Opiniões

Enquanto TSE não julga HC de Garotinho, disputa na família resume a cidade

 

Na ausência do blogueiro, desde quinta (21) passada, pouca coisa parece ter mudado em Campos. A grande expecatativa em torno do pedido de Habeas Corpus (HC) do ex-governador Anthony Garotinho (PR), da sua prisão domiciliar na famosa “casinha da Lapa”, que será julgado daqui a pouco, a partir das 19h, no plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília.

Enquanto não se decide se Garotinho recorre livre ou em prisão domiciliar da condenação (aqui) de nove anos e 11 meses pelos crimes de corrupção eleitoral, associação criminosa, supressão de documento e coação no curso do processo da Chequinho, o clima quente da cidade ficou evidenciado numa disputa coadjuvante e familiar na blogosfera goitacá. O superintendente de Trabalho e Renda de Campos, Gustavo Matheus (PV), escreveu (aqui) no Blog do Bastos. E foi respondido (aqui) pela prima, a secretária de Desenvolvimento, Emprego e Inovação do Rio de Janeiro e deputada federal licenciada, Clarissa Garotinho (PRB), no Blog do Ralfe Reis.

Para saber quem levou a melhor, sem ainda saber quem parecerá melhor ao final do dia, confira abaixo:

 

 

 

Nunca foi tão fácil criticar Garotinho

Por Gustavo Matheus

 

Nunca foi tão fácil criticar e jogar pedra no ex-governador Anthony Garotinho. Recordo-me, no entanto, de uma época em que os poucos que o faziam eram taxados de loucos ou corajosos, tendo em vista o arsenal de possibilidades de retaliação que o então poderoso Garotinho possuía guardado em seu estalar de dedos. Rádios, jornais, jornalistas, políticos, desembargadores e tantos outros, todos, em sua “folha de amizades e favores”.

Este humilde interlocutor mesmo “sofreu” com as alcunhas por dizer o que pensava, assim como outros poucos.

“Este menino é louco”, alguns diziam. “Rapaz corajoso”, outros bradavam. Enquanto isso, minha caixa de correios transbordava de notificações, intimações e processos, pois o exército jurídico do ex-deputado não dormia no ponto. Até porque, sua motivação era abastada, e bem abastada, por milhões e mais milhões oriundos, sem escrúpulos e meias palavras, de nosso atual sofrimento, do sangrar da máquina pública.

É fácil, muito fácil, cutucar um leão “desjubado”, sem garras, dentes, fome e, sobretudo, orgulho. Mas cantei esta pedra há bastante tempo, no auge do rei da selva. Narrei o fim do ex-deputado, o mesmo que hoje se desenha, enquanto a sua filha, a então deputada Clarissa, dizia, às gargalhadas debochadas, que a oposição em Campos não fazia nem “cosquinha”. E também quando sua mãe, dona Rosinha, ganhava no primeiro turno.

Mas, como dizia minha vó, tudo que antecede um “mas” não passa de vento. Porém, se o “mas” é assassino de contexto, a memória é curta e o saudosismo cego. Por vezes nos esquecemos do que sempre soubemos e acabamos lembrando com carinho do que nunca existiu. Só precisamos tomar cuidado, porque o leão não morreu e a juba cresce.

 

 

 

Carta aberta ao primo Gustavo Matheus

Por Clarissa Garotinho

 

Prezado primo Gustavo,

Fiquei pensando se deveria responder a este “humilde interlocutor” como você se refere. Mas resolvi fazê-lo apenas para corrigir um equívoco do seu texto publicado pelo Blog do Bastos.

Você diz que hoje é fácil criticar o Garotinho, um “leão desjubado”. E conta vantagem dizendo que você destemidamente já o criticava quando ele “estava no auge e era o Rei da Selva”.

Quanta bobagem, primo…

Seu tio Garotinho denunciou à Procuradoria Geral da República mais de 150 políticos, agentes públicos, empresas e juízes.

O seu tio Garotinho denunciou a Globo ao vivo quando foi entrevistado por aquela emissora. Denunciou a CBF e Ricardo Teixeira e o todo poderoso ex-presidente do TJ do Rio, Luiz Zveiter.

Primo, fala sério! Ele não está preocupado com você…!

Mas vamos ao que interessa, primo.

No seu texto você diz que aqueles que criticavam o Garotinho eram taxados de “loucos” ou “corajosos”. Esqueceu de falar dos “aproveitadores”, daqueles que utilizam a crítica como trampolim. Esqueceu de falar dos “invejosos”, que não se conformam com o sucesso de um garoto humilde, de uma cidade do interior, que cresceu sozinho e se tornou prefeito, governador e teve mais de 15 milhões de votos para a presidência da república.

Primo, o seu tio Garotinho, irmão da sua mãe Ketinha, construiu o Trianon, um dos maiores teatros do interior do Brasil. Reabriu o Ferreira Machado, construiu a importante ciclovia da 28 de março, fez o calçamento de grande parte de Guarus. O seu tio Garotinho pediu ao ex-governador Brizola e a Darcy Ribeiro para fazer a UENF em Campos, além de ter feito quase 70% da obra desta Universidade. Fez uma centena de creches e postos de saúde.

A sua tia Rosinha Garotinho construiu aquela ponte que diziam que “ligava nada a lugar nenhum” mas que foi a salvação da nossa cidade na última grande enchente. A Rosinha construiu o CEPOP, que mudou a cara do nosso carnaval e passou a abrigar muitos eventos como a nossa Bienal do Livro. Duplicou a RJ que liga a baixada ao centro campista e construiu milhares de casas.

Eu entendo, primo! É comum muitos jovens almejarem a fama, o sucesso… tem gente fazendo de tudo pra aparecer.

Mas você, primo! Faça como o seu tio. Use o seu talento para construir, para fazer a diferença na vida das pessoas! Pois até agora o seu único “feito” tem sido criticar a sua família. Isso também faz parte do comportamento de muitos adolescentes. Neste caso você já passou um pouquinho da idade.

A sua bronca, primo, é porque você tinha sido contratado, a pedido do nosso tio Nahim, por uma empresa terceirizada que trabalhava para o setor de licitação da prefeitura. A Rosinha não concordou porque não era conveniente um sobrinho da prefeita trabalhando nesse setor e você ficou chateado. Mas não misture as coisas.

Primo, o seu tio Garotinho está injustamente sendo condenado por garantir o alimento na mesa de famílias pobres que precisam do amparo do Governo. Não tem nada mais terrível para um ser humano que a fome.

Seus textos agressivos contra o seu tio Garotinho ainda são recheados de ingratidão. Pergunte à sua mãe tudo o que seu tio fez pela sua família pelo tempo que foi preciso.

Por fim, primo, lembro de quando a gente era criança e fazíamos uma dupla cover: eu era a Sandy e você o Júnior! Época boa em que a gente não se preocupava com a política, essa que separa amigos e até mesmo parentes.

Torço por você, cara! A “juba” do seu tio vai crescer de novo. Você pode estar ao lado dos leões, não precisa se juntar aos caçadores!

Sua prima Clarissa.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 18 comentários

  1. Só tenho que aplaudir Clarissa, e digo mais, a ambição é o verdugo dos ingratos, acho que tem todo direito a discordar do tio, porém roupa suja se lava em casa, quando passa disso, tem (trecho excluído pela moderação) e fama no meio, ninguém tem dúvida de que no Brasil, talvez mais de 90% não sejam confiáveis, a minha preocupação são os filhotes que estão sendo criados pela mídia principalmente aqui em nossa terra.

  2. “politicos não sejam confiáveis”

  3. Caraca!!!!
    Ela esqueceu de dizer que as casinhas para os humildes está sob investigação de corrupção, que o município respira por aparelhos de tão falido q ele deixou,que CEPOP não tem utilidade alguma, e que no carnaval mudou até de data na época da da mulher q a pariu.
    Que obra alguma importante, como hospital da baixada foi entregue a população e que a fome do cheque cidadão q ele comprou,era na verdade para matar a própria GULA do poder que ele tem.

  4. Não gosto do Garotinho e nem da sua política , mas quem é esse Gustavo Matheus ?
    Vai trabalhar mais pois as vagas que estao exposta na superintendência de Trabalho e renda já está mais de 20 dias as mesmas vagas das mesmas empresas .

  5. Clarice voce esta de parabens por ter dado uma resposta sem agressividade ao seu primo , voce deu foi uma licao de moral,eu tambem acho que e isso que ele esta precisando.Ja que ele falou mal do governo do seus pais, porque ele nao faz a mesma critica do governo Rafael que nada fez ate o dia de hoje

  6. Agora vai haver tremor de pernas do sobrinho, porque se a juba foi cortada o leão ficou vivo, a juba volta a crescer e o leão pode voltar e agora com direito readquirido para se defender com liberdade, a jaula foi aberta, e agora?

  7. Para bens de todos e felicidade da nacao Garotinho esta solto.Mais uma vez a forca do bem, venceu a forca do mal

  8. Parabens ao jornalista Aluysio por ter dado a noticia da liberdade de Garotinho em tempo recorde

    1. Caro Cesar,

      Pelo visto, vc não acompanha o noticiário do Folha1. Nos blogs nele hospedados, quem quase sempre noticia a Chequinho na frente são os jornalistas Suzy Monteiro e Arnaldo Neto. Se ainda não o fez por conta do julgamento do TSE, vc pode conferir:
      http://www.folha1.com.br/_conteudo/2017/09/blogs/nacurvadorio/1225224-julgamento-de-garotinho-no-tse.html
      http://www.folha1.com.br/_conteudo/2017/09/blogs/blogdoarnaldoneto/1225227-chequinho-tse-revoga-prisao-e-medidas-cautelares-impostas-a-garotinho.html
      O que este “Opiniões” eventualmente traz à frente dos demais é a análise contextualizada do noticiário mais recente, quase sempre na reprodução do “Ponto Final”. Se quiser ler a coluna da edição de hj (29), tb já pode conferir:
      https://opinioes.folha1.com.br/2017/09/27/peao-no-jogo-de-brasilia-campos-tera-governo-no-foco-e-garotinho-na-oposicao/

      Abç e grato pela oportunidade de guia de leitura!

      Aluysio

  9. O Leao vai sair e agora! vamos esperar cenas da novela O CHEQUINHO!

  10. Grande Aluysio. Creio que em seu post faltou a replica de Gustavo Matheus à carta aberta de Clarissa. Caso não tenha tido acesso ainda a ela, segue abaixo:

    https://www.facebook.com/gustavomatheus43/posts/1916775358586896

    Resposta a “carta aberta” da Secretária Clarissa Garotinho.
    Secretária,
    Triste notar o deboche e o sarcasmo com a qual utiliza a palavra “primo”, demonstrando agora também em texto, o que fazem na prática há anos com aqueles que vocês chamam de “seus” quando a conveniência implora. Mas não entrarei no âmbito pessoal. Nunca o fiz e não começarei hoje. Meu posicionamento sempre foi político, ideológico. Vou fazer mais simples, mais fácil e de maneira mais honesta — um conceito que pode causar estranheza aos portadores deste sobrenome/apelido plagiado que carregam por estas bandas aí.
    O “jovem rebelde, invejoso e ingrato aqui”, como você escolheu adjetivar, se aterá aos fatos, pois eles não mentem, diferente da senhora e do patriarca desta instituição falida que leva o nome de Garotinho. Vocês conseguem dizer mais mentiras que palavras numa só frase. Aliás, dispensam palavras e mentem até pelo olhar.
    A secretária elencou alguns feitos do pai, mas se esqueceu de nomear alguns tantos outros. Esqueceu de dizer que ele é o político de carreira campeão de condenações. Chefe de quadrilha. Não falou da operação “Cinquetinha”, da “Chequinho”, do escândalo da GAP, dos materiais escolares Expoente e tantos outros esquemas e escândalos. E, por último, o “crime administrativo” cometido na Prefeitura de Campos quando a sua mãe, Dona Rosinha, fingia que governava.
    Agora, estranho a senhora dizer que quero aparecer. Estranho dizer que eu deveria usar meu talento para crescer, citando o exemplo de seu pai. Mas entendo, lhe entendo. É o legado que resta. Não há como falar de si mesma. O papai lhe deu tudo de mão beijada. Agora, Clarissa, não vou falar de meu pai, nem de meus tios, nem de minha mãe, cachorro ou papagaio.
    Vou falar do que estou construindo sem padrinhos, caminhos fáceis e sobrenomes poderosos. Pois veja bem, secretária.
    Diferente da senhora, nada me veio de mão beijada. Não fui criado num palácio à base de sorvertinho Haagen Dazs. Trabalho desde os 18 anos com carteira assinada, pois só assim eu poderia frequentar a faculdade. Já fiz de tudo e me orgulho muito destes feitos honestos, construídos por estas mãos.
    Hoje presido o Partido Verde, meu único partido e minha casa desde 2013. E estou atualmente Superintendente de Trabalho e Renda no município de Campos — acho que você já ouviu falar de minha cidade.
    Fui o candidato a vereador mais votado da história do PV na planície e o jovem mais votado do partido no ano passado em todo Estado do Rio de Janeiro.
    Já na minha gestão como superintendente, Campos empregou em 9 meses quase 6 vezes mais que a gestão da senhora sua mãe no ano de 2016 inteiro. Campos é a única cidade da rota do petróleo com saldo positivo no Caged, com mais admissões que demissões. O melhor saldo da região.
    Consegui isso tudo, Clarissa, não para aparecer, mas para contribuir de verdade com nossa cidade, para tentar reverter a péssima situação em que os seus pais deixaram o meu lar.
    Isso tudo, secretária, conquistei com talento, com o meu talento. Não o talento ou dinheiro do meu pai. Apesar dos tios políticos, trilhei meu caminho de maneira independente. E como me orgulho disso. Uma pena que desconheça o sentimento e sabor da conquista, da independência ou do trabalho. Mas entendo a sua dor.
    Deve ser difícil para uma mulher empoderada, inteligente, com futuro político promissor como você viver refém das maledicências dos pais. No entanto, lhe ofereço sorte e, quem sabe, um dia tenha o prazer que tive e tenho de um resultado obtido apenas pelo próprio esforço.
    Deputada, sem deboche, torço por você também. Torço para que possa caminhar com a próprias pernas e não fique sentada esperando a juba do papai crescer novamente. Vá à luta! Quem sabe a senhora não possa obter os resultados que nossa gestão na SMTR tem conquistado por aqui. Sobre ser leão ou caçador, neste contexto, pouco importa. O que vale é ser capaz de “conquistar ” sua própria presa ou caça.
    Obs: Espero que a sua próxima carta seja de alforria política.

    1. “Não fui criado num palácio à base de sorvertinho Haagen Dazs”? Gente quanto recalque em família. Além de mais talento na política Clarissa teve muito mais classe no embate com o primo

  11. Fazendo uma ressalva, quando tu “postastes” o Gustavo ainda não havia feito a replica.

    1. Caro Fabricio Erick dos Santos,

      Exato: qd republiquei a postagem do Bastos com o texto de Gustavo, junto com a postagem do Ralfe com a réplica de Clarissa, o fiz cerca de duas horas antes do superintendente publicar no Face a sua tréplica. Como não sou adivinho…

      Abç e grato pela participção!

      Aluysio

  12. Esse menino é um tremendo pé frio. Foi só ele falar mal do tio que Garotinho conseguiu a liberdade no TSE.

  13. Esse Gustavo só quer fazer política , cadê o Deguste Farol para prepara os profissionais para o petisco farol q sempre foi sucesso no farol sempre feita pela trabalho e renda por Joilza Rangel em 2013 , 14,15 , nesse último ano 16 por Manoel se vc não sabe mas de 100 profissionais se qualificaram em cada ano eu sempre participei trabalho em Dona Shepard como eu dos restaurantes e Quiosques mandavam seus funcionários era de grande importância esses aprendizagem . VAI TRABALHAR NUNCA PENSEI Q IA SENTIR FATA DO OUTRO GOVERNO!

  14. Jovem Clarissa, seu pai não fez nada surpreendente, não fez mais que a obrigação. Porém o desnecessário CEPOP gastou uma fortuna que poderia recuperar os hospitais filantrópicos da cidade, hoje estão todos sofrendo necessidades extremas e nem adianta dizer que é culpa da gestão atual, os hospitais já vinham sofrendo gradativamente mais a cada ano pelo menos desde 2011/2012.

    A ponte que “não liga nada a lugar nenhum” foi a que o amigos de vocês construiu, Arnaldo Viana, na ocasião essa frase foi aplicada na época a essa ponte, não distorça os fatos. Quanto a ponte que a sua mãe “teria construído” como sempre obras e licitações fraudulentas e sem fiscalização, hoje esta aí o resultado, a cada chuva forma-se um lago na descida da ponte sentindo Guarus X Centro.

    Seu pai não cresceu sozinho, ninguém cresce sozinho. Seu pai teve a ajuda de seu avô, este que por sinal era muito amigo do avô de Rafael Diniz, seu pai teve também ajuda de Leonel Brizola, que posteriormente se arrependeu. E você? Que teve ajuda de seu Pai, vai dizer que cresceu sozinha também?

    Em tempo, relembre disso: https://www.youtube.com/watch?v=PhvgQGm2Kvc

    Falar de emprego é relativo quando a maior parte da família está pendurada no cabide.

  15. Falar bem ou mal de Garotinho e bom,afinal ele e uma pessoa publical.Quem e perfeito que atire a primeira pedra

Deixe uma resposta

Fechar Menu