto Final” e reproduziu (aqui) seu teor, na Folha Online e em links na democracia irrefreável das redes sociais (aqui, aqui, aqui e aqui). Até ontem, as postagens dos dois textos tinham 137 compartilhamentos e mais de 2,9 mil curtidas.

 

Ecos de Garotinho

Com a sessão suspensa e a votação adiada para sessão extraordinária, amanhã (15) de manhã, o vereador governista Thiago Virgílio (PTC) afirmou (aqui): “Ninguém está vendendo nada. Não há rombo”. Forte candidato rosáceo à presidência da próxima Legislatura, ele fez coro a Anthony Garotinho (PR). Degredado de Campos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e da rádio O Diário pelas investigações da Polícia Federal (PF), o marido da prefeita — “prefeito de fato” no juízo (aqui) da 100ª Zona Eleitoral — disse (aqui) nas redes sociais que toda a polêmica se resume a uma questão de… “cálculo atuarial”. E foi ecoado no final da noite (aqui) numa nota oficial da Prefeitura.

 

Certos e duvidosos

Desde as jornadas de março de 2013, quando os brasileiros saíram às ruas para protestar contra os rumos do país, passando pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e o apoio à operação Lava Jato, que já chegou (aqui) ao casal Garotinho, a população tem encurtado as distâncias da democracia representativa, fungando no cangote daqueles que elegeu. Ontem, em Campos, não foi diferente. Com 11 votos certos e três duvidosos — Abdu Neme (PR), Jorge Magal (PR) e Álvaro César (PMN) — contra o projeto de lei de Rosinha e as emendas draconianas de Edson, a pressão popular na Casa do Povo será mais uma vez decisiva amanhã.

 

Edson de exemplo

Ontem, a oposição também apresentou duas emendas, ambas de Marcão. Na primeira, a intenção é excluir do processo todos os prédios da Saúde e Educação, das unidades de acolhimento, das secretarias e da administração pública direta e indireta, a sede da Prefeitura e os teatros Trianon e de Bolso . A segunda, se baseia na vacatio legis (vacância da lei) para que o projeto, mesmo se aprovado, só possa ser sancionado em 60 dias. No jogo de interesses dos dois lados, quem contrariar aqueles de quem o elegeu corre o risco de sair, na sessão de amanhã, como Edson, na de ontem: vaiado e chamado em coro de “corrupto” pela população.

 

À espera de novembro

A situação do servidor estadual ainda está longe de melhorar, mas pelo menos para os profissionais ativos da Educação um alívio virá hoje com o pagamento até o fim do dia dos salários de novembro. Já os funcionários ativos e inativos da área de Segurança — policiais civis e militares, bombeiros e agentes penitenciários — terão seus vencimentos depositados na próxima sexta-feira. Mas, para quase 50% dos demais servidores ativos, inativos e pensionistas a situação é ainda pior, pois só receberão de forma escalonada em calendário a ser estabelecido até o fim desta semana.

 

“Gestor de RH”

Ao falar sobre a situação do Estado, Pezão disse que os “governantes se transformaram em gestores de RH, gestores de folha de pagamento, e, se não forem resolvidos esses problemas, dificilmente os estados e as prefeituras conseguirão sobreviver”. Ele destacou ainda que os governadores estão administrando por “soluços”, pois todo o dinheiro que entra sai rapidamente dos cofres.

 

Com a colaboração do jornalista Rodrigo Gonçalves

 

Publicado hoje (14) na Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 4 comentários

  1. CHICAO

    ISSO E SO O INICIO QUE ESSA FAMILIA GAROTINHO VAI DEIXAR CAMPOS

  2. Sandra Santos

    Criaram o Rio Previdência ,acabaram (rasparam) a caixa anterior ,E a Rio previdência nem uma cadeira tinha como patrimônio

  3. Paulo Azevedo

    Esses políticos só estão interessados nos interesses próprios. Esses políticos não são patriotas.

  4. cesar peixoto

    Não sou funcionário da PMCG e sim do Estado e estou sem recber até hoje, decimo terceiro só Deus sabe quando.A culpa é de Garotinho e Rosinha?

Deixe um comentário