Fernando Leite — Ofício

 

 

 

Ofício

 

Os cientistas estão intrigados com os urubus.

Que mistério encerra este pássaro que não canta?

Senhor dos monturos,

do que sobra dos mortos.

 

Ceia o que mundo expele

e no entanto seu aparelho digestivo

é igual ao de todos os bichos de pena,

ao do pintassilgo,

igual até ao do sabiá laranjeira

mais bonito quando canta

do que quando voa.

 

O que a Ciência sabe

é que está nas alturas

o segredo que o torna único

entre as aves da terra.

 

Depois que come a carne roxa,

a córnea cega, o corpo putrefato

que o crime escondeu

ele sobe a mais de mil metros

e lá faz a digestão.

 

Quando desce

vem limpo como o menino

que vai à primeira comunhão:

corpo e alma cheirando à lavanda.

 

João Tatê, caboclo de Barra do Itabapoana,

que caminha pelas veredas da doideira,

ensina: há um átimo de segundo

antes da morte fechar sobre nós suas asas,

seu hálito de enxofre

— é quando todo homem se arrepende e se salva.

 

O que os urubus comem é

carne dos convertidos.

 

Impossível de digerir é o pecado.

 

Dezembro de 1996

 

(Do livro “Arquitetura da Manhã”)

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Deixe um comentário