João Amoêdo: liberalismo não quer Lula, nem Bolsonaro

 

Com Arnaldo Neto, Cláudio Nogueira e Matheus Beriel

 

Ainda que incapaz de fazer valer sua oposição e desejo do impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na bancada federal do Partido Novo que fundou em 2010, mesmo sendo ex-presidente da legenda e pré-candidato por ela a presidente da República em 2018, o empresário e engenheiro João Amoêdo levanta a bandeira do liberalismo pela necessidade de uma terceira via na eleição presidencial de 2022. Usada pelo capitão para se eleger, a quem apoiou no segundo turno, a face nacionalmente mais conhecida do Novo julga que qualquer compromisso com o liberalismo na economia do país, assim como com a luta contra a corrupção, foram abandonados pelo governo federal. Amoêdo, no entanto, não vê no ex-presidente Lula (PT), favorito em todas as pesquisas e principal opositor de Bolsonaro, uma opção melhor para governar o país, nas urnas de daqui a um ano. Em entrevista ao programa Folha no Ar, da Folha FM 98,3, na manhã de ontem (1º), ele disse que votaria nulo em um segundo turno entre o ex-presidente e o atual. Homem do mercado, criticou os empresários que ainda continuam apoiando Bolsonaro. Assim como o PT que “em nenhum momento teve a hombridade e a coragem de dizer ‘nós erramos’. E quando alguém não reconhece os seus erros, a minha leitura é de que ele está pronto para cometê-los novamente”.

 

João Amoêdo (Foto: Divulgação)

 

Gravidade da crise econômica no Brasil – Realmente, o quadro é muito ruim. E o reflexo disso, que é a pior coisa, é que nós temos aí 19 milhões de brasileiros passando fome e 110 milhões de brasileiros numa insegurança alimentar, quer dizer, não sabem se terão um prato de comida no dia seguinte. Nesse cenário de inflação, nesse mês de agosto, a gente teve o IPCA que foi o mais alto desde o Plano Real. Então, é um quadro dramático. E, infelizmente, o que eu entendo é que está por trás disso a falta de ação do governo. O resultado disso é que o Brasil, apesar de crescer, provavelmente vai crescer um pouquinho superior a 1%. E as previsões para 2022, que começaram lá na faixa de 2%, por bancos, instituições financeiras, hoje já estão na casa de 0,5%. Então, é um cenário muito ruim para 2022, certamente também terá impacto aí no quadro eleitoral. O Brasil já vem há muito tempo, alguns anos, com um quadro onde gasta mais do que arrecada.  Então, nós temos um déficit nas contas públicas mesmo antes de fazer o pagamento dos juros. Isso faz com que o governo acabe demandando capital, acabe demandando investimentos para pagar suas contas, demanda dinheiro do poupador. Esse dinheiro, que poderia estar indo para a geração de emprego, para iniciativa privada, boa parte vai financiar a dívida pública. E, além disso, você tem um nível de insegurança muito grande no quadro político brasileiro, muitas incertezas, até mesmo em relação ao processo eleitoral conduzido pelo presidente da República.

Sem reformas e venda de estatais – Nós teríamos que fazer reformas estruturais. No Brasil, a gente gasta mais de 50% do gasto do Estado com pagamento de aposentadorias. A reforma da Previdência foi feita. Só que toda a economia que foi prevista para os próximos 10 anos foi gasta aí praticamente durante a pandemia. Nós precisaríamos fazer também uma reforma tributária, porque o Brasil é um país que tem não só uma carga elevada de tributos, como ela é muito complexa. Então, você, para calcular os seus impostos, gasta muito tempo. Isso traz uma série de inseguranças e, depois, passivos fiscais. O Brasil é um país que tem muitos privilégios, especialmente na classe política, e em certo nível de servidores públicos. Isso também precisaria ser feito com a reforma administrativa, que trouxesse eficiente a máquina, e não foi feito. A reforma tributária não aconteceu, o Brasil não conseguiu equilibrar suas contas. Havia uma promessa também de que nós vendêssemos estatais, porque o governo deveria estar atuando naquilo que é essencial paro brasileiro: saúde, segurança, educação, e não administrando posto de gasolina, administrando extração de petróleo, instituições financeiras. E isso também não aconteceu. E nós temos ainda no Brasil quase R$ 350 bilhões que são benefícios fiscais dados por determinados setores, dados para determinados grupos. É dinheiro que sai do bolso do pagador de impostos para privilegiar setores que conseguem justamente colocar seus interesses aí à frente dos interesses da grande maioria. Então, tudo isso precisaria ser revisto.

Promessas x prática – Apesar do discurso do ministro Paulo Guedes e das promessas de campanha do presidente Bolsonaro, isso não aconteceu na prática. E, claro, com todo o quadro da pandemia, nós estamos ficando para trás. Estamos, hoje, num cenário de estagflação. Você está estável, você não cresce e, ao mesmo tempo, você tem inflação. Então, apesar de não crescer, o Banco Central sobe a taxa de juros para desestimular a economia. Então, nesse cenário, como é que a gente vai gerar renda, como é que a gente vai permitir que as pessoas tenham emprego quando o cenário é muito adverso? Então, eu volto a dizer, o que a gente deveria fazer seria implementar essas reformas. O governo privatizar, diminuir o ruído político, para que as pessoas pudessem ter segurança no Brasil para investir. Não só os brasileiros, mas também aqueles investidores externos. Em razão de tudo isso, eu acho que nós temos um quadro muito preocupante. A gente vê esses sinais todos não só na economia real, quanto no mercado também. Dólar subindo, consequentemente sobe a gasolina, consequentemente há uma série, vamos dizer, um ciclo vicioso que nos impede de crescer e gerar renda. O Brasil, nos últimos 10 anos, teve praticamente um crescimento negativo da renda per capita, né? Então, de novo, nós não estamos conseguindo combater a pobreza na medida em que o país não consegue gerar riqueza.

Guedes “virou a chave” – Paulo Guedes sempre teve um bom discurso de linha liberal, na linha das reformas que precisavam ser feitas no Estado brasileiro, para permitir que o empreendedor, especialmente o pequeno, possa sobreviver, e não apenas os grandes, no ambiente com pouca concorrência. Isso era para melhorar a vida das pessoas, gerar mais emprego. Então, ele sempre teve um discurso alinhado naquilo que eu acredito. Mas, infelizmente, na execução foi muito ruim. Não foi capaz de colocar o Congresso para tratar esses temas como a pauta prioritária. Ultrapassamos agora mil dias de governo e praticamente nada foi feito, com exceção da reforma da Previdência, que já vinha do governo Temer. Guedes se comprometeu com várias coisas, inclusive dando prazos, e nada aconteceu. Ficou transparente que ele mudou a chave. Passou a trabalhar com propostas que têm como principal objetivo não resolver a vida do brasileiro, mas dar algum alívio temporário, única e exclusivamente com foco nas eleições de 2022, sem fazer as reformas estruturais que são relevantes. E eu não vejo ele mudando esse roteiro. O que ele vai tentar fazer é aumentar um outro auxílio emergencial, mas não serão reformas estruturais. Então, obviamente, para quem quer investir, fica a sensação de que nada mudou. E, consequentemente, você não atrai recursos para reverter esse fato. Ele passou a ser muito mais um propagandista do governo. Está mais para ministro da Comunicação do que ministro da Economia, infelizmente.

Racha no Novo por impeachment de Bolsonaro – O Novo está muito consciente dessa pauta econômica. As grandes desavenças que existem no partido, hoje, estão mais ligadas a um apoio político ou não ao presidente Bolsonaro. Enquanto o partido se declarou como oposição, inclusive a favor do impeachment do presidente, a bancada federal, que eu diria que é o grupo de mandatários mais relevantes do Novo, esse grupo não se coloca majoritariamente favorável ao partido se colocar como oposição e a favor do impeachment. Então, isso, no meu ponto de vista, como filiado e como eleitor, cria uma dubiedade. Afinal de contas, esse partido é oposição a esse governo ou esse partido apoia esse governo? Eu acho que talvez fosse uma dúvida que pudesse existir nos primeiros seis meses, quando você fica esperando que as promessas de campanha sejam cumpridas. Mas, passados aí mil dias, tendo visto tudo o que foi feito e, principalmente, o que não foi feito, o desempenho do governo do presidente durante a pandemia, esse quadro econômico, na minha avaliação, nada justifica ainda não ter uma postura de oposição em relação ao governo.

Liberalismo é viável no Brasil? – Eu diria que o liberalismo não é só viável, como é muito necessário no Brasil. E é importante entender isso, porque muita gente diz o seguinte: “Bom, o Brasil é um país muito pobre. Como é que nós podemos diminuir o tamanho do Estado num país que tanto tem tantas carências?”. O problema é que o Estado brasileiro cresceu e inchou não para atender aos interesses do cidadão; ele cresceu e inchou, para atender a certos grupos privilegiados, para atender à classe política que se perpetua no poder. E todo esse crescimento deixou um ônus ao cidadão brasileiro. Nós temos incentivos fiscais de R$ 350 a 360 bilhões, que são 10 vezes o volume do Bolsa Família. Então, há uma inversão no nosso processo. É um Robin Hood às avessas. Ele concentra a renda para quem mais tem, tirando daquele que precisa. E qual é a ideia do liberalismo? A ideia do liberalismo é que o Estado de novo coloque o cidadão no centro do poder; tire o poder do grupo de privilégios, de grupos de interesse. É óbvio que nós precisamos de um Estado eficiente, de um Estado que possa atender aos mais pobres através de programas sociais que funcionem, mas que também, principalmente, crie um sistema educativo em que as pessoas possam crescer, que dê liberdade para elas empreenderem. Se tem uma carga tributária tão complexa, tão difícil, que você acaba viabilizando exclusivamente os grandes grupos, o que faz com que diminua a concorrência.

Como ficariam programas sociais com Banco do Brasil e Caixa Econômica privatizados? — Essa é uma boa questão. Eu continuo totalmente favorável à privatização da Caixa e do Banco do Brasil. Eu entendo que esses bancos privatizados teriam eficiência maior na sua atuação. Os programas assistenciais são importantes, especialmente o Bolsa Família, do qual sempre fui um grande defensor. A única coisa sempre que eu pontuo é que o sucesso do programa deve ser não pela quantidade de pessoas que ele atende, mas pela quantidade de pessoas que ele deixa de atender. Isso mostra que a pessoa, a partir de determinado momento, conseguiu montar o seu pequeno negócio, conseguiu um emprego e não está mais dependente daquilo. Essa é a única ressalva que eu faço. E esses programas que são conduzidos pelo Banco do Brasil, pela Caixa, eles recebem dinheiro do governo. Por exemplo, o próprio auxílio emergencial, que foi o único e exclusivamente distribuído pela Caixa. A verba veio do governo. Essa verba poderia ter sido direcionada para qualquer banco. Qualquer instituição poderia ter feito esse trabalho pelo governo, até talvez melhorasse para o cidadão. A gente viu, durante a pandemia, pessoas fazendo fila na Caixa Econômica para receberem o auxílio. Se, ao invés da Caixa apenas, tivéssemos o Banco do Brasil ou uma instituição privada, o Bradesco, o Itaú, participando disso também, seria melhor serviço. Então, acho que os produtos, hoje, os serviços podem, sim, continuar suportados pelo governo, mas não necessariamente com exclusividade para os bancos públicos, porque isso também é uma armadilha dos nossos políticos. Ao colocar o dinheiro, por exemplo, pela Caixa, parece que aquilo é algo que está sendo feito pelo presidente da República, quando, na verdade, aquilo é uma ação do Estado. Dá, sim, para fazer a privatização e manter os programas, de forma até talvez mais eficiente.

Privatização da Petrobras com várias estatais do petróleo no mundo – Primeiro, é interessante, e eu acho que essas menções até ajudam a mostrar a importância da privatização. Várias das empresas dos países citados são em países de estado árabe. Países claramente com viés estatal, como a China. Interessante que nessa lista, vamos deixar a Noruega de lado, a gente já volta a ela, que talvez seja o único ponto fora da curva aí, mas nós não tivemos nenhuma empresa da Alemanha, nenhuma empresa dos Estados Unidos, nenhuma empresa da Austrália, onde, justamente, a qualidade de vida do cidadão é muito melhor do que desses países citados. Isso é muito interessante. Quer dizer, a renda per capita dos países que não têm empresas estatais é muito maior, a qualidade de vida é muito melhor. Por quê? Porque, com a concorrência, você tem preços melhores. Porque não cabe ao Estado fazer esse trabalho de prospecção, ele pode ser feito pela iniciativa privada, e preferencialmente sem que monopólio. Hoje, mais de 90% do refino de petróleo no Brasil é feito único e exclusivamente pela Petrobras. Então, você tem um monopólio na atuação. E o ideal para o consumidor é que você tenha concorrência, para que ele tenha preços mais competitivos, serviços melhores. A Noruega é um país bem menor, tinha uma tradição já de uma economia diferente da nossa. Acho que um exemplo citado também, que é a Venezuela, é um país rico em petróleo e que tem um caos na sua economia. Então, fica claro que esses países foram por esse caminho, basicamente, porque têm uma visão de concentração no Estado, de concentração de poder, e não de melhoria de vida da população.

Porto do Açu e nova termelétrica GNA – Eu acho que é um importante investimento, sem dúvida. O Rio é um polo no setor de gás e óleo. Então, é fundamental a gente poder usar isso como uma vantagem competitiva, para nós crescermos. Mas acho que quando isso vem junto com a iniciativa privada, você tem algo muito mais sustentável e mais eficiente. Eu acho que é uma melhor alocação dos recursos. Então, se puder sempre, nesses casos, serem feitas parcerias público-privadas, sai um processo mais interessante, com maior capacidade de crescimento. Mas, sem dúvida, o Rio tem esse destaque e tem que aproveitar essa sua vantagem competitiva nesse segmento.

Série de painéis da Folha aponta retomada da vocação agropecuária, parceria com universidades e pregão eletrônico como soluções à crise financeira de Campos — Eu gosto muito das três. Se eu tivesse que acrescentar mais uma, até aproveitando a questão do polo universitário, que é algo fundamental hoje no mundo, seria mais inclusão digital. Quer dizer, geração de tecnologia, geração de software. Eu acho que a gente, o Rio de Janeiro, e aí falo não de Campos, mas do estado como um todo, poderia, sim, ser como a gente brinca que tem nos Estados Unidos um Vale do Silício. Quer dizer, o Rio poderia ser um lugar para formação nessa área tecnológica, de um ambiente mais digital. Quer dizer, geração de softwares, usando a inteligência que existe das pessoas no estado, o preparo para isso. Então, eu acrescentaria apenas esse quarto polo. Mas, acho que é um ótimo caminho, porque sempre esses programas e a estrutura que se faz têm que ser baseados nas suas vantagens competitivas. Acho que o ponto de partida é esse. Então, acho que foram muito bem acertados os pontos que vocês levantaram aí.

 

Página 2 da Folha da Manhã de hoje

 

Empresariado é hoje único segmento em que Bolsonaro tem maioria – Apesar de Bolsonaro estar em tendência clara de derretimento, ainda tem essa aceitação no grupo empresarial (47%, segundo a Datafolha de setembro). Na sua campanha, Bolsonaro se comprometeu com a Lava Jato, não se aliar a forças do Centrão, retomar o crescimento econômico, fazer privatizações, liberar economia, aumentar a nossa competitividade, fazer as reformas. E nada disso aconteceu. Quer dizer, o Bolsonaro foi exatamente na direção contrária: desfez a Lava Jato, aparelhou órgãos de Estado, tinha trazido o ministro Sérgio Moro no primeiro momento e tirou. No plano econômico, tem a atuação muito ruim do ministro da Economia, com volta de inflação e desemprego. Para piorar tudo isso, há duas características que, no meu entender, são muito graves: primeiro, o tratamento que ele deu à pandemia. Lá em março de 2020, ele disse que aquilo não era um problema, que poucas mortes existiriam. A partir de então, ele trabalhou a favor do vírus, privilegiando manifestações, não usando máscara, retardando a compra da vacina, não dando exemplo. Isso tudo foi muito ruim. E o segundo é o ataque às instituições democráticas, o questionamento do nosso sistema eleitoral, que vem funcionando há muitos anos. Com tudo isso e com os resultados que ele tem apresentado, no meu entender, a avaliação deveria ser ainda pior. E eu acredito que irá piorar, sim, porque o brasileiro está sentindo no bolso. Essa semana, a gente teve aí fotos das pessoas indo atrás de ossos, porque estão passando fome. É uma situação deplorável, fruto de uma má gestão pública. Não há nenhuma avaliação positiva do governo federal, em nenhuma frente. Para complementar, a questão do meio ambiente. Fazendo com que o Brasil, inclusive, tenha uma imagem no exterior hoje muito ruim. E o presidente vai à ONU e faz um discurso totalmente descolado da realidade. Então, de novo, eu me admiro com esses 47% dos empresários que ainda dão como positivo. Em março de 2020, no pronunciamento do Bolsonaro sobre a pandemia, me coloquei já defendendo que ele renunciasse. E, logo no mês seguinte, em abril de 2020, há praticamente um ano e meio, passei a defender o impeachment, pelos inúmeros crimes de responsabilidade que ele já tinha cometido. E continua cometendo.

Dos oito deputados federais do Novo, só três votaram com a orientação do partido contra o voto impresso – Eu acho que não tem explicação. Previamente à votação (em 17 de agosto, na Câmara Federal), eu coloquei nas redes sociais uma menção dizendo que, infelizmente, a gente, naquele dia, veria mais uma vez alguns integrantes da bancada do Novo votando contra a orientação do partido. Como a gente já sabia que havia posicionamentos destoantes em relação a ser oposição e ao impeachment. Eu fiz exatamente essa observação, que causou até um certo incômodo: se não há alinhamento dos mandatários com o partido nas pautas relevantes, não me parece que faria sentido aqueles mandatários concorrerem novamente pelo partido num próximo pleito. Eles podem ter lá os motivos pelos quais votaram diferente da instituição, mas não faz sentido você estar na instituição se, para temas relevantes, você tem um entendimento tão distinto. E o governo Bolsonaro, claramente, não segue os princípios e valores do Novo: os princípios da transparência, os princípios de cortar privilégios e benefícios. Bolsonaro é o presidente que mais gasta cartão corporativo. É um governante que ataca constantemente as instituições, ataca a imprensa, não tem preocupação com a vida humana. São coisas que nós assistimos frontalmente contrárias ao que o Novo acredita, ao que o Novo nasceu para existir. Então, não tem como, na minha avaliação, um partido político que foi concebido com princípios, com a vocação diferente, diametralmente oposta à do Bolsonaro, não se colocar como oposição a isso tudo. Centenas de milhares de brasileiros morreram pela irresponsabilidade do presidente da República. Não tem como, enquanto partido político, nós ficarmos calados e não nos colocarmos como oposição, uma voz forte gritando contra isso. Mas, hoje, eu sou apenas um filiado.

Experiência da eleição presidencial de 2018 – Eu digeri extremamente bem as eleições de 2018. Eu acabei chegando em quinto lugar, não sendo uma figura pública, no primeiro pleito em que eu participei, num partido pequeno, sem usar dinheiro público, sem participar de nenhum debate. E, mesmo assim, cheguei à frente de pessoas que estão na política há muito tempo, como o senador Álvaro Dias (Podemos), a ex-senadora Marina Silva (Rede), o ex-ministro Henrique Meirelles (MDB). E relativamente próximo do candidato do PSDB (ex-governador paulista Geraldo Alckmin), que gastou muito mais recurso e tinha uma estrutura muito maior. Então, óbvio que eu digeri muito bem. Meu grande problema é com as realizações ou a falta de realizações do governo Bolsonaro.

Bolsonaro renova a força do PT – A minha crítica a Bolsonaro, forte, não tem nada a ver com o pleito de 2018. Mas, sim com a atuação dele após as eleições. Inclusive, como a gente está vendo nas pesquisas, muita gente dizia que estava votando no Bolsonaro porque não gostava do PT, para derrotar o PT, e o que estamos assistindo hoje é um PT mais forte do que nunca, apesar de tudo o que fez lá atrás, basicamente pela aversão que o Bolsonaro criou em torno de si e do seu governo. Olhando 2022, o que que a gente vê hoje, a grosso modo, são 40% a 45% dizendo que votarão no Lula, 25% a 30% dizendo votarão no Bolsonaro.

Terceira via – Os outros cerca de 30% entre indecisos, brancos, nulos e distribuídos aí em meia dúzia de candidatos. E ninguém conseguiu ainda ser um polo catalizador desse desejo do nem Lula e nem Bolsonaro. Na medida em que o tempo passa e nenhum desses se torna esse polo e a aversão ao Bolsonaro vai ganhando mais espaço, o Lula, mesmo sem aparecer, mesmo sem fazer nada, vai conquistando esses votos. E a plateia, vamos dizer, os eleitores fiéis do Bolsonaro vão diminuindo, mas tem um núcleo duro que permanece com ele. Aparentemente, hoje, esse é o cenário que vai se consolidando. A minha visão é de que, nos próximos 30, 60 dias, teremos aí várias definições. A primeira é essa questão do PSDB, que terá suas prévias. Então, a gente vai saber se se será Eduardo Leite ou João Dória, está muito indefinido ainda. Outra questão importante é se o Moro, que tem também aí a questão da Lava Jato, é reconhecido como alguém que combateu a corrupção de forma muito eficaz, vai entrar ou não no pleito. Mas, mesmo essas definições podem ainda fazer com que a gente continue nessa situação. O que eu acho que mudaria radicalmente esse quadro seria, de fato, o impeachment do Bolsonaro, que é devido. Acho que é um quadro que seguirá indefinido por um tempo.

Divisão na divisão – Esse é um problema que acontece hoje: as candidaturas, não podia ser diferente, elas nascem dentro dos partidos. E os partidos políticos, hoje, têm uma divisão interna. A gente falou um pouco do Novo, mas não é só no Novo. Vários partidos: o DEM, o MDB, o PSDB, estão entre uma ala mais pró-governo e uma ala antigoverno. E essas divisões internas têm dificultado o endosso de uma candidatura única naquele partido. O Mandetta, por exemplo, na minha avaliação, é o exemplo disso: ele já se colocou lá como quadro no DEM, mas acaba não tendo, por parte do partido, a validação. Porque o DEM, ao mesmo tempo, tem quadros estaduais que são favoráveis ao Bolsonaro e que querem concorrer. Então, você tem uma Tereza Cristina, atual ministra da Agricultura, que vai sair para Mato Grosso do Sul; um Onyx Lorenzoni, ministro do governo Bolsonaro, que vai provavelmente sair para o Rio Grande do Sul. Então, eu acho que nós teremos ainda muitas indefinições no nível federal, enquanto os partidos, os seus membros vão tentar fazer as estratégias locais dentro do seguinte raciocínio: se no final das contas a gente realmente ficar numa eleição totalmente polarizada, com pouca chance de reverter, deixa eu pelo menos fazer a minha bancada de deputados e os meus representantes majoritários.

Siga o dinheiro – Por que que a bancada de deputados é muito importante para esses partidos? Porque eles vivem do fundo eleitoral e do fundo partidário. E esses recursos são proporcionais à quantidade de deputados federais que você tem. É um sistema muito ruim, porque é dinheiro do cidadão brasileiro que deveria estar indo para saúde, para educação. O Novo não usa fundo eleitoral e não usa fundo partidário, dinheiro que poderia estar sendo alocado em outras áreas e está sendo utilizado para campanhas políticas ou para manutenção de partidos e até de salários. Recentemente, saiu uma matéria mostrando que o ex-presidente Lula, o Ciro Gomes (PDT) como (pré-)candidato, o Roberto Jefferson (PTB), todos eles recebem remunerações dos partidos, que são bancadas pelo dinheiro público. Quem está nos assistindo, é bom saber que está pagando algum imposto em algum produto, que um pedaço desse imposto está indo pagar o salário do Roberto Jefferson. Então, eu acho que esse quadro ainda está muito indefinido e, pelos partidos, vai ser difícil uma reversão, na minha avaliação.

Pouca evolução – Uma mobilização da sociedade, em manifestações e em outras formas, nas mídias sociais, vai ser fundamental para a gente dar viabilidade a um candidato. Essa terceira via evoluiu muito pouco nessas discussões. Eu cheguei a participar de um ou outro movimento, quando a gente fez uma carta em defesa da democracia, mas o fato é que esse grupo pouco evoluiu. Acho que deveria ter evoluído numa pauta comum para retomada da economia, que é fundamental para o Brasil. Uma pauta comum para defesa do meio ambiente, para responsabilidade fiscal, para problemas sociais, e também um compromisso de que o próximo governante deste bloco se comprometesse a um único mandato. Seria uma forma de você não estar preocupado com reeleição, não ter nenhum acordo que pudesse trazer qualquer tipo de interesse contrário ao cidadão brasileiro. Mas, houve pouca evolução. Ainda tenho esperança que isso possa acontecer, mas o tempo está passando. A gente está aí a 12 meses exatos do pleito. Eu ainda estou vendo com algum ceticismo o combate a essa polarização hoje existente, o que não quer dizer que eu não vá continuar a trabalhar como cidadão e aproveitando a exposição dada pelo pleito de 2018 para tentar viabilizar algo. De novo: um programa, um pleito e alguns compromissos daquele que poderia ser o único representante, para que a gente possa agregar e ter mais chance nessa briga com os dois, que têm, obviamente, uma base eleitoral, uma exposição muito maior do que os demais nomes.

Pouco público nas manifestações antibolsonaro de 12 de setembro sem PT e Psol – Em termos de público, as manifestações de 12 de setembro, de fato, foram fracas. Mas elas tiveram um componente que eu julguei muito relevante. Estavam lá praticamente ou participaram dela, em tese, todos os presidenciáveis do outro lado. Estavam nas manifestações o Eduardo Leite, a Simone Tebet (MDB), o Henrique Mandetta, Ciro Gomes, o Alessandro Vieira (Cidadania). Então, assim, se mostrou ali que existe uma possibilidade de união. Nesse sentido, eu achei muito positivo. Agora, de fato, a gente volta ao ponto que eu comentei: a sociedade precisa se engajar, precisa participar. Sem isso, sem demonstrar que há um desejo genuíno da sociedade de mudança, que não pode ser expresso apenas numa vontade quando perguntado sobre uma pesquisa de como é que vai o governo Bolsonaro, tem que ser um processo muito mais ativo. E que isso não aconteceu nas manifestações.

Possibilidade de liquidar a fatura no primeiro turno – Se não houver esse enfrentamento, fica mais provável, de fato, a gente ter, daqui a 12 meses, uma polarização muito forte já no primeiro turno. E, eventualmente, até uma definição no primeiro turno. Agora, a gente precisa ter consciência também de que todo esse recuo do Bolsonaro, essa carta escrita pelo Temer, isso tudo são movimentos estratégicos com os quais ele não tem nenhuma convicção. Ele fez apenas para ganhar terreno, um terreno em que ele avançou fortemente. Ele cruza as barreiras e depois retrocede um pouquinho. Mas ele vai, com isso, ganhando espaço mais à frente. E se a gente não fizer como sociedade, dado que o Congresso não está fazendo isso, esse bloqueio, essa conta será nossa lá em 2022.

Nem Lula, nem Bolsonaro – Não gostaria de ter nenhum dos dois como presidente da República: o Bolsonaro, por todos o desgoverno que ele fez, por todos os atentados à democracia. E vamos imaginar num cenário em que ele é eleito, isso será ainda pior, né? Sem ter que fazer as promessas que no primeiro momento ele fez, ele vai dobrar as apostas. E, do outro lado, um presidente que participou de um partido que teve o Petrolão, teve o Mensalão, teve recessão (no governo Dilma Rousseff), e um partido que em nenhum momento teve a hombridade e a coragem de dizer “nós erramos”. E quando alguém não reconhece os seus erros, a minha leitura é de que ele está pronto para cometê-los novamente. E com projeto também de perpetuação no poder, numa linha populista.

O que falta? – Esse quadro me preocupa muito. Para revertê-lo, a gente precisa ter consciência, de fato, que só acontecerá se houver engajamento da população. Então, hoje, o cenário ainda é preocupante, porque não adianta nós ficarmos achando que virá alguém que, do nada, aparecerá e será capaz de conjugar um excelente plano de governo, conjugar a popularidade, um carisma, um cacife eleitoral que, nesses próximos meses, irá suplantar esses dois. É um processo difícil. Vamos lembrar que o Lula, antes de ser eleito, concorreu três vezes à presidência. Ele foi eleito na quarta, né? E é uma pessoa que fala bem, tem carisma. Podemos discordar do que ele fala, e eu discordo frontalmente dos conceitos, mas é uma pessoa que tem essa capacidade. Mas, mesmo assim, teve vários pleitos até ser eleito.

Voto nulo entre Lula e Bolsonaro – E até brinquei uma vez numa entrevista: você prefere morrer enforcado ou com um tiro? Porque, assim, eu me sinto morrendo junto com o Brasil e perdendo, eventualmente, mais uma década. Porque os dois, vamos lá: o Bolsonaro é um péssimo gestor, nunca foi um mandatário relevante, isso é fato. Com 28 anos, ele se mostrou, na prática, incapaz de colocar uma equipe, não tem conceitos em relação ao que deve ser o Estado. As suas prioridades, hoje, a um ano de eleição, e já há algum tempo, sempre foram eleitoreiras. Ele mostra que não está muito preocupado com o Brasil, foi um péssimo gestor, populista, não foi um líder, foi um mau chefe, eu diria. Escolheu pessoas em algumas pastas em que a gente teve muitos problemas, né? Meio Ambiente, Educação, o outro no Ministério das Relações Exteriores, uma série de cenários. Está muito mais preocupado consigo e sua família, com os filhos, em se proteger de acusações, do que propriamente governar o país. Para o que ele não tem nem vontade nem capacidade, e o país precisa muito disso. O presidente que assumir em 2023 vai pegar uma economia dilacerada, pessoas passando fome, um meio ambiente totalmente destruído, as instituições enfraquecidas. Então, não será um trabalho fácil. Do Lula, do outro lado, muita gente diz: “não, mas o Lula é mais democrático”. Eu não tenho esse entendimento, porque um partido que fez um esquema de voto de compra de votos nacional não me parece algo democrático. Você está indo brutalmente contra a democracia quando você está comprando pessoas lá. De novo: nos entregou, por ideias equivocadas, especialmente no trato da economia, um período de também realizações ruins. No governo da Dilma, não vamos esquecer, tivemos recessão forte em dois anos, e muito do crescimento que o Lula disse que teve, se mostrou que é insustentável. Programas assistenciais que não fizeram com que o Brasil, de forma consistente, saísse estruturalmente da pobreza. E tem o mesmo discurso populista de salvador da pátria. Acho que os dois têm essa característica. Não é isso que a gente precisa para a nação. E tem práticas também contra a liberdade, liberdade de imprensa, ele já falou que pretende regulamentar a mídia. Então, assim, são dois cenários, motivos alguns semelhantes, outros um pouco diferentes, mas que não farão com que o Brasil possa ser um país onde as pessoas tenham uma qualidade de vida melhor. Por isso coloco um voto nulo aí, porque não gostaria de endossar nenhum dos dois. E deixar esse alerta, de que a gente precisa trabalhar fortemente para ter outra opção.

Eleição a governador do Rio – Estou fora lá do Novo, até do processo seletivo. Eu não sei se o (deputado federal) Paulo Ganime já é definido (como pré-candidato a governador pelo Novo). A notícia que eu tenho é de que também tem outra pessoa, que é a Juliana Benicio, que foi candidata pelo Novo à Prefeitura de Niterói, que também me parece que vai participar ou já está participando da disputa interna pela vaga de candidata. Então, do Novo, talvez ainda tenha essa indefinição aí de quem seria o candidato. De novo, no Rio eu acho que está se formando também essa mesma polarização que a gente tem em nível nacional. Eu diria que de um lado, pelo governo Bolsonaro, a gente tem o Cláudio Castro (PL), atual governador, representando isso. E do outro lado, apesar de não estar concorrendo, o Eduardo Paes (PSD, prefeito do Rio) acho que se coloca como uma liderança principal nesse processo. E, ao que tudo indica, com o apoio do ex-presidente Lula. E aí, trazendo quadros como o Molon (PSB), talvez até como o Freixo (pré-candidato a governador do PSB), para participar desse processo. Há um certo afastamento dos extremos. Acho que, no Rio, a gente tende a ter esse embate, Lula e Bolsonaro, representado por esses candidatos (Freixo e Castro). O quadro me parece ainda muito incerto. Há também a ideia de que talvez viesse o presidente da OAB, o Felipe Santa Cruz, representando um nome trazido pelo Paes, com o apoio do Lula, junto com Alessandro Molon. Então, ainda está difícil a gente vislumbrar o que vai ser aqui no Rio. A gente sabe que as eleições no Rio sempre causam surpresa. A gente viu isso quando o Witzel (PSC, ex-governador), que era uma pessoa bastante desconhecida, do nada apareceu ali. Mas, na minha visão, eu acho que a gente vai ter essa polarização entre Lula e Bolsonaro refletida no ambiente estadual. E, de novo, como eu acho que o Bolsonaro continuará essa curva, pelas pesquisas, de aumento da sua rejeição. Portanto, o lado contrário ao Bolsonaro tende a ganhar força aí nesse processo. Vamos ver se surge algo independente que pudesse aí nos tirar dessa polarização e estar realmente focado na gestão do estado. E não nessa briga política que não nos interessa como cidadão fluminense.

 

Página 3 da edição de hoje da Folha da Manhã

 

Confira abaixo, nos três blocos, a íntegra dos vídeos com a entrevista de João Amoêdo na manhã de ontem (1º) ao Folha no Ar, na Folha FM 98,3:

 

 

 

 

Publicado hoje na Folha da Manhã.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 13 comentários

  1. Cesar Peixot

    São muitos torcendo contra o governo Bolsonaro, mas de uma coisa eu tenho certeza se ele não ganhar no primeiro turno, se for para o segundo turno não será Lula, o candidato que disputará com Bolsonaro.

    1. Aluysio Abreu Barbosa

      Caro Cesar Peixoto,

      Não, são muitos os que votaram em Bolsonaro no 2º turno de 2018, como Amoêdo, e hoje não o fariam nem que tussa a vaca. Cuja carne o povo brasileiro, sob o governo Bolsonaro, só conhece catando ossos no lixo dos açougues. Hoje, só há um pré-candidato a presidente em 2022 com chance de ganhar no primeiro turno. E é Lula. Votar em Bolsonaro no 1º turno, que perde para qualquer adversário no 2º, é entregar o poder de volta ao PT. Se não quer mesmo isso, abra os seus olhos enquanto ainda há tempo.

      Abç e grato pela chance de ressaltar o óbvio!

      Aluysio

  2. André Ribeiro

    Amoêdo é uma piada de si mesmo!

    1. Aluysio Abreu Barbosa

      Caro André Ribeiro,

      É uma “piada” cuja entrevista, só até o presente momento, 23h19 de domingo (03/10), já ultrapassou os 8,5 mil likes. Pelo visto, a imensa maioria levou muito a sério.

      Grato pela chance da constatação!

      Aluysio

  3. Cesar Peixot

    Não sou vidente, mas oitenta por cento das minhas previsões dos candidatos a cargo políticos foi positivo

    1. Aluysio Abreu Barbosa

      Caro Cesar Peixoto,

      Por favor, me adiante, então, os seis números das próximas 10 Mega Senas. Acerto em oito e divido a grana contigo.

      Abç e grato pela chance da proposta!

      Aluysio

  4. Cesar Peixot

    Garotinho só não ganhou para governador porque a midia sepultou a sua candidatura,ele morto como muitos andam falando elegeu dois filhos deputado. A verdade tarda mas não falha Cabral está preso até hoje, a agressão que ele sofreu na prisão veio a tons.

    1. Aluysio Abreu Barbosa

      Caro Cesar Peixoto,

      Defender Garotinho e Bolsonaro, ao mesmo tempo, seria piada, não fosse emblemático. O motivo do primeiro não ter se ido nem ao segundo turno da eleição a governador em 2014, é relativamente simples. Na definição precisa, à época, do ex-deputado estadual Paulo Melo, que está londe de ser uma flor de candura: “O único lugar em que um briga com 50, e bate, é filme de Bruce Lee”. E, com todo o respeito ao falecido artista marcial, vale o mesmo ao seu outro “mito”.

      Abç e grato pela chance da lembrança!

      Aluysio

  5. Cesar Peixot

    A pobreza e a miséria sempre existiu, nós estamos no período de uma pandemia no mundo todo, não é só o povo brasileiro que está passando por dificuldade. Mas eu tenho fé que dias melhores virão.

    1. Aluysio Abreu Barbosa

      Caro Cesar Peixoto,

      Desde a impalntação do Plano Real em 1994, o Brasil não via a miséria entre seu povo como agora, sob o governo Bolsonaro. Que náo é culpado pela pandemia. Mas por ter tido diante dela uma das piores gestões em todo mundo, agravando a crise econômica no Brasil bem mais que em seus vizinhos sulamericanos, à exceção da ditadura de Maduro na Venezuela.

      Abç e grato pela chance do diálogo.

      ALuysio

  6. Cesar Peixot

    A mídia tem que mostrar, que não foi o verde e amarelo que atacou com garrafa e pau Ciro Gomes no discurso na Paulista e sim foi o vermelho foi o PT.

    1. Aluysio Abreu Barbosa

      Caro César Peixoto,

      Sim, vc está coberto de razão. As tentativas lulopetistas de agressão a Ciro foram covardes e vergonhosas. E, sim, o lulopetismo e o bolsonarismo se assemelham no “nós contra eles” e no inaceitável uso da violência como arma política.

      Abç e grato pela chance de pontuar!

      Aluysio

Deixe um comentário