Opiniões

Após Wladimir e Fábio, vereador Anderson responde a Soffiati sobre Lagoa de Cima

 

Além das respostas (confira aqui) do prefeito Wladimir Garotinho (PSD) e do presidente da Câmara Municipal, vereador Fábio Ribeiro (PSD), as críticas do professor e eco-historiador Arthur Soffiati (confira aqui) ao Folha no Ar da manhã de ontem (26), mereceu hoje a resposta de outro vereador de Campos, Anderson de Matos (Republicanos). Ele confirmou o encontro pessoal com o ambientalista por conta do projeto que lidera no Legislativo goitacá, para exploração do turismo em Lagoa de Cima. Soffiati denunciou que o edil pretende avançar sobre a área de recuo na margem da lagoa, determinado pela legislação ambiental, o que Anderson contesta.

No respeito ao contraditório, confira abaixo a resposta do vereador aos questionamentos do eco-historiador:

 

Vereador Anderson de Matos e eco-historiador Arthur Soffiati (Montagem: Joseli Mathias)

 

Anderson — “O professor Soffiat é uma pessoa de grande e valiosos conhecimentos, pude recebê-lo em meu gabinete para discutirmos sobre a Lagoa de Cima. Porém, sobre a Lagoa de Cima, é imprescindível destacar que a FMP da Lagoa foi em tese definida pela Lei Estadual 1130 de 1987, e que conforme conhecimento público e notório não pode ser revogada pelo legislativo municipal. Porém, segundo o ordenamento jurídico atual a FMP/APP devem ser de 100 m, 50 m e 30 m, conforme as zonas nas quais estejam inseridas.

A Lagoa de Cima fica localizada a 28 Km do centro urbano de Campos dos Goytacazes, 15 hectares de espelho d’água e 18 Km de perímetro (margem). Deste total, aproximadamente 5 Km encontra-se ocupado por mais de 400 edificações, entre moradias e estabelecimentos comerciais, todos irregulares perante à legislação, todavia consolidados. Ou seja, à luz da legislação, podemos considerar que em futuro próximo a esses 5 quilômetros poderão ser considerados área urbana. E, portanto, a FMP/APP será de 30 m. E em todos resto será 100 m.

A ideia é que o município seja mais restritivo e mantenha a FMP/APP em 50 m. Valendo destacar ainda dentro da questão ambiental a questão do saneamento, água e esgoto como mecanismo de proteção à saúde e ao meio ambiente. Diante disso podemos utilizar de forma sustentável e legal a Lagoa de Cima para geração de riqueza, emprego e renda em nossa cidade. Uma cidade que se encontra em calamidade fiscal e financeira com 45.628 famílias na extrema pobreza, ter um local com o enorme potencial turístico como a Lagoa de Cima, e não utilizá-lo para o desenvolvimento econômico local sustentável, é no mínimo incoerência”.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem um comentário

  1. HUMMMM!! INTERESSANTE E OUTROS CASOS EM CAMPOS/RJ QUE PASSAM DESPECEBIDO EX: BARCOS NAS FAIXAS AREIA?
    LIXOS JOGADOS Á BEIRA PISTA NA PRAIA; LAGOA PRAIA LIXÃO A CÉU ABERTO!! EM FAROL SÃO THOMÉ CARTÃO POSTAL NA ENTRADA É NADA MAIS NADA MENOS MAL CHEIRO INSUPORTÁVEL HÁ ANOS E APENAS VISÃO FINACEIRA E INVESTIMENTOS NA ÁREA AMBIENTAL ISSO NÃO DARÁ RETORNO AO GOVERNO MUNICIPAL????? POR ISSO NIGUÉM SE ATENTA POR ESTE DESCASO HÁ ANOS “DESDE GAROTINHO” QUE IRONIA DESTINO HEIN!!!!!

Deixe uma resposta

Fechar Menu